FORMAÇÃO DOCENTE E A PEDAGOGIA DO “APRENDER A APRENDER”

AS REFORMAS DA EDUCAÇÃO NA ERA DA INFÂMIA DO CAPITAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17648/2238-037X-trabedu-v28n3-13891

Palavras-chave:

Conferências “Educação para Todos”, Competências, Formação Docente

Resumo

Este artigo expõe o resultado parcial de dissertação de mestrado defendida em abril de 2018. Apoiado em fontes bibliográficas, em dados empíricos e na análise documental, discorre-se sobre as Conferências “Educação para Todos” realizadas em Jomtien (1990), Dakar (2000) e Incheon (2015) e busca-se compreender como seus compromissos têm se inserido nos documentos nacionais, a saber: os Planos Nacionais de Educação (2001-2011 e 2014-2024), leis, decretos, orientações, programas e políticas públicas. Esses documentos disseminadores das teses da Pedagogia do “Aprender a Aprender” sugerem uma formação docente cujo perfil formativo dos professores deve ter como referência as premissas das novas competências e habilidades. A partir das análises, conclui-se que a sociedade do conhecimento apresentada nas Conferências Educação para Todos, por ser a antítese do conhecimento científico, promove o esvaziamento da formação docente na medida em que reduz o conteúdo ensinado à lógica útil e instrumental dos “aprenderes”, tendência que nega o acesso à formação plena ancorada no conhecimento científico historicamente produzido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lilian Fávaro Alegrâncio Iwasse, Universidade Estadual do Paraná (Unespar)

Mestre em Ensino pelo programa de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Estadual do Paraná – UNESPAR, campus de Paranavaí, área do conhecimento Mestrado em Ensino: Formação Docente Interdisciplinar - PPIFOR. Possui graduação em Pedagogia pela Faculdade Estadual de Educação Ciências e Letras de Paranavaí (2003) e Letras/ Inglês - PARFOR pela Universidade Estadual de Maringá. Tem experiência na área de Educação como Professora no Ensino Superior na Universidade Estadual do Paraná - Campus Paranavaí e na Educação Básica no Curso Formação de Docentes em Nível Médio na Modalidade Normal e como Pedagoga em ensino fundamental e médio, com ênfase em Educação. Pós graduação "lato sensu" Especialização em Administração, Supervisão e Orientação Educacional, realizado em 01/03/2003 a 21/09/2003 com duração de 360 horas; Pós graduação "Lato sensu" em Psicopedagogia Institucional e Clínica, realizado em 14/02/2004 a 19/11/2004 com duração de 600 horas e Pós Graduação "lato sensu" em Educação Especial: Atendimento as Necessidades Especiais, realizado em 22/06/2007 05/01/2008 com duração de 360 horas.

Renan Bandeirante Araújo, Universidade Estadual do Paraná (Unespar)

Professor do corpo docente permanente do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Formação Docente da Universidade Estadual do Paraná - Campus de Paranavaí. Possui graduação em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1998) e mestrado em Sociologia do Trabalho pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Unesp/Marília (2002). Doutor em Sociologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Unesp/Araraquara. Coordenador do Grupo de Pesquisa Economia do Trabalho, Educação e Desenvolvimento Regional, cadastrado no CNPq. Tem experiência docente nas áreas de Sociologia, História, Educação e Ensino, atuando principalmente com os seguintes temas: Modernidade, Trabalho e Globalização, com ênfase em questões que abordam: juventude, reestruturação produtiva, sociabilidade, educação, ensino, trabalho flexível e estranhamento social.

Referências

ALVES, G. O Novo (e precário) mundo do trabalho: reestruturação produtiva e crise do sindicalismo. São Paulo: Boitempo, 2000.

ALVES, G. Trabalho e mundialização do capital: a nova degradação do trabalho na era da globalização. 2. ed. Londrina: Praxis, 1999.

ARAÚJO, R. O novo perfil do metalúrgico do ABC: Um estudo sobre o trabalho e o modo de vida justin-time do metalúrgico jovem-adulto flexível (1992-2008). Campo Mourão: Fecilcam, 2012.

ARROYO, M. G. O direito do trabalhador à educação. In: GOMEZ, C. M. et al. Trabalho e conhecimento: dilemas na educação do trabalhador. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2012. p. 103-127.

APPLE, M. W. O que os pós-modernistas esquecem: capital cultural e conhecimento oficial. In: GENTILLI, P. A. A.; SILVA, T. T. da. (Orgs.). Neoliberalismo, qualidade total e educação. 15. ed. Petrópolis: Vozes, 2015. p. 179-204.

BRANCO, E. P. et al. Uma visão crítica sobre a implantação da Base Nacional Comum Curricular em consonância com a reforma do Ensino Médio. Debates em Educação, Maceió, v. 10, n. 21, p. 47-70, maio/ago. 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.28998/2175-6600.2018v10n21p47-70.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. 2017a. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 9 set. 2018.

BRASIL. Emenda Constitucional Nº 95, de 15 de dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 241, p. 2-3, 16 dez. 2016.

BRASIL. Lei Nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis Nos 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e o Decreto-Lei no 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei no 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 35, p. 1-3, 17 fev. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Evasão escolar. GOV.BR, 20 jun. 2017c. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/211-218175739/50411-evasao-no-ensino-medio-supera-12-revelapesquisa-inedita. Acesso em: 26 set. 2018.

CALDAS, A. do R. Desistência e resistência no trabalho docente: um estudo das professoras e professores do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Educação de Curitiba. 2007. 164 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007.

CALDAS, A. do R. Profissionais da Educação: entre o encantamento da resistência individual e o sofrimento do trabalho. In: SOUZA, Â. R. de; GOUVEIA, A. B.; TAVARES, T. M. (Orgs.). Políticas educacionais: conceitos e debates. 3. ed. Curitiba: Appris, 2016. p. 169-187.

DELORS, J. Educação: um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: MEC; UNESCO, 1998.

DUARTE, N. Vigotski e o “aprender a aprender”: críticas às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. 5. ed. rev. Campinas: Autores Associados, 2011.

FLEURY, M. T. L; FLEURY, A. Construindo o conceito de competência. Revista de Administração Contemporânea - RAC, Curitiba, Edição Especial, v. 5, p. 183-196, 2001. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552001000500010.

FONSECA, M. O Banco Mundial como referência para a justiça social no terceiro mundo: evidências do caso brasileiro. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, v. 24, n. 1, jan./jun. 1998. DOI: https://doi.org/10.1590/rfe.v24i1.59613.

FRIGOTTO, G. Educação e formação humana: ajuste neoconservador e alternativa democrática. In: GENTILI, P. A. A.; SILVA, T. T. da. (Orgs.). Neoliberalismo, qualidade total e educação: visões críticas. 15. ed. Petrópolis: Vozes, 2015. p. 31-92.

GENTILI, P. A. A. A falsificação do consenso: simulacro e imposição na reforma educacional do neoliberalismo. Petrópolis: Vozes, 1998.

GUIMARÃES-IOSIF, R. G.; SANTOS, A. V. dos. A governança contemporânea na educação superior brasileira: atores, disputas e desafios. In: GUIMARÃES-IOSIF, R. (Org.). Política e governança educacional: contradições e desafios na promoção da cidadania. Brasília: Liber Livros; Universa, 2012. p. 99-128.

HARVEY, D. O novo imperialismo. São Paulo: Loyola, 2004.

HELLER, A. O cotidiano e a história. 8. ed. Tradução Carlos Nelson Coutinho e Leandro Konder. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sinopse Estatística da Educação Básica 2017. Brasília, Inep: 2018. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopsesestatisticas-da-educacao-basica. Acesso em: 25 set. 2018.

KRAWACZYK, N. Reflexões sobre alguns desafios do Ensino Médio no Brasil hoje. Cadernos de Pesquisa, São Luís, v. 41 n. 144, p. 752-769, set./dez. 2011.

KRAWCZYK, N.; FERRETTI, C. J. Flexibilizar para quê? Meias verdades da “reforma”. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 20, p. 33-44, jan./jun. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.22420/rde.v11i20.757.

KUENZER, A. Z. As políticas de formação: A constituição da identidade do professor sobrante. Educação & Sociedade, Campinas, ano XX, n. 68, p. 163-183, dez. 1999. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-

MARX, K. Manuscritos econômicos-filosóficos. Tradução Jesus Ranieri. 1. ed. 4. reimpr. São Paulo: Boitempo, 2010.

MELO, A. A. S. de. A mundialização da educação: consolidação do projeto neoliberal na América Latina, Brasil e Venezuela. Maceió: EDUFAL, 2004.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Tradução Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

NEVES, L. M. W. Determinantes das mudanças no conteúdo das propostas educacionais no Brasil dos anos 90: período Itamar Franco. In: NEVES, L. M. W. (Org.). Educação e política no limiar do século XXI. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2008. p. 5-58.

PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Tradução Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Médicas Sul, 2000.

SCHULTS, L. Governança global, neocolonialismo e respostas democráticas para políticas educacionais. In: GUIMARÃES-IOSIF, R. (Org.). Política e governança educacional: contradições e desafios na promoção da cidadania. Brasília: Liber Livros; Universa, 2012. p. 25-40.

SGUISSARD, V. Educação superior no Brasil. Democratização ou massificação mercantil? Educação & Sociedade, Campinas, v. 36, n. 133, p. 867-889, out./dez. 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/ES0101-73302015155688.

SILVA, M. A. da. Agências, instituições e organizações internacionais atuam nas decisões de políticas para a educação básica pública? In: GUIMARÃES-IOSIF, R. (Org.). Política e governança educacional: contradições e desafios na promoção da cidadania. Brasília: Liber Livros; Universa, 2012. p. 69-97.

Downloads

Publicado

2019-12-11

Como Citar

IWASSE, L. F. A.; ARAÚJO, R. B. FORMAÇÃO DOCENTE E A PEDAGOGIA DO “APRENDER A APRENDER” : AS REFORMAS DA EDUCAÇÃO NA ERA DA INFÂMIA DO CAPITAL . Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 28, n. 3, p. 115–129, 2019. DOI: 10.17648/2238-037X-trabedu-v28n3-13891. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/13891. Acesso em: 19 maio. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS