TRAJETÓRIAS DE LONGO VÍNCULO DE TRABALHO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

PRÁTICAS DE GESTÃO DA SUBJETIVIDADE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2022.38729

Palavras-chave:

Trabalhadores da Saúde, Aposentadoria, Pessoa Idosa, Gestão, Educação Continuada

Resumo

O objetivo do estudo foi analisar as trajetórias de trabalhadores da saúde com longo vínculo de trabalho a um hospital público. Trata-se de um estudo de caso do tipo único holístico, com abordagem qualitativa.  Foram realizadas entrevistas abertas (gravadas em áudio e transcritas) com doze trabalhadores que atuavam entre 31 a 35 anos na instituição do Sistema Único de Saúde analisada. Os vínculos ao trabalho construídos nas trajetórias dos trabalhadores assumem diferentes sentidos: de contratuais, aos serviços e equipes, passando pelos vínculos aos modelos de saúde preconizados. Nas análises discursivas, o aproveitamento das competências para o trabalho dos trabalhadores de longo vínculo ocorre pelo reconhecimento de seus conhecimentos tácitos. O longo tempo de vínculo ao trabalho produz um agir na saúde coletiva nutrido pelas relações estabelecidas entre trabalho, vida pessoal e vida coletiva no trabalho. Práticas de gestão da idade com o eixo na Educação Permanente em Saúde valorizam as subjetividades dos trabalhadores e construções coletivas nas histórias no trabalho no Sistema Único de Saúde. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristine Maria Warmling, UFRGS

Pós-doutorado CAPES/Brasil/McGill University Montreal-Canadá. Doutorado em Educação pela UFRGS. Mestrado em Saúde Coletiva pela UFSC. Professora Associada do Departamento de Odontologia Preventiva e Social da Faculdade de Odontologia da UFRGS. Coordenadora do Programa de Pós-Graduação Ensino na Saúde Faculdade de Medicina da UFRGS. 

Carolina Gasperin, Grupo Hospitalar Conceição

Psicóloga do Grupo Hospitalar Conceição e Mestre pelo Programa de Pós-graduação Avaliação de Tecnologias do SUS do Grupo Hospitalar Conceição

Referências

ARAÚJO, José N. G. de. Trabalho e usos da subjetividade. Arquivos Brasileiros de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 64, n. 2, p. 35-46, ago. 2012. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672012000200004&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 03 mar. 2022.

AMADOR, Fernanda S. Três movimentos para problematizar o trabalho no Contemporâneo. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, v. 17, n. 2, p. 255-265, dez. 2014. Disponível em

http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-37172014000300008&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 03 mar. 2022.

AZEVEDO, Neimar D.; SOUZA, Letícia G. de. Um olhar ergológico sobre os limites da vertente gerencialista na administração pública e suas implicações na atividade de trabalho. Ergologia, Marseille, v. 18, p. 53-79, 2017.

Disponível em: http://www.ergologia.org/uploads/1/1/4/6/11469955/18article2.pdf. Acesso em: 02 jul. 2018.

CAREGNATO, Rita C. A.; MUTTI, Regina. Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto e Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 15, n. 4, p. 679- 684, out./dez. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v15n4/v15n4a17. Acesso em: 16 nov. 2017.

CEPELLOS, Vanessa M. O envelhecimento nas organizações: das percepções de gestores de recursos humanos às práticas de gestão da idade. 2013. 98 f. Dissertação apresentada à Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, como requisito para obtenção do título de Mestre em Administração de Empresas. São Paulo. 2013.

DELEUZE, Gilles. Bergsonismo. São Paulo: Editora 34, 1999.

FERREIRA, Kamila Gualberto et al. Capacidade para o trabalho de profissionais de limpeza urbana. In: DE SOUSA, Milena N. Alves et al. (Org.). Saúde e bioética em foco: coletânea de artigos multitemáticos. 1. ed. Curitiba: Appris, 2018, v. 1, p. 305-314.

FISCHER, Rosa M. B. Foucault e a análise do discurso em educação. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 114, p. 197–223, nov. 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742001000300009&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 01 fev. 2018.

FOUCAULT, Michel. Dits et écris IV Paris. Gallimard,II, n. 232, pp. 540-54. 1978.

FRANÇA, Lucia Helena de Freitas Pinho et al. Aposentar-se ou continuar trabalhando: o que influencia essa decisão? Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, DF, v. 33, n. 3, p. 548-563, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pcp/v33n3/v33n3a04.pdf. Acesso em: 22 out. 2017.

GASPERIN, Carolina. Histórias de longo vínculo no trabalho: contribuições das tecnologias educacionais para a gestão do trabalho no Grupo Hospitalar Conceição/RS Dissertação (Mestrado Profissional) Programa de Pós-graduação Avaliação de Tecnologias para o SUS, Grupo Hospitalar Conceição, Porto Alegre, 2019.

GVOZD, Raquel; SAKAI, Andressa M.; HADDAD, Maria do C. L. Feelings and Perspectives of Civil Servants From a Public University Facing Retirement. Revista Mineira de Enfermagem, 19(1):84-87. 2015. doi:10.5935/1415-2762.20150007

HELOANI, Roberto; PIOLLI, Evaldo. Trabalho e Subjetividade na “Nova” Configuração Laboral: Quem Paga a Conta? Germinal Marxismo e Educação em Debate, v. 6, n.2, p.118-129. 2014.

HOULE, Gilles. A sociologia como ciência da vida: a abordagem biográfica. In: POUPART, Jean et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, p. 317-334, 2010.

KAPPAUN, Nádia R. C.; OLIVEIRA, Simone S. S.; MUNIZ, Hélder P. Agir em competência e cuidados paliativos: uma reflexão sobre o cuidar de pacientes terminais. Ergologia, Marseille, v. 18, p. 147-172, dez. 2017. Disponível em: http://www.ergologia.org/uploads/1/1/4/6/11469955/18article6.pdf.Acesso em: 02 jul. 2018.

KREIN, José D. O desmonte dos direitos, as novas configurações do trabalho e o esvaziamento da ação coletiva. Revista de Sociologia da USP, 30(1), 77–104. 2018. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ts/article/view/138082/138676. Acesso em: 02 fev. 2020.

LEMOS, Cristiane L. S. Educação permanente em saúde no Brasil: educação ou gerenciamento permanente? Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p. 913-922. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v21n3/1413-8123-csc-21-03-0913.pdf. Acesso em: 06 set. 2018.

MACHADO, Maria H.; XIMENES NETO, Francisco R. G. Gestão da educação e do trabalho em saúde no SUS: trinta anos de avanços e desafios. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 6, p. 1971-1979. 2018. DOI: 10.1590/1413-81232018236.06682018

MEYER, Dagmar E.; FÉLIX, Jeane; VASCONCELOS, Michele de F. F. de. Por uma educação que se movimente como maré e inunde os cotidianos de serviços de saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 17, n. 47, p. 859-871, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/2013nahead/aop4513.pdf. Acesso em: 09 dez. 2017.

MORAES, Roque. GALIAZZI, Maria do C. Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência e Educação, Bauru, v. 12, n. 1, p 117-128, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v12n1/08.pdf. Acesso em: 09 mar. 2018.

NARDI, Henrique C. et al. Subjetividade e solidariedade: A diversidade das formas de implicação dos jovens na economia solidária. Psicologia: Reflexão e Crítica, 19(2), 320–328. 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/j/prc/a/XMxRQgkB4ZSCFDf4cBLGRFJ/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 02 fev. 2020.

PEDRO, Danielli R. C. et al. Práticas de gestão da idade do trabalhador com 45 anos ou mais: revisão integrativa da literatura. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho;18(2):194-202. 2020. doi:10.47626/1679-4435-2020-536

PEDUZZI, Marina; SCHRAIBER, Bilma L. Processo de Trabalho em Saúde In.: PEREIRA, Isabel Brasil; LIMA, Julio César França (Org.) Dicionário da Educação Profissional em Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio: Rio de Janeiro: 2009.

PIRES, Denise. Reestruturação Produtiva e Consequências para o Trabalho em Saúde. Revista Brasileira de Enfermagem. Brasília, v. 53, n.2, p. 251-263. 2001. Disponível em: https://www.scielo.br/j/reben/a/dgtGrrvZbR3VRNrsm7qcpJs/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 02 fev. 2020.

ROCHA, Charis T. M. da; AMADOR, Fernanda S. Experiência e Narrativa: Inspiração Benjaminiana para uma Clínica do Trabalho. Psicologia em Estudo; v 24, n. e40374, p. 1-15. 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pe/a/5Sv4qbTSpkKCLctjDPKY8KH/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 03 mar. 2020.

SANTOS, Nelson R. dos. SUS 30 anos: o início, a caminhada e o rumo. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, n. 23, v. 6, p. 1729-1736. 2018. DOI 10.1590/1413-81232018236.06092018.

SATO, Andrea T. al. Processo de envelhecimento e trabalho: estudo de caso no setor de engenharia de manutenção de um hospital público do Município de São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 10, n. 33, p. e00140316, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v33n10/1678-4464-csp-33-10-e00140316.pdf. Acesso em: 17 jul. 2018.

SCHERER, Magda D. dos A.; PIRES, Denise; SCHWARTZ, Yves. Trabalho coletivo: um desafio para a gestão em saúde. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 43, n. 4, p. 721-725. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v43n4/90.pdf. Acesso em: 27 nov. 2017.

SCHWARTZ, Yves. A experiência é formadora? Revista Educação e Realidade, Porto Alegre, n. 35, v. 1, p. 35-48, jan./abr. 2010. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/11030/7181. Acesso em: 09 dez. 2017.

SCHWARTZ, Yves. Conhecer e estudar o trabalho. Trabalho e Educação, Belo Horizonte, v. 24, n. 3, p. 83-89, set./dez. 2015.

SCHWARTZ, Yves; DURRIVE, Louis. Trabalho e ergologia: conversas sobre a atividade humana. Niterói: Ed. UFF, 2007.

SCHWARTZ, Yves; DURRIVE, Louis (Org.) Trabalho e ergologia II: diálogos sobre a atividade humana. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2015.

SOUZA D. de O. As dimensões da precarização do trabalho em face da pandemia de Covid-19. Trabalho, Educação e Saúde, 2021. doi:10.1590/1981-7746-sol00311

SOUZA, Rosangela F. de; MATIAS, Hernani A., BRETAS, Ana C. P. Reflexões sobre envelhecimento no trabalho. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, n. 6, p. 2835-2843, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v15n6/a21v15n6.pdf. Acesso em: 22 dez. 2017.

VASCONCELOS, Anselmo F. The contemporary experience of work: Older workers’ perceptions. Management Research Review, 38(4):381-403. 2015. doi:10.1108/MRR-04-2014-0086

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

Downloads

Publicado

2022-11-04

Como Citar

WARMLING, C. M.; GASPERIN, C. TRAJETÓRIAS DE LONGO VÍNCULO DE TRABALHO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE: PRÁTICAS DE GESTÃO DA SUBJETIVIDADE. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 31, n. 2, p. 133–146, 2022. DOI: 10.35699/2238-037X.2022.38729. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/38729. Acesso em: 30 nov. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS