Pérolas, caçadores e pescadores - alguns apontamentos sobre Arqueologia Pública e Arqueologia Subaquática no Brasil

  • Bruno S. Ranzani da Silva PPGAN/UFMG
Palavras-chave: Arqueologia Subaquática, Arqueologia Pública

Resumo

Desde os anos 1960, a Arqueologia Subaquática luta para mostrar a viabilidade de acessar as áreas submersas da costa e do continente e sua grande riqueza cultural, ao mesmo tempo em que a protegem contra a depredação de mergulhadores e mergulhadoras recreativas(os) e empresas de salvatagem. Além da batalha por uma legislação adequada à proteção do patrimônio cultural subaquático, diversas propostas têm buscado o acesso ao conhecimento sobre esse patrimônio. Uma delas é o turismo arqueológico subaquático, que tem apresentado resultados positivos para ambas as partes. No entanto, podemos averiguar que o principal impacto do turismo é sobre as comunidades receptoras, uma vez que o turismo, como indústria, mercantiliza o espaço e a memória. Para pensar esses diversos meios de interação entre arqueologia e seus diversos públicos, procurei experiências levantadas pela "arqueologia pública", cuja preocupação central, na atualidade, é o trabalho em situação de conflitos políticos e sociais que envolvem a pesquisa arqueológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2010-06-30
Como Citar
da Silva, B. S. R. (2010). Pérolas, caçadores e pescadores - alguns apontamentos sobre Arqueologia Pública e Arqueologia Subaquática no Brasil. Vestígios - Revista Latino-Americana De Arqueologia Histórica, 4(1), 66-91. https://doi.org/10.31239/vtg.v4i1.10701
Seção
Artigos