A CRISE DAS EVIDÊNCIAS

A COVID-19 E A UBERIZAÇÃO DO TRABALHO DOS DOCENTES DE MATEMÁTICA NO MUNICÍPIO DE PETRÓPOLIS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2020.20425

Palavras-chave:

Contratação temporária, Professores de matemática, Precarização do trabalho docente

Resumo

A pandemia desencadeada pela COVID-19 atingiu, drasticamente, toda a economia mundial. Situações de tensão extrema como esta conduzem a sociedade a refletir sobre suas próprias fragilidades. Nesse contexto, o presente trabalho discute a precarização do trabalho docente dos profissionais do município de Petrópolis, sob o recorte dos professores de matemática desta rede municipal. Modificações sociais profundas oriundas da presença de novas tecnologias no cenário global favorecem a adoção, por órgãos públicos e privados, de medidas que visem a substituição do emprego por formas alternativas de contratação. Esta pesquisa se situa no cenário da pandemia provocada pela COVID-19, na qual os contratos temporários de docentes da rede municipal de Petrópolis foram suspensos e, diante da complexidade da situação mundial, a falta de perspectiva dada a esses profissionais amplia a crise pessoal de cada um. Baseada em uma revisão de literatura sobre as recentes práticas de precarização do trabalho docente na educação básica nacional, foi realizado um estudo de caso, o qual procurou analisar dados quantitativos a respeito da forma de contratação dos docentes da rede municipal de Petrópolis de 2016 a 2019. Conclui-se que, apesar do aumento de profissionais com formação a nível de pós-graduação no período estudado, tal fato tampouco contribuiu para a melhoria de suas condições de trabalho, traduzida no aumento substancial de professores contratados de forma temporária no período. Essa mudança no perfil do professor também não indicou melhoria no processo de aprendizagem em matemática por parte dos estudantes. Os resultados corroboram com um sintoma mundial: a precarização das relações de trabalho presente, em particular, na área de educação do país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Carius, Universidade Católica de Petrópolis

Doutora em Modelagem Computacional pelo Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC). Professora e pesquisadora no Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Católica de Petrópolis na linha de pesquisa Processos Educativos, Cultura, Tecnologias.

Referências

ANDRADE, Rodrigo Coutinho. A formação-atuação docente em tempos de ofensiva neoliberal: alguns apontamentos. Terra Livre, v.2, n.53, p.53-92, jul.-dez., 2019.

CARVALHO, João Francisco Sarno; OLIVEIRA, João Leandro Cássio. Professor substituto ou professor prostituto? A precarização do trabalho docente substituto em uma instituição de ensino. Revista de Educação, Ciência e Tecnologia de Almenara, v.1, n.1, p. 70-81, mai./ago., 2019.

CASTEL, Robert. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. Petrópolis: Vozes, 2001.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. 20a edição. São Paulo: Paz e Terra, 2019.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 5a edição. São Paulo: Atlas, 1999.

PETRÓPOLIS. Lei Municipal no 5.170/95, de 10 de janeiro de 1995. Dispõe sobre o plano de cargos, carreiras e salários dos funcionários da administração direta do município de Petrópolis; transforma e reorganiza classes de cargos e grupos ocupacionais; institui nova tabela de vencimentos; cria incentivos à produtividade e qualidade de serviços; e dá outras providências.

PETRÓPOLIS. Lei Municipal no 6.870/11, de 4 de agosto de 2011. Dispõe sobre o plano de carreira e remuneração dos profissionais da educação pública municipal de Petrópolis - RJ, estabelece normas de enquadramento, institui nova tabela de vencimentos e dá outras providências.

PETRÓPOLIS. Lei Municipal no 6.907/11, de 25 de novembro de 2011. Cria, extingue cargos, altera nomenclaturas, quantitativos legais, requisitos para investidura, no âmbito da administração direta do município de Petrópolis e dá outras providências.

RAVITCH, Diane. Vida e morte do grande sistema escolar americano: como os testes padronizados e o modelo de marcado ameaçam a educação. Porto Alegre: Sulina, 2011.

SILVA, Amanda Moreira. A uberização do trabalho docente no Brasil: uma tendência de precarização no século XXI. Trabalho Necessário, v.17, n.34, p.229-251, set-dez., 2019.

SILVA, Amanda Moreira; MOTTA, Vânia Cardoso. O precariado professoral e as tendências de precarização que atingem os docentes do setor público. Roteiro, v.44, n.3, p.1-20, set.-dez., 2019.

SLEE, Tom. Uberização: a nova onda do trabalho precarizado. São Paulo: Editora Elefante, 2017.

VENCO, Selma. Uberização do trabalho: um fenômeno de tipo novo entre os docentes de São Paulo, Brasil? Cadernos de Saúde Pública, v.35, n.1, 2019.

Downloads

Publicado

2021-01-07

Como Citar

CARIUS, A. C. A CRISE DAS EVIDÊNCIAS : A COVID-19 E A UBERIZAÇÃO DO TRABALHO DOS DOCENTES DE MATEMÁTICA NO MUNICÍPIO DE PETRÓPOLIS . Trabalho & Educação, [S. l.], v. 29, n. 3, p. 181–193, 2021. DOI: 10.35699/2238-037X.2020.20425. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/20425. Acesso em: 4 mar. 2021.

Edição

Seção

ARTIGOS