OFICINAS CULINÁRIAS COM ADOLESCENTES

UMA EXPERIÊNCIA EM AMBIENTE ESCOLAR POR MEIO DA EDUCAÇÃO POR PARES

Autores

  • Annah Bárbara Pinheiro dos Santos Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Kennedy Ramires Mangerot Ribeiro
  • Letícia Ferreira Tavares Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Gloria Valéria da Veiga Universidade Federal do Rio de Janeiro

Palavras-chave:

Adolescentes, Gastronomia, Nutrição, Oficinas Culinárias, Educação por pares

Resumo

Os adolescentes são mais vulneráveis à adoção de uma alimentação inadequada que pode expô-los ao risco
de desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis, principalmente a obesidade. Com o objetivo de descrever as etapas do processo de realização e de analisar a aceitação de oficinas culinárias por meio da
metodologia de educação por pares, foram realizadas 16 oficinas culinárias com adolescentes em ambiente escolar, voltadas para o incentivo à alimentação saudável por meio do preparo de saladas e hambúrguer caseiro. A avaliação das oficinas foi feita com base em questionário com perguntas abertas e fechadas, e a utilização de escala hedônica. Observou-se aceitação das oficinas superior a 80% dos alunos. A partir da educação por pares, aplicada à alimentação, foi possível perceber a quebra de barreiras atitudinais a quebra de barreiras atitudinais dos adolescentes em face de determinados alimentos, antes estigmatizados, mediados pela convergência entre a gastronomia e a educação alimentar e nutricional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Adams, H. L., & Williams, L. R. (2011). Advice from teens to teens about dating: Implications for healthy relationships. Children and Youth Services Review, v. 33, n. 2, pp. 254-264.

Barbora, F. V. C.; Campos, W., & Lopes, A. S. (2014). Epidemiology of physical inactivity, sedentary behaviors, and unhealthy eating habits among Brazilian adolescents. Ciência & Saude Coletiva, v. 19, n. 1, pp. 173-194.

Barbosa, I. A., Lopes, J. R., Filho, M. C. O. C., Dangelo, M. F. S. V., Pinho, L. Brito, M. F. S. F., Barbosa, D. A. et al. (2019).Prevalencia y factores asociados al exceso de peso corporal en adolescentes. Acta paul. enferm. [online]. Vol.32, n.5, pp.485-492.

Barbosa, L. (2007). Feijão com arroz e arroz com feijão: o Brasil no prato dos brasileiros. Horizontes Antropologicos, vol. 13, n. 28, pp.87-116.

Bardin, L. (1997). Análise de conteúdo. Lisboa, Edições 70.

Barreira, E., & Madeira, M. (2009). Programa de intervenção “Quero crescer saudável”. Revista da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais. Porto: Edições Universidade Fernando Pessoa. ISSN 1646-0502.6 (2009), pp. 250-261.

Barros, J. D. V. (2009). Imaginário da brasilidade em Gilberto Freyre. 2 ed. São Luis/MA: EDUFMA, p. 206.

Barroco, L. M. S., & Barroco, H. E. (2008). A importância da gastronomia como patrimônio cultural, no turismo baiano. TURyDES Revista de Investigación em Turismo y Desarollo Local, Vol 1, no 2.

Barroso, T. M. M. D. A., Mendes, M. O. C., & Barbosa, J. F. (2013). Programa de prevenção do uso/abuso de álcool para adolescentes em contexto escolar: parar para pensar. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem [en linea]. 17(3), pp. 466-473. ISSN: 1414-8145.

Boutaud, J. J. (2011). Comensalidade: compartilhar a mesa. In: MONTANDON, A. O livro da hospitalidade: acolhida do estrangeiro na história e nas culturas. São Paulo: Senac, pp. 1213-1230.

Brillat--Savarin, J. (1995). A fisiologia do gosto. São Paulo: Companhia das Letras.

Castro, I. R. R., De Souza, T. S. N., Maldonado, L. A., Caniné, E. S., Rotenberg, S., & Gugelmin, S. A. (2007). A culinária na promoção da alimentação saudável: delineamento e experimentação de método educativo dirigido a adolescentes e a profissionais das redes de saúde e de educação. Rev. Nutr., Campinas , v. 20, n. 6, pp. 571-588.

Capobiango, M., Ribeiro, R. C., Silva, A. R., Assunção, I. B., & Porto, P. B. V. (2014). Oficinas culinárias como estratégia para a promoção de práticas alimentares saudáveis. Percurso Acadêmico, Belo Horizonte, v. 4, n. 8.

Collaço, J. H. L. (2013). Gastronomia: a trajetória de uma construção recente. Habitus, Goiânia, v. 11, n. 12, pp. 203-222.

Costa, A. C. G. (2011). Tempo de servir: o protagonismo juvenil passo a passo; um guia para o educador. Belo Horizonte: Editora Universidade.

Costa, C. S. (2018). Comportamento sedentário e consumo de alimentos ultraprocessados entre adolescentes brasileiros: Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) 2015. Cad. Saúde Pública; 34(3):e00021017.

Costa, M. C., Sampaio, E. S., Zanirati, V. F., Lopes, A. C. S., & Dos Santos, L. C. (2016).

Experiência lúdica de promoção de alimentação saudável no ambiente escolar: satisfação e aprendizado dos estudantes. O Mundo da Saúde, São Paulo, n. 40, v. 1, pp. 38-50.

Da Matta, R. (2004). O que é o Brasil?/ Roberto DaMatta. – Rio de Janeiro –Rocco.

Da Matta, R. (1984). O que faz o brasil, Brasil?. Rio de Janeiro: Rocco.

De Ávila, R. S., Pansera, D. V. C., Previdente, N. Z., Rossarolla, T. S., & Backes, V. (2019). Educação alimentar e nutricional para adolescentes: O protagonismo como estratégia para práticas alimentares saudáveis. Revista Saúde e Desenvolvimento Humano - ISSN 2317-8582. Canoas, v. 7, n. 3.

Dietler, M. (2001). Theorizing the feast: ritual of consumption, commensal politics, and power in African contexts. In M. Dietler & B. Hayden (ed.) Feasts archaeological and ethnographic perspectives on food, politics, and power. Washington and London: Smithsonian Institution Press. pp. 65-114.

Diez-Garcia, R. W., & Cervato-Mancuso, A. M. (2017). Mudanças alimentares e educação

nutricional. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogon, 388p.

Enes, C. C., & Slater B. (2010). Obesidade na adolescência e seus principais fatores determinantes. Rev. Bras. Epidemiol., v. 13, n. 1, pp. 163-171.

FAO. Food and Agriculture Organization of the United Nations. (2019) Monteiro, C. A. et al. Ultra-processed foods, diet quality, and health using the NOVA classification system. Rome, FAO.

Flora, M. C., Rodrigues, R. F. F., & Paiva, H. M. C. G. C. (2013). Sex education interventions with teenagers: systematic literature review. Rev. Enf. Ref., Coimbra , v. serIII, n. 10, pp. 125-134.

Figueiredo, S. M., De Freitas, M. C. D., Da Silva, J. M. T., Filho, S. A. V., & Caligiorne, R. B. (2014). Oficinas de culinária: método educativo de alimentação saudável. HU Revista, Juiz de Fora, v. 40, n. 1 e 2, pp. 67-72.

Foley, W., Spurr, S., Lenoy, L., De Jong, M., & Fichera, R. (2011). Cooking skills are important competencies for promoting healthy eating in an urban Indigenous health service. Nutr diet, 68, pp. 291-296.

FORPROEX. (2012). Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Instituições Públicas de Educação Superior Brasileiras. Política Nacional de Extensão Universitária. Manaus.

Franzoni, E. (2016). A gastronomia como elemento cultural, símbolo de identidade e meio de integração. Dissertação de Mestrado. Universidade Nova de Lisboa, Lisboa.

Freyre, G. (2006). Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. rev. São Paulo: Global, 51.ed..

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Vozes.

Freire, P. (1993). Política e educação. São Paulo: Cortez.

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). (2017). Manual para aplicação dos testes de aceitabilidade no Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE. Brasília; 2º edição, p.20.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projeto de pesquisa. 4º ed., São Paulo: Atlas.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6º ed., São Paulo: Atlas.

Greenwood, S. A.; Portronieri, F. R. D. S., & Fonseca, A. B. C. (2013). Educação alimentar e nutricional para crianças e adolescentes: lições da prática. In: IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – IX ENPEC, 2013, Águas de Lindóia. Atas. Águas de Lindóia: ABRAPEC. Disponível em: <http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/ixenpec/atas/resumos/R1409-1.pdf>. Acesso em: jun, 2020.

Guia Alimentar para a População Brasileira. (2014). 2° edição. Brasília.

Harmon, E., Brook, N. S., Paige P., Michael W. B., & Christine E. B. (2015). The Impact of Culinary Skills Training on the Dietary Attitudes and Behaviors of Children and Parents, American Journal of Health Education, 46:5, pp. 283-292.

Hartmann, C.; Dohle, S., & Siegrist, M. (2013). Importance of cooking skills for balanced food choices. Appetite, 65, pp. 125-131.

Hasan, B., Thompson, W. G., Almasri, J., Wang, Z., Lakis, S., Prokop, L. J., Hensrud, D. D. et al. (2019). The effect of culinary interventions (cooking classes) on dietary intake and behavioral change: a systematic review and evidence map.BMC Nutrition, 5:29.

Hauck-Lawson, A. (1992). Hearing the Food Voice: An Epiphany for a Researcher. Digest –An Interdisciplinary Study of Food and Foodways, v. 12, n. 1-2, pp. 6-7.

Hauck-Lawson, A. (1998). When Food is the Voice: A Case Study of a Polish-American

Woman. Journal for the Study of Food and Society, v. 2, n. 1, pp. 21-28.

Herbert, J., Flego, A., Gibbs, L., Waters, E., Swinburn, B., Reynolds, J., & Marj M. (2014). Wider impacts of a 10-week community cooking skills program - Jamie’s Ministry of Food, Australia. BMC Public Health, v. 12, n. 1161.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2011). Pesquisa de Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (2002). Secretaria de Estado de Direitos Humanos. A Segurança alimentar e nutricional e o direito humano à alimentação no Brasil. Documento elaborado em março 2002 para a visita, no Brasil, do Relator Especial da Comissão de Direitos Humanos da ONU sobre Direito à Alimentação, Brasília: Ministério das Relações Exteriores; p. 65.

Jomori, M. M., De Vasconcelos, F. A. G., Bernardo, G. L., Uggioni, L., & Proença, P. C. (2018). The concept of cooking skills: A review with contributions to the cientific debate. Rev Nutr. v.31, n. 1, pp. 119-135.

Kraemer, F. B., Prado, S. D., Ferreira, F. R., & De Carvalho, M. C. V. S. (2014). O discurso sobre a alimentação saudável como estratégia de biopoder. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 24 [ 4 ], pp. 1337-1359.

Lavelle, F., Spence, M., Hollywood, L., McGowan, L., Surgenor, D., McCloat, A., Mooney, E. et al. (2016). Learning cooking skills at different ages: a cross-sectional study. . International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity, 13:119.

Louzada, M. L. C., Baraldi, L.G., Steele, E. M., Martins, A. P. B., Canella, D. S., Mourabac, J. C., Levy, R. B. et al. (2015). Consumption of ultra-processed food sand obesity in Brazilian adolescents and adults. PrevMed, v. 81, p. 9-15.

Ministério da Saúde. (2000). Política nacional de alimentação e nutrição. Brasília: Ministério da Saúde.

Montanari, M. (2008). Comida como cultura. Ed. Senac: São Paulo.

Montanari, M. (2009). O mundo na cozinha: historia, identidade, trocas / Massimo Montanari (org): Tradução Valéria Pereira da Silva – Ed. Senac: São Paulo.

Moraes, K. C. S., De Santos, M. E. F., & Souza, V. (2019). Efeito da gastronomia na aceitabilidade de vegetais por adolescentes. Ciência&Saúde, v. 12, n. 1.

Moraes, R. (1999) Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, pp. 7-32.

Olabuenaga, J.I. R., Ispizua, M. A. (1989). La descodificacion de la vida cotidiana: metodos de investigacion cualitativa. Bilbao, Universidad de deusto.

Pereira, M. N., & Sarmento, C. T. M. (2012). Oficina de culinária: uma ferramenta da educação nutricional aplicada na escola. Universitas: Ciências da Saúde, Brasília, v. 10, n. 2, pp. 87-94.

Ramos, F. P., Santos, L. A. S., & Reis, A. B. C. (2013). Educação alimentar e nutricional em escolares: uma revisão de literatura. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 29(11), pp. 2147-2161.

Rocha, K. de A. (2016) A evolução do curso de gastronomia no Brasil. Contextos da

Alimentação. Revista de Comportamento, Cultura e Sociedade, v. 4, n. 2, São Paulo: Centro Universitário Senac ISSN 2238-4200.

Santos, A. B. P., Ribeiro, K. R. M., Castro, K. T. N. E., Spinelli, R. R., Santos, B. M. B., Torres, A. C. R. S., Portronieri, F. R. D. S. et al. (2018). O adolescente como multiplicador de ações educativas para estilo de vida saudável para seus pares: uma experiência em ambiente escolar. In: 9ª Semana de Integração Acadêmica da Universidade Federal do Rio de Janeiro - 9ª SIAC, Rio de Janeiro. Caderno de Resumos: Centro de Ciências da Saúde, p. 1-686.

Santos, C. R. A. D. (2011). A comida como lugar de história: as dimensões do gosto. Revista História Questões & Debates, Curitiba, v. 54, n. 1.

Santos, L. A. S. (2005). Educação alimentar e nutricional no contexto da promoção de práticas alimentares saudáveis. Rev. Nutr., Campinas , v. 18, n. 5, pp. 681-692.

Schimidt, M. I., Duncan, B. B., Silva, G. A., Menezes, A. M., Monteiro, C. A., Barreto, S. M., Chor, D. et al. (2011). Chronic non-communicable diseases in Brazil: burden and current challenges. Lancet; 377:1949-61.

Silva, J. G., Teixeira, M. L. O., & Ferreira, M. A. (2014). Alimentação na adolescência e as relações com a saúde do adolescente. Texto contexto - enferm., Florianópolis , v. 23, n. 4, pp. 1095-1103.

Souza, E. A., Filho, V. C. B., Nogueira, J. A. D., & Junior, M. R. A. (2011). Atividade física e alimentação saudável em escolares brasileiros: revisão de programas de intervenção. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 27(8), pp. 1459-1471.

Tavares, L. F., Fonseca, S.C., Rosa, M.L.G., & Yokoo,E.M. (2012).Relationship between ultra-processed food sand metabolic syndrome in adolescents from a Brazilian Family DoctorProgram. Public Health Nutr; v. 15, pp. 82-87.

Toscano, F. D. O. (2012). Alimentação e cultura: caminhos para o estudo da Gastronomia. Revista Contextos da Alimentação, São Paulo, v. 1, n.

Viana, M.R., Neves, A. S., Junior, K. R. C., Prado, S. D., & Mendonça, A. L. O. (2017). A racionalidade nutricional e sua influência na medicalização da comida no Brasil. Ciênc.saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, pp, 447-456.

World Health Organization - WHO. (2014). Health for the World's Adolescents, a second

chance in the second decade. Geneva: WHO.

Zancul, M., & Oliveira, J. (2008). Considerações sobre ações atuais de educação alimentar e nutricional para adolescentes. Alimentos e Nutrição, n. 18.

Publicado

2023-07-22

Como Citar

PINHEIRO DOS SANTOS, A. B.; RAMIRES MANGEROT RIBEIRO, K. .; FERREIRA TAVARES , L.; VALÉRIA DA VEIGA , G. . OFICINAS CULINÁRIAS COM ADOLESCENTES: UMA EXPERIÊNCIA EM AMBIENTE ESCOLAR POR MEIO DA EDUCAÇÃO POR PARES . Interfaces - Revista de Extensão da UFMG, [S. l.], 2023. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/37418. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos