IMPACTOS DE UMA TECNOLOGIA SOCIAL DE CONFECÇÃO DE BOLSAS NO COMBATE À POBREZA

UM CASO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NO INTERIOR DO CEARÁ

Autores

Palavras-chave:

Tecnologia Social, Extensão universitária, Pobreza

Resumo

Neste trabalho, tem como objetivo analisar a tecnologia social de confecção de bolsas como estratégia de combate
à pobreza a partir de um projeto de extensão universitária em um bairro no interior de um município cearense. Foram
realizadas dez oficinas vinculadas a essa tecnologia social com a participação de cinco mulheres, sendo aplicado um Grupo Focal de avaliação de impactos. Foi realizada análise de conteúdo do material transcrito. Identificamos que a tecnologia social de confecção de bolsas fortaleceu os vínculos afetivos entre as participantes. Também ocorreu a aprendizagem da confecção de bolsas, de educação financeira e de compreensões críticas sobre direitos sociais. Com isso, concluímos que a extensão universitária, alinhada à realização de tecnologia social, proporcionou mudanças para as envolvidas tanto no nível operativo como no nível de criticidade e de emancipação social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Aílton de Sousa Lima, Universidade Federal do Ceará

Mestrando em Psicologia Pela Uiversidade Federal do Ceará (UFC); Bacharel em Humanidades, Sociólogo e Especialista em Gestão Pública Municipal pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB); e pesquisador colaborador na Rede de Estudos e Afrontamentos as Pobrezas, Discriminações e Resistencias (ReaPODERE).

Sandy Kelly Santana de Oliveira, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Bacharela em Humanidades pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira (UNILAB). Graduanda em Bacharelado em Antropologia pela UNILAB. Pesquisadora e extensionista da Rede de Estudos e Afrontamentos das Pobrezas Discriminações e Resistências (REAPODERE). Realiza pesquisas nas áreas de gênero, sexualidade e feminismo.

Camila da Conceição, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Bacharela em Humanidades pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afrobrasileira (UNILAB). Graduanda em Pedagogia pela UNILAB. Pesquisadora e extensionista da Rede de Estudos e afrontamentos das pobrezas discriminações e resistências (REAPODERE).

Vanessa Silva Oliveira, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Bacharela em Humanidades pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira (UNILAB). Graduanda em Pedagogia pela UNILAB. Pesquisadora e extensionista da Rede de Estudos e afrontamentos das pobrezas discriminações e resistências (REAPODERE).

Jéssica Rodrigues Malaquias , Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Graduanda em Bacharelado Interdisciplinar em Humanidades, pela Universidade da Integração da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB). Bolsista Idioma sem fronteiras / Núcleo de línguas - UNILAB (2019). Facilitadora do projeto de extensão: Rede de estudos e Afrontamentos das Pobrezas, Discriminações e Resistências (reaPODERE) e do projeto de Extensão Ouvindo Música

James Ferreira Moura Jr., Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Professor da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB); Professor no Programa de Pós-graduação em Psicologia na Universidade Federal do Ceará (UFC); e Coordenador da Rede de Estudos e Afrontamentos as Pobrezas, Discriminações e Resistências (ReaPODERE)

Referências

Accorssi, A. & Scarparo, H. (2019). Social Representations of Poverty. Psychosocial. In: Ximenes, V. M., Nepomuceno, B. B, Cidade, E.C. & Moura Jr., J.F. (Org.). Psychosocial Implications of Poverty: Diversities and Resistances (pp. 17-36). Cham: Springer.

Accorssi, A. Accorssi, H. & Guareschi, P. (2012). A naturalização da pobreza: reflexões sobre a formação do pensamento social. Psicologia e Sociedade (Impresso), 24, 536-546.

Bardin, L. (2010). Análise de conteúdo. 4. Ed. Lisboa: Edições 70.

Bava, S. C. (2004). Tecnologia Social: uma estratégia para o desenvolvimento. Fundação Banco do Brasil, Rio de Janeiro.

Batista, Z. N. & Kerbauy, M. T. M. (2018). A Gênese da Extensão Universitária Brasileira no Contexto de Formação do Ensino Superior. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, 13(3), 916-930.

Beauclair, J. (2009). Quem aprende, ensina. Quem ensina, aprende. Contribuições reflexivas a partir da psicopedagogia. Portal do Psicólogo, pp. 1-10. Disponível em: https://www.psicologia.pt/artigos/textos/AOP0198.PDF

Bomfim, L. A. (2009). Grupos focais: conceitos, procedimentos e reflexões baseadas em experiências com o uso da técnica em pesquisas de saúde. Physis Revista de Saúde Coletiva, 19(3), 777-796.

Bonilha, M. C. & Sachuk, M. I. (2011). Identidade e tecnologia social: um estudo junto às artesãs da Vila Rural Esperança. Cad. EBAPE.BR, 9(2), 412-437. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cebape/a/9DJnjM8zxvbPdWZSWvwPWQx/abstract/?lang=pt

Cidade, E. Moura, Jr., J. Sarriera. J & Ximenes, V. (2014). Concepções de pobreza: um convite à discussão psicossocial. Temas em Psicologia, 22(2), 341–352.

Costa, L. S. (2007). O cooperativismo: uma reflexão teórica. Ciências Sociais em Perspectiva, 6(11), 56-64.

Cristofoletti, E. C. & Serafim, M. P. (2020). Dimensões Metodológicas e Analíticas da Extensão Universitária. Educação & Realidade, Porto Alegre, 45(1), 1-20.

Fahel, M., Teles, L. R. & Caminha, D. A. (2016). Para além da renda: uma análise da pobreza multidimensional no Brasil. São Paulo: Revista Brasileira de Ciências Sociais, 31(92), 1-21.

Félix, W. J. S., Quirino, R. H. R,. Grangeiro, R. R, & Silva Jr, J. T. (2009). A Relação entre Tecnologia Social e o Desenvolvimento Local Participativo: a Apaeb e o 66 Instituto Palmas como Expressão destes Vínculos. Revista ADM.MADE, 13(2), 16-33.

Freire, P. (1987). Pedagogia do Oprimido, 17ª. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra.

Gibbs, G. (2009). Análise de Dados Qualitativos. Porto Alegre: ArtMed.

Góis, C. W. L. (2004). Psicologia Comunitária. Universitas Ciências da Saúde, 2(1), 277-297.

Góis, C. W. L. (2005). Psicologia Comunitária: atividade e consciência. Fortaleza, CE: Publicações Instituto Paulo Freire de Estudos Psicossociais.

Góis, C. W. L. (2012). Psicologia Clínico-comunitária. Fortaleza: Banco do Nordeste.

Grundy, S. J. & Kemmis, S. (1982). Educational action research in Australia: the state of the art. Geelong: Deakin University Press.

ITS BRASIL (2004). Caderno de Debate – Tecnologia Social no Brasil. São Paulo:ITS.

Lassance, A. & Pedreira, J. S. (2004). Tecnologia Social: Uma Estratégia Para o Desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil.

Maciel, A. L. S. & Fernandes, R. M. C. (2011). Tecnologias sociais: interface com as políticas públicas e o Serviço Social. Serviço Social & Sociedade, [s.l.], (105),146-165.

Martín- Baró, I. (2011). Desafios e Perspectivas da Psicologia Latino-Americana. In: Guzzo, R. S. L., & Lacerda, J, F. Psicologia Social para a América Latina: o Resgate da Psicologia da Libertação. São Paulo: Alínea, 2 ed., pp.199-220.

Martín-Baró, I. (2017). A desideologização como contribuição da Psicologia Social para o desenvolvimento da democracia na América Latina. Violência na América Central: uma visão psicossocial. In: MARTÍN-BARÓ. Crítica e Libertação na Psicologia: Estudos Psicossociais. (pp. 55-65). Petrópolis: Vozes.

Mendonça, S. G. L. & Silva, P. S. (2002). Extensão Universitária: Uma nova relação com a administração pública. Extensão Universitária: Ação Comunitária em Universidades Brasileiras. São Paulo, 3, 29-44.

McMillan, D. W. & Chavis, D. M. (1986). Sense of community: A definition and theory. New York (EUA): Journal of Community Psychology, 14(1), 6-23.

Minayo, M. C. S & Sanches, O (1993). Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementaridade? Caderno de Saúde Pública, 9(3), 239-262.

Moura Jr., J. F., Ximenes, V. M. & Sarriera, J. C. (2014). A construção opressora da pobreza no Brasil e suas consequências no psiquismo. Quaderns de Psicología,16(2), 85-93.

Moura Jr., J. F. & Ximenes, V. M. (2016). A identidade social estigmatizada depobre: uma constituição opressora. Niterói: Fractal: Revista de Psicologia, 28(1),76-83.

Moura Jr., J. F., Rebouças Jr., F. G., Alencar, A. B., Oliveira, A. K. S. P., Pinho, A. M. M.,Ximenes, V. M., & Gadelha, A. K. S. (2014). Intervención comunitaria con mujeres a partir de la actuación en Red en Psicología Comunitaria: Una Experiencia em una Comunidad en Brasil. Psicoperspectivas, 13(2), 133-143.

Moura Jr., J. F. & Soares, N. I. L. (2017). Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família (PAIF) como uma proposta de atuação em Psicologia Comunitária no Sistema Único de Assistência Social (SUAS). In: Antonio Euzébios Filho. (Org.). Psicologia(s) Para Além do Consultório - Reflexões e Contextos de Atuação. Curitiba: Juruá, 1, 163-181.

Nogueira, L. N. (2017). A visão sócio-histórica da construção do feminino: Uma questão de gênero. Portal dos Psicólogos, p. 1-16. Disponível em: https://www.psicologia.pt/artigos/textos/A1124.pdf.

Oliveira, I. F. Dantas, C. M. B., Sólon, A. F. A. C. & Amorim, K. M. O. (2011); A prática psicológica na proteção social básica do SUAS. Psicologia e Sociedade. 23(spe),140-149.

Paula, J. A. (2013). A extensão universitária: história, conceito e proposta. Interfaces - Revista de Extensão, 1(1), 05-23.

Ribeiro, M. A., Cavalcante, A. S. P., Albuquerque, I. M. A. N. & Vasconcelos, M. I. O. (2016). A extensão universitária na perspectiva de estudantes de cursos de graduação da área da saúde. Interagir: Pensando a Extensão, Rio de Janeiro, (21), 55-69.

Rodrigues, I. & Barbieri, J. C. (2008). A emergência da tecnologia social: revisitando o movimento da tecnologia apropriada como estratégia de desenvolvimento sustentável. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro. 42(6), 1069-1094.

Rosemberg, Fúlvia. (2001). Educação formal, mulher e gênero no Brasil contemporâneo. Revista de Estudos Feministas, 9(2), 515-540.

Santana, M. C. S. (2006). Muito Trabalho, Pouco Poder: Participação Feminina Mitigada nos Assentamentos Rurais do Estado de Sergipe. In: Grossi, M. P. & Schwade, E. (Org.) Política e Cotidiano: Estudos Antropológicos Sobre Gênero, Família e Sexualidade (pp. 47-68). Blumenau: Nova Letra.

Sarason, S. B. (1974). The Psychological Sense of Community: Prospects for a Community Psychology. San Francisco: Jossey Bass.

Silva, R. B. & Dagnino, R. (2011). O enfoque de análise de políticas e a política pública do pólo e parque de alta tecnologia de Campinas. Revista de Sociologia e Política, 19 (40), 171-303.

Singer, P. et al. (2004). Tecnologia Social: uma estratégia para o desenvolvimento. Fundação Banco do Brasil: Rio de Janeiro.

Valadão, J. A. D., Cordeiro Neto, J. R. & Andrade, J. A. (2017). Bases sociotécnicas de uma tecnologia social: o translador da pedagogia da alternância em Rondônia. Organizações & Sociedade, 24(80), 89-114.

Valim, R. (2016). El derecho fundamental de acceso a la información pública en el Derecho brasileño. Revista de Investigações Constitucionais, Curitiba, 3(1), 169-181.

Tripp, D. (2005). Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, 31(3), 443-466.

Ximenes, V. M. Moura Jr., J. F. & Castro, S. (2015). Pobreza e suas relações com a Psicologia Comunitária na 5a Conferência Internacional de Psicologia Comunitária. Psicología, Conocimiento y Sociedad, 5(2), 156-181.

Ximenes, V. M., Lemos, E. C., Silva, A. M. S., Abreu, M. K. A., Filho, C. E. E. & Gomes, L, M. (2017). Saúde Comunitária e Psicologia Comunitária: suas contribuições às metodologias participativas. Psicologia em Pesquisa, Juiz de Fora, 11(2), 4-13

Publicado

2022-07-30

Como Citar

LIMA, A. A. de S.; OLIVEIRA, S. K. S. de; CONCEIÇÃO, C. da; OLIVEIRA, V. . S.; MALAQUIAS , J. R.; MOURA JR., J. F. . IMPACTOS DE UMA TECNOLOGIA SOCIAL DE CONFECÇÃO DE BOLSAS NO COMBATE À POBREZA: UM CASO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NO INTERIOR DO CEARÁ. Interfaces - Revista de Extensão da UFMG, [S. l.], v. 10, n. 1, 2022. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/25345. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos