LEITURA DRAMÁTICA - PROCESSO CRIATIVO EM RADIONOVELA

UMA RESSIGNIFICAÇÃO DA VOZ NA PANDEMIA

Autores

  • Ariane Guerra Barros Universidade Federal da Grande Dourados
  • Lucas de Oliveira Alves UFGD

Palavras-chave:

Voz, Radionovela, Pandemia

Resumo

Este relato de experiência tem como objetivo analisar os delineamentos traçados através de uma adaptação do projeto de extensão “Chá com Drama: discussão e leitura dramática de textos teatrais”, da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), do curso de Artes Cênicas, que devido ao contexto social com o qual nos deparamos na pandemia da COVID-19, teve de tomar outros rumos, resultando em uma radionovela, utilizando de plataformas digitais (Google meet, Audacity, WhatsApp), voz e leitura dramática como disparador na elaboração de áudios que resultaram em uma obra radiofônica. O objetivo desta escrita foi entender alguns aspectos de transformação da presença física a uma presença auditiva através da linguagem da radionovela e de que maneira essas modificações
trazem ressignificações nas corpóreo-vocalidades exploradas no projeto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas de Oliveira Alves, UFGD

Lucas Oliveira Alves é graduado em Artes Cênicas - Bacharelado pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). Ator e fotógrafo, está graduando-se em Licenciatura em Artes Cênicas pela mesma universidade. Possui pós-graduação/Especialização em Educação Especial e Neuropsicopedagogia. Faz parte da Cia. Última Hora, em Dourados/MS, e atua no grupo Mandi'O. 

Referências

Aleixo, F. (2016). Corpo-voz: revisitando temas, revisando conceitos. Jundiaí: Paco Editorial.

Calabre, L. (2003). Rádio e imaginação: no tempo da radionovela. Comunicação XXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Belo Horizonte.

Chaves, M. (2020). De trilhas sonoras teatrais a preparações musicais para artistas da cena. Rio de Janeiro: Synergia.

Chiodi, R. (2020) Você sabe o que é radionovela? Disponível em: <https://www.bancopan.com.br/blog/publicacoes/voce-sabe-o-que-e-radionovela.htm.

Dubatti, J. (2020). Experiencia teatral, experiencia tecnovivial: ni identidad, ni campeonato, ni superación evolucionista, ni destrucción, ni vínculos simétricos. Revista Rebento, 12, 8-32. São Paulo.

IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (1999). Texto para discussão n 639 – O Analfabetismo no Brasil sob o Enfoque Demográfico, de Marcelo Medeiros Coelho de Souza. Brasília. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/

bitstream/11058/2644/1/td_0639.pdf.

Lobo, A. M. F. (2011). A leitura dramática na formação do artista docente. Revista Moringa, 2(2), 41-52. João Pessoa.

Nascimento, C. C. (2020). Educação em tempos de pandemia: o lugar do artista-docente. SCIAS. Arte/Educação, 1(7), 26-44. Belo Horizonte

Nova Escola. Desvendando a leitura dramática. (/2017). Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/5939/desvendando- a-leitura-dramatica.

Rodrigues, N. (2012). O Beijo no Asfalto: tragédia carioca em três atos. 3 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira

Santana, I. (2006). Dança na cultura digital. Salvador: EDUFBA.

Spritzer, M. (2005). O Corpo Tornando Voz: A experiência pedagógica da peça radiofônica. Tese de Doutorado. Porto Alegre.

Vieira, C. (2014). A leitura dramatizada como atividade pedagógica e teatral. In Pereira, J, Vieites, M. e Lopes, M. (Coord.). As artes na educação. Ponte de Lima: Intervenção. pp. 233-236.

Publicado

2022-07-30

Como Citar

GUERRA BARROS, A.; OLIVEIRA ALVES, L. de. LEITURA DRAMÁTICA - PROCESSO CRIATIVO EM RADIONOVELA : UMA RESSIGNIFICAÇÃO DA VOZ NA PANDEMIA. Interfaces - Revista de Extensão da UFMG, [S. l.], v. 10, n. 1, 2022. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/29455. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos