DIFERENÇAS REGIONAIS NA DIVULGAÇÃO DE NEUROCIÊNCIAS NO BRASIL

ANÁLISE SOBRE AS LIGAS ACADÊMICAS DE NEUROCIÊNCIAS E A SEMANA NACIONAL DO CÉREBRO

Autores

Palavras-chave:

Divulgação Científica, Neurociências, Diferenças Regionais

Resumo

A divulgação científica é um instrumento de aproximação entre a sociedade e a engrenagem da pesquisa científica. Nos últimos anos, o crescimento e fortalecimento dessas ações é percebido nas instituições de ensino, principalmente devido à expansão interiorana das universidades e ao interesse acadêmico em promover um retorno social. Porém, em razão da extensão territorial do Brasil e da centralização histórica de recursos financeiros, existem déficits regionais persistentes. Desde 1990 as Neurociências ganharam um destaque científico e social, tornando-se um tema popular, abrangendo desde patologias, até o desenvolvimento de estratégias para maximizar o ensino e trabalho. Sendo assim, este artigo considerou a realização da Semana do Cérebro nos anos de 2017, 2018 e 2019 e o quantitativo de Ligas Acadêmicas em Neurociências em universidades públicas, a fim de promover uma discussão sobre as diferenças regionais brasileiras em relação às ações de divulgação científica.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abdal, A. (2017). Desenvolvimento regional no Brasil contemporâneo: Para uma qualificação do debate sobre desconcentração industrial. Novos Estudos CEBRAP, 36(2), 107–126.

Albagli, S. (1996). Divulgação científica: informação científica para a cidadania? Ciência Da Informação, 25(3), 396–404.

Aranha, G.,Chichierchio, M., & Sholl-Franco, A. (2015). A divulgação científica como instrumento de desmitificação e conscientização pública sobre neurociências. Caçadores de neuromitos: o que você sabe sobre seu cérebro é verdade?, 204-220.

Brasil. (1996) Ministério da Educação. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Ministério da Educação http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm.

Bueno, W. C. (2010). Comunicação científica e divulgação científica: aproximações e rupturas conceituais. Informação & Informação, 15(supl), 1–12.

Bufrem, L. S., Silveira, M., & Freitas, J. L. (2019). Políticas de ciência, tecnologia e inovação no Brasil: panorama histórico e contemporâneo. Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação e Biblioteconomia, 14(1).

Carneiro, J. A., Costa, F. M. da, Poswar, F. D. O., & Freitas, M. O. S. de. (2015). Liga Acadêmica: instrumento de ensino, pesquisa e extensão universitária. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, 06(01), 667–679.

Carvalho, C. P. de O. (2018). O Desenvolvimento da Região Nordeste nos Anos Pós-Sudene (2000-2016). Revista Paranaense de Desenvolvimento, 39(134), 21–36.

Cavalcante, A. S. P., Vasconcelos, M. I. O., Lira, G. V., Henriques, R. L. M., Albuquerque, I. N. M., Maciel, G. P., Ribeiro, M. A., & Gomes, D. F. (2018). As Ligas Acadêmicas na Área da Saúde: Lacunas do Conhecimento na Produção Científica Brasileira. Revista Brasileira de Educação Médica, 42(1), 199–206.

Côté, G., Roberge, G., & Archambault, É. (2016). Bibliometrics and Patent Indicators for the Science and Engineering Indicators 2016.

Costa, B. E. P., Hentschke, M. R., Silva, A. C. C., Barros, A., Salerno, M., Poli-de-Figueiredo, C. E., Antonello, I. C., & Lopes, M. H. I. (2012). Reflexões sobre a importância do currículo informal do estudante de Medicina. Scientia Medica, 22(3), 162–168.

de Freitas, P. D. S. C., & de Sousa, C. E. B. (2022). Contribuições da Neurociência para a formação docente em ciências: uma revisão sistemática integrativa de literatura. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, 13(4), 1-18.

Ekuni, R., Zeggio, L., & Bueno, O. F. A. (2015). Caçadores de Neuromitos: o que você sabe sobre seu cérebro é verdade. São Paulo: Editora Memnon.

Silva, A. E. F. A. da, & Pereira, J. R. (2021). Pesquisas científicas em universidades públicas de Minas Gerais (Brasil): quinze anos de notícias e suas repercussões. Journal of Science Communication América Latina, 04(01), A05.

