TÉCNICO EM ENFERMAGEM

ASPECTOS SOBRE TRABALHO E PROFISSÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2021.29276

Palavras-chave:

Técnico em Enfermagem, Trabalho e Educação, Educação Profissional

Resumo

A categoria profissional dos Técnicos em Enfermagem é a maior força de trabalho da área da saúde, bem como é o curso técnico de nível médio com o maior quantitativo de matrículas no estado do Rio de Janeiro. O objetivo do presente texto foi o de investigar aspectos referentes ao trabalho e a profissão dos Técnicos em Enfermagem. O quadro teórico considerado se deu em diálogo com referências da Sociologia do Trabalho, a fim de caracterizar o atual mundo do trabalho, bem como em pesquisas da Enfermagem e Saúde Pública que ajudaram a caracterizar a reconstituição histórica do trabalho, profissão e formação técnica em Enfermagem. Para responder aos objetivos do texto, foi realizada uma pesquisa empírica a partir de 16 entrevistas semiestruturadas com professores de escolas técnicas e representantes da Enfermagem, em que foram abordados temas como a atual conjuntura que perpassa o mercado de trabalho, as condições de trabalho e conflitos no exercício profissional, o prestígio e reconhecimento social e a marcante feminização das trabalhadoras da área. Concluiu-se que o exercício profissional ainda apresenta traços de continuidade da própria gênese da profissão e que as condições de trabalho estão em conformidade com a tendência de precarização estrutural que marcam a nova morfologia do mundo do trabalho

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Gawryszewski, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Doutor em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, integrante do Coletivo de Estudos em Marxismo e Educação (COLEMARX).

Marília Bittencourt Bovolenta, Universidade Federal Fluminense (UFF)

Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e Licencianda em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense. Integrante do Coletivo de Estudos em Marxismo e Educação (COLEMARX).

Maria Eduarda Araujo de Farias, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Licencianda em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Integrante do Coletivo de Estudos em Marxismo e Educação (COLEMARX)

Referências

ALVES, Giovanni. Crise de valorização e precarização estrutural do trabalho. In: ALVES, Giovanni. Dimensões da precarização do trabalho: ensaios de sociologia do trabalho. Bauru: Canal 6, 2013, p. 29-60.

ANDREAZZI, Maria de Fátima S; BRAVO, Maria Inês S. Privatização da gestão e Organizações Sociais na atenção à saúde. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 12 n. 3, p. 499-518, set./dez. 2014.

ANTUNES, Ricardo. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

BAGNATO, Maria Helena S. Licenciatura em Enfermagem: para quê? Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1994.

CHINELLI, Filippina; VIEIRA, Monica; SCHERER, Magda D. A. Trajetórias e subjetividades no trabalho de técnicos de enfermagem no Brasil. Laboreal, v. 15, n.1, 2019.

CUNHA, Luiz Antônio. O ensino de ofícios nos primórdios da industrialização. São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: FLACSO, 2005.

DAL ROSSO, Sadi. O ardil da flexibilidade: os trabalhadores e a teoria do valor. São Paulo: Boitempo, 2017.

DRUCK, Graça. A terceirização na saúde pública: formas diversas de precarização do trabalho. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 14, supl. 1, p. 15-43, 2016.

FÓRUM POPULAR DO ORÇAMENTO. Saúde carioca: despreparo e pandemia. In: CORECON-RJ (Conselho Regional de Economia / Rio de Janeiro); SINDECON-RJ (Sindicato dos Economistas do Estado do Rio de Janeiro). Jornal dos Economistas, Rio de Janeiro, p. 14-15, dez. 2020.

GAWRYSZEWSKI, Bruno; MARQUES, Guilherme; LAVOURAS, Fernanda. Uma análise das possíveis interseções entre a base econômica do Rio de Janeiro e a oferta da Educação Profissional. Trabalho Necessário, Niterói, v. 17, n. 32, jan./abr. 2019.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sinopse Estatística da Educação Superior 2019. Brasília, DF, INEP: 2020. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/basica-censo-escolar-sinopse-sinopse. Acesso em: 16 nov. 2020.

LIMA, Joseane B; BRAVO, Maria Inês S. O percurso do financiamento das

Organizações Sociais no município do Rio de Janeiro. In: BRAVO, Maria Inês S; ANDREAZZI, Maria de Fátima S; MENEZES, Juliana S. B; LIMA, Joseane B; SOUZA, Rodriane O (Orgs.). A mercantilização da saúde em debate: as Organizações Sociais no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: UERJ, Rede Sirius, 2015, p. 53-60.

LOPES, Marta J. M; LEAL, Sandra M. C. A feminização persistente na qualificação profissional da enfermagem brasileira. Cadernos Pagu, n. 24, p. 105-125, jan./jun. 2005.

MACHADO, Maria Helena (coord.). Perfil da Enfermagem no Brasil. Rio de Janeiro: COFEn, Fiocruz, 2017. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/perfilenfermagem/index.html. Acesso em: 17 nov. 2020.

MAGNANO, Tânia S. B. S. et. al. Condições de trabalho, características sociodemográficas e distúrbios musculoesqueléticos em trabalhadores de enfermagem. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v.23, n. 2, p. 187-193, 2010.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Livro I. 2 ed. São Paulo: Boitempo, 2017.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital: rumo a uma teoria de transição. São Paulo: Boitempo, 2002.

OCKÉ-REIS, Carlos Octávio; ANDREAZZI, Maria de Fátima S; SILVEIRA, Fernando G. O mercado de planos de saúde no Brasil: uma criação do estado? Revista de Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, v.10, n.1, p. 157-185, jan./abr. 2006.

OGUISSO, Taka. História da legislação do exercício da Enfermagem no Brasil. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 53, n. 4, p. 197-207, abr./jun. 2001.

OGUISSO, Taka. Considerações sobre a legislação do ensino e do exercício do Técnico em Enfermagem e do Auxiliar de Enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, n. 30, p. 168-174, 1977.

OPAS. Organização Pan-Americana de Saúde. Fotografia da enfermagem no Brasil [on-line]. Brasília, Brasil; 2020. Disponível em: https://apsredes.org/fotografia-da-enfermagem-no-brasil/. Acesso em: 26 ago. 2021.

PINHO, Eloísa A. Analisando criticamente a formação de auxiliares e técnicas de enfermagem no Brasil. Revista Paulista de Enfermagem, v. 29 (1-2-3), p. 117-126, 2018.

RAMOS, Marise. Trabalho, educação e correntes pedagógicas no Brasil: um estudo a partir da formação dos trabalhadores técnicos da saúde. Rio de Janeiro: EPSJV, UFRJ, 2010.

RODRIGUES, José. Da Teoria do Capital Humano à empregabilidade: um ensaio sobre as crises do Capital e a Educação Brasileira. Trabalho e Educação, Belo Horizonte, n. 2,p. 215-230, ago./dez. 1997.

STUTZ, Beatriz L. As primeiras escolas de Enfermagem e o desenvolvimento desta profissão no Brasil. Cadernos de História da Educação, v. 9, n. 2, p. 347-362, jul./dez. 2010.

VIEIRA, Fabíola S. O financiamento da saúde no Brasil e as metas da Agenda 2030: alto risco de insucesso. Revista de Saúde Pública, v.54 n.127, 2020.

VINUTO, J. A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Temáticas, Campinas, SP, v. 22, n. 44, p. 203–220, 2014.

Downloads

Publicado

2022-02-03

Como Citar

GAWRYSZEWSKI, B.; BOVOLENTA, M. B. .; FARIAS, M. E. A. de. TÉCNICO EM ENFERMAGEM: ASPECTOS SOBRE TRABALHO E PROFISSÃO. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 30, n. 3, p. 181–199, 2022. DOI: 10.35699/2238-037X.2021.29276. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/29276. Acesso em: 6 jul. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS