HISTÓRIAS EM QUADRINHOS PARA A POPULARIZAÇÃO DO USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS

Autores

Palavras-chave:

Uso Racional de Medicamentos, Educação em Saúde, Popularização do Conhecimento, Histórias em Quadrinhos

Resumo

O uso irracional de medicamentos é uma preocupação mundial, por isso a educação em saúde é fundamental para mitigação dessa prática em saúde. O presente trabalho teve por objetivo descrever as atividades de promoção do uso racional de medicamentos desenvolvidos pela Farmácia Universitária (FU), na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT).  Trata-se de um relato de experiência descrevendo a elaboração de histórias em quadrinhos e o desenvolvimento das atividades com cerca de cinco mil alunos do ensino médio e fundamental de escolas públicas, localizadas no município do Rio de Janeiro. Os temas abordaram: o uso racional de antimicrobianos; automedicação; medicamentos fora do prazo de validade; descarte de medicamentos e descontinuidade no tratamento, como caminho para ampliar o conhecimento dos participantes. Pode-se concluir que as histórias em quadrinhos foram instrumentos eficientes para educação em saúde, e uma estratégia para o seu desenvolvimento na SNCT de 2019.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luis Phillipe Nagem Lopes, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Aluno de graduação do Curso de Farmácia da UFRJ.

Luiz Eduardo Fileto Caldeira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Aluno de graduação do Curso de Pintura - Escola de Belas Artes, Bolsista do Programa Institucional de Fomento Único de Ações de Extensão (PROFAEX).

Mariana Sato de Souza de Bustamante Monteiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Profa. de Farmacotécnica II, Estágio Supervisionado em Manipulação Alopática, Monitoria do Departamento de Fármacos e Medicamentos - Faculdade de Farmácia/ UFRJ.
Tutora do Programa de Educação Tutorial (PET) da Faculdade de Farmácia.
Co-responsável pelo Programa Farmácia Universitária da UFRJ.
Doutorado em Ciências e Tecnologia de Polímeros no Instituto de Macromoléculas Professora Eloisa Mano (IMA) / UFRJ, em parceria com o Instituto Superior Técnico, Lisboa / Portugal.

Zaida Maria Faria de Freitas, Universidade Federal do Rio de Janeito

Farmacêutica, doutora em Fármacos e Medicamentos, FCF-USP/SP

Colaboraboradora em Projetos de Extensão

Departamento de Fármacos e Medicamentos

Área: Biofarmacotécnica

Márcia Maria Barros dos Passos, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Profa de Farmácia Hospitalar e Farmacovilângia do Departamento de Fármacos e Medicamentos - Faculdade de Farmácia/ UFRJ.
Doutorado em Saúde Coletiva (UERJ).

Dalila dos Santos Cerqueira Pinto, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Diretora Adjunta de Extensão da Escola de Belas Artes/UFRJ.
Profa de Desenho do Departamento de Análise da Forma da Escola de Belas Artes/UFRJ.
Doutorado em Artes Visuais - PPGAV/UFRJ.

Elisabete Pereira dos Santos, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Coordenadora do Programa de Extensão Farmácia Universitária.
Profa de Dermocosméticos do Departamento de Fármacos e Medicamentos - Faculdade de Farmácia/ UFRJ.
Doutorado em Química Orgânica - IME.

Referências

Alcântara, C. S. de, & Bezerra, J. A. B. (2016). O lúdico, a escola e a saúde: a educação alimentar no gibi. Trabalho, Educação e Saúde, v. 14(3), p. 889–904. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00020. Acesso em 23 Jun. 2020.

Aronson, J. K., & Grahame Smith, D. (2004). Tratado de farmacologia clínica e farmacoterapia. Editora Guanabara Koogan.

Arrais, P. S. D., Coelho, H. L. L., Batista, M. D. C. D. S., Carvalho, M. L., Righi, R. E., & Arnau, J. M. (1997). Perfil da automedicação no Brasil. Revista de Saúde Publica, v. 31(1), p. 71–77. Recuperado de https://doi.org/10.1590/s0034-89101997000100010. Acesso em 23 Jun. 2020.

Arrais, P. S. D., Brito, L. L., Barreto, M. L., & Coelho, H. L. L. (2005). Prevalence and determinants of medicines consumption in Fortaleza, Ceará, Brazil. Cadernos de Saúde Pública, v. 21(6), p. 1737–1746. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0102-311X2005000600021. Acesso em 23 Jun. 2020.

Barros, J. A. C. (2004). Políticas farmacêuticas: a serviço dos interesses da saú-de? Editora Unesco. Recuperado de http://www6.ensp.fiocruz.br/visa/?q=no-de/4841. Acesso em 23 Jun. 2020.

Bila, D. M., & Dezotti, M. (2003). Pharmaceutical drugs in the environment. Qui-mica Nova, v. 26(4), p. 523–530. Recuperado de https://doi.org/10.1590/s0100-40422003000400015. Acesso em 23 Jun. 2020.

Blankenstein, G. M. P, Philippi, J. A. (2018). O descarte de medicamentos e a política nacional de resíduos sólidos: uma motivação para revisão das normas sanitárias. R. Dir. sanit., v. 19(1), p. 50–74. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/rdisan/article/view/148124. Acesso em 23 Jun. 2020.

Blum, B., Luiza, V. L., & Bermudez, J. A. Z. (2011). Acesso a medicamentos medido no nível domiciliar: a proposta da OMS e outras iniciativas brasileiras. Rev Bras Farm, v. 92(3), p. 223–31.

Bonfim, M. A. A. (2015) A visão de alunos do ensino fundamental sobre ciência e tecnologia: Um estudo de caso sobre a contribuição da semana nacional de C&T. Dissertação para obtenção do título de Mestre em Ciência, Tecnologia e Educação, do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fon-seca. Rio de Janeiro.

Borrely, S. I., Caminada, S. M. L., Ponezi, A. N., Santos, D. R. dos, & Silva, V. H. O. (2012). Contaminação das águas por resíduos de medicamentos: Ênfase ao cloridrato de fluoxetina. Mundo Da Saúde, p. 556–563. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/handle/11449/73640. Acesso em 23 Jun. 2020.

Brasil. Ministério da Saúde (2012). Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Uso racional de medicamentos: temas selecionados / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de https://saude.gov.br/saude-de-a-z/uso-racional-de-medicamentos. Acesso em 23 Jun. 2020.

Caruso, F., De Carvalho, M., & Silveira, M. C. (2002). Uma proposta de ensino e divulgação de ciências através dos quadrinhos. Ciência & Sociedade, v.8, p.1–9. Recuperado de https://d1wqtxts1xzle7.cloudfront.net/35659001/quadrinhos_em_ciencias.pdf. Acesso em 23 Jun. 2020.

Dal Pizzol, T. da S., Piccoli, A., Brugnera, Q., Schenkel, E. P., & Mengue, S. S. (2006). Essential medicines stored in households in Southern Brazil. Acta Farm. Bonae-rense, v. 25, p.601–607. Recuperado de https://www.researchgate.net/publica-tion/291758110. Acesso em 23 Jun. 2020.

Darnaud, R., & Dato, M. I. (2009). Educación para la salud en escuelas argenti-nas: Concurso de plástica como actividad motivadora. Revista Panamericana de Salud Publica/Pan American Journal of Public Health, v. 25(2), p. 181–187. Recu-perado de https://doi.org/10.1590/s1020-49892009000200013. Acesso em 23 Jun. 2020.

Ducati, L. A., Fonseca M. B., Franca De Araújo, G., Zini, U. L., Gonçalves, R. M. R., & Andreoli, P. T. D. J. (2005). Monitoração de propaganda e publicidade de medicamentos: mbito de São Paulo. Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences, v. 41(3), p. 345–349. Recuperado de https://doi.org/10.1590/s1516-93322005000300007. Acesso em 23 Jun. 2020.

Duro Martínez, J. C. (2003). El Discurso de los Profesionales de Atención Primaria de la Comunidad de Madrid Acerca del Trabajo con Grupos: Sobre Técnicas y Técnicos. Revista Espanola de Salud Publica, v. 77(5), p. 615–627. Recuperado de https://doi.org/10.1590/s1135-57272003000500010. Acesso em 23 Jun. 2020.

Elisa, M., Carbonari, E., & Pereira, A. C. (2015). A extensão universitária no Brasil, do assistencialismo à sustentabilidade. Revista de Educação, v. 10, p. 1–6. Re-cuperado de https://pdfs.semanticscholar.org/d7cd/0b5a59d228e8b6ec031a-57350211b5e213d1.pdf. Acesso em 23 Jun. 2020.

Fórum de Pró-reitores de Extensão das instituições públicas deeducação su-perior brasileira (FORPROEX). Política Nacional de Extensão Universitária. PortoAlegre: UFRGS/Pró-Reitoria de Extensão, 2012.

Hughes, S. R., Kay, P., & Brown, L. E. (2013). Global synthesis and critical evaluation of pharmaceutical data sets collected from river systems. American Chemical Society, v. 47, p. 661–667. Recuperado de . https://doi.org/10.1021/es3030148. Acesso em 23 Jun. 2020.

Koch, C. R., Ribeiro, J. C., Schnor, O. H., Zimmermann, B. S., Müller, F. M., D’Agostin, J., Machado, V., & Zhang, L. (2008). Resistência antimicrobiana dos uropatóge-nos em pacientes ambulatoriais, 2000-2004. Revista Da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 41(3), p. 277–281. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0037-86822008000300010. Acesso em 23 Jun. 2020.

Kotecki, J. E., Elanjian, S. I., & Torabi, M. R. (2000). Health promotion beliefs and practices among pharmacists. Journal of the American Pharmaceutical Association, v. 40(6), p. 773–779. Recuperado de https://doi.org/10.1016/S1086-5802(16)31124-X. Acesso em 23 Jun. 2020.

Lima, G. B., Nunes, L. C. C., & de Barros, J. A. C. (2010). Uso de medicamentos armazenados em domicílio em uma população atendida pelo Programa Saúde da Família. Ciência e Saúde Coletiva, 15(SUPPL. 3), 3517–3522. Recuperado de https://doi.org/10.1590/s1413-81232010000900026.

Luiza, V. L., Mendes, L. V. P., Tavares, N. U. L., Bertoldi, A. D., Fontanella, A. T., Oliveira, M. A., Campos, M. R., Arrais, P. S. D., ... Farias, M. R. (2019). Inappropriate use of medicines and associated factors in Brazil: an approach from a national household survey. Health Policy and Planning, v. 34, p.27–35. Recuperado de https://doi.org/10.1093/HEAPOL. Acesso em 23 Jun. 2020.

Mancuso, R. (2000). Feiras de Ciências: produção estudantil, avaliação, con-seqüências. Contexto Educativo: Revista Digital de Investigación y Nuevas Tecnologías, v. 6, p. 8. Recuperado de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articu-lo?codigo=1024170. Acesso em 23 Jun. 2020.

Mastroianni, P. de C., Lucchetta, R. C., Sarra, J. dos R., & Galduróz, J. C. F. (2011). Estoque doméstico e uso de medicamentos em uma população cadastrada na estratégia saúde da família no Brasil 1. Rev. Panam. Salud Publica, v. 29(5), p. 358–364. Recuperado de https://www.scielosp.org/pdf/rpsp/2011.v29n5/358-364. Acesso em 23 Jun. 2020.

Matos, G. C., Rozenfeld, S., & Bortoletto, M. E. (2002). Intoxicações medica-mentosas em crianças menores de cinco anos. Revista Brasileira de Saude Materno Infantil, v. 2(2), p.167–176. Recuperado de https://doi.org/10.1590/s1519-38292002000200009. Acesso em 23 Jun. 2020.

Mendonça, S. G. L, Silva, P. S. A. (2002). Extensão universitária: uma nova relação com a administração pública. In Calderón, A. I. & Sampaio, H. (orgs). Extensão Universitária: ação comunitária em universidades brasileiras. São Paulo, v. 3, p. 29–44.

Minayo, M. D. S. (2008). O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saú-de. Editora Hucitec, 9ª Edição.

Morato, M. A., Struchiner, M., Bordoni, E., & Ricciardi, R. M. V. (1998). Represen-tação visual de estruturas biológicas em materiais de ensino. História, Ciências, Saúde-Manguinhos., v. 5(2),p. 415–433. Recuperado de https://doi.org/10.1590/s0104-59701998000200007. Acesso em 23 Jun. 2020.

Negrete, A., & Lartigue, C. (2004). Learning from education to communicate science as a good story. Endeavour, v. 28, p.120–124. Recuperado de https://doi.org/10.1016/j.endeavour.2004.07.003. Acesso em 23 Jun. 2020.

Negrete, A. (2019). Science via fictional narratives. Ludus Vitalis, v. 10, p. 197–204. Disponível em: http://www.ludus-vitalis.org/ojs/index.php/ludus/article/viewFile/584/586. Acesso em 23 Jun. 2020.

Oliveira, T. B. M., & Presoto, L. H. (2009). Effectiveness of a health promotion in pre-school infants program in the city of Anápolis, Goiás State. Ciência & Saúde Coletiva, v. 14(5), p. 1891–1902. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000500031. Acesso em 23 Jun. 2020.

Organização Pan Americana de Saúde (2007). Relatório de Oficina de trabalho. Uso racional de medicamentos na perspectiva multiprofissional. Brasília. Recupe-rado de https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_docman&view=lis-t&Itemid=965&slug=medicamentos-tecnologia-e-pesquisa-075. Acesso em 23 Jun. 2020.

Pepe, V. L. E., Ventura, M., Sant’ana, J. M. B., Figueiredo, T. A., de Souza, V. dos R., Simas, L., & Osorio de Castro, C. G. S. (2010). Caracterização de demandas judiciais de fornecimento de medicamentos “essenciais” no Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saude Publica, v. 26(3), p. 461–471. Recuperado de https://doi.org/10.1590/s0102-311x2010000300004. Acesso em 23 Jun. 2020.

Pereira, B., Silva, K. S. S., & Souza, R. P. de. (2009). Um cidadão não nasce grandão. Saúde e Sociedade, v. 18, p. 93–95. Recuperado de https://repositorio.usp.br/bitstream/handle/BDPI/6364/art_PEREIRA_Um_cidadao_nao_nasce_gran-dao_2009.pdf?sequence=1. Acesso em 23 Jun. 2020.

Pfaffenbach, G., Carvalho, O. M., & Bergsten-Mendes, G. (2002). Drug adver-se reactions leading to hospital admission. Revista Da Associação Médica Brasileira, v. 48(3), p. 237–241. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0104-42302002000300037. Acesso em 23 Jun. 2020.

Rama, A., & Vergueiro, W.. (2008). Como usar as histórias em quadrinhos na sala de aula. Editora Contexto.Rancich, A. M., Ferrarini, S. O., & Homero Palma, N. (1989). Experiencia de en-señanza-aprendizaje: cambio de creencias y conductas en el manejo del agua de consumo. Revista de Saude Publica, v. 23(3), p. 183–188. Recuperado de ht-tps://doi.org/10.1590/s0034-89101989000300002. Acesso em 23 Jun. 2020.

Rauber, C., Feltrin, M. R., & Piovezan, A. P. (2009). Evaluation of antibiotics dis-pensing profile in Tubarão, Santa Catarina, Brazil. Brazilian Journal of Pharma-ceutical Sciences, v. 45(4), p.787–793. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S1984-82502009000400024. Acesso em 23 Jun. 2020.

Rebolho, M. C. T., Casarotto, R. A., & João, S. M. A. (2009). Estratégias para ensino de hábitos posturais em crianças: história em quadrinhos versus experiência prática. Fisioterapia e Pesquisa, v. 16(1), p. 46–51. Recuperado de https://doi.org/10.1590/s1809-29502009000100009. Acesso em 23 Jun. 2020.

Rodrigues, A. L. L., Costa, C. L. N. do A., Prata, M. S., Batalha, T. B. S., & Neto, I. de F. P. (2013). Contribuições da extensão universitária na sociedade. Caderno de Graduação - Ciências Humanas e Sociais - UNIT - SERGIPE, v. 1(2), p. 141–148. Recuperado de https://periodicos.set.edu.br/index.php/cadernohumanas/article/view/494. Acesso em 23 Jun. 2020.

Santos, V., & Ottati Oliveira Nitrini, S. M. (2004). Indicadores do uso de medica-mentos prescritos e de assistência ao paciente de serviços de saúde. Revista de Saúde Pública, v. 38(6), p. 819–826. Recuperado de https://doi.org/10.1590/s0034-89102004000600010. Acesso em 23 Jun. 2020.

Santos, M. P. (2014). A extensão universitária como “laboratório” de ensino, pesquisa científica e aprendizagem profissional: um estudo de caso com es-tudantes do curso de licenciatura em pedagogia de uma faculdade particular do estado do Paraná. Extensio: Revista Eletrônica de Extensão, v. 11(18), p. 36–52. Recuperado de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6184534. Acesso em 23 Jun. 2020.

Schommer, J. C., & Cable, G. L. (1996). Current status of pharmaceutical care practice: Strategies for education. American Journal of Pharmaceutical Edu-cation, v. 60(1), p. 36–41. Recuperado de https://experts.umn.edu/en/publi-cations/current-status-of-pharmaceutical-care-practice-strategies-for-edu. Acesso em 23 Jun. 2020.

Souza, A. L. L. (2000). A história da extensão universitária. 1.ed. Campinas: Editora Alínea.

Souza, H. P., Vilhordo, D. W., Breigeiron, R., Alessandretti, M. B., & Silva, T. G. B. (2008). Auditoria no uso de antimicrobianos em enfermaria cirúrgica. Revista do Colegio Brasileiro de Cirurgiões, v. 35(4), p. 216–220. Recuperado de https://doi.org/10.1590/s0100-69912008000400002. Acesso em 23 Jun. 2020.

Souza, J. C. (2018). Promoção da Saúde e Segurança dos Alimentos, uma Abor-dagem em Saúde Coletiva. Revista Extensão. XIV, n. 1.

Spiandorello, W. P., Faintuch, J., Ribeiro, G. T., Karkow, F. J., & Alvares, J. O. (2006). Use of multiple antimicrobial drugs by clinical patients: A prognostic index of hospital mortality? Clinics, v. 61(1), p. 15–20. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S1807-59322006000100004. Acesso em 23 Jun. 2020.

Uchôa, C. M. A., Serra, C. M. B., Magalhães, C. de M., Silva, R. M. M. da, Figliuolo, L. P., Leal, C. A., & Madeira, M. de F. (2004). Health education: teaching about American tegumentary leishmaniasis. Cadernos de Saúde Pública, v. 20(4), p. 935–941. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0102-311X2004000400007. Acesso em 23 Jun. 2020.

Universidade Federal do Rio de Janeiro. (2004). Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. Recuperado de https://snct.pr5.ufrj.br/. Acesso em 23 Jun. 2020.WHO - World Health Organization. (1985). Sudden cardiac death: report of a WHO scientific group [meeting held in Geneva from 24 to 27 October 1984]. Recuperado de https://apps.who.int/iris/handle/10665/39554. Acesso em 16 Jun. 2020.

WHO - World Health Organization. (2015). Worldwide country situation analysis: response to antimicrobial resistance: summary (No. WHO/HSE/PED/AIP/2015.1). World Health Organization. Recuperado de https://apps.who.int/iris/bits-tream/handle/10665/163473/WHO_HSE_PED_AIP_2015.1_eng.pdf. Acesso em 16 Jun. 2020.

Publicado

2020-12-30

Edição

Seção

Artigos