Desenvolvimentismo, tortura e internação

tecnologias da repressão na Ditadura Brasileira de 1964-1985

Palavras-chave: Desenvolvimentismo, Tecnologias repressivas, Ditadura militar, Tortura, Internação

Resumo

Na segunda metade do século XX, o estado brasileiro empreendeu um caminho político e económico desenvolvimentista. Aquele modelo fazia da adoção de fórmulas económicas e políticas dos Estados Unidos uma das chaves para a modernização da sociedade. A análise de algumas das tecnologias repressivas desenvolvidas pela ditadura de 1964-1985 no Estado de Minas Gerais mostra coo a ditadura aprofundou nos aspetos mais excludentes dessa modernização. Ao mesmo tempo, essas tecnologias mostram as contradições mais gerais do modelo desenvolvimentista que remetem aos aspectos coloniais da matriz moderna.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Amorim de Angelo, V., (2014). Esquerda armada no Brasil: um balanço da história e da produção acadêmica recente. Dimensões, vol. 32, p. , Volume ISSN: 2179-8869, pp. 52-78.

Arendt, H. (2013). As Origens do Totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras.

Bauman, Z. (1998). Modernidade e Holocausto. São Paulo: Zahar.

Berbert, P., (2017). Para nós nunca acabou a ditadura:instantaneos etnográficos sobre a guerra do Estado Brasileiro contra os Tikmum_Maxakali. Belo Horizonte: UFMG.

Bernardes, Marcos (2019). Justiça de Transição e Populações Indígenas. (tesis de maestria inédita). Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte: UFMG.

Brasil (2014). Relatório Final/ Comissão Nacional da Verdade. CNV. Brasilia: Governo do Brasil.

Ciccarione, C. (2018). The Guarani Farm: indigenous narratives about forced removal, reclusion and escape during Brazil's military dictatorship. Vibrant. 3-22.

Connerton, P.(ed.) (1976). Critical Sociology. Selected Readings. New York: Penguin.

Correa, J.G. (2003). A proteção que faltava: O reformatório agrícola indígena Krenak e a administração estatal dos índios. Arquivos do Museu Nacional, Rio de Janeiro, v.61, n.2, p.129-146, abr./jun.2003 ISSN 0365-4508 http://www.museunacional.ufrj.br/publicacoes/wp-content/arquivos/Arqs%2061%20n%202%20p%20129-146%20Correa.pdf.

Davis, S. S., (1977). Victims of the Miracle. Development and the Indians of Brazil.. London, New York and Melbourne: Cambridge University Press.

De Oliveira Souza et. al., (2015). Dossiê de Tombamento do Edifício da Antiga Sede do DOPS de Minas Gerais, Belo Horizonte: IEPHA-MG.

De Souza Lima, A., (1995). Um grande cerco de paz: Poder tutelar, indianidade e formação do Estado no Brasil.. Rio de Janeiro: Vozes.

Dias Filho, A., (2015). Sobre os viventes do Rio Doce e da Fazenda Guarany: Dois presídios federais para índios durante a Ditadura Militar. São Paulo: PUC-SP.

Dreiffuss, R. A., (1980). State, Class and the Organic Elite. Glasgow: Universidad de Glasgow.

Duarte, T. (2009). O projeto de desenvolvimento do regime militar e o estado de Goiás. Opsis, Catalão v. 9, n. 12, Jan-jun 2009.

Duarte Plon, L., (2016). A tortura como arma de guerra. Da Argélia ao Brasil. como os militares franceses exportaram os esquadrões da morte e o terrorismo de Estado.. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Falquina Aparicio, A.; Fermín Maguire, P.; González-Ruibal, A.; Marín Suárez, C. Y Rolland Calvo, J. (2008): “Arqueología de los destacamentos penales franquistas en el ferrocarril Madrid-Burgos: El caso de Bustarviejo”. Complutum, 19 (2): 175-195.

Fico, C., (2001). Como eles agiam: os subterrâneos da ditadura militar. Riode Janeiro: Record.

Figueiredo, L. (2015). Lugar nenhum: militares e civis na ocultação dos documentos da ditadura. São Paulo: Schwarcz.

Foltram, R. (2017). O Estado Militar e as Populações Indígenas: Reformatório Krenak e Fazenda Guaraní (tesis de maestría) Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri: Diamantina.

Foucault, M. (1975). Vigiar e Punir. Nascimento da prisão. Vozes: Petrópolis.

Foucault, M. (2002). Em defesa da sociedade. Curso do College de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes.

Fonseca, P.C. D. (2015). Desenvolvimentismo: a construção do conceito. En Datein, R. (Org.) Desenvolvimentismo. O conceito, as bases teóricas e as políticas. Scielo Books. Rio Grande do Sul: UFRGS.

Funari, P., & Zarankin, A. (2006). Arqueología de la represión y la resistencia en América Latina (1960-1980). Encuentro Grupo Editor. Córdoba.

Funari, P.; Zarankin, A.; Salerno, M. (2008). Memories from Darkness. Archaeology of Repression and Resistance in Latin America. New York, Dordrecht, Heidelberg, London. Springer.

Funari, P.P.; Carvalho, A.V. (2009). Arqueologia, Direito e Democracia. Erechim. RS. Habilis.

Gaspari, E. (2002). As Ilusões Armadas. A Ditadura Escancarada.. São Paulo: Companhia das Letras.

Gerais, C. D. V. E. M. (2017). Relatório Final, Belo Horizonte: UFMG-FAPEMIG-MG.

González-Ruibal, A. (2008): “Time to Destroy. An Archaeology of Supermodernity”. Current Anthropology, 49 (2): 247-278.

González-Ruibal, A. (2011): “The archaeology of francoist concentration camps (1936-1952)”. En Myers, A. Y Moshenska, G. (Eds.), Archaeologies of internment. Springer. Nueva York: 53-75.

Greco, H. A. (2003). Dimensões Fundacionais da Luta pela Anistia. Belo Horizonte: UFMG.

Hillier, B. & Hanson, J (1984). The Social Logic of Space. Cambridge. Cambridge University Press.

Horkheimer, M. &. Adorno. T. (1997). Dialectic of Enlightenement. London and New York: Verso.

Kolker, T. (2010). Tortura.. Em: Brasil. Secretaria de DDHH da Presidência da República. . Brasilia: Secretaria de Direitos Humanos, pp. 170-195.

Lewis, N. (1969). Genocide. Sunday Times Magazine, pp. 39-54.

López-Mazz, J. M. (2006). Una mirada a la represión política en Uruguay. En Funari, P., & Zarankin, A. (2006). Arqueología de la represión y la resistencia en América Latina (1960-1980). Encuentro Grupo Editor. Córdoba.

Losada Moreira, V. (2003). Os anos JK: industrialização e modelo oligárquico de desenvolvimento rural. Em: O Brasil Republicano. O tempo da expriência democrática - da democratização de 1945 ao golpe civil-militar de 1964. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, pp. 157-194.

Maguire, P.F. & Costa, D. (2018): “‘Scientific torture?’ Scientism and the marks of torture inside a police station in Belo Horizonte, Brazil”. Vibrant, 15(3): 1-23.

Maricato, E. (1996). Metrópole na Periferia do Capitalismo: Ilegalidade, Desigualdade e Violencia. Sao Paulo: Hucitec.

Marín, C.; Gazzán, N.; Aguirrezabal, D.; De Austria Millán; Cancela, C.; Díaz, N.; Blasco, J.; Guillén Ruiz, A.; Macé, J. F.; Arguiñarena Biurrun, J.; Ignacio Ampudia De Haro, I.; Márquez Berterreche, M.; De Aguirre, M. J. (2020). El Centro Clandestino de Detención y Tortura Los Vagones del Barrio Olímpico (Canelones). Testimonio Material y Prueba Judicial de la Participación de la Policía Uruguaya en el Terrorismo de Estado. Vestígios. Volume 13, Número 2 Julho–Dezembro, 2019. ISSN 1981-5875 ISSN (online) 2316-9699

Markus, T. A. (1993). Buildings and Power. Freedom and Control in the Origin of Modern Building Types. London and New York. Routledge.

Martins Filho, J. (2008). Tortura e ideologia: os militares . Em: Desarquivando a ditadura. Memória e Justiça no Brasil. São Paulo: Aderaldo e Rothschild, pp. 179-203.

Martins Filho, J. (2019). Segredos de Estado: O governo britânico e a tortura no Brasil (1969-1976). Curitiba: Prismas.

Mbembe, A. (2016). “Necropolítica”. Arte e Ensaios. Revista do PPGAV/EBA/UFRJ, 32: 123-151.

Mccoy, A. W. (2005). "Cruel Science: CIA Torture and US public policy". New England Journal of Public Policy, pp. 209-262.

Mignolo, W. (2017). Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciencias Sociais, Volume 32, 94.

Minas Gerais (2017). Relatório Final da Comissão da Verdade do Estado de Minas Gerais (COVEMG). Minas Gerais. Belo Horizonte.

Ministério Público Federal (2015). Ação Civil Pública com Pedido de Antecipação de Tutela. Belo Horizonte. Ministério Público. [http://www.mpf.mp.br/mg/sala-de-imprensa/docs/acp-reformatorio-krenak.pdf]

Morel, M. (2018). A Saga dos Botocudos: Guerra, Imagens e Resistência Indígena. São Paulo: Hucitec Editora.

Motta, Rodrigo Patto Sá (2010): “Modernizando a repressão: a Usaid e a polícia brasileira”. Revista Brasilera de História, 30 (59): 237-266.

Myers, A. & Moshsenska, A. (2011) Archaeologies of Internment. Londres y Nueva York.Springer

Olsen, B. (2010). In Defense of Things. Archaeology and the Ontology of Objects. Altamira Press. Lanham New York, Toronto, Plymouth.

Soares, I. V. P. (2009). As possibilidades da Justiça no processo de acerto de contas do Estado Brasileiro com as vítimas do regime militar. Em Funari, P.P.; Carvalho, A.V. (2009). Arqueologia, Direito e Democracia. Erechim. RS. Habilis.

Queiroz, C.C. (1999). Punição e Etnicidade: estudo de uma "Colônia Penal Indígena." Dissertação Para o Grau de Mestre. Belo Horizonte: UFMG.

Ribeiro, D. (1962). A política indigenista brasileira. Rio de Janeiro: Ministerio da Agricultura.

Silva, D. R. R. (2018). Disputas em torno do DOPS/MG: Guerra de narrativas, memorialização e patrimonialzação. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História.. Belo Horizonte: UFMG.

Rodríguez, M.P.C. & Prado, F.S. (2016). A questão indígena nas ditaduras civil-militares na América do Sul: um estudo comparativo entre o povo Krenak (Brasil) e o povo Mapuche (Chile) en SILVA, D.M. et al. (Org.) 2016 Anais do II Simpósio Internacional Pensar e Repensar a América Latina. São Paulo. USP. ISBN: 978-85-7205-159-0. https://sites.usp.br/prolam/en/ii-simposio-internacional-pensar-e-repensar-america-latina_anais/

Scaramelli, F. & Tarble De Scaramelli, K. (2005). The roles of material culture in the colonization of the Orinoco, Venezuela. Journal of Social Archaeology. Volume: 5 issue: 1, page(s): 135-168. https://doi.org/10.1177/1469605305050152

Schwarcz, L. &. Starling, H.M. (2015). Brasil: Uma biografia. São Paulo: Cia. das Letras.

Schwarcz, L. (1994). Espetáculo da Miscigenação. Estudos Avançados, 8 (20) pp. 137-152.

Starling, H. (1986). Os senhores das Gerais. Os novos Inconfidentes eo Golpe Militar de 1964. Petrópolis: Vozes.

Starling, H. (2015). Silêncios da Ditadura.Revista Maracanan, pp. 37-46.

Souza Lima, A. C. (1993). Um grande cerco de paz. Poder tutelar, indianidade e formação do estado no Brasil.Rio de Janeiro: Vozes.

Viveiros De Castro, E. (2017): “Sobre a noção de etnocídio, com especial atenção ao caso brasileiro”. https://www.academia.edu/25782893/Sobre_a_no%C3%A7%C3%A3o_de_etnoc%C3%ADdio_com_especial_aten%C3%A7%C3%A3o_ao_caso_brasileiro.

Valente, R. (2017). Os fuzis e as flechas. História de sangue e resistência indígena na ditadura.. São Paulo: Schwarcz.

Vanguardia, La. (2014). La Checa de Vallmajor. Una casa de los horrores en Barcelona. 04/04/2014.

Verdade, C. N. D. (2014). Relatório Final, Brasilia: Comissão Nacional da Verdade.

Zarankin, A. (2002): Paredes que domesticam. Arqueologia da arquitetura escolar capitalista. IFCH-UNICAMP. Campinas.

Zarankin, A. & Niro, C. (2006). La materialización del sadismo: arqueología de la arquitectura de los Centros Clandestinos de Detención de la dictadura militar Argentina (1976-83) en Funari, P. & Zarankin, A. (2006). Arqueología de la represión y la resistencia en América Latina (1960-1980). Encuentro Grupo Editor. Córdoba.

Publicado
2020-01-10
Seção
Artigos