MUSEUS E A COMUNICAÇÃO PÚBLICA DE CIÊNCIA

Autores

Palavras-chave:

Divulgação Científica, Exposições, Controvérsias, Cientificismo

Resumo

Para situar alguns problemas da divulgação científica em museus, este artigo retoma aspectos históricos da dimensão pública da ciência e dos museus. A vinculação dos museus com o processo educativo e com modelos de ensino de ciências é abordada como parte da busca de ampliação do alcance e da interação com a população. A divergência entre as estratégias discursivas da linguagem científica e as demandas  da comunicação pública da ciência são apresentadas como um dilema que encontra no cientificismo uma de suas expressões. Como desafios da comunicação científica em museus são levantadas as seguintes indagações: Como abordar a ciência evitando os estereótipos e mitos que, em geral, são reforçados na divulgação científica? Como tratar dos processos e não apenas dos resultados das investigações científicas? Como fazer isso de forma atraente, envolvente e crítica? Duas experiências de exposições desenvolvidas na UFMG – “Sentidos do Nascer” e “Processaber” – são, por fim, apresentadas como exemplos de algumas soluções criadas que  atendem  os  desafios levantados. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bernardo Jefferson de Oliveira, Universidade Federal de Minas Gerais- Belo Horizonte- Minas Gerais- Brasil

Professor Titular da Faculdade de Educação

 

 

 

Referências

Almeida, M. I.; Leite, P. K. (Orgs.) (2010). Demasiado Humano. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Anjos, J. P. (2019). A Construção de Narrativas em Museus de Ciências Contemporâneos. Tese de Doutorado em Educação. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte.

Calvino, Í. (2010). Coleção de areia. São Paulo: Cia das Letras.

Cameron, I.; Edge, D. (1979). Scientific Images and Their Social Uses: An Introduction to the Concept of Scientism. London: Butterworth-Heinemann Ltd.

Darton, R. (1996). O iluminismo como negócio: história da publicação da "Enciclopédia", 1775-1800. São Paulo: Companhia das Letras.

Haack, S. (2012). Seis Sinais de Cientificismo. Logos & Episteme, 3, 75-95.

Lopes, M. (1991). A favor da desescolarização dos museus. Educação e sociedade. 40, 443-455.

Marandino, M. (2004). Transposição ou recontextualização? Sobre a produção de saberes na educação em museus de ciências. Revista Brasileira de Educação. 26, 95-108.

Oliveira, B.; Segantini,V.; Reis, D.; Lommez, R. (2014). O fetiche da interatividade em dispositivos museais: eficácia ou frustração na difusão do conhecimento científico. Museologia e Patrimônio, 7(1).

Oliveira, B.; Lansky, S.; Souza, K.; Dumont, E.; Karmaluc, C.; Friche, M. A. (2020). Sentidos do Nascer: exposição interativa para a mudança de cultura sobre o parto e nascimento no Brasil. Interface (Botucatu) [online]., 24. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/interface.190395.

Petry, M. S.; Gaspar, V. (2013). Museu escolar: sentidos, propostas e projetos para a escola primária (séculos 19 e 20). História da Educação. 17 (41), 79-101.

Santos, R. C. M. (2019). Um antropólogo no museu: Edgar Roquette-Pinto e o exercício da antropologia no Brasil nas primeiras décadas do século XX. Horizontes Antropológicos. 25(53), 283-315. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-71832019000100011

Segantini, V. C. (2015). Maneira decente e digna de expor aos olhos do público: modos de exibição da história natural (séc. XVIII e XIX). Tese de Doutorado em Educação. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Soares I. O. (2010). Educomunicação e terceiro entorno: diálogos com Galimberti, Echeverría e Martín-Barbero. Comunicação & Educação. 15(3), 57-66.

Wagensberg, J. (2005). O museu “total”, uma ferramenta para a mudança social. História, Ciências, Saúde. Manguinhos, 12 (supl.), 309-21.

Publicado

2022-12-31

Como Citar

OLIVEIRA, B. J. de. MUSEUS E A COMUNICAÇÃO PÚBLICA DE CIÊNCIA. Interfaces - Revista de Extensão da UFMG, [S. l.], v. 10, n. 2, 2022. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/42250. Acesso em: 4 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê Patrimônio Universitário em Rede