Arqueologia da Arquitetura em uma Ilha Amazônica

o Educandário Dr. Nogueira de Faria

Palavras-chave: Arqueologia da Arquitetura, Amazônia, Instituições

Resumo

Por mais de 30 anos a Ilha de Cotijuba (Belém-Pará – Amazônia Brasileira) abrigou três diferentes instituições em um mesmo espaço: colônia reformatória, educandário e presídio. A sua arquitetura é bem característica, grandiosa, porém não aparenta ter abrigado nenhuma dessas três instituições. A partir dessa realidade, e baseado em metodologias provenientes da Arqueologia da Arquitetura e histórico do local, esse artigo pretende apresentar como o controle era aplicado nos internos a partir da arquitetura em que estavam inseridos. As metodologias escolhidas foram: análise alpha, gamma e espacial. Este artigo é baseado em uma pesquisa de mestrado desenvolvida no Programa de Pós-graduação em Antropologia da Universidade Federal do Pará, intitulada “Arquitetura Disciplinar na Amazônia: o Educandário Dr. Nogueira de Feria – Ilha de Cotijuba – Belém – Pará”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Azkarate Garai-Olaún, A. (2001). Arqueología de la Arquitectura “Experiencias de investigación desde la Universidad del País Vasco”. Lección inaugural del Curso Académico de la Universidad del País Vasco / Euskal Herriko Unibertsitatea, 2001-2002. Bilbao: UPV-EHU.

Azkarate Garai-Olaun, A. (2013). La construcción y lo construido. Arqueología de la Arquitectura. In J. A. Quirós (dir.), La materialidad de la historia. La arqueología en los inicios del siglo XXI. pp. 271-298. Madrid. Editora Akal.

Barbosa, A. C. E. & Araújo, S. M. S. (2017). O Projeto de edificação social de Raymundo Nogueira de Faria e a transformação de Cotijuba (Belém-PA) na Ilha da Redenção, na primeira metade do século 20. In Anais II Seminário Internacional América Latina: Política e Conflitos Contemporâneos. pp. 4253-4267. Belém: NAEA. 6000p.

Blanco Rotea, R. (2017) Arquitectura y paisaje. Aproximaciones desde la Arqueología. Arqueología de la Arquitectura, 14 (051).

Borrazás, P. M., Rotea, R. B. & Vila, X. V. (2002). Arqueotectura1: Bases teórico-metodológica para una Arqueología de la Arquitectura. Santiago de Compostela: Laboratorio de Patrimonio, Paleoambiente e Paisaxe.

Cabellero Zoreda, L. (1995). Método para el análisis estratigráfico de construcciones históricas o “Lectura de Paramentos”. Informes de la Construcción. 46 (35).

Chiarotti, T. M. (2005). O Patrimônio histórico edificado como um artefato arqueológico: Uma fonte alternativa de informações. In Habitus 3(2). pp. 301-319. Goiânia.

Ching, F. R. & Eckler, J. (2014). Introdução à Arquitetura. Porto Alegre. Bookman.

Côrte Brilho, S. S. Q. (2015). Dinâmica Econômica e Social na Amazônia Rural: o Protagonismo do Movimento das Mulheres das Ilhas de Belém – MMIB (PA). (Tese). Universidade Estadual de Campinas. Campinas.

Fontes, L., Catalão, S. & Alves, M. (2010). Arqueologia da Arquitectura em Contexto Urbano: reflexões a partir de três exemplo da cidade de Braga, Portugal. Arqueología de la Arquitectura. 7. Madrid/Vitoria, España.

Glassie, H. (1975). Folk housing in middle Virginia: a structural analysis of historic artifacts. Knoxville: University of Tennesse Press.

Hillier, B. & Hanson, J. (1984). The social logic of space. Cambridge, Cambridge University Press.

Larousse. (2014). Minidicionário da Língua Portuguesa. pp.56. São Paulo.

Lima, T.A. (2011). Cultura Material: a dimensão concreta das relações sociais. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi. Ciências Humanas. 1 (6) . pp. 11-23.

Lopes, R. C. S. (2014). “O Melhor Sítio da Terra”: colégio e igreja dos Jesuítas e a paisagem da Belém do Grão-Pará. Belém. Editora Açaí.

Lopes, R. C. S. (2018). “Lepra, Políticas Sanitárias e Controle Social: Isolamento e cotidiano na Lazarópolis Santo Antônio do Prata, Pará”. Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica. 12(1).

Matos, L.M; Souza, R.P.L; Afonso, S; Gomez, L. S. R. (2010). Semiótica peirciana aplicada à leitura da representação arquitetônica. Revista de Arquitetura e Urbanismo. 4.

Martínez, A. M. (2008). Análisis Patológico, Constructivos y Aplicación del Método Estratigráfico Murario en la Fachada Norte de La Iglesia de Santo Domingo en Murcia. (Proyecto Fin de Carrera). E. U. Ingeniaría Técnica Civil. Arquitetura Técnica. Universidad Politécnica de Cartagena, Cartagena.

Melo, O. C. (2010). O Lugar e a Comunidade na Ilha de Cotijuba – PA. (Dissertação). Universidade Federal do Pará, Belém.

Moreira, J. M. B. (2015). Arquitetura que Enlouquece. Poder e Arqueologia. (Dissertação). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Moreira, J. B. & Soares, F. C. (2015). Muralhas que comunicam: fortificações catarinenses como portais de acesso ao Brasil meridional, In Arqueologia das fortificações: perspectivas. Fernanda Codevilla Soares (Org.) (pp. 101 – 148). Florianópolis: Lagoa.

Nogueira de Faria. (1945). A Caminho da História. Subsídio para a História Política e Administrativa do Pará. Belém: Oficinas Gráficas do Instituto Lauro Sodré. 190p. Retrieved from: http://www.fcp.pa.gov.br/2016-11-24-18-22-47/a-caminho-da-historia

Quirós Castillo, J. A. (2002). Arqueología de la Arquitectura. Objetivos y ropuestas para la conservación del Patrimonio Arquitectónico. Disponível em: http://www.arqueologiamedieval.com/articulos/74/

Ramalho, M. M. B. M. (2003). Arqueologia da Arquitectura. O método arqueológico aplicado ao estudo e intervenção em património arquitectónico. Revista Estudos/Património. 3 (pp. 19 – 29).

Rodrigues, S. W. P. & Ramos, E. M. L. S. (2013). Detecção de Mudança do Litoral da Ilha de Cotijuba, Pará, Brasil, In Anais do XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. pp. 6953 – 6960. Foz do Iguaçu.

Roedel, L. A. & Soares, F. C. (2015). Cidade dos vivos e cidade dos mortos: arqueologia urbana no cemitério do Senhor do Bonfim, Belo Horizonte. Urbania. Revista de arqueología e historia de las ciudades. 4.(pp. 23-44).

Rossi, A. (2001). A Arquitetura da Cidade. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes.

Santos, R. (2013). Arqueologia da Arquitetura: conceitos e metodologia. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção. 4. UNICAMP. Campinas

Santos, R. (2015). Arqueologia da Arquitetura: Olhar Paredes e Ver Vivências. Revista de Arqueologia Pública. Campinas. 1(9). (pp. 60 – 72).

Seabra, A. C. S. (2019). Arquitetura disciplinar na Amazônia: o Educandário Dr. Nogueira de Faria – Ilha de Cotijuba – Belém – Pará. Dissertação. Universidade Federal do Pará. Belém.

Silva, L. C. (2003). Lazer, turismo e agricultura entre populações tradicionais na Ilha de Cotijuba. Dissertação. Universidade Federal do Pará. Belém.

Steadman, S. R. (1996). Recente Research in the Archaeology of Architecture: Beyond the Foundations. Journal of Archaeological Research, 1: (4). (pp. 51 – 93).

Tencer, T. (2015). Space sintax and/in Archaeology. DAJ1 Odborná jazyková príprava pro DSP – Academic Writing in English. Universitas Masarykiana Brunensis.

Thiesen, B. V. (2006). Significados nas representações escultóricas da fachada da Cervejaria Bopp & Irmãos, Porto Alegre. In Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material. 1: (14).

Thoele, A. (2009). Witzwill: uma penitenciária de 5 estrelas. Disponível em: https://www.swissinfo.ch/por/witzwil--uma-penitenci%C3%A1ria-5-estrelas/7419490

Tirello, R. A. (2006). A Arqueologia da arquitetura: um mode de entender e conservar edifícios histórico. Revista CPC. 3. 145-165.

Zarankin, A. (2002). Paredes que Domesticam: arqueologia da arquitetura escolar capitalista: o caso de Buenos Aires, Universidade de Campinas, Campinas.

Zevi, B. (2002). Saber ver a Arquitetura. 4.ed. São Paulo: Martins Fontes.

Publicado
2020-07-22
Como Citar
de Sousa Seabra, A. C. (2020). Arqueologia da Arquitetura em uma Ilha Amazônica. Vestígios - Revista Latino-Americana De Arqueologia Histórica, 14(1), 47-73. https://doi.org/10.31239/vtg.v14i1.14869
Seção
Artigos