VIVÊNCIAS DE PRAZER E SOFRIMENTO NO TRABALHO EM PROFESSORES DE KARATE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2021.20392

Palavras-chave:

Psicodinâmica do trabalho, Psicologia do Esporte, Artes Marciais

Resumo

Este estudo investiga as vivências de prazer e sofrimento com o trabalho de professores de Karate em uma cidade metropolitana do estado de São Paulo. Para isso, como aporte epistemológico, empregamos a psicodinâmica do trabalho. Foram feitas sete entrevistas individuais com os professores, no ano de 2019. Os resultados indicaram a invisibilidade do trabalho desses educadores, laços extremamente frágeis contratuais, condições precárias estruturais para que as aulas fossem ministradas, alta demanda dos alunos quanto as competências dos professores e alta expectativa dos alunos e seus cuidadores quanto aos princípios disseminados nas aulas. Ressalta-se as estratégias defensivas que, por respeito a hierarquia e disciplina do Karate, além do receio de perder os postos de trabalho (equivalente ao desemprego), submetem-se as organizações com o mínimo de questionamento, aceitando condições precárias laborais. As vivências de prazer são maximizadas, ao se atuar com alunos de projetos sociais, assim como pela possibilidade de auxiliá-los com outros referenciais para além dos problemas sociais por eles vivenciados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Camilo, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Pós-doutorado em Educação Física e do Esporte pela Universidade de São Paulo. Doutorado e Mestrado em Psicologia Social pela PUCSP. Psicóloga e Professora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, no curso de Psicologia e da Universidade Paulista (desde 2007).

Katia Rubio, Universidade de São Paulo (USP)

Pós-doutorado em Psicologia Social pela Universidad Autonoma de Barcelona. Doutorado em Educação pela USP. Mestrado em Educação Física e do Esporte pela USP. Psicóloga e Jornalista. Professora associada da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo

Referências

ANTUNES, R. Os modos de ser da informalidade: rumo a uma nova era da precarização estrutural do trabalho? Serv. Soc. Soc., v. jul./set., n. 107, p. 405–419, 2011.

ANTUNES, R. L. C. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 3a ed. Campinas: Cortez, 2008.

AWI, F. Filho teu não foge à luta. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2012.

BARREIRA, C. R. A. Combate, uma arqueologia fenomenológica: da arte marcial ao MMA sob uma nova perspectiva em psicologia do esporte. 2014. Universidade de São Paulo de Ribeirão Preto, 2014.

BUENO, M.; MACÊDO, K. B. A Clínica psicodinâmica do trabalho : de Dejours às pesquisas brasileiras. Ecos, v. 2, n. 2, p. 306–318, 2012.

CAMILO, J. A. de O. A naturalização do mal e os assédios no esporte de rendimento. In: Trabalho e Esporte: invisibilidade e desafios. São Paulo: Laços, 2020. p. 247–255.

CAMILO, J. A. de O.; RABELO, I. S. Precariedade e invisibilidade do trabalho dos atletas de alto-rendimento. In: Psicologia Social do Esporte. São Paulo: Képos, 2019. p. 73–88.

CAMILO, J. A. de O.; SPINK, M. J. P. Las Artes Marciales Mixtas (MMA): deporte, espectáculo y economía. Revista de Artes Marciales Asiaticas, v. 13, n. 1, p. 20–34, 2018.

DEJOURS, C. Subjetividade, trabalho e ação. Revista Produção, v. 14, n. 3, p. 27–34, 2004.

DEJOURS, C. A metodologia em psicodinâmica do trabalho. In: EDITORA FIOCRUZ, E. P. (Ed.). CHRISTOPHE DEJOURS: Da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. [s.l: s.n.]p. 125–150.

DEJOURS, C. Trabalho Vivo. Brasília: Paralelo 15, 2012.

DEJOURS, C. Psicodinâmica do trabalho: casos clínicos. Porto Alegre - São Paulo: Editora Dublinense, 2017.

DEJOURS, C.; BARROS, J. de O.; LANCMAN, S. A centralidade do trabalho para a construção da saúde. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, v. 27, n. 2, p. 228, 2016. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/rto/article/view/119227>.

DEJOURS, C.; NETO, T. G. a. R. M. Psicodinâmica do trabalho e teoria da sedução. Psicologia em Estudos, v. 17, n. 3, p. 363–371, 2012. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722012000300002>.

DRENATEC ENGENHARIA S/C; INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS. RELATÓRIO TÉCNICO No 88 219-205. Plano de Desenvolvimento e Proteção Ambiental da Bacia do Rio Cotia: Caracterização Regional. 2007.

DRUCK, G. A terceirização sem limites: mais precarização e riscos de morte aos trabalhadores. Cad. Saúde Pública, v. 32, n. 6, 2016.

FERREIRA JUNIOR, N.; RABELO, I. S.; CAMILO, J. A. de O. Carreira, transição e outros dilemas da “profissão” atleta. In: Do pós ao neo olimpismo: Esporte e Movimento olímpico no século XXI. São Paulo: Laços, 2019. p. 119–144.

HELOANI, R.; BARRETO, M. Assédio moral no trabalho: gestão por humilhação. Paraná: Juruá, 2018.

MERLO, Á. R. C.; MENDES, A. M. B. Perspectivas do uso da psicodinâmica do trabalho no Brasil: teoria, pesquisa e ação. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, v. 12, n. 2, p. 141–156, 2009.

MOLINIER, P. O Trabalho e a Psique: uma introdução a psicodinâmica do trabalho. São Paulo: Paralelo 15, 2016.

OLIVEIRA, M. A. de et al. De “mãos vazias" a “mãos com luvas”: Uma análise sociológica sobre Karate e os Jogos Olímpicos. Olimpianos - Journal of Olympic Studies, v. 2, n. 1, p. 324–342, 2018.

OLIVEIRA, M. A. de; TELLES, T. C. B.; BARREIRA, C. R. A. De Okinawa aos Jogos Olímpicos: o Karate. In: Do pós ao neo olimpismo: Esporte e Movimento olímpico no século XXI. São Paulo: Laços, 2019. p. 327–348.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS NO BRASIL. Esporte para o desenvolvimento e a paz: informativo da ONU no Brasil, 2016. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0024/002443/244329POR.pdf.

PONTES, K. de A. do E. S. et al. O olhar da equipe de enfermagem sobre o trabalho em uma unidade neonatal: uma intervenção com foco na atividade. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 45, p. 1–9, 2020.

SEGNINI, M. P. Quando tudo o que se tem é o corpo: contribuições da clínica do trabalho sobre a lesão física em bailarinos e atletas de alto rendimento. In: Trabalho e Esporte: invisibilidade e desafios. São Paulo: Laços, 2020. p. 117–128.

SPENCER, D. C. Sensing violence: An ethnography of mixed martial arts. Ethnography, v. 15, n. 2, p. 232–254, 2014.

WACQUANT, L. Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos. Rio de Janeiro: Editora Revan, 2003.

Downloads

Publicado

2022-02-03

Como Citar

CAMILO, J.; RUBIO, K. VIVÊNCIAS DE PRAZER E SOFRIMENTO NO TRABALHO EM PROFESSORES DE KARATE. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 30, n. 3, p. 87–101, 2022. DOI: 10.35699/2238-037X.2021.20392. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/20392. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS