A informação científica e o seu Acesso Livre: que direção o Brasil está adotando?

  • Hélio Kuramoto Hélio Kuramoto

Resumo

O movimento Open Access, também conhecido como movimento Acesso Livre introduziu novas alternativas de acesso à informação científica aos pesquisadores. Em conseqüência, novas ferramentas de disseminação da produção científica foram introduzidas, como repositórios digitais e as revistas científicas de acesso livre. Esse movimento teve seu início em 2001. Passado mais de uma década verifica-se, hoje, a existência de mais de 2600 repositórios digitais, em diversas partes do mundo. O Brasil participou desde o início, dessa experiência, monitorando e desenvolvendo iniciativas similares. Hoje, o país, conta com 83 repositórios digitais, e cerca de mil revistas científicas de acesso livre. Este artigo analisa e discute a posição brasileira, sobre o OA, no contexto mundial baseada em conceitos que definem um repositório digital, um repositório institucional, um repositórios temático, um repositório central. Faz a avaliação da participação dos RI brasileiros no OpenDOAR ilustrando os tipos de documentos registrados nos repositórios Digitais. Apresenta as iniciativas do OA e do IBICT, bem como o nível de evolução das mesmas, discute as razões que vêm impedindo as bibliotecas universitárias de construir e manter os seus repositórios institucionais, assim como, a baixa adesão dos pesquisadores nessas iniciativas. Discute o estágio dos repositórios institucionais brasileiro, as dificuldades encontradas pelas instituições de ensino e pesquisa e enfocando alguns pontos importantes na evolução desses repositórios.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2015-01-16
Como Citar
Hélio Kuramoto, H. K. (2015). A informação científica e o seu Acesso Livre: que direção o Brasil está adotando?. Bibliotecas Universitárias: Pesquisas, Experiências E Perspectivas, 2(1). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistarbu/article/view/3072
Seção
Artigos Originais