LUTAS BRASILEIRAS NO PROJETO DE EXTENSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NA PERSPECTIVA INCLUSIVA

DESAFIOS E PROBLEMATIZAÇÕES

Autores

Palavras-chave:

Educação Física escolar, Ensino colaborativo, Extensão universitária, Inclusão, Lutas

Resumo

O presente artigo tem como objetivo refletir sobre a proposta de conteúdo de lutas, vivenciada no Projeto de Extensão Educação Física Escolar na Perspectiva Inclusiva (PEFEPI), vinculado à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a partir dos relatos dos diários de campo dos/as estudantes extensionistas. O objetivo desse projeto é proporcionar ações mais inclusivas no contexto em que está presente, buscando ampliar a participação efetiva de todos/as envolvidos/as e problematizar/minimizar exclusões de toda ordem, tendo-se em vista o conceito amplo de inclusão em que nos embasamos (Sawaia, 2017; Booth e Ainscow, 2011; Santos, Fonseca & Melo, 2009). Neste recorte, enfocaremos as experiências com as lutas brasileiras, utilizadas como uma estratégia pedagógica, para refletirmos sobre a valorização de manifestações culturais brasileiras numa perspectiva inclusiva e antirracista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michele Pereira de Souza da Fonseca, UFRJ

Doutora em Educação (PPGE/UFRJ), Mestre em Educação (PPGE/UFRJ), Licenciada em Educação Física (EEFD/UFRJ). Professora adjunta da Escola de Educação Física e Desportos da Universidade Federal do Rio de Janeiro (EEFD-UFRJ). Coordenadora de Extensão da EEFD-UFRJ. Fundadora e Coordenadora do LEPIDEFE - Laboratório de Estudos e Pesquisas sobre Inclusão e Diferenças na Educação Física Escolar (EEFD-UFRJ). Coordenadora da Pós-Graduação gratuita em Educação Física Escolar na Perspectiva Inclusiva (UFRJ). Membro do Comitê Científico GTT Inclusão e Diferenças do Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte (CBCE). Tem experiência na área de Educação Física escolar, formação docente e inclusão em educação.

Mariana Peres, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Licencianda em Educação Física (EEFD-UFRJ); integrante do LEPIDEFE - Laboratório de Estudos e Pesquisas sobre Inclusão e Diferenças na Educação Física Escolar (EEFD-UFRJ).

Raquel Ludovino, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Licenciada em Educação Física (EEFD/UFRJ). Integrante do LEPIDEFE - Laboratório de Estudos e Pesquisas sobre Inclusão e Diferenças na Educação Física Escolar (EEFD-UFRJ).

Referências

Almeida, J. J. G. (2012). Disciplina: luta. Curso de Pós-Graduação. São Paulo: Re deFor; Campinas: Unicamp.

American Psychiatric Association. (2014). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtorno Mentais. Porto Alegre: Artmed.

Amorim, M. P. (2013). Macumba no imaginário brasileiro: a construção de uma palavra. Anais do Simpósio de Pesquisa da Fundação Escola de Sociologia e Po lítica de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil, 2. Disponível em: https://www.fespsp.org.br/seminarios/anais3/MarcosAmorim.pdf.

Araújo, I. A.; Bernardes, V. A. M. (2012). Discriminação racial em sala de aula. In: Rodrigues Filho, G.; Bernardes, V. A. M.; Nascimento, J. G. (Orgs.). Educação para as relações étnico-raciais: outras perspectivas para o Brasil (pp. 523-540). Uber lândia: Editora Gráfica Lops.

Arroyo, D. M. P. (2010). Meta-avaliação de uma extensão universitária: estudo de caso (Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, SP, Brasil. Disponível em: http://arquivos.info.ufrn.br/arquivos/201213017471d21035854a0d3a556c26b/Artigo_meta_avaliao.pdf.

Barros, A. M.; Gabriel, R. Z. (2011). Lutas. In: Darido, S. C. (Org.). Educação Física escolar: compartilhando experiências (pp. 75-96). São Paulo: Phorte.

Base Nacional Comum Curricular. (2017). Disponível em: http://basenacionalco mum.mec.gov.br/images/BNC.

Betti, M.; So, M. R. (2018). Sentido, mobilização e aprendizagem: as relações dos alunos com os saberes das lutas nas aulas de Educação Física. Movimento,24(2), 555-568.

Booth, T.; Ainscow, M. (2011). Index Para a Inclusão: desenvolvendo a aprendiza gem e a participação na escola (M. P. Santos, Trad.). Rio de Janeiro: Laboratório de Pesquisa, Estudos e Apoio à Participação e à Diversidade em Educação.

Braun, P.; Marin, M. (2016). Ensino colaborativo: uma possibilidade do Atendi mento Educacional Especializado. Revista Linhas, 17(35), 193-215.

Breda, M.; Galatti, L.; Scaglia, A. J.; Paes, R. R. (2010). Pedagogia do esporte apli cada às lutas. São Paulo: Phorte.

Carreiro, E. (2005). Lutas. In: Darido, S. C.; Rangel, I. C. A. (Orgs.). Educação física na escola: implicações para a prática pedagógica (pp. 244-261). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Castro, R. S.; Kelman, C. A. (2016). Ensino colaborativo: uma prática que promove a inclusão. Anais do Congresso Nacional de Educação, Natal, RN, Brasil, 3. Dispo nível em: https://editorarealize.com.br/artigo/visualizar/20907.

Coletivo de Autores. (1992). Metodologia do ensino da Educação Física. São Pau lo: Cortez.

Correia, W. R.; Franchini, E. (2010). Produção acadêmica em lutas, artes marciais e esportes de combate. Motriz, 16(1), 1-9.

Damiani, M. F. (2008). Entendendo o trabalho colaborativo em educação e reve lando seus benefícios. Educar em Revista, 31, 213-230.

Darido, S. C. (2014). Os conteúdos da educação física na escola. In: Darido, S. C.; Rangel, I. C. A. (Orgs.). Educação física na escola: implicações para a prática pedagógica (pp. 50-61). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Falcão, J. L. C. (2006). O jogo da capoeira em jogo. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 27(2), 59-74.

Ferreira, B. C.; Mendes, E. G.; Almeida, M. A.; Del Prette, Z. A. P. (2007). Parceria colaborativa: descrição de uma experiência entre o ensino regular e especial. Revista Educação Especial, 29, 1-7.

Fonseca, M. P. S. (2014). Formação de professores de Educação Física e seus des dobramentos na perspectiva dos processos de inclusão/exclusão: reflexões sobre Brasil e Portugal (Tese de Doutorado). Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Disponível em: https://ppge.educacao.ufrj.br/Teses2014/tmichelifonseca.pdf.

Fonseca, M. P. S.; Peres, M.; Ludovino, R.; Freire, C. (2020). Aproximações entre universidade e escola: racismo em discussão. Revista Aleph, 34, 82-103.

Fonseca, M. P. S.; Ramos, M. (2017). Inclusão em movimento: discutindo a di versidade nas aulas de Educação Física Escolar. In: Pontes Junior, J. A. F. (Org.). Conhecimentos do professor de Educação Física Escolar (pp. 184-208). Fortaleza: EdUECE.

Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Instituições Públicas de Educação Superior Brasileiras. (2012). Política Nacional de Extensão Universitária. Porto Alegre: Gráfica da UFRGS.

Freire, P. (2013). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Kassar, M. C. M. (2011). Percursos de uma política brasileira de Educação Espe cial. Revista Brasileira de Educação Especial, 17(1), 41-58.

Lei n. 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm.

Machado, S. (2014, outubro 14). Ilha do Governador se destaca na história do Rio. Multirio, a mídia educativa da cidade. MultiRio, Bairros Cariocas. Disponí vel em: http://www.multirio.rj.gov.br/index.php/leia/reportagens-artigos/reportagens/905-ilha-do-governador-se-destaca-na-historia-do-rio.

Martins, B. R. (2012). A negação do corpo negro e a Educação Física escolar. Anais do Congresso Internacional Interdisciplinar em Sociais e Humanidades, Ni terói, RJ, 1. Disponível em: http://www.aninter.com.br/ANAIS%20I%20CONITER/GT04%20Rela%87%E4es%20%82tnicorraciais/A%20NEGA%80%C7O%20DO%20CORPO%20NEGRO%20E%20A%20EDUCA%80%C7O%20F%D6SICA%20ESCO LAR%20-%20Trabalho%20completo.pdf.

Mendes, E. G.; Vilaronga, C. A. R.; Zerbato, A. P. (2014). Ensino Colaborativo como apoio à inclusão escolar: unindo esforços entre educação comum e especial. São Carlos: EdUFSCar.

Monteiro, F. Y. S. (2018). A Capoeira e o Huka-huka nas aulas de educação física: diálogos sobre uma escola plural através das lutas de matriz africana e indíge na. Revista Programa Conexões, 3, 101-114.

Nascimento, P. R. B.; Almeida, L. (2007). A tematização das lutas na Educação Física Escolar: restrições e possibilidades. Movimento, 13(3), 91-110.

Pinho, J. A. G. (2009). Futebol, nação e o homem brasileiro: o “complexo vira-latas” de Nelson Rodrigues. Organizações & Sociedade, 16(48), 141-167.

Resolução n.° 217, de 10 de dezembro de 1948. Disponível em: https://www.normasbrasil.com.br/norma/resolucao-217 1948_94854.html.

Resolução n.º 4, de 2 de outubro de 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf.

Rufino, L. G. B.; Darido, S. C. (2013). Possíveis diálogos entre a Educação Física escolar e o conteúdo das lutas na perspectiva da cultura corporal. Conexões,11(1), 145-170.

Rufino, L. G. B.; Darido, S. C. (2015). O ensino das lutas nas aulas de Educação Fí sica: análise da prática pedagógica à luz de especialistas. Revista de Educação Física, 26(4), 505-518.

Santos, B. (2006). A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez.

Santos, M. P. (2003). O papel do ensino superior na proposta de uma educação inclusiva. Revista da Faculdade de Educação da UFF, 7, 78-91.

Santos, M.; Fonseca, M.; Melo, S. (2009). Inclusão em Educação: diferentes inter faces. Curitiba: CRV.

Sawaia, B. (2017). As artimanhas da Exclusão: análise psicossocial e ética da de sigualdade social. Petrópolis: Vozes.

Sedorko, C. M.; Finck, S. C. M. (2016). Sentidos e significados do esporte no con texto da Educação Física escolar. Journal of Physical Education, 27, 1-10.

Silva, G. S.; Souza, C. V.; Ribeiro, T. C. M.; Oliveira, E. C. S. (2019). Cultura afro-bra sileira: a capoeira na escola e na educação física. Temas em Educação Física Escolar, 4(2), 94-113.

Silva, P. C. C. (2011). Capoeira nas aulas de Educação Física: alguns apontamen tos sobre processos de ensino-aprendizado de professores. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 33(4), 889-903.

So, M. R.; Betti, M. (2009). Saber ou fazer? O ensino de lutas na Educação Física Escolar. São Carlos: EFSCAR.

So, M. R.; Betti, M. (2012). Saberes docentes: o tema lutas no Currículo de Educa ção Física do Estado de São Paulo. In: Marin, A. J.; Tommasiello, M. G. C.; Pimenta,

S. G.; Carvalho, L. M.; Fusari, J. C. Didática e práticas de ensino na realidade esco lar contemporânea: constatações, análises e proposições (pp. 1-12). Araraquara: Junqueira & Marin.

Tardif, M. (2012). Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes.

Thiollent, M. (2011). Metodologia da Pesquisa-Ação. São Paulo: Cortez.

Uchoga, L. A. R.; Altmann, H. (2016). A educação física escolar e relações de gênero: diferentes modos de participar e arriscar-se nos conteúdos de aula. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 38(2), 163-170.

UNESCO. (1990). Declaração Mundial sobre Educação para Todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/images/0008/000862/086291por.%20pdf.

UNESCO. (1994). Declaração de Salamanca: sobre princípios, políticas e práticas na área das Necessidades Educativas Especiais. Disponível em: https://unes doc.unesco.org//arquivos/pdf/salamanca.pdf.

Vilaronga, C. A. R.; Mendes, E. G. (2014). Ensino colaborativo para o apoio à in clusão escolar: práticas colaborativas entre os professores. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 95 (239), 139-15.

Publicado

2022-07-30

Como Citar

PEREIRA DE SOUZA DA FONSECA, M.; PERES, M.; LUDOVINO, R. LUTAS BRASILEIRAS NO PROJETO DE EXTENSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NA PERSPECTIVA INCLUSIVA: DESAFIOS E PROBLEMATIZAÇÕES. Interfaces - Revista de Extensão da UFMG, [S. l.], v. 10, n. 1, 2022. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/29538. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos