O “dicumê” está pronto! A influência das práticas alimentares da nova cozinha no cotidiano dos habitantes da Fazenda Prazeres - Bertolínia, Piauí

Palavras-chave: Nova Cozinha, Fazenda Prazeres, Arqueologia

Resumo

As práticas alimentares são parte integrante de uma sociedade e, portanto, se constituem como meio para compreendermos relações sociais. Essa ação que realizamos cotidianamente sofreu alterações significativas ao longo do tempo, dentre as mais expressivas, cito o surgimento da Nova Cozinha, que modificou essa atividade em todas as suas etapas e conformou muitos dos nossos hábitos atuais. Esse foi o enfoque utilizado para estudar a cultura material, especificamente as louças, advindas do sítio arqueológico Fazenda Prazeres. O objetivo principal da pesquisa foi compreender como esse grupo incorporou as mudanças sociais e culturais que ocorreram durante o século XIX, moldando suas regras de consumo e de comensalidade.

Referências

ARAÚJO, M. L. V. 2004.Os interiores domésticos após a expansão da economia exportadora paulista. Anais do Museu Paulista. 12:129-160.

ARAÚJO, A. G. & CARVALHO, M. R. R. 1993.A louça inglesa no século XIX: considerações sobre a terminologia e metodologia utilizadas no sítio Florêncio de Abreu, São Paulo. Revista do MAE. 3:81-95.

BARBOSA, Rute Ferreira. 2012.“Para o povo ver”: A materialidade dos Engenhos Banguês do Norte de Alagoas. Dissertação de Mestrado em Arqueologia. Universidade Federal de Pernambuco.

BRANDÃO, Tanya Maria Pires. 1995. A elite colonial piauiense: família e poder. Teresina: Fundação Monsenhor Chaves.

BRAUDEL, F. 1997.O supérfluo e o costumeiro: alimentos e bebidas. Em: BRAUDEL, F. Civilização Material, Economia e Capitalismo, séculos XV-XVIII. Martins Fontes. São Paulo. 161-301.

CONTRERAS, J. e GRACIA, M. 2011.Alimentação, sociedade e cultura. Fiocruz, Rio de Janeiro.

COSTA, Sebastião Martins de Araújo Costa. 1954. Dados Genealógicos da Família Rocha. 1ª edição, Rio de Janeiro.

COSTA, Sebastião Martins de Araújo Costa; ROCHA, Moacyr Sipaúba da; REZENDE, José Ferreira de Sousa. 1999. Dados Genealógicos da Família Rocha. 3ª edição, Teresina.

CRUZ, M. Aproximaciones a las prácticas alimentícias de los grupos foqueros (Islas Shetland del Sur, siglo XIX). 2011. Monografia (Graduação em Arqueologia). Facultad de Filosfía y Letras, Universidad de Buenos Aires, Buenos Aires.

FALCI, Miridan Knox. 2007. Mulheres no Sertão Nordestino. In.: DEL PRIORE, Mary (Org.). História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto.

FONSECA NETO, Antonio dos Santos. 2016. Sertanias. 1. ed. Teresina: Academia Piauiense de Letras.

GARDNER, George. 1975.Viagem ao interior do Brasil, principalmente nas províncias do Norte e nos distritos do ouro e do diamante durante os anos de 1836-1841. Ed. Itatiaia, São Paulo.

GOULART, José Alípio. 1965.O Brasil do boi e do couro. Rio de Janeiro: Edições GDR.

HABITUS. 2014. 3º Relatório Parcial do Programa de Resgate Arqueológico no trecho da BR 135 entre os municípios de Bertolínia e Eliseu Martins, no Estado do Piauí.

IBGE CIDADES. Acessado em 10 de dezembro de 2018, em https://cidades.ibge.gov.br/.

LIMA, T.A. 1989. A tralha doméstica em meados do século XIX: reflexos da emergencia da pequeña burguesía do Rio de Janeiro. Dédalo, v.1, p.205-30, Publicação Avulsa.

LIMA, T.A. 1995. Pratos e mais pratos: louças domésticas, divisões culturais e limites sociais no Rio de Janeiro, século XIX. Anais do Museu Paulista. 3: 129-191.

LIMA, T. A. 1996. Humores e odores: ordem corporal e ordem social no Rio de Janeiro, no século XIX. História, Ciência, Saúde – Manguinhos. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz. 44-96.

LIMA, T. A. 1997. Chá e simpatia: uma estratégia de gênero no Rio de Janeiro oitocentista. Anais do Museu Paulista. 5:93-127.

LIMA, T. A. 1999. El huevo de la serpiente: uma arqueologia del capitalismo embrionário em el Río de Janeiro del siglo XIX. Em: ZARANKIN, A. e ACUTO, F. (eds) Sed Non Satiata: Teoria Social em la Arqueología Latinoamericana Contemporánea. Ediciones del Tridente. Buenos Aires. 189-238.

MAJEWSKI, T. e O´BRIEN.1987. The use and misuse of nineteenth-century english and american ceramics in archaeology analysis. Advances in archaeological method and theory. Vol.11:97-209.

MARSCHOFF, María. 2004. Gato por liebre: Prácticas alimenticias en Floridablanca. Tesis de Licenciatura em Ciências Antropológicas, Universidade de Buenos Aires.

MARSCHOFF, María. 2007. ¿Comer o Nutrirse? La Alimentación Como Práctica Social. Arqueología 13: 155-184.

MARSCHOFF, María. 2010. De la cocina al comedor: pensar y estudiar la alimentación del pasado. Disponível em: http://www.unpocodehistoria.com/monografias.

MARSCHOFF, María. 2011.El cuerpo y la corporización como herramientas metodológicas para el estúdio de la cultura material. Temas y problemas de la Arqueología Histórica. Tomo II. Universidad Nacional de Luján, Luján. Pp. 369-382.

MARSCHOFF, María. 2013.Los objetos de la alimentación en el Buenos Aires virreinal: entre el mercado mundial y las prácticas cotidianas. Revista de Arqueología Histórica Argentina y Latinoamericana 7:11-40. Buenos Aires.

MATOS, Matias Augusto de Oliveira. 2007. Pelas quebradas, várzeas e chapadas: uma viagem gastronômica pelo Piauí. 2 ed. Teresina: Alínea Publicações.

MIRANDA, Reginaldo. 1996. Bertolínia: história, meio e homens. 2ed.Teresina: COMEPI.

MIRANDA, Reginaldo. 2017. Memória dos ancestrais - parentes e contraparentes: uma genealogia do Sertão. Teresina: Academia Piauiense de Letras.

MOTT, Luiz R. B. 1995. Piauí colonial: população, economia e sociedade. Teresina: Projeto Petrônio Portella.

OLIVEIRA, Ana Joaquina da Cruz. 2018.A Comida Está Servida! Um Estudo das Práticas Alimentares Na Fazenda Prazeres, Bertolínia – Pi. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Piauí.

PEIXOTO, L. S. 2008. Louças e modos de vida urbano na Pelotas oitocentista. Mestrado em Memória Social e Patrimônio Cultural. Instituto de Ciências Humanas. UFPEL. Pelotas. 164pp.

PESSOA, Jordânia Maria. 2007.Entre a Tradição e a Modernidade: A Belle Époque Caxiense: Práticas fabris, reordenamento urbano e padrões culturais no final do século XIX. Dissertação de Mestrado em História do Brasil, Universidade Federal do Piaui.

PORTO, Carlos Eugenio. 1974. Roteiro do Piaui. Editora: Artenova.

SILLIMAN, S. e HALL, M. 2006.Introduccion: Archaeology of Modern World. In: SILLIMAN, S. e HALL, M. (orgs) Historical Archaeology. Blackwell, United Kingdom. Pp.1-22.

SILVA, Josias Clarence Carneiro da1991. Abelheiras: Último reduto da Casa da Torre no Piauí — Um estudo de história social. Teresina: Gráfica Júnior.

SILVA, Samara Mendes Araújo. 2013. DA FAZENDA PARA CIDADE: traços da cultura material e imaterial sertaneja nas casas piauienses em fins do século XX. Anais do XXVIII Simpósio Nacional de História. Natal, RN.

SILVA, Samara Mendes Araújo. 2015. A regionalidade de algumas comidas brasileiras: um estudo das comidas sertanejas no século XX. In: Cilene da Silva Gomes Ribeiro; Carmen Soares. (Org.). Odisseia de Sabores da Lusofonia. 1ed.CURITIBA-PR/LISBOA-PORTUGAL: Imprensa da Universidade de Coimbra e PUCPRESS, v. 01, p. 265-284

SYMANSKI, L.C.P. 2002. Louças e auto-expressão em regiões centrais, adjacentes e periféricas do Brasil. In: Arqueologia da Sociedade Moderna na América do Sul: Cultura Material, Discursos e Práticas, ed. by Andrés Zarankin e Maria Ximena Senatore. Buenos Aires, ediciones del Tridente, pp.31-62.

SYMANSKI, L. C. P. 1997. Grupos domésticos e comportamento de consumo em Porto Alegre no século XIX: o Solar Lopo Gonçalves. Dissertação de Mestrado em História. Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. PUCRS. Porto Alegre. 212pp.

SYMANSKI, L. C. P.2002. Louças e Auto-Expressão em Regiões Centrais, Adjacentes e Periféricas do Brasil. In: Arqueologia da Sociedade Moderna na América do Sul: Cultura Material, Discursos e Práticas, ed. by Andrés Zarankin e Maria Ximena Senatore. Buenos Aires, ediciones del Tridente, pp.31-62

SOARES, F. C. 2011.Vida material de Desterro no século XIX: as louças do Palácio do Governo de Santa Catarina. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real.

SOARES, F. e CORÇÃO, M. 2012. Bom Gosto à Mesa: Cultura Material e Distinção Social no Brasil do Século XIX. Clio Arqueológica. N.2, v.27: s/p. Recife

SOARES, F. C. 2016. Comida, Cultura e Sociedade Arqueologia da alimentação no Mundo Moderno. In: Comida, Cultura e Sociedade Arqueologia da alimentação no Mundo Moderno.

SOUZA, RAFAEL A. 2015.Globalização, consumo e diacronia: populações sertanejas sob a ótica arqueológica. Vestígios Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica.-. V. 9 N. 2.

TOCCHETTO, F. B.; SYMANSKI, L. C. P.; OZÓRIO, S. R., OLIVEIRA, A. T. D. 2001. A Faiança Fina em Porto Alegre: vestígios arqueológicos de uma cidade. Secretaria Municipal de Cultura. Porto Alegre.

TOCCHETTO, F. B. 2010. Sobre práticas cotidianas na Porto Alegre moderna oitocentista. Oikos. São Leopoldo.

Publicado
2019-06-30
Seção
Artigos