Prevalência de sintomatologia para a Disfunção Temporomandibular (DTM) em estudantes de Odontologia e sua associação com a Hipermobilidade Condilar da Articulação Temporomandibular (ATM)

  • Edvaldo Teixeira de Ávila Júnior Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM
  • Olga Dumont Flecha Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM
  • Paulo Messias de Oliveira Filho Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM

Resumo

A Disfunção Temporomandibular (DTM) representa uma coleção de condições clínicas associadas com anormalidades do sistema estomatognático, e está relacionada a diversos fatores de risco, dentre os quais a Hipermobilidade Condilar. O presente estudo objetivou avaliar a prevalência da Disfunção
Temporomandibular em estudantes de Odontologia e sua associação com a Hipermobilidade Condilar. Um total de 111 estudantes (66 mulheres e 45 homens) foi submetido a uma avaliação clínica da Articulação
Temporomandibular e respondeu a um questionário sobre os sintomas da Disfunção Temporomandibular. Foram considerados sintomáticos em relação à DTM os indivíduos que julgaram apresentar dor ou fadiga na região dos músculos mastigatórios, e/ou dor na região da Articulação Temporomandibular (ATM). Através do teste Qui-quadrado (p£0,05), foi avaliada a associação entre os indivíduos sintomáticos em relação à Disfunção Temporomandibular e a Hipermobilidade Condilar, além dos seguintes fatores: gênero, cefaléia, fenômenos otológicos (plenitude auricular, zumbido ou vertigem) e ruídos articulares. As prevalências de Disfunção Temporomandibular e Hipermobilidade Condilar foram respectivamente, de 29,7% e 22,5%. Houve maior
prevalência de Disfunção Temporomandibular em estudantes do gênero feminino. Dentre os estudantes sintomáticos para DTM, os ruídos articulares representaram (57,6%), cefaléia (51,5%) e fenômenos otológicos (42,4%). O ruído articular foi a única variável que apresentou associação estatisticamente significante com a sintomatologia de DTM. Não foi observada uma associação estatisticamente significante entre estudantes sintomáticos para DTM e a Hipermobilidade da Articulação Temporomandibular (p>0,05). Estudos longitudinais são necessários para se compreender melhor a relevância da Hipermobilidade Condilar na etiopatogenia dessa complexa disfunção.
Descritores: Síndrome da disfunção da articulação temporomandibular. Instabilidade articular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edvaldo Teixeira de Ávila Júnior, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM

Departamento de Odontologia, Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal dos Vales do
Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), Diamantina, MG, Brasil

Olga Dumont Flecha, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM
Departamento de Odontologia, Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal dos Vales do
Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), Diamantina, MG, Brasil
Paulo Messias de Oliveira Filho, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM

Departamento de Ciências Biológicas, Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal dos Vales do
Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), Diamantina, MG, Brasil

Referências

1. Felício CM, Mazetto MO, Bataglion C, Rodrigues da Silva MA, Hotta TH. Desordem Temporomandibular: análise da freqüência e severidade dos sinais e sintomas antes e após a placa de oclusão. J Bras Ortodon Ortop Facial. 2003;8:48-57.
2. Felício CM, Faria TG, Silva MA, Aquino AM, Junqueira CA. Desordem temporomandibular: relações entre sintomas otológicos e orofaciais.
Rev Bras Otorrinolaringol. 2004;70:786-93.
3. Okeson JP. Etiologia e identificação dos distúrbios funcionais do sistema mastigatório. In: Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusão. 4ªed. Artes Médicas; 2000. p.171-2.
4. Ash MM, Ramjford SP, Schmioseder J. Disfunções da articulação temporomandibular e muscular: conceitos, epidemiologia, sintomatologia e classificação. In: Oclusão. São Paulo: Santos; 1998. p.53-71.
5. Garcia AR, Túrcio KH, Derogis AR, Garcia IM, Zuim PR. Avaliação da energia vibratória registrada em ATMs com hipermobilidade condilar.
Rev Assoc Paul Cir Dent. 2002;56:136-42.
6. Okeson JP. Etiologia e identificação dos distúrbios funcionais do sistema mastigatório. In: Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusão. 4ª ed. Artes Médicas; 2000. p.261-
334.
7. Dijkstra PU, Kropmans TJ, Stegenga B. The association between generalized Joint Hipermobility and Temporomandibular Joint
Disorders: a systematic review. J Dent Res. 2002;81:158-63.
8. Ilha VC, Rapoport A, Filho JB, Reis AA, Boni AS. Estimativa da excursão condilar em pacientes com disfunção craniomandibular: um
enfoque multidisciplinar. Rev Dent Press Ortodon Ortopedi Facial. 2006;11:63-70.
9. Kavunku V, Sahin S, Kamanli A, Karan A, Aksoy C. The role of systemic hypermobility and condilar hypermobility in temporomandibular joint dysfunction syndrome. Rheumatol Int. 2006;26:257-60.
10. Duarte MS, Moraes LC, Castilho JC, Moraes ME. Hipermobilidade da ATM como fator etiológico de disfunção craniomandibular. Rev Fac Odontol São José dos Campos. 2001;4:52-60.
11. Yang X, Pernu H, Pyhtinen J, Tiilikainen PA, Oikarinen KS, Raustia AM. MRI findings concerning the lateral pterygoid muscle in pacients with symptomatic TMJ hipermobility. Cranio. 2001;19:260-7.
12. Dijkstra PU, Lambert GM, Leeuw R, Stegenga B, Boering G. Temporomandibular joint osteoarthrosis and temporomandibular joint
hipermobility. Cranio. 1993;11:268-75.
13. Bell WE. Temporomandibular Disorders. 3ªed. Chicago:158, Year Book Medical Publishers; 1990.
14. Schultz LW. Report on ten years of experience treating hypermobility of the temporomandibular joint. J Oral Surg. 1947;5:202-7.
15. Solberg WK, Woo MW, Houston JB: Prevalence of mandibular dysfunction in young adults. J Am Dent Assoc. 1990;120: 273-81.
16. Yamaza T, Masuda KF, Atsuta I, Nishijima K, Kido MA, Tanaka T. Oxidative stress- induced DNA damage in the synovial cells of the
temporomandibular joint in the rat. J Den Res. 2004;83:619-24.
17. Slater JJ, Lobezoo F, Van Selms MK, Naeije M. Recognition of internal derangements. J Oral Rehabil. 2004;31:851-4.
18. Magnusson T, List T, Helkimo M. Self-asessment of pain and discomfort in patients with temporomandibular disorders: a comparison of five different scales with respect to their precision and sensitivity as well as their capacity to register memory of pain and discomfort. J Oral Rehabil. 1995;2:549-56 apud Felício CM, Mazetto MO, Bataglion C, Rodrigues da Silva MA, Hotta TH. Desordem Temporomandibular: análise da freqüência e severidade dos sinais e sintomas antes e após a placa de oclusão. J Bras Ortodon Ortop Facial. 2003;8:48-57.
19. Conti PC, Miranda JE, Ornelas F. Ruídos articulares e sinais de disfunção temporomandibular: um estudo comparativo por meio de palpação manual e vibratografia computadorizada da ATM. Pesqui Odontol Bras. 2000;14(4):367-71.
20. Okeson JP. Etiologia e identificação dos distúrbios funcionais do sistema mastigatório. In: Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusão. 4ªed. Artes Médicas; 2000. p.171-3.
21. Donegá SH, Cardoso R, Procópio AS, Luz JG. Análise da sintomatologia em pacientes com disfunções intra-articulares da articulação temporomandibular. Rev Odontol Univ São Paulo. 1997;11:77-83.
22. Correia FZ. Prevalência da Sintomatologia nas disfunções da articulação temporomandibular e suas relações com idade, sexo e perdas dentais. [Dissertação]. São Paulo: Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo,1983 apud Donegá SH, Cardoso R, Procópio AS, Luz JG. Análise da sintomatologia em pacientes com disfunções intra-articulares da articulação temporomandibular. Rev Odontol Univ São Paulo 1997; 11:77-83.
Publicado
2016-04-04
Como Citar
Júnior, E. T. de Ávila, Flecha, O. D., & Filho, P. M. de O. (2016). Prevalência de sintomatologia para a Disfunção Temporomandibular (DTM) em estudantes de Odontologia e sua associação com a Hipermobilidade Condilar da Articulação Temporomandibular (ATM). Arquivos Em Odontologia, 45(1). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3490
Seção
Artigos