Frazzetto, G., & Anker, S. (2009). Neuroculture.Nature Reviews Neuroscience, 10(11), 815–821.

Goergen, D. I. (2017). Ligas Acadêmicas: uma revisão de várias experiências. Arquivos Catarinenses de Medicina, 46(3), 183–193.

Gumiero, R. G., & Zambello, A. V. (2021). Balanço comparativo dos desenhos de implementação do REUNI: UFSCAR e UFGD. Holos, 3, 1-19.

Hamamoto Filho, P. T., Villas-Bôas, P. J. F., Corrêa, F. G., Muñoz, G. O. C., Zaba, M., Venditti, V. C., & Schellini, S. A. (2010). Normatização da abertura de ligas acadêmicas: a experiência da Faculdade de Medicina de Botucatu. Revista Brasileira de Educação Médica, 34(1), 160–167.

Howard-Jones, P. A. (2014). Neuroscience and education: Myths and messages. Nature Reviews Neuroscience, 15(12), 817–824.

Kerbauy, M. T. M., & dos Santos, J. (2021). Fundações de Amparo à Pesquisa na Região Norte: histórico e características. Ciência da Informação, 50(2).

Martins, A. D. S., & Mello-Carpes, P. B. (2014). Ações para divulgação da Neurociência: um relato de experiências vivenciadas no sul do Brasil. Revista de Ensino de Bioquímica, 12(2), 108.

Matos, G. P. de. (2018). As fundações de amparo à pesquisa como agentes estruturantes dos sistemas regionais de inovação e descentralização em CTI no Brasil.. 152 f. Dissertação (Mestrado em Tecnologias da Informação e Comunicação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Araranguá https://repositorio.ufsc. br/handle/123456789/189329.

Mueller, S. P. M., & Caribe, R. de C. do V. (2010). A comunicação científica para o público leigo: breve histórico. Informação & Informação, 15(supl), 13–30.

O’Connor, C., Rees, G., & Joffe, H. (2012). Neuroscience in the Public Sphere. Neuron, 74(2), 220–226.

Queiroz, G. B. R. de, & Becker, V. (2016). The Dissemination of Science and Science Journalism in Brazilian Universities: Analyzing Strategies that Facilitate Access to Science & Technology. Brazilian Journalism Research, 12(3), 170–189.

Queiroz, S. J., Azevedo, R. L. de O., Lima, K. P., Lemes, M. M. D. D., & Andrade, M. (2014). A importância das Ligas Acadêmicas na formação profissional e promoção de saúde. Revista Brasileira de Educação Médica, 24, 73–78.

Racine, E., Waldman, S., Rosenberg, J., & Illes, J. (2010). Contemporary neuroscience in the media. Social Science and Medicine, 71(4), 725–733.

Sidone, O. J. G., Haddad, E. A., & Mena-Chalco, J. P. (2016). A ciência nas regiões brasileiras: evolução da produção e das redes de colaboração científica. Transinformacão, 28(1), 15–31.

Ventura, D. F. (2010). Um retrato da área de Neurociência e comportamento no Brasil. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(spe), 123–129.

Wartha, E. J., Santos, A. R., Silva, E. L., dos Santos, C. A., Viana Barbosa, C. J., Ribeiro, T. N., ... & da Cruz Canevarri, S. (2015). Divulgação e Popularização Científica no Projeto “Ciência sobre rodas” como espaço educativo. Revista de ensino de Ciências e Matemática, 6(3), 113-131. https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/832

Webb, L. M. (2017). Online Research Methods, Qualitative. The International Encyclopedia of Communication Research Methods, 1–9.

Yeung, A. W. K., Goto, T. K., & Leung, W. K. (2017). The Changing Landscape of Neuroscience Research, 2006–2015: A Bibliometric Study. Frontiers in Neuroscience, 11, 120.

Downloads

Publicado

2023-12-30

Como Citar

ELYSIO, M. de S.; TEIXEIRA, C. H. de C.; COUTINHO, A. . A. de M.; SILVA, R. W. N.; PEREIRA, L. de A. DIFERENÇAS REGIONAIS NA DIVULGAÇÃO DE NEUROCIÊNCIAS NO BRASIL: ANÁLISE SOBRE AS LIGAS ACADÊMICAS DE NEUROCIÊNCIAS E A SEMANA NACIONAL DO CÉREBRO. Interfaces - Revista de Extensão da UFMG, [S. l.], 2023. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/40529. Acesso em: 24 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos