Arqueologia da destruição

o resgate do material arqueológico do Forte Príncipe da Beira após o incêndio do Museu Nacional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31239/vtg.v14i2.26089

Palavras-chave:

Arqueologia da Destruição, Forte Príncipe da Beira, Museu Nacional, avaliação pós-incêndio, Amazônia

Resumo

Este artigo apresenta um estudo sobre o impacto da destruição causada pelo incêndio do Museu Nacional de 2018 à coleção arqueológica do Forte Príncipe da Beira, recuperada dos escombros do Palácio de São Cristóvão durante a campanha de resgate no início de 2019. O material arqueológico procedente dessa fortaleza amazônica situada no Vale do Guaporé consistia em mais de 7.000 fragmentos de metal, vidro, cerâmica, faiança fina e portuguesa, grés, porcelana e lítico, com uma datação média entre finais do século XVIII e meados do século XIX. O artigo trata, portanto, dos principais desafios metodológicos e alternativas encontradas durante o processo de resgate, reinventariação e conservação. Inicialmente concebida como simples requisito técnico e administrativo, a avaliação dos danos derivados do incêndio terminou por produzir valiosos dados sobre a manufatura, a reação ao fogo e a resistência dos diversos tipos de materiais que conformavam a coleção. Finalmente, ao situar o incêndio do Museu Nacional e os resultados da campanha de resgate no âmbito teórico da Arqueologia da Destruição, este estudo contribui para a problematização das intervenções arqueológicas em áreas e contextos considerados de “desastre”, iluminando novas formas de tratar e conservar os materiais procedentes das campanhas de resgate.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alcântara, Paulo Augusto F. de; Sampaio, Romulo S. R. (2016). O rompimento da barragem de Fundão: um “desastre tecnológico”. Conjuntura Econômica. IBRE/FGV, v. 70, n. 8, p. 52-53, 2016.

Andreoni, Manuela; Londoño, Ernesto. (2018). La pérdida de piezas indígenas em el museo de Brasil “se sintió como un nuevo genocidio”. New York Times, 17 set. 2018. Disponível em: https://www.nytimes.com/es/2018/09/17/espanol/museo-nacional-brasil-obras-indigenas.html (Acesso em 08/06/2020).

Brasil. Lei nº 13.808, de 15 de janeiro de 2019 (LOA – Lei Orçamentária Anual). Anexo, 2019. Disponível em: https://www.camara.leg.br/internet/comissao/index/mista/orca/orcamento/or2019/Lei/ANL13808.pdf (Acesso em: 15/12/2020).

Brasil. Lei nº 13.978, de 17 de janeiro de 2020 (LOA – Lei Orçamentária Anual). Anexo, 2020. Disponível em: https://www.camara.leg.br/internet/comissao/index/mista/orca/orcamento/or2020/Lei/ANL13978.pdf (Acesso em: 15/12/2020).

Buenger, Brent A. (2003). The impact of wildland and prescribed fire on archaeological resources. Tese de doutorado (Antropologia) – Universidade de Kansas, Lawrence (KA).

Cardoso de Mello, Louise (org.). (2019a). +Memória: O Papel do Passado na Construção do Futuro. Brazil Conference 2019, Cambridge, 04-07 de abril de 2019, Brazil Conference at Harvard and MIT. Disponível em: https://medium.com/@brazilconference2018/mem%C3%B3ria-o-papel-do-passado-na-constru%C3%A7%C3%A3o-do-futuro-brazil-conference-2019-6954d28805da (Acesso em 02/06/2020).

Cardoso de Mello, Louise. (2019b). O Forte Príncipe da Beira como patrimônio afro-amazônico: Arqueologia comunitária e resgate patrimonial. Anais do V Seminário de Preservação de Patrimônio Arqueológico, Museu de Astronomia e Ciências Afins, Rio de Janeiro, 25-29 de novembro de 2019, p. 167-198. Disponível em: http://site.mast.br/hotsite_vsppa/pdf/completo.pdf (Acesso em 01/06/2020).

Dantas, Regina. (2007). A casa do imperador: Do Paço de São Cristóvão ao Museu Nacional. Dissertação (Mestrado em Memória Social) – UNIRIO, Rio de Janeiro.

Frères. Thierry. (1839). Améliorations progressives du Palais de St. Christophe: (Quinta de Boa Vista); depuis 1808, jusq’en 1831. In Debret, Jean-Baptiste. Voyage pittoresque et historique au Brésil. Paris: Firmin Didot Frères, v. 3, p. 33. Biblioteca Nacional de Rio de Janeiro, ref.: icon393054, fig. 7 (154).

Gheorghiu, Dragos; Nash, George (ed.). (2007). The Archaeology of Fire: understanding fire as material culture. Budapest: Archaeolingua (Series Minor, v. 34).

Haecker, Charles. (2012). Fire Effects on Materials of the Historic Period. In Ryan, Kevin C.; Jones, Ann Trinkle; Koerner, Cassandra L., Lee, Kristine M. Wildland Fire in Ecosystems Effects of Fire on Cultural Resources and Archaeology. (JFSP Synthesis Reports, v. 3), Fort Collins: Rocky Mountain Research Station, pp. 131-142. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/188091035.pdf (Acesso em: 14/12/2020).

Hasel, Michael G. (2016). The Archaeology of Destruction. In Ganor, Saar; Kreimerman, Igor; Streit, Katharina; e Mumcuoglu, Madeleine (ed.). From Sha‘ar Hagolan to Shaaraim Essays in Honor of Prof. Yosef Garfijinkel, Jerusalem: Israel Exploration Society, p. 205-228.

Hume, Noël. (1970). A Guide to Artifacts of Colonial America. New York: Alfred A. Knopf.

Johnson, Clay (2003). Archaeological Sites and Fire-Induced Changes. In Sixth Biennial Rocky Mountain Anthropological Conference, Estes Park (Colorado), 18-20 de setembro. Disponível em: https://www.fs.usda.gov/Internet/FSE_DOCUMENTS/fsm9_002085.pdf (Acesso em 14/12/2020).

Oliveira, João Pacheco de. (2018). Ce que le feu n’a pas détruit : mémoires, réseaux et projets. Cahiers des Amériques Latines, p. 88-89. Disponível em: https://journals.openedition.org/cal/8787 (Acesso em: 01/03/2019).

Oliveira Filho, João Pacheco de; Aellah, Gemma; e Turner, Jessica. (2019). Interview: Rising from the ashes. Anthropology Today, v. 35, n. 1, p. 26-27. Disponível em: https://rai.onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1111/1467-8322.12485 (Acesso em: 01/03/2019)

Pollini, John. (2012). The Archaeology of Destruction: Christians, Images of Classical Antiquity, and Some Problems of Interpretation. In Ralph, Sarah (ed.). The Archaeology of Violence: Interdisciplinary Approaches. Albany: State University of New York Press, (IEMA Proceedings 2), p. 241-267.

Rakoczy, Lila (ed.). (2008). Archaeology of Destruction. Newcastle upon Tyne: Cambridge Scholars Publishing.

Rice, Prudence. (1987). Pottery analysis: A sourcebook. Chicago: University of Chicago Press.

Rude, Trisha; Jones, Anne Trinkle. (2012). Fire Effects on Prehistoric Ceramics. In Ryan, Kevin C.; Jones, Ann Trinkle; Koerner, Cassandra L., Lee, Kristine M. Wildland Fire in Ecosystems Effects of Fire on Cultural Resources and Archaeology. (JFSP Synthesis Reports, v. 3), Fort Collins: Rocky Mountain Research Station, pp. 131-142. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/188091035.pdf (Acesso em: 14/12/2020).

Ryan, Kevin C. (2010). Effects of fire on cultural resources. In Viegas, Domingos X. (ed.) Proceedings of the VI International Conference on Forest Fire Research, Universidade de Coimbra, 15-18 de novembro. Disponível em: https://www.fs.fed.us/rm/pubs_other/rmrs_2010_ryan_k004.pdf (Acesso em: 14/12/2020).

Rye, Owen S. (1981) Pottery technology: Principles and reconstruction. Manual on Archaeology. Washington: Taraxacum.

Santos, Magno A. C. (2019). O pouso das tropas colonial em Bento Rodrigues: o caso dos trabalhos de resgate arqueológico pós desastre. Anais do V Seminário de Preservação de Patrimônio Arqueológico, Museu de Astronomia e Ciências Afins, Rio de Janeiro, 25-29 de novembro de 2019, p. 127-151.

Serra, Cristina. (2018). Tragédia em Mariana: A história do maior desastre ambiental do Brasil. Rio de Janeiro: Record.

Shepard, Anna O. (1956). Ceramics for the archeologist. Washington: Carnegie Institution of Washington.

Schiffer, Michael; Skibo, James; Boelke, Tamara; Neupert, Mark; Aronson, Meredith. (1994). New Perspectives on Experimental Archaeology: Surface Treatments and Thermal Response of the Clay Cooking Pot. American Antiquity, v. 59, n. 2, pp. 197-217.

Slade, Tim. (2016). The Destruction of Memory. [Filme-vídeo]. Vast Productions USA. 81 min., color., son.

UNESCO. (1972). Convenção para a Proteção do Patrimônio Mundial, Cultural e Natural. Paris, 17 de outubro de 1972, p. 1. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000133369_por (Acesso em 03/06/2020).

UNESCO. (1954). Convention for the Protection of Cultural Property in the Event of Armed Conflict with Regulations for the Execution of the Convention 1954, Haia, 14 de maio de 1954, p. 8. Disponível em: http://portal.unesco.org/en/ev.php-URL_ID=13637&URL_DO=DO_TOPIC&URL_SECTION=201.html (Acesso em 03/06/2020).

Vieira, Mariane Aparecida do N. (2019). O incêndio do Museu Nacional e seus efeitos nas pesquisas dos discentes. Ventilando Acervos, v. especial, n. 1, p. 90-108. Disponível em: http://ventilandoacervos.museus.gov.br/wp-content/uploads/2019/09/e.-06-O-inc%C3%AAndio-do-Museu-Nacional.pdf (Acesso em 05/09/2019).

Downloads

Publicado

2021-01-08

Como Citar

Cardoso de Mello, L. (2021). Arqueologia da destruição: o resgate do material arqueológico do Forte Príncipe da Beira após o incêndio do Museu Nacional. Vestígios - Revista Latino-Americana De Arqueologia Histórica, 14(2), 5–26. https://doi.org/10.31239/vtg.v14i2.26089