ORIENTAÇÃO ACADÊMICA

PANORAMA DE UMA ATIVIDADE

Autores

  • Karla Daniele de Souza Araújo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco https://orcid.org/0000-0003-4721-9715
  • Maria Cristina Hennes Sampaio Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2019.12351

Palavras-chave:

Orientação acadêmica, Ergologia, Teoria Dialógica da Linguagem

Resumo

Na Universidade, a atividade de orientação acadêmica, constituída entre orientadores e orientandos, pode assumir várias configurações em seu desenvolvimento. Os objetivos do presente estudo foram analisar a atividade formativa de orientação acadêmica, as interações verbais entre os participantes, os sentidos que elas expressam e as formas de construção do conhecimento resultantes desta relação. Para esse fim, realizamos um estudo de caso com uma dupla de orientadora e orientanda de Mestrado em uma Universidade Pública Federal, a partir do qual analisamos os enunciados/discursos proferidos pelos sujeitos na atividade (trabalho real), fundamentados na Filosofia da linguagem (BAJTIN, 1997a) e na Teoria dialógica da linguagem/Análise dialógica do discurso (BAKHTIN, 1997b) e nos pressupostos teóricos da Ergologia (SCHWARTZ, 1998, 2000, 2007, 2010, 2015). As análises sugerem que a atividade de orientação acadêmica levou os sujeitos a lidar com questões institucionais e pessoais, através das normas que regulam suas funções. Observou-se a emergência de dois valores institucionais na atividade: o compromisso com a formação do pesquisador e a produtividade acadêmica. Dentre os valores pessoais, identificamos a busca pela autonomia por parte da orientanda e o valor do cuidado por parte da orientadora; como dupla, ambas demonstraram o valor da colaboração e da responsabilidade compartilhada. Consideramos que os valores destacados representam a vivência de uma ética acadêmica que visa à consolidação da responsabilidade na produção do conhecimento e da responsabilidade com o outro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karla Daniele de Souza Araújo, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco

Professora de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco (atualmente em licença), Mestre e Doutora em Linguística pela Universidade Federal de Pernambuco, com enfoque em pesquisa nas áreas de análise dialógica do discurso, linguística aplicada e ergologia.

Maria Cristina Hennes Sampaio, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Doutora em Linguística pela Universidade de São Paulo, Professora do Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística da Universidade Federal de Pernambuco.

Referências

BAJTIN, Mijail M. Hacia uma filosofia de lacto ético. De los borradores y otros escritos. Trad. Tatiana Bubnova. Rubi (Barcelona): Anthropos, 1997a.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Trad. Maria E. G. G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1997b.

CANGUILHEM, Georges. O normal e o patológico. Trad. de Maria Tereza Redig de Carvalho Barrocas & Luiz Octávio Ferreira Leite. 5.ed. Rio de Janeiro: Florence Universitária, 2000.

CLOT, Yves. Trabalho e Poder de Agir. Belo Horizonte: Fabrefactum. 2010.

FAÏTA, Daniel. A análise do trabalho e o estatuto da atividade em Bakhtin. In: Análise dialógica da atividade profissional. Daniel Faïta (Org.). Rio de Janeiro: Imprinta Express Editora: 2005, p.79-98.

FLICK, Uwe. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman, 2004.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. Petrópolis: Editora Vozes, 2012.

SAMPAIO, Maria Cristina Hennes. A linguagem como experiência pensante e ensino: diálogos entre M. Bakhtin e M. Heidegger In: Linguagem e conhecimento (Bakhtin, Volóchinov, Medviédev). Beth Brait, Maria Helena Cruz Pistori e Pedro Francelino (Orgs.). São Paulo: Pontes Editora, 2019 (no prelo)

SAVIANI, Dermeval. O lugar estratégico do mestrado no conjunto da pós-graduação e da pedagogia: problemas e perspectivas. Aula Magna proferida na Universidade Tuiuti do Paraná, em 8 de março de 2007.

SCHWARTZ, Yves. Os ingredientes da competência: Um exercício necessário para uma questão insolúvel. Tradução: Alain P. François. Revisão técnica: Izabel Maria Loureiro. Educação e Sociedade, Campinas, v. 19, n. 65, Dec. 1998.

SCHWARTZ, Yves. Trabalho e uso de si. In: Pró-Posições. Campinas, Vol,11 n.2 (32), p.34-50. Trad. de M. Lúcia da Rocha Leão, Rev Téc de Maria Inês Rosa, UNICAMP. 2000.

SCHWARTZ, Yves. Trabalho e ergologia. In: SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho e ergologia: conversas sobre a atividade humana. Tradução de Jussara Brito e Milton Athayde et al. Niterói: Eduff, 2007.

SCHWARTZ, Yves. Reflexão em torno de um exemplo de trabalho operário. In: SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho e Ergologia: conversas sobre a atividade humana. Trad. Jussara Brito e Milton Athayde et al. 2. ed. Niterói: EdUFF, 2010, p. 37-46.

SCHWARTZ, Yves. L’activité peut-elle être objet d’ “analyse”? Letras de Hoje, v. 50, dez. 2015, p. 42-52.

TELLES, Ana Luiza; ALVAREZ, Denise. Interfaces ergonomia-ergologia: uma discussão sobre trabalho prescrito e normas antecedentes. In: FIGUEIREDO et al (Orgs.). Labirintos do trabalho: interrogações e olhares sobre o trabalho vivo. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

VOLOSHINOV, Valentin Nikolaevič & BAKHTIN, Mikhail. Discurso na vida e discurso na arte. Tradução de Carlos Alberto Faraco e Cristovão Tezza, para uso didático, com base na tradução inglesa de I. R. Titunik (“Discourse in life and discourse in art – concerning sociological poetics”), publicada em V. N. Voloshinov, Freudism, New York: Academic Press, 1976.

Downloads

Publicado

2019-08-29

Como Citar

ARAÚJO, K. D. de S.; SAMPAIO, M. C. H. ORIENTAÇÃO ACADÊMICA: PANORAMA DE UMA ATIVIDADE . Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 28, n. 2, p. 177–196, 2019. DOI: 10.35699/2238-037X.2019.12351. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/12351. Acesso em: 26 out. 2021.

Edição

Seção

ARTIGOS