A POLÍTICA DE COTAS RACIAIS NAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS DO BRASIL DUAS DÉCADAS DEPOIS

UMA ANÁLISE

Autores

  • Eder D’Artagnan Ferreira Guimarães Universidade Nacional de Rosário – UNR, Argentina https://orcid.org/0000-0002-9064-8059
  • Marisa Zelaya Universidade Nacional do Centro da Província de Buenos Aires (UNCPBA

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2021.26556

Palavras-chave:

Política de cotas raciais, Racismo no Brasil, Ações afirmativas

Resumo

A política de cotas raciais foi adotada nas primeiras universidades públicas do Brasil em 2002 e sancionada como política governamental dez anos depois, fundamentada em um amplo processo de discussão envolvendo organizações do governo e da sociedade civil. Quase duas décadas após as primeiras iniciativas, implementadas em meio a polêmicas, disputas e reações contrárias, é possível analisar os impactos desta política, considerando informações históricas, pautas defendidas por movimentos da população preta e parda, dados empíricos das universidades e reflexões posteriores acerca das opções políticas que originaram esta ação afirmativa. A retomada histórica aprofunda as raízes das situações de vulnerabilidade social que vitima a maioria da população negra hoje e analisa criticamente a escravidão no país e as lacunas no suporte governamental aos escravos e seus descendentes. Informações do Censo Demográfico e da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) evidenciam os números e a cor da desigualdade racial hoje, reconhecendo negros e pobres praticamente como sinônimos. E dados sobre a política de cotas possibilitam constatar o aumento significativo no acesso de estudantes pretos e pardos ao ensino superior; a manutenção da qualidade acadêmica, com a presença dos cotistas; a ampliação das oportunidades de escolarização e inserção social da população negra e pobre; e maior representatividade da sociedade brasileira nas universidades públicas. Por fim, se situa esta ação afirmativa no contexto mais amplo das opções políticas necessárias ao processo de aperfeiçoamento da democracia no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eder D’Artagnan Ferreira Guimarães, Universidade Nacional de Rosário – UNR, Argentina

Doutorando em educação pela Universidade Nacional de Rosário – UNR, Argentina. Mestre em Gerontologia pela Universidade Católica de Brasília – UCB

Marisa Zelaya, Universidade Nacional do Centro da Província de Buenos Aires (UNCPBA

Professora, mestra e doutora em Ciências da Educação da Universidade Nacional do Centro da Província de Buenos Aires (UNCPBA); docente da área de Política e Administração da Educação da UNCPBA. Docente no Mestrado em Educação Superior da Universidade Nacional de La Matanza e pesquisadora do NEES-UNCPBA.

Referências

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. Parecer sobre a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental, ADPF/186, apresentada ao Supremo Tribunal Federal. Brasília, 2010. Disponível em: https://fpabramo.org.br/2010/03/24/cotas-parecer-de-luis-felipe-de-alencastro/. Acesso em: 3 jan. 2022.

ALMEIDA, Silvio; ROSSI, Pedro. Racismo precisa ser tratado como tema fundamental da economia. Folha de S. Paulo, São Paulo, 16 ago. 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2020/08/racismo-precisa-ser-tratado-como-tema-fundamental-da-economia.shtml. Acesso em: 3 jan. 2022.

CARDOSO, Monise. Problema financeiro é maior barreira para universitários negros, diz estudo. Folha de S. Paulo, São Paulo, 9 ago. 2020. Disponível em: https://educacao.uol.com.br/noticias/2020/08/09/problema-financeiro-e-maior-barreira-para-universitarios-negros-diz-estudo.htm. Acesso em: 3 jan. 2022.

CAVALCANTE, Cláudia Valente; BALDINO, José Maria; HAMÚ, Daura Rios Pedroso. Política de cotas nas universidades públicas brasileiras: Deslocamento discursivo afirmativo para compensatório em tempos de universalização de cotas para quase todos? Congresso Nacional de Educação – EDUCERE, XI. Curitiba: Pontifícia Universidade Católica do Paraná, 2013. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/CD2013/pdf/7726_4834.pdf. Acesso em: 3 jan. 2022.

CHIROLEU, Adriana; SUASNÁBAR, Claudio; ROVELLI, Laura. Política universitaria en la Argentina: Revisando viejos legados en busca de nuevos horizontes. 1ed. Los Polvorines: Universidad Nacional de General Sarmiento; Buenos Aires: IEC – CONADU, 2012.

CIEGLINSKI, Amanda. Desigualdade no acesso de negros às faculdades permanece. Exame, São Paulo, 10 ago. 2012. Disponível em: https://exame.com/brasil/desigualdade-no-acesso-de-negros-ao-ensino-superior-permanece/. Acesso em: 3 jan. 2022.

FÓRUM NACIONAL DE PRÓ-REITORES DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS E ESTUDANTIS – FONAPRACE. V Pesquisa Nacional de Perfil Socioeconômico e Cultural dos(as) Graduandos(as) das IFES. Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia, 2018. Disponível em: https://www.andifes.org.br/wp-content/uploads/2021/07/V-Pesquisa-Nacional-de-Perfil-Socioeconomico-e-Cultural-dos-as-Graduandos-as-das-IFES.pdf. Acesso em: 3 jan. 2022.

GRUPO DE ESTUDOS MULTIDISCIPLINAR DA AÇÃO AFIRMATIVA – GEMAA. Relatório das Desigualdades de Raça, Gênero e Classe GEMAA 2020. Rio de Janeiro: Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IESP-UERJ), 2020. Disponível em: http://gemaa.iesp.uerj.br/infografico/relatorio2020/. Acesso em: 3 jan. 2022.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo 1991: Crianças & adolescentes. Indicadores sócio-demográficos. Brasília: IBGE, 1994. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv83476.pdf. Acesso em: 3 jan. 2022.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico: Dados gerais, migração, instrução, fecundidade, mortalidade. Rio de Janeiro: IBGE, 1983. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/72/cd_1980_v1_t4_n1_br.pdf. Acesso em: 3 jan. 2022.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Conheça o Brasil – População cor ou raça. Brasília; Rio de Janeiro: IBGE, 2019. Disponível em: https://educa.ibge.gov.br/jovens/conheca-o-brasil/populacao/18319-cor-ou-raca.html. Acesso em: 3 jan. 2022.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Desigualdades sociais por cor ou raça no Brasil. Em: Estudos e Pesquisas. Informação Demográfica e Socioeconômica, n. 41. Rio de Janeiro: IBGE, 2020. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101681_informativo.pdf. Acesso em: 3 jan. 2022.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estatísticas de gênero: uma análise dos resultados do censo demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2014. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv88941.pdf. Acesso em: 3 jan. 2022.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. PNAD: Pesquisa Nacional por Amostra em Domicílio. Rio de Janeiro: IBGE, 2019. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101736_informativo.pdf. Acesso em: 3 jan. 2022.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Políticas sociais: acompanhamento e análise, v. 1. Brasília: Ipea, 2000. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/26901/27067. Acesso em: 3 jan. 2022.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Políticas sociais: acompanhamento e análise, v. 5. Brasília: Ipea, 2002. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/26901/27067. Acesso em: 3 jan. 2022.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Políticas sociais: acompanhamento e análise, v. 27. Brasília: Ipea, 2020. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/politicas_sociais/201007_bps_book.pdf. Acesso em: 3 jan. 2022.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Censo da Educação Superior. Notas estatísticas 2019. Brasília: Ministério da Educação. Disponível em: https://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/documentos/2020/Notas_Estatisticas_Censo_da_Educacao_Superior_2019.pdf. Acesso em: 3 jan. 2022.

KRAWCZYK, Nora. A historicidade da pesquisa em política educacional: O caso do Brasil. Jornal de Políticas Educacionais, Campinas: Unicamp, n. 12, p. 3-11, jul-dez 2012.

MENDONÇA, Heloisa. Negros são maioria nas universidades públicas do Brasil pela primeira vez. El País Brasil, São Paulo, 13 nov 2019. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/11/13/politica/1573643039_261472.html. Acesso em: 3 jan. 2022.

MORIN, Edgar. Articular los saberes: ¿Qué saberes enseñar en las escuelas? Buenos Aires: Ediciones Universidad del Salvador, 2007.

MUNANGA, Kabengele. As ambiguidades do racismo à brasileira. In: KON, Noemi Moritz; ABUD, Cristiane Curi; SILVA, Maria Lucia da. (comp). O racismo e o negro no Brasil: Questões para a psicanálise. 2ed. São Paulo: Perspectiva, 2019.

RIBEIRO, Djamila. Cotas fizeram borbulhar demanda sufocada dos negros e pobres. Folha de S. Paulo, São Paulo, 15 mai. 2020. Disponível em https://www1.folha.uol.com.br/colunas/djamila-ribeiro/2020/05/cotas-fizeram-borbulhar-demanda-sufocada-dos-negros-e-pobres.shtml. Acesso em: 3 jan. 2022.

RIBEIRO, Djamila. Racismo brasileiro foi genialmente concebido a ponto de ser negado até hoje. Folha de S. Paulo, São Paulo, 11 jun. 2020. Disponível em https://www1.folha.uol.com.br/colunas/djamila-ribeiro/2020/06/racismo-brasileiro-foi-genialmente-concebido-a-ponto-de-ser-negado-ate-hoje.shtml. Acesso em: 3 jan. 2022.

RODRIGUES, Neidson. Educação: Da formação humana à construção do sujeito ético. Educação & Sociedade, Campinas, ano XXII, nº 76, pp. 232-257, 2001. Disponível em https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302001000300013&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 3 jan. 2022.

SGUISSARDI, Valdemar. Universidade brasileira no século XXI: desafios do presente. São Paulo: Cortez Editora, 2009.

SOUZA, Ângelo Ricardo de. A política educacional e seus objetos de estudo. Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Política Educativa, Curitiba, v. 1, n. 1, 2016, pp. 75-89. ReLePe. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/324907560_A_politica_educacional_e_seus_objetos_de_estudo. Acesso em: 3 jan. 2022.

TAKAHASHI, Fábio; SALDAÑA, Paulo; SOARES, Marcelo. Cotista tem nota boa na universidade, mas recua em cursos com matemática. Folha de S. Paulo, São Paulo, 10 dez. 2017. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2017/12/1942100-cotista-tem-nota-boa-na-universidade-mas-recua-em-cursos-com-matematica.shtml>. Acesso em: 3 jan. 2022.

VILELA, Lara; TACHIBANA, Thiago Yudi; FILHO, Naercio Menezes; KOMATSU, Bruno. As cotas nas universidades públicas diminuem a qualidade dos ingressantes? In: Estudos em Avaliação Educacional, Fundação Carlos Chagas, São Paulo, v. 28, pp. 652-684, set-dez 2017. Disponível em: file:///C:/Users/Eder/Downloads/4427-Texto%20do%20Artigo-22913-1-10-20171214.pdf. Acesso em: 3 jan. 2022.

Downloads

Publicado

2022-02-03

Como Citar

GUIMARÃES, E. D. F.; ZELAYA, M. A POLÍTICA DE COTAS RACIAIS NAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS DO BRASIL DUAS DÉCADAS DEPOIS: UMA ANÁLISE. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 30, n. 3, p. 133–148, 2022. DOI: 10.35699/2238-037X.2021.26556. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/26556. Acesso em: 7 jul. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS