EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE SOBRE HANSENÍASE EM UMA COMUNIDADE QUILOMBOLA DA BAIXADA MARANHENSE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PET-SAÚDE/INTERPROFISSIONALIDADE

Autores

  • Maria Augusta Ribeiro Gaspar
  • Sanny Pinheiro Oliveira
  • Josuel Carlos Oliveira
  • Jundson Dias Brito
  • Joelmara Furtado Dos Santos Pereira
  • Rafaella Lopes Ferreira
  • Lidiane Andréia Assunção Barros
  • Ariane Cristina Ferreira Bernardes Neves
  • Sara Fiterman Lima

Palavras-chave:

Educação em Saúde, Hanseníase, Participação da Comunidade, Educação Interprofissional

Resumo

O presente trabalho objetiva relatar uma experiência de educação popular em saúde sobre hanseníase, para menores de 15 anos em uma comunidade quilombola, no município de Pinheiro, Maranhão. A atividade foi desenvolvida pelo Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde/Interprofissionalidade) da Universidade Federal do Maranhão, campus Pinheiro, com 76 crianças e adolescentes menores de 15 anos, em uma escola da rede pública. Foram realizadas orientações sobre o PET-Saúde e interprofissionalidade, além de serem abordados os principais aspectos da hanseníase. Após isso, foram desenvolvidas atividades lúdicas para o entretenimento dos participantes, que proporcionaram um momento de integração entre eles e os membros do PET. O encontro entre a interprofissionalidade e a educação popular em saúde nessa comunidade quilombola permitiu que docentes, discentes e profissionais de saúde realizassem práticas educativas mais integradas e contextualizadas com as necessidades apresentadas, respeitando-se e valorizando suas práticas.

Palavras-Chave: Educação em Saúde. Hanseníase. Participação da Comunidade. Educação Interprofissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde (MS). (2006). Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão e da Regulação do Trabalho em Saúde. Câmara de Regulação do Trabalho em Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. (2013). Situação epidemiológica da hanseníase no Brasil-análise de indicadores selecionados na última década e desafios para a eliminação. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico, 44(11).

Brasil. Ministério da Saúde. (2021). Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico de Hanseníase. Tiragem: 1ª Edição.

Conceição, D. S., Viana, V. S. S., Batista, A. K. R., Alcântara, A. D. S. S., Eleres, V. M., Pinheiro, W. F., Bezerra, A. C., & Viana, J. A. (2020). A educação em saúde como instrumento de mudança social. Brazilian Journal of Development, 6(8), 59412-59416.

Coscrato, G., Pina, J. C., & Mello, D. F. D. (2010). Utilização de atividades lúdicas na educação em saúde: uma revisão integrativa da literatura. Acta Paulista de Enfermagem, 23, 257-263.

Costa, A. C. D. P., Aragão, T. A. P., Pereira, C. S., de Sousa Nogueira, F. J., Rodrigues, M. G., Callou Filho, C. R., & Figueirêdo, E. B. G. (2020). Educação e Saúde: a extensão universitária como espaço para tencionar e pensar a educação em saúde. Brazilian Journal of Development, 6(4), 21616-21630.

Crisp, N., Chen, L. (2014). Global supply of health professionals. New England journal of medicine, Boston, v. 370, no. 10, p. 950-957.

Falkenberg, M. B., Mendes, T. D. P. L., Moraes, E. P. D., & Souza, E. M. D. (2014). Educação em saúde e educação na saúde: conceitos e implicações para a saúde coletiva. Ciência & Saúde Coletiva, 19, 847-852.

Farias, R. C., dos Santos, B. R. F., de Vasconcelos, L. A., de Santana Moreira, L. C., Mourão, K. Q., & Mourão, K. Q. (2020). Hanseníase: educação em saúde frente ao preconceito e estigmas sociais. Research, Society and Development, 9(8), e114984923-e114984923.

Freitas, B. H. B. M. D., Xavier, D. R., Cortela, D. D. C. B., & Ferreira, S. M. B. (2018). Hanseníase em menores de quinze anos em municípios prioritários, Mato Grosso, Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, 21, e180016.

Gonçalves, R. S., Carvalho, M. B., Fernandes, T. C., Veloso, L. S. L., dos Santos, L. F., de Sousa, T. R., & da Luz, I. T. M. (2020). Educação em saúde como estratégia de prevenção e promoção da saúde de uma unidade básica de saúde. Brazilian Journal of Health Review, 3(3), 5811-5817.

Guerrero, M. I., Muvdi, S., & León, C. I. (2013). Retraso en el diagnóstico de lepra como factor pronóstico de discapacidad en una cohorte de pacientes en Colombia, 2000-2010. Revista Panamericana de Salud Pública, 33, 137-143.

Hacker, M. D. A. V. B., Sales, A. M., Albuquerque, E. C. A., Rangel, E., Nery, J. A. C., Duppre, N. C., & Sarno, E. N. (2012). Pacientes em centro de referência para hanseníase: Rio de Janeiro e Duque de Caxias, 1986-2008. Ciência & Saúde Coletiva, 17, 2533-2541.

Lanza, F. M., & Lana, F. C. F. (2011). O processo de trabalho em hanseníase: tecnologias e atuação da equipe de saúde da família. Texto & contexto-enfermagem, 20, 238-246.

Levantezi, M., Moreira, T., Neto, S. S., & De Jesus, A. L. (2014). Leprosy in children under fifteen years in Brazil, 2011. Leprosy review, 85(2), 118-122.

Meneses, R. C. T. D., Zeni, P. F., Oliveira, C. C. D. C., & Melo, C. M. D. (2015). Promoção de saúde em população quilombola nordestina-análise de intervenção educativa em anemia falciforme. Escola Anna Nery, 19, 132-139.

Ministério da Saúde. (2002). Guia para o controle da Hanseníase (No. 10).

Ministério da Saúde (BR). (2016). Diretrizes para vigilância, atenção e eliminação da Hanseníase como problema de saúde pública: manual técnico-operacional.

Ministério da Saúde (BR). (2017). Sistema de Informações de Agravos de Notificação (SINAN).

Moreira, A. J., Naves, J. M., Fernandes, L. F. R. M., Castro, S. S. D., & Walsh, I. A. P. D. (2014). Ação educativa sobre hanseníase na população usuária das unidades básicas de saúde de Uberaba-MG. Saúde em debate, 38, 234-243.

Neves, D. C. D. O., Ribeiro, C. D. T., Santos, L. E. S., & Lobato, D. D. C. (2017). Tendência das taxas de detecção de hanseníase em jovens de 10 a 19 anos de idade nas Regiões de Integração do estado do Pará, Brasil, no período de 2005 a 2014. Revista Pan-Amazônica de Saúde, 8(1), 29-37.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. (2016). Atualização global da hanseníase, 2015: tempo de ação, responsabilidade e inclusão. Wkly Epidemiol Rec. 91 (35): 405-20.

Ribeiro, M. D. A., Silva, J. C. A., & Oliveira, S. B. (2018). Estudo epidemiológico da hanseníase no Brasil: reflexão sobre as metas de eliminação. Revista Panamericana de Salud Pública, 42, e42.

Romero-Montoya, I. M., Beltrán-Alzate, J. C., Ortiz-Marín, D. C., Diaz-Diaz, A., & Cardona-Castro, N. (2014). Leprosy in Colombian children and adolescents. The Pediatric infectious disease journal, 33(3), 321-322.

Silva, J. A. M. D., Peduzzi, M., Orchard, C., & Leonello, V. M. (2015). Educação interprofissional e prática colaborativa na Atenção Primária à Saúde. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 49, 16-24.

Vasconcelos E. M. (2001). Participação popular e educação nos primórdios da saúde pública brasileira. In: Vasconcelos EM, organizador. A saúde nas palavras e nos gestos: reflexões da Rede de Educação Popular nos Serviços de Saúde. São Paulo: Editora Hucitec.

Vila, A. C. D., & Vila, V. D. S. C. (2007). Tendências da produção do conhecimento na educação em saúde no Brasil. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 15, 1177-1183.

World Health Organization. (2016). Estratégia global para Hanseníase 2016-2020: aceleração rumo a um mundo sem hanseníase. Genebra: World Health Organization.

Publicado

2023-07-22

Como Citar

RIBEIRO GASPAR, M. A. .; PINHEIRO OLIVEIRA, S.; OLIVEIRA, J. C. .; DIAS BRITO, J. .; FURTADO DOS SANTOS PEREIRA, J. .; LOPES FERREIRA, R. .; ASSUNÇÃO BARROS, L. A. .; FERREIRA BERNARDES NEVES, A. C.; FITERMAN LIMA, S. . EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE SOBRE HANSENÍASE EM UMA COMUNIDADE QUILOMBOLA DA BAIXADA MARANHENSE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DO PET-SAÚDE/INTERPROFISSIONALIDADE. Interfaces - Revista de Extensão da UFMG, [S. l.], 2023. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/36318. Acesso em: 16 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos