Temporalidades e saberes inscritos em ruínas e memórias

Palavras-chave: Produção do conhecimento, Temporalidades, Memória, Arqueologia Etnográfica

Resumo

Este artigo trata de uma pesquisa desenvolvida em um complexo de ruínas na praia do Sahy, no litoral sul do Rio de Janeiro/Brasil que teve duas linhas de ação concomitantes. A primeira em torno de um problema histórico-arqueológico associado às ruínas sobre o tráfico ilegal de escravos e o processo de escravização de africanos na primeira metade do século XIX. A segunda enfocou os usos contemporâneos desse espaço e o caráter público da prática de pesquisa, refletindo sobre aspectos metodológicos e o processo de produção do conhecimento.

Referências

ABREU, M. C. & MATTOS, H. (org.). 2012. Passados presentes. 1a Ed. Niterói: EDUFF.

AGOSTINI, Camilla. 2002. Entre senzalas e quilombos: “comunidades do mato” em Vassouras do oitocentos. In: Zarankin, A. e Senatore, M.X. (org.) Arqueologia da Sociedade Moderna na América do Sul. Cultura Material, Discursos e Práticas. Buenos Aires: Ed. Del Tridente.

AGOSTINI, Camilla. 2009. Cultura material e a experiência africana no sudeste oitocentista: cachimbos de escravos em imagens, histórias, estilos e listagens. Topoi. Vol.10 (18).

AGOSTINI, Camilla. 2013. Cultura material e expressão simbólica à sombra da clandestinidade: o caso do sítio São Francisco / São Sebastião (SP). In: Mattos, Hebe (org.) Diáspora negra e lugares de memória. A história oculta das propriedades voltadas para o tráfico clandestino de escravos no Brasil Imperial.

AGOSTINI, C. & ALMEIDA, M.L.de. 2019. De Mvika à Cabiúna: a dinâmica social de pessoas e lugares no processo de escravização durante o segundo escravismo. In: Santos, Vanicléia Silva; Symanski, Luís Cláudio & Holl, Augustin. Arqueologia e história da cultura material na África e na diáspora africana. Curitiba: Editora Prismas.

BELL, J. A. 1991. Anarchy and Archaeology. In: Robert W. Preucel (Ed.). Processual and postprocessual archaeologies: multiple ways of knowing the past. Illinois: Center for Archaeological Investigations.

BENJAMIN, W. 2006. Passagens. Traduzido para o português por Irene Aron. Belo Horizonte: Editora da UFMG.

BOCCIA, A. M. M. & MALERBI, E. M. 1977. O contrabando de escravos para São Paulo. Revista de História, No. 112.

BONETTI, A. & FLEISCHER, S. (org.). 2007. Entre saias justas e jogos de cintura. Florianópolis: EDUNISC.

CASTAÑEDA, Q. E. 2006. The invisible theatre of ethnography: performative principles of fieldwork. Project Muse. Social Tought and Comentary.

CASTAÑEDA, Q. E. 2009. The past as transcultural space: using ethnographic installation in the study of archaeology. Public Archaeology: archaeological ethnographies, vol. 8 (2-3).

CHAKRABARTY, D. 1997. The time of history and the time of gods. In: Lisa Lowe; David Lloyd (Eds.) The politics of culture in the shadow of capital. London: Duke University Press.

CRAEMER, W.; VANSINA, J. & FOX, R. C. 1976. Religious Movements in Central Africa: a theoretical study. Comparative Studies in Society and History vol.18, (4).

COMARROF, J. & COMARROF, J. 2010. Etnografia e imaginação histórica. Revista Proa, n° 2, vol.01.

COLWELL-CHANTHAPHONH, C. 2009. Myth of the Anasazi: archaeological language, collaborative communities, and the contested past. Public Archaeology: archaeological ethnographies, vol. 8 (2/3).

CURTIN, P. D. 1969. The Atlantic Slave Trade: A Census. University of Wisconsin Press, Madison.

FABIAN, J. 2013 (1983). O tempo e o outro. Como a antropologia estabelece seu objeto. Rio de Janeiro: Editora Vozes.

FAVRET-SAADA, J. Cadernos de Campo. No. 13, 2005. Tradução para o português de Siqueira, Paula e Lima, Tania Stolze. “Ser afetado”, do original Favret-Saada, Jeanne. “Être Affecté”. In: Gradhiva: Revue d´Histoire et d´Archives de l´Anthropologie, 8, 1990.

FEINMAN, G. M. 1997. Thoughts on new approaches to Combining the archaeological and historical records. Journal of Archaeological Method and Theory. V.4, n.os ¾.

FERREIRA, M. M. & AMADO, J. 2005. Usos e abusos da História Oral. Rio de Janeiro: FGV.

FERREIRA, R.A. 1996. Dos Sertões ao Atlântico: tráfico ilegal e comércio lícito em Angola, 1830-1860. Dissertação de mestrado, IFCH / UFRJ.

FLORENTINO, M.G. 1995. Em Costas Negras: uma história do tráfico atlântico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro, séculos XVIII e XIX. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional.

GONZÁLEZ-RUIBAL, Alfredo. 2014. Returning to where we have never been: excavating the ruins of modernity. Ruin Memories Materialities, Aesthetics and the Archaeology of the Recent Past. London: Routledge.

HALBWACHS, M. 2004. Los marcos sociales de la memoria. Caracas: Anthropos Editorial.

HAMILAKIS, Y. & ANAGNOSTOPOULOs, A. 2009. What is Archaeological Ethnography? Public Archaeology: arachaeological ethnographies, vol. 8 (2-3).

HAMILAKIS, Y. 2011. Archaeological Ethnography: A Multitemporal Meeting Ground for Archaeology and Anthropology. Annu. Rev. Anthropol. No. 40.

HOGBERG, A. & HOLTORF, C. 2005. Talking people – from community to popular archaeologies. In: Arkeologi Splittring eller Mangfald? Kulturmiljoavdelning, Estocolmo.

JAPIASSÚ, H. 1976. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago.

KLEIN, H. S. 1999. The Atlantic Slave Trade. New approaches to the Americas. Cambridge University Press.

LITTLE, B. 2013. Reversing the narrative from violence to peace: some thoughts from an archaeologist. Historical Archaeology. Vol 47 (3).

LOURENÇO, T.C.P. 2013. Os Souza Breves e o tráfico ilegal de africanos no litoral sul-fluminense. In: Hebe Mattos (org.) Diáspora negra e lugares de memória: a história oculta das propriedades voltadas para o tráfico clandestino de escravos no Brasil imperial. Niterói: Editora da UFF.

LOURENÇO, T.C.P. 2018. O Império da Escravidão. O complexo Breves no vale do café (Rio de Janeiro, c. 1850-1888). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional.

MACGAFFEY, W. 1986. Ethnography and the closing of the frontier in Lower Congo, 1885-1921. Africa, 56 (3).

MATTOS, H. (Org.). 2013. Diáspora negra e lugares de memória: A história oculta das propriedades voltadas para o tráfico clandestino de escravos no Brasil imperial, Niterói: EDUFF.

MATTOS, H. & ABREU, M. Forthcoming. Performing History: Jongos, Quilombos and the Memory of Illegal Atlantic Slave Trade in Rio de Janeiro, Brazil. In: David Dean (ed.) A Companion to Public History, Chichester, U.K., John Willeys & son Ltda.

MATTOS, H. & SCHNOOR, E. (org.). 1995. Resgate: uma janela para o oitocentos. Rio de Janeiro: top books.

MUAZE, M. & SALLES, R. 2015. O Vale do Paraíba e o Império do Brasil nos quadros da Segunda Escravidão. Rio de Janeiro: 7Letras.

PEREIRA, J. C. M. S. 2007. À flor da terra: o cemitério dos pretos novos no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Garamond.

POLLAK, M. 1989. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos. Vol. 2 (3).

RODRIGUES, J. 2005a (2000). O infame comércio. Propostas e experiências no final do tráfico de africanos para o Brasil (1800-1850). Campinas: Ed. Unicamp.

RODRIGUES, J. 2005b. De costa a costa. Escravos, marinheiros e intermediários do tráfico negreiro de Angola ao Rio de Janeiro (1780-1860). São Paulo: Companhia das Letras.

SCHIFFER, M.B. 1995. Behavioral Archaeology. First principles. Salt Lake City: University of Utah Press.

SCHIFFER, M.B. 1996. Formation Processes of the Historical and Archaeological Records. In: W. David Kingery (ed.). Learning from Things: method and theory of material culture studies. Smithsonian Institution Press.

SILVA, W.G. da. 2006. O antropólogo e sua magia. São Paulo: Edusp.

SLENES, R.W. 1995. “Malungu, ngoma vem!” África encoberta e descoberta no Brasil. Cadernos da escravatura, Luanda.

SLENES, R.W. 1999. Na senzala uma flor As esperanças e recordações na formação da família escrava Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

SLENES, R.W. 2002. The great porpoise-skull strike: central african water spirits and slave identity in early-nineteenth-century Rio de Janeiro. In: Central Africans and Cultural Transformations in the American Diaspora. Cambridge: Cambridge University Press.

SLENES, R.W. inédito. “Tumult and silence” in Rio de Janeiro, 1848: a central revitalization cult in the abolition of the Brazilian slave trade. Campinas (versão 2001).

THOMPSON, P. 2002. A voz do passado. História Oral. São Paulo: Paz e Terra.

THOMPSON, R.F. 1984 (1983). Flash of the spirits. African and Afro-American art and philosophy. Nova Iorque: Vintage Books.

THORNTON, J.K. 2010. Religião e vida cerimonial no Congo e áreas Umbundo, de 1500 a 1700. In: Linda M. Heywood (org.), Diáspora Negra no Brasil. São Paulo: Editora Contexto.

VANSINA, J. 1990. Paths in the Rainforests. Toward a history of political tradition in Equatorial Africa. Wisconsin: University of Wisconsin Press.

YABETA, D.P. 2013. Da comunidade remanescente de quilombo ao tráfico de africanos livres: os processos da Auditoria Geral da Marinha sobre apreensões de recém-desembarcados na Ilha da Marambaia (RJ) – 1850-51 In: MATTOS, H. (Org.). Diáspora negra e lugares de memória: A história oculta das propriedades voltadas para o tráfico clandestino de escravos no Brasil imperial, Niterói: EDUFF.

YABETA M., D.P. 2014. Marambaia. História, memória e direito na luta pela titulação de um território quilombola no Rio de Janeiro (c. 1850 – tempo presente). Tese (Doutorado em História). Niterói: UFF.

Publicado
2019-06-30
Seção
Artigos