Um elogio à Arqueologia

o Projeto do Lixo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31239/vtg.v15i1.29094

Palavras-chave:

cultura material moderna, lixo

Resumo

Etnoarqueólogos como William Rathje reconhecem seriamente a verdade por trás do velho ditado “você é o que você come”. Na verdade, Rathje parafrasearia essa fórmula para dizer “você é o que você não comeu e jogou fora”. Pesquisas arqueológicas pré-históricas e históricas com escavações em buracos de lixo, lixões, latrinas e outros sítios de descarte há muito tempo reconheceram o valor do lixo como evidência cultural material. Em um novo projeto de pesquisa, Rathje, junto de colegas e estudantes da Universidade do Arizona, aplicou teorias e métodos da arqueologia tradicional a um contexto moderno: isto é, ao refugo quantificável coletado de unidades domésticas selecionadas em Tucson, Arizona, durante um período de três anos (1973-1976).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Rathje, William L. (1982). In praise of Archaeology: Le projet du garbage. In: Schlereth, Thomas J. (ed.). Material Culture Studies in America (p. 316-324). New York: Altamira Press.

Downloads

Publicado

2021-01-29

Como Citar

Rathje, W. L., Silva , N. de A. G. da, Araujo, R. D. de, & Abreu e Souza, R. de. (2021). Um elogio à Arqueologia: o Projeto do Lixo. Vestígios - Revista Latino-Americana De Arqueologia Histórica, 15(1), 131–139. https://doi.org/10.31239/vtg.v15i1.29094

Edição

Seção

Tradução