Fases e perfis construtivos da Igreja Nossa Senhora dos Prazeres, Paulista, PE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31239/vtg.v15i1.15903

Palavras-chave:

Nossa Senhora dos Prazeres, alvenarias históricas, perfis construtivos

Resumo

A Igreja de Nossa Senhora dos Prazeres e sua Casa paroquial, localizadas em Maranguape II, no litoral Pernambucano, foram construídas, possivelmente, em 1656. Esta pesquisa teve como premissa básica identificar os fatores determinantes para a construção desses dois prédios em um território afastado da Vila de Olinda. Assim, a partir do ponto de vista quantitativo – através das composições mineralógicas dos tijolos cerâmicos, das rochas de cantaria e dos rejuntes – e qualitativo –através das paginações das alvenarias e da planta baixa –, chegou-se à identificação de três possíveis fases construtivas. O desafio maior foi associar os dados do levantamento físico e das fases construtivas aos contextos históricos e assim entender porque, em um período de instabilidade política, essas edificações  foram construídas em uma área afastada do centro da antiga Vila de Olinda e quais as justificativas das ampliações e alterações nas técnicas construtivas e nas plantas baixas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Almeida, Salvador Luiz Matos de., & Sampaio, João Alves. (2008). Calcário de Dolomito. Rochas e Minerais Industriais – CETEM, 2ª edição.

Andrade, Manuel Correia de. Economia Pernambucana do Século XVI. (2003). Recife: Editora Universitária da UFPE.

Araújo, Plínio., Camurati, Paulo., & Santana, Aneide. (1993). Projeto de Restauração da Matriz de Maranguape: Uma Proposta Histórica. Paulista: Prefeitura da cidade do Paulista.

Azevedo, Dermi. (2004). A Igreja Católica e seu papel político no Brasil. Estudos Avançados. Vol.18 Nº 52 São Paulo, set./dez.

Basalla, George. (1990). La Evolución de la Tecnología. Editorial Crítica, Barcelona, (p. 13 a 249).

Bötticher, Karl. (1852). Die Tektonik der Hellenen, Potsdam: Ed. Ferdinand Higel.

Choisy, Auguste. (1997). El Arte de Construir en Bizancio. Madrid: Ed. Cehoup e Instituto Juan de Herrera.

Choisy, Auguste. (1999). El Arte de Construir em Roma. Madri: Ed. Cehoup e Instituto Juan de Herrera.

Choisy, Auguste. (2006). El Arte de Construir en Egipto. Madrid: Ed. Cehoup e Instituto Juan de Herrera.

Código de Direito Canônico. (1983). Promulgado por S.S o Papa João Paulo II. Versão portuguesa, 4° edição revista - conferência episcopal portuguesa – Lisboa.

Eiroa, Jorge Juan., Gil, Jose Alberto Bachiler., Pérez, Ladislao Castro., & Maurandi, Joaquín Lomba. (1999). Nociones de Tecnología y Tipología em Prehistoria. Ariel, Barcelona.

Freitas, Yuri Menezes. (2015). Azulejos Portugueses dos séculos XVII e XVII em Pernambuco: Patologias e caracterização tecnológica. Dissertação de mestrado, Programa de pós-graduação em Arqueologia e Preservação Patrimonial, Universidade Federal de Pernambuco. Recife.

Galvão, Tácito Luiz Cordeiro., & Gomes, Rosângela Oliveira. (2016). O processo histórico da formação do município de Paulista. Recife: Biblioteca Pernambucana de história municipal.

Gama, Ruy. (1986). A tecnologia e o trabalho na história. São Paulo: Nobel: Editora da Universidade de São Paulo.

Gomes, Geraldo. (1998). Engenho e Arquitetura. Recife: Fundação Gilberto Freyre, 2º edição.

Janeira, Ana Luísa. (1972). Ruptura epistemológica, corte epistemológico e ciência. Análise Social, Lisboa, sér. 2, 9 (34) abr.- jun. 629-644.

Leroi-Gouham, André. (1984). Evolução e Técnicas I: o homem e a matéria. Edições 70. Lisboa.

Lima Júnior, Genival Costa de Barros. (2012). Identificação das influências construtivas e culturais nas construções praieiras no Nordeste do Brasil. Dissertação de mestrado. Programa de pós-graduação em História, Universidade Federal de Pernambuco. Recife.

Manonni, Tiziano. (2005). Arqueologia da produção arquitetônica: As técnicas de construção. Revista Arqueologia da Arquitetura, v. 4, p. 11 – 19.

Matos, Manuela Xavier Gomes de. (2009). Análises de Estruturas em Alvenaria: modelo para análise e identificação dos processos construtivos e das etapas de execução de uma edificação de valor histórico/ cultural. Dissertação de mestrado, Programa de pós-graduação em Arqueologia e Preservação Patrimonial, Universidade Federal de Pernambuco. Recife.

Mello, Evaldo Cabral de. (1976). Uma relação dos engenhos de Pernambuco em 1655. In: RIAP, Vol. XLVIII.

Mello, Evaldo Cabral de. (2007). Olinda Restaurada: guerra e açúcar no Nordeste, 1630 – 1654. São Paulo: Editora 34.

Mello, Evaldo Cabral de. (2008). Rubro Veio: o imaginário da restauração pernambucana. São Paulo: Alameda, 3º edição.

Mello, José Antônio Gonsalves de. (2000). João Fernandes Vieira: Mestre – de – Campo do terço da Infantaria de Pernambuco. Lisboa: Comissão Nacional para as comemorações dos Descobrimentos portugueses.

Melo Júnior, Ariston. S. (2007). Análise quantitativa do material particulado na região de campinas através das técnicas de microfluorescência de raios-X e reflexão total usando radiação síncrotron. Tese de Doutorado em Química, Unicamp, São Paulo.

Mori, Klára Kaiser. (1996). Brasil: urbanização e fronteiras. Tese de doutorado, Programa de pós-graduação em Estruturas Ambientais Urbanas, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Müller, Karl Ottfried. (1878). Handbuch der Archaeologie der Kunst. Stuttgart: Ed. Albert Heitz.

Mumford, Lewis. (1986). Arte e Técnica. Edições 70. Lisboa.

Nascimento, Eliane Maria Vasconcelos do. (2008). Olinda: uma leitura histórica e psicanalítica da memória sobre a cidade. Tese de doutorado, Programa de pós-graduação em História Social, Universidade Federal da Bahia. Salvador.

Pereira, José Carlos. (2008). Religião e Poder: Os símbolos do poder sagrado. Revista eletrônica de Ciências Sociais. Ano 2, v. 3.

Schwartz, Stuart B. (1988). Segredos Internos: engenhos e escravos na sociedade colonial 1550-1835. São Paulo: Companhia das Letras.

Vargas, Milton. (1994). Para uma Filosofia da Tecnologia. São Paulo. Editora Alfa.

Vieira, Glena Salgado. (2010). Decadência e expansão no litoral norte de Olinda (1654- 1710): a Freguesia de Maranguape. Dissertação de Mestrado em Arqueologia e Preservação Patrimonial, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Viollet-le-Duc, Eugène Emmanuel. (1996). La Construción Medieval. Madri: Ed. Instituto Juan de Herrera. Em virtude da especificidade e da notoriedade do tema, o artigo foi publicado depois isoladamente como livro e possui diversas edições.

Downloads

Publicado

2021-01-29

Como Citar

da Silva, M. F., & Souto Maior, P. M. (2021). Fases e perfis construtivos da Igreja Nossa Senhora dos Prazeres, Paulista, PE. Vestígios - Revista Latino-Americana De Arqueologia Histórica, 15(1), 27–49. https://doi.org/10.31239/vtg.v15i1.15903

Edição

Seção

Artigos