PARTICIPAÇÃO E CONTINUIDADE DAS CRIANÇAS EM PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA

Autores

Palavras-chave:

Ginástica, Projeto de Extensão, Crianças

Resumo

O objetivo deste trabalho foi investigar os limites e as possibilidades para a participação de crianças no projeto de extensão de ginástica da Universidade Federal do Paraná. A metodologia da pesquisa é quantitativa social e, como instrumento, foi utilizado o questionário. As principais possibilidades são preparação dos acadêmicos atuantes no projeto, os horários das aulas, encontrar com facilidade uma pessoa que possa levar a criança até o local das aulas, bom relacionamento com os múltiplos agentes do projeto, exigência de frequência nas aulas. Os principais limites são o tempo gasto no deslocamento até o projeto, conflito de horário com as tarefas cotidianas, o tempo de espera dos pais e a extrapolação de horário das aulas. Concluiu-se que o apoio dos pais é fundamental para as crianças permanecerem no Projeto, os resultados são indicadores para pensar em estratégias pedagógicas para o desenvolvimento e a permanência das crianças, e a continuidade do Projeto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Yasmin Vicente Vieira, Universidade Federal do Paraná

Mestranda em Educação Física na Universidade Federal do Paraná-Curitiba-Paraná-Brasil

Fernanda do Nascimento Matias, Universidade Federal do Paraná

Graduanda do curso de Licenciatura em Educação Física na Universidade Federal do Paraná-Curitiba-Paraná-Brasil

Soraya Corrêa Domingues, Universidade Federal do Paraná

Professora do curso de Educação Física na Universidade Federal do Paraná-Curitiba-Paraná-Brasil

Referências

Acacio, M. G. S.; Junior, R. V.. (2016) Atividades expressivas inclusivas: um relato de experiência sobre o ensino da ginástica para todos no âmbito escolar. Cadernos de Formação RBCE, 7(1). Disponível em http://revista.cbce.org.br/index.php/cadernos/article/view/2215.

Almeida, R. S. et al. (2012) A teoria geral da ginástica, o trabalho pedagógico, aformação dos professores e as políticas públicas no campo da ginástica: contribuições da pesquisa matricial do grupo LEPEL/FACED/UFBA. Conexões 10, 98-114.

Ayoub, E. (2007) Ginástica geral e educação física escolar. ed. São Paulo: Unicamp. Bahu, L. Z.; Carbinatto, M. V. (2016) Extensão universitária e Ginástica para Todos. Conexões, 14(3), 46-70. Disponível em https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8648059.

Batista, A. S.; Castro, C. E. S. (2019) Motivação para a prática de ginástica artística em um projeto de extensão universitária. Disponível em https://www.cefd.ufes. br/sites/cefd.ufes.br/files/field/anexo/aryadne_e_carlos_eduardo_-_motivacao_para_a_pratica_de_ginastica_artistica_em_um_projeto_de_extensao_universitaria.pdf.

Boaventura, P. L. B.; Vaz, A. F. (2013) Corpos femininos em debate: (re) pensando as representações de gênero na ginástica rítmica. 1° Seminário Internacional Fazendo Gênero. 10. Disponível em http://www.fg2013.wwc2017.eventos.dype. com.br/resources/anais/20/1373338822_ARQUIVO_Boaventura_Vaz_FazendoGereno2013_versaofinal.pdf.

Borella, D. R.; Denari., F. E. (2007) Afetividade e socialização como elementos facilitadores de inclusão em atividades de ginástica acrobática. Revista Educação Especial, (30), 155. Disponível em https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/4053.

Bortoleto, M. A. C.; Paoliello, E.; Toledo, E.; Ayoub, E. (2012) Ginástica geral – ginástica para todos Conexões: Educação Física Esporte e Saúde, 10, 1-1. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8637657/5348.

Brasil, Lei 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.htm.

Bregolato, R. A. (2006) Cultura corporal da ginástica: livro do professor e aluno. 2ª Edição. São Paulo: Icone, 2006.

Cardoso, T. R.; Koziel, B. V.; Iwamoto, T. C.. (2017) Ginástica para todos, gênero e sexualidade: discutindo as regras.

Costa, J. F. A.. (2018) Articulação entre pesquisa, ensino e extensão: um desafio que permanece. Revista Ciência em Extensão, 14(2), 9-19.

Costa, A. M.; Sousa, S. B. Educação Física e esporte adaptado: história, avanços e retrocessos em relação aos princípios da integração/inclusão e perspectivas para o século XXI (2004). Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, SC, 25(3), p. 27-42. Disponível em: http://rbce.cbce.org.br/index.php/RBCE/article/view/236/238.

Creswell, J. W. (2007) Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed.

Deus, S. F. B.. (2012) Extensão universitária e cidadania: desconstruindo para construir. Revista E, 02, 28-32.

Domingues, S. C. (2005) Cultura Corporal e Meio Ambiente na Formação de Professores. 289 f. (Dissertação) – Mestrado em Educação, Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Domingues, S. C. (2011) A Dimensão da Educação Ambiental na teoria e prática pedagógica da formação de professores em Educação Física. Tese (Doutorado em Educação Física) –UFSC. Disponível em https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/95685.

Domingues, S. C. (2019) Os complexos temáticos como possibilidade de uma educação ambiental nos currículos de formação do ensino superior. In: Marília Toralles Campos. (Org.). Sob o Luar das Araucárias. 1° Edição. Curitiba: Apris, 1, 135-150.

Figueira, J.; Ferreira, , M. B. R. (2000) Papel multidimensional da família na participaçäo dos filhos em atividades físicas: revisäo de literatura. Revista brasileira de ciência & movimento, [s. l.], 8(2), 33–40, Impresso.

Figueira, E. (1992) Conceito, Propósito e Funções da Extensão. Ciências Humanas e Sociais. 1, pp. 35-42.

Frutuoso, T. P.; Juliani, D. P. (2020) Caminhos para curricularização da extensão: ações no Instituto Federal de Santa Catarina – IFSC, Editora CRV, Paraná.

Gonçalves, N. G.; Quimelli, G. A. S. (Org.); Gomes, M. F. V. B. (Org.); Deus, S. (2016) (Org.). Princípios da Extensão Universitária: contribuições para uma discussão necessária. Curitiba: CRV. 1.

Gonçalves, N. G.; Vieira, C. S.; Antunes, P. S. (2014) Extensão na Universidade Federal do Paraná: Constituição Histórica. Extensão em Foco (Curitiba), 1, 3-49.

Hirama, L. K. et al. (2016) Extensão universitária e formação do professor de educação física: contribuições a partir da permanência prolongada. Revista Ciência em Extensão, 12(1), 28-40. Disponível em https://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/article/view/1125.

Iaochite, R. T.; Da Costa Filho, R. A. (2015) Autoeficácia docente para o ensino de ginástica na escola: resultados de um projeto de extensão. Revista Triângulo, 7(1). Disponível em http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/revistatriangulo/article/view/499.

Kunz. E. (1994) Transformação didático-pedagógica do esporte. Ijuí: Unijuí. Lima, A. S. M.; Oliveira, D. O. E. (2019) Percurso da curricularização da extensão na universidade do estado da Bahia. In: Gabriela Souza Rego Pimntel; Simone Leal Souza Coité; Kelyy Consuelo Almeida Lima Queiroz. (Org.) Bahia, 1, 200-210.

Longo, R. A. et al. (2017) A permanência de crianças e jovens nos esportes: olhares para iniciação e especialização esportiva. Caderno de Educação Física e Esporte, [s. l.], 15(2), 121–132. Disponível em http://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/16722.

Mazzilli, S. (2011) Ensino, pesquisa e extensão: reconfiguração da universidade brasileira em tempos de redemocratização do Estado. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação. ANPAE. 27(2).

Merleau-Ponty, M. (1975) A estrutura do comportamento. Belo Horizonte: Interlivros. Nunomura, M.; Pires, F. R.; Carrara, P. (2009) Análise do treinamento na ginástica artística brasileira. Revista Brasileira Ciencias Esporte, Campinas, [s. l.], 31(1), 25–40. Disponível em http://revista.cbce.org.br/index.php/RBCE/article/view/630.

Nunomura, M.; Tsukamoto, M. H. C. (2009) Fundamentos das ginásticas. Paraíso, C. S. et al. (2012) O trato com o conhecimento da ginástica: um estudo sobre possibilidades de superação.

Santos, L. A. C. dos; Rocha, R.; Prazeres, F. R. (2016) A motivação dos alunos no grupo de ginástica para todos na Unitau. In: Anais do VIII Fórum Internacional de Ginástica para Todos. Laurita Marconi Schiavon e colaboradores (Orgs.). Impresso. Campinas, SP: FEFUnicamp, Sesc.

Serrão, J. (1983) História das Universidades. Porto: Lello & Irmão, Editore. Toledo, E.; Costa Silva, P. (2020) A ginástica para todos e suas territorialidades. Corpoconsciência, 24(1), 71-82.

Tsukamoto, M. H. C.; Cavalheri, A. C. M. (2016) Perfil dos praticantes de um grupo universitário de ginástica para todos. In: Anais do VIII Fórum Internacional de Ginástica para Todos. Laurita Marconi Schiavon e colaboradores (Orgs.). Campinas, SP: FEF-Unicamp, Sesc.

Publicado

2021-12-31

Como Citar

VIEIRA, Y. V.; MATIAS, F. do N. .; DOMINGUES, S. C. PARTICIPAÇÃO E CONTINUIDADE DAS CRIANÇAS EM PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA. Interfaces - Revista de Extensão da UFMG, [S. l.], v. 9, n. 2, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/26371. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos