Fibromatose gengival anatômica: caso clínico

  • Raphaela de Mello Lopes Universidade Federal de Juiz de Fora- UFJF
  • Tiago dos Reis Bastos Universidade Federal de Juiz de Fora- UFJF
  • Josemar Parreira Guimarães Universidade Federal de Juiz de Fora- UFJF
  • Paulo Sérgio dos Santos D’Addazio Universidade Federal de Juiz de Fora- UFJF

Resumo

As fibromatoses gengivais são lesões proliferativas, não neoplásicas, raras na cavidade bucal, sendo caracterizadas por um aumento gengival lento e progressivo. Podem ser classificadas em hereditária, irritativa, medicamentosa e anatômica. Este artigo relata o caso clínico de um paciente de 56 anos que apresentou hiperplasia gengival da região de molares ao tuber da maxila estendendo-se para porção posterior do palato, bilateralmente, com maior envolvimento do lado direito. Essa lesão caracterizava-se por superfície lisa, consistente a manipulação, não pediculada e de coloração rosa-pálido. O tratamento consistiu de orientação da higienização bucal ao paciente, e caso a lesão afetasse a fonação e/ou a mastigação, poderia se considerar a possibilidade de correção cirúrgica.
Descritores: Fibromatose gengival. Hiperplasia gengival.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raphaela de Mello Lopes, Universidade Federal de Juiz de Fora- UFJF
Granduando em Odontologia, FO-UFJF
Tiago dos Reis Bastos, Universidade Federal de Juiz de Fora- UFJF
Granduando em Odontologia, FO-UFJF
Josemar Parreira Guimarães, Universidade Federal de Juiz de Fora- UFJF

Coordenador do Curso de Mestrado em Clínica Odontológica, FO-UFJF; Professor Pesquisador Pró-Reitoria de Pesquisa-
PROPESQ, UFJF

Paulo Sérgio dos Santos D’Addazio, Universidade Federal de Juiz de Fora- UFJF
Mestrando em Clínica Odontológica, FO-UFJF; Professor do Curso de Especialização em Periodontia, FO-UFJF

Referências

1. Cawson RA, Binnie WH, Eveson JW. Atlas de enfermidades da boca: correlações clínicas e patológicas. 2 ed. São Paulo: Artes Médicas;
1997. Cap.10, p.2-10.
2. Castro AL, Moares NP, Furuse TA. Estomatologia. 2 ed São Paulo: Santos; 1995. P.77-81.
3. Shafer WG, Hine MK, Levy BM. Tratado de patologia bucal. 4 ed. Rio de Janeiro: Interamericana; 1987. 210 p.
4. Neville BW, Damm DD, Allen CM, Bouquot JE. Patologia oral e maxilofacial. 2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2004; p.140-5.
5. Hanks S, Adams S, Douglas J, Arbour L, Atherton DJ, Balci S, ET AL. Mutations in the gene encoding capillary morphogenesis protein 2 cause
juvenile hyaline fibromatosis and infantile systemic hyalinosis. Am J Hum Genet. 2003; 73:791-800
6. Araújo NS, Araújo VC. Patologia Bucal. 2 ed. São Paulo: Artes Médicas;1984; 342 p. 7. Regezi JA, Sciuba JJ. Patologia bucal:
correlações clínico patológicas. 3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2000; 466 p.
8. Costa SR, Gasparini D, Valsecia ME. Hiperplasia gingival fibrosa inducida por fármacos en el NEA. Universidad Nacional Del Nordeste
Comunicaciones Científicasy Tecnológicas, 2003 resumen: M-038.
9. Stephen JM, Phillip JS. Medically induced gingival hyperplasia. Mayo Clin Proc. 1998; 73:1196-9.
10. Tommasi AF (Ed). Diagnóstico em patologia bucal. 3 ed. São Paulo: Pancast; 2002; 246 p.
11. Lascala NT. Prevenção na clínica odontológica: promoção da saúde bucal. 2 ed. São Paulo: Artes Médicas; 1997; 207 p.
Publicado
2016-03-14
Como Citar
Lopes, R. de M., Bastos, T. dos R., Guimarães, J. P., & D’Addazio, P. S. dos S. (2016). Fibromatose gengival anatômica: caso clínico. Arquivos Em Odontologia, 44(1). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3462
Seção
Artigos