OFICINAS CULINÁRIAS COMO ESTRATÉGIA DE CAPACITAÇÃO DE MERENDEIRAS DE ESCOLAS PÚBLICAS

Autores

  • Rita de Cássia Ribeiro Universidade Federal de Minas Gerais
  • Carolina Fádel Viana Magalhães Universidade Federal de Minas Gerais

Palavras-chave:

Oficinas culinárias, Alimentação escolar, Merendeiras, Educação nutricional, Promoção da saúde

Resumo

O objetivo deste trabalho foi verificar a eficácia das oficinas culinárias no treinamento de merendeiras de escolas públicas para a elaboração de refeições nutritivas. O estudo, de caráter qualitativo, pautou-se nos discursos obtidos por meio de grupos focais, pré e pós- intervenções. Inicialmente, as merendeiras consideravam o cardápio repetitivo e pouco saudável. Ao final das ações, todas as participantes apresentaram enorme satisfação com o conteúdo abordado nas oficinas, inclusive reproduzindo as receitas em âmbito domiciliar. Concluiu-se que ações de extensão pautadas em oficinas culinárias, do tipo “mão na massa”, são muito eficazes para a construção e consolidação do conhecimento sobre alimentação saudável por merendeiras, motivando-as a atuarem como agentes  educadoras e promotoras de saúde no ambiente escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abela, J. C. (2009). Adult learning theories and medical education: a review. Malta Medical Journal, 21(1), 11-18. Disponível em: https://www.um.edu.mt/library/oar//handle/123456789/910.

Andreotti, A.; Baleroni, F. H.; Paroschi, V. H. B. & Panza, S. G. A. (2003). Importância do treinamento para manipuladores de alimentos em relação à higiene pessoal. Cesumar, 5(01), 29-33. Disponível em: https://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/iccesumar/article/view/67.

Bento, I. C.; Esteves, S, J. M. M.; França, T. E. (2015). Alimentação saudável e di ficuldades para torná-la uma realidade: Percepções de pais/responsáveis por pré-escolares de uma creche em Belo Horizonte/MG, Brasil. Revista Ciência & Saúde Coletiva, 20(8) 2.389-2.400. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v20n8/1413-8123-csc-20-08-2389.pdf.

Borsoi, A.T.; Teo, C. R. P. A.; Mussio, B. R. (2016). Educação alimentar e nutricional no ambiente escolar: uma revisão integrativa. RIAEE – Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, 11( 3), 1441-1460. DOI: https://dx.doi.org/10.21723/riaee.v11.n3.7413.

Cardano, M. (2017). Métodos qualitativos para pesquisa em saúde. Journal of Nursing and Health, 7(3). DOI: https://doi.org/10.15210/jonah.v7i3.12847.

Carvalho, A. T.; Muniz, V. M.; Gomes, J. F.; Samico, I. (2008). Programa de alimentação escolar no município de João Pessoa – PB, Brasil: as merendeiras em foco. Comunicação em Saúde e Educação, 12(27), 823-834. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832008000400012.

Carvalho, J. A.; M. P.; Barreto, M. A. M; Alves, F. A. (2010). Andragogia: considera ções sobre a aprendizagem do adulto. REMPEC - Ensino, Saúde e Ambiente, 3(1), 78-90. DOI: https://doi.org/10.22409/resa2010.v3i1.a21105.

Castro, A.; Galvão, T.; Ferreira, C.; Reis, N.; Gusmão, R. (2019). Prevalência da obesi dade infantil no Brasil: revisão sistemática e meta-análise. Revista dos Trabalhos de Iniciação Científica da UNICAMP, 27, 1-1. DOI: https://doi.org/10.20396/revpi bic2720192440.

Castro, I. R. R.; Souza, T. S. N.; Maldonado, O, L. A.; Caniné, E. S.; Rotenberg, S. & Gugelmin, S. A. A. (2007). Culinária na promoção da alimentação saudável: de lineamento e experimentação de método educativo dirigido a adolescentes e a profissionais das redes de saúde e de educação. Revista de Nutrição, 20(6), 571-588. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-52732007000600001.

Dantas, E.; Silva, E.; Lima, M. R.; Oliveira, N.; Silva, J.; Cordeiro, S.; Souza, G.; Maciel, F.; Macedo, N.; Oliveira, D.; Viera, V. (2018). A Importância do Aproveitamento Integral dos Alimentos. International Journal of Nutrology, 11(SO1): S24-S327. DOI: 10.1055/s-0038-1674320.

Departamento de Atenção Básica & Secretaria de Atenção à Saúde (2014). Guia alimentar paraa população brasileira. (2 ed.). Brasília: Ministério da Saúde.

Fortes, H. B. S. F. (2005). Projeto “parceiros na cozinha”: avaliação do treinamento de um treinamento para manipuladores de alimentos das creches de porto alegre conveniadas com a ong parceiros voluntários. Monografia apresentada à Univer sidade Federal do Rio Grande do Sul. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/12346/000480831.pdf?Sequence=1.

Freire P. (1983). Pedagogia do Oprimido. (3 ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (2002). Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à Prática Educa tiva. (25 ed.). São Paulo: Paz e Terra.

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) – Nutricionistas do Programa Nacional Alimentação Escolar (PNAE). (2017). Caderno de referência sobre alimentação escolar para estudantes com necessidades alimentares espe ciais. Brasília. Disponível em: https://www.fnde.gov.br/index.php/programas/pnae/pnae-area-gestores/pnae-manuais-cartilhas/item/10532-caderno-de-refer%C3%Aancia-alimenta%C3%A7%C3%A3o-escolar-para-estudantes-com-necessidades-alimentares-especiais.

Gomes, K. S.; Fonseca, A. B. C. (2018). Dialogando sobre as possibilidades e desafios das merendeiras nas ações de educação alimentar e nutricional. Demetra: Alimentação, Nutrição & Saúde, 13(1), 55-68. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/demetra/article/view/31340.

Gomes, V. T. S.; Gomes, R. N. S.; Gomes, M. S.; Viana, L. V. M.; Conceição, F. R.; Soares, E. L.; Genaro, P. de S. (2017). Benefícios da biomassa de banana verde à saúde humana. Revista UniVap, 22(40). DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revis taunivap.v22i40.1296.

Guerra L. B. (2011). O diálogo entre a neurociência e a educação: da euforia aos desafios e possibilidades. Revista Interlocução UFMG, 4(4), 3-12. Disponível em: https://www2.icb.ufmg.br/neuroeduca/arquivo/texto_teste.pdf.

Estevinho Guido, L. F.; Costa, E. A. D. (2016). A utilização do grupo focal em pes quisa de educação ambiental como estratégia metodológica qualitativa: uma análise do projeto escola ecológica em rede (Uberaba/MG). Ensino Em Re-Vista, 23(2), 460-477. DOI:

https://doi.org/10.14393/ER-v23n2a2016-7.

Kutz, N. A. A.; Pereira, D. M.; Chimello, M. F.; Pina-Oliveira, A. A.; Cyrillo, D. C.; Salgueiro, M. M. H. A. O. (2020). Percepção das merendeiras de Carapicuíba – São Paulo, Brasil, sobre aspectos da sua atuação profissional. Investigação

Qualitativa em Saúde: avanços e desafios, 3(2020), 479-490. DOI: https://doi.184org/10.36367/ntqr.3.2020.479-490.

Lefèvre F.; Lefèvre A. M. C. (2014). Discurso do sujeito coletivo: representações sociais e intervenções comunicativas. Texto Contexto Enfermagem, 23(2), 502-507. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072014000000014.

Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimenta ção escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica; altera as Leis nos 10.880, de 9 de junho de 2004, 11.273, de 6 de fevereiro de 2006, 11.507, de 20 de julho de 2007; revoga dispositivos da Medida Provisória no 2.178-36, de 24 de agosto de 2001, e a Lei no 8.913, de 12 de julho de 1994; e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l11947.htm.

Lei nº 12.982, de 28 de maio de 2014. Altera a Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009, para determinar o provimento de alimentação escolar adequada aos alu nos portadores de estado ou de condição de saúde específica. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L12982.htm.

Leite, C. L.; Cardoso, R. C. V.; Figueiredo, J. A. W.; Silva, K. V. N. A.; Bezerril, M. M.; Vidal Júnior, P. O.; Santana, A. A. C. (2011). Formação para merendeiras: uma pro posta metodológica aplicada em escolas estaduais atendidas pelo programa nacional de alimentação escolar, em Salvador, Bahia. Revista de Nutrição, 24(2), 275-285. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732011000200008.

Lourenção, L. F. P.; Bueno, L. C.; Azeredo, E. M. C.; Simões, T. M. R. (2019). Contex tualização teórico-prático para o aprimoramento profissional: curso de extensão para merendeiras e serventes escolares de Paraguaçu-MG. Interfaces – Revista de Extensão da UFMG, 7(1), 171-179. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/19057/16131.

Magalhães, H. H. S. R.; Porte, L. H. M. (2019). Percepção de educadores infantis sobre educação alimentar e nutricional. Ciência & Educação, Bauru, 25(1), 131-144. DOI: doi: https://doi.org/10.1590/1516-731320190010009.

Martins, V. P.; Dorneles L. L.; Coloni, C. S. M.; Bernardes A.; Camargo, R. A. A. (2018). Contribuições de oficinas pedagógicas na formação do interlocutor da educação permanente em saúde. Revista Eletrônica de Enfermagem [Internet],

(20), 20-47. DOI: https://doi.org/10.5216/ree.v20.50148.

Minayo M. C. S. (2014). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. (14 ed.) São Paulo: Hucitec. Disponível em: https://docero.com.br/doc/n88xsxx.

Monlevade, J. A. C. (1995). Técnico em alimentação escolar: um novo pro fissional para a educação básica. Em Aberto, 15(67), 124-128. Disponível em: http://www.emaberto.inep.gov.br/ojs3/index.php/emaberto/article/down load/2349/2088.

Moreira, A. C. M. (2006). Educação nutricional na educação infantil: o papel da escola na formação de hábitos alimentares das crianças, considerando a pro blemática da obesidade infantil. Dissertação de Mestrado em Educação, Arte e História, Universidade Presbiteriana

Mackenzie, São Paulo, Brasil.

NCD Risk Factor Collaboration (NCD-RISC); World Health Organization (WHO) (2017). Worldwide trends in body-mass index, underweight, overweight, and obe sity from 1975 to 2016: a pooled analysis of 2416 population-based measurement studies in 128·9 million children, adolescents, and adults, (390), 2627-2642. DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(17)32129-3.

Oliveira, M. N.; Brasil, A. L. D.; Taddei, J. A. A. C. (2008). Avaliação das condi ções higiênico-sanitárias das cozinhas de creches públicas e filantrópicas. Ciência e Saúde Coletiva, 13(3), 1051-1060. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000300028.

Pereira, M. N.; Sarmento, C. T. M. (2012). Oficina de culinária: uma ferramenta da educação nutricional aplicada na escola. Universitas: Ciências da Saúde, 10(2), 87-94. DOI: https://doi.org/10.5102/ucs.v10i2.1542.

Pinho, F. N. L. G.; Martinez, S. A. (2016). Política de alimentação escolar brasileira: representações sociais e marcas do passado. Education Policy Analysis Archi ves/Archivos Analíticos de Políticas Educativas, 24(2016), 1-31. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/2750/275043450066.pdf.

Ribeiro, R. C.; Reis, M. T. S.; Monteiro, M. A. M. (2019). A gastronomia como estra tégia de promoção da alimentação saudável na moradia universitária. Interfaces – Revista de Extensão da UFMG, 7(1), 01-591. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/download/19074/16155/.

Rocha, L. H. A.; Santos, V. F. S.; Sousa, D. N.; Kato, H. C. A. (2020). Oficinas edu cativas para merendeiras de escolas públicas de Palmas - TO como estratégia de intervenção nutricional: um relato de experiência. Interfaces – Revista de Extensão da UFMG, 8(1) – Edição extra, 209-225. Disponível em: https://www.alice.cnptia.embrapa.br/handle/doc/1123282.

Russo, K. (2013). Parceria entre ONGs e escolas públicas: alguns dados para reflexão. Cadernos de Pesquisa, 43(149), 614-641. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742013000200012.

Santos, S. R.; Costa, M. B. S. & Bandeira, G. T. P. (2016). As formas de gestão do programa nacional de alimentação escolar (PNAE). Revista de Salud Pú blica, 18(2), 311-322. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/rsap/2016.v18n2/311-320.

Scarparo, A. L. S.; Lopes, E. F. S.; Rockett, F. C.; Venzke, J. G. (2017). Aspectos relevantes na formação de manipuladores de alimentos que atuam na alimentação escolar. Revista Caderno Pedagógico, 14(2), 207-223. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742013000200012.

Servo, M. L. S.; Araújo, P. O. (2012). Grupo Focal em Pesquisas Sociais. Revista Es paço Acadêmico, 137, 7-15. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/16318/9872.

Soares, M. I.; Camelo, S. H. H.; Resck, Z. M. R. (2016). A técnica de grupo focal na coleta de dados qualitativos: relato de experiência. Revista Mineira de Enferma gem, 20(942), 1-5. DOI: http://www.dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20160012.

Teixeira, G. M. M. (2010). Influência dos hábitos alimentares dos pais nas escolhas alimentares dos filhos. Dissertação de Mestrado em Saúde Pública apresentada à Universidade do Porto. Porto: Portugal. Disponível em: https://www.rcaap.pt/detail.jsp?id=oai:repositorio-aberto.up.pt:10216/55348.

Teixeira, L. O.; Reis, I., H. K.; Pires, C. R. F.; Santos, V. F.; Sousa, D. N.; Kato, H. C. A. (2020). Relato de experiência de oficinas em educação alimentar e nutricio nal: capacitação de merendeiras para a promoção da alimentação saudável em escolas. Revista Conexão UEPG, 16, 1-12. DOI: https://doi.org/10.5212/Rev.Conexao.v.16.13717.015.

Teo, C. R. P. A.; Sabedot, F. R. B.; Schafer, E. (2010). Merendeiras como agentes de educação em saúde da comunidade escolar: potencialidades e limites. Revista Espaço para a Saúde, 11(2), 11-20. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/279338761_Merendeiras_como_agentes_de_educacao_em_saude_da_comunidade_escolar_potencialidades_e_limites.

Vogt, M. S. L.; Alves, E. D.(2005). Revisão teórica sobre a educação de adultos para uma aproximação com a andragogia. Revista Educação, 30(2), 195-213. Dis ponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/3746.

World Health Organization (WHO) (1995). Physical status: the use and interpre tation of anthropometry, 854(9). Disponível em: https://apps.who.int/iris/handle/10665/37003.

Publicado

2022-07-30

Como Citar

RIBEIRO, R. de C.; MAGALHÃES, C. F. V. . OFICINAS CULINÁRIAS COMO ESTRATÉGIA DE CAPACITAÇÃO DE MERENDEIRAS DE ESCOLAS PÚBLICAS. Interfaces - Revista de Extensão da UFMG, [S. l.], v. 10, n. 1, 2022. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/26830. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos