INSTRUIR, CIVILIZAR, QUALIFICAR: REPRESENTAÇÕES SOBRE O TRABALHO NA CULTURA ESCOLAR

Autores

  • Luciano Mendes de Faria Filho FaE/UFMG

Palavras-chave:

Trabalho, Cultura Escolar, História da Educação

Resumo

Passadas quase duas décadas desde a Proclamação da República e da abolição da escravidão institucionalizada, políticos, intelectuais e educadores mineiros saudavam a realização daquela que seria tida como a primeira reforma republicana do ensino público primário que encarnaria, a um só tempo, o espírito republicano e, por isso mesmo, o ideário da modernidade, tais quais eram entendidos por frações importantes da elite mineira e brasileira. Trata-se de uma ampla reforma da Instrução Primária e do Ensino Normal, implantada a partir do ano de 1906, que, dentre outras aspectos importantes, introduziu os grupos escolares como forma de organizar a instrução escolar em Minas Gerais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciano Mendes de Faria Filho, FaE/UFMG

Professor do Departaemento de Ciências Aplicadas à Educação da FaE/UFMG

Downloads

Como Citar

FARIA FILHO, L. M. de. INSTRUIR, CIVILIZAR, QUALIFICAR: REPRESENTAÇÕES SOBRE O TRABALHO NA CULTURA ESCOLAR. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 1, p. 100–112, 2012. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/8874. Acesso em: 5 dez. 2021.

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.