Relação entre estresse percebido e fatores salivares, em mulheres, sob condições basais de estresse

  • Maria Cristina de Matos Castilho Faculdade São Leopoldo Mandic
  • Carla Araújo de Oliveira Faculdade São Leopoldo Mandic
  • Edwaldo de Souza Barbosa Junior Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES
  • Ana Lúcia Gebin de Carvalho Girondo Faculdade São Leopoldo Mandic
  • Ynara Bosco de Oliveira Lima- Arsati Universidade Estadual de Feira de Santana-UEFS

Resumo

Objetivo: Verificar a relação entre alguns fatores salivares (fluxo estimulado e não-estimulado, capacidade-tampão e atividade de a-amilase) e o estresse percebido por mulheres em condições basais de estresse. Materiais e Métodos: Selecionou-se 13 voluntárias do gênero feminino, com idade média de 31,4 ± 10,0 anos, alunas do curso de mestrado da Faculdade São Leopoldo Mandic, Campinas, SP. Foi determinado fluxo salivar estimulado (FSE) e não-estimulado (FSNE); capacidade tampão (CT), atividade de a-amilase salivar (AAS) pelo método colorimétrico (Caraway modificado) e índice de estresse percebido (EP) pelo questionário de Cohen. Foi calculado o coeficiente de correlação linear de Pearson (R) entre as variáveis
avaliadas (a = 0,05). Resultados: a média ± desvio-padrão dos resultados foi FSE = 1,28 ± 0,39 ml/min; FSNE = 0,39 ± 0,18 ml/min; CT = 4,45 ± 1,53; AAS = 16.324,82 ± 12.001,26 U/dl e EP = 25,62 ± 7,09. Houve correlação positiva e estatisticamente significativa entre o FSE e FSNE (R = 0,5932; p = 0,0325). Não houve correlação entre as demais variáveis. Conclusão: em condições basais de estresse, não houve relação entre o fluxo, capacidade tampão e a atividade de a-amilase salivar com o estresse percebido.
Descritores: Saliva. a-amilases salivares. Estresse.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristina de Matos Castilho, Faculdade São Leopoldo Mandic
Programa de Pós-Graduação em Odontologia, Faculdade São Leopoldo Mandic, Campinas, SP, Brasil
Carla Araújo de Oliveira, Faculdade São Leopoldo Mandic
Programa de Pós-Graduação em Odontologia, Faculdade São Leopoldo Mandic, Campinas, SP, Brasil
Edwaldo de Souza Barbosa Junior, Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES

Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES), Montes Claros, MG, Brasil

Ana Lúcia Gebin de Carvalho Girondo, Faculdade São Leopoldo Mandic
Programa de Pós-Graduação em Odontologia, Faculdade São Leopoldo Mandic, Campinas, SP, Brasil
Ynara Bosco de Oliveira Lima- Arsati, Universidade Estadual de Feira de Santana-UEFS
Departamento de Ciências Biológicas, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Feira de Santana, BA, Brasil

Referências

1. Fejerskov O, Kidd E. Dental caries: the disease and its clinical management. Oxford: Blackwell Munksgaard; 2003.
2. Davies A, Blackeley AGH, Kidd C. Fisiologia Humana. Porto Alegre: Artmed; 2002.
3. Guggenheimer J, Moore PA. Xerostomia etiology, recognition and treatment. J Am Dent Assoc. 2003; 134:6.
4. Billings RJ. An epidemiologic perspective of saliva flow rates as indicators of susceptibility to oral disease. Crit Rev Oral Biol Med. 1993; 4:351-6.
5. Nauntofte JB, Tenovuo JO, Lagerlöf F. Secretion and composition of saliva. In: Feyerskov O, Kidd E. Dental caries: The disease and its clinical management. Oxford: Blackwell Munksgaard; 2003.
6. Navazesh M, Kumar SKS. Measuring salivary flow: challenges and opportunities. J Am Dent Assoc. 2008; 139:35S-40S.
7. Bosch JA, Brand HS, Ligtenberg TJM, Bermond B, Hoogstraten J, Amerongen AVN. Psychological stress as a determinant of protein
levels and salivary-induced aggregation of Streptococcus gordonii in human whole saliva. Psychosom Med. 1996; 58:374-82.
8. Wolf JM, Nicholls E, Chen E. Chronic stress, salivary cortisol and a-amylase in children with asthma and healthy children. Biol Psychol. 2008;78:20-8.
9. Scannapieco FA, Torres G, Levine MJ. Salivary alpha-amylase: role in dental plaque and caries formation. Crit Rev Oral Biol Med. 1993; 4:301- 7.
10. Bosch JA, de Geus EJ, Veerman EC, Hoogstraten J, Nieuw Amerongen AV. Innate secretory immunity in response to laboratory stressors that evoke distinct patterns of cardiac autonomic
activity. Psychosom Med. 2003; 65:245-58.
11. Luft CDB, Sanches SO, Mazo GZ, Andrade A. Versão brasileira da escala de estresse percebido: tradução e validação para idosos. Rev Saúde Pública. 2007; 4:606-15.
12. Frostell G. A colourimetric screening test for evaluation of the buffer capacity of saliva. Swed Dent J. 1980; 4:81-6.
13. Ehlert U, Erni K, Hebisch G, Nater U. Salivary alpha-amylase levels after yohimbine challenge in healthy men. J Clin Endocrinol Metab. 2006; 91:5130-3.
14. Van Stegeren A, Rohleder N, Everaerd W, Wolf OT. Salivary alpha-amylase as marker for adrenergic activity during stress: effect of
betablockade. Psychoneuroendocrinol. 2006; 31:137-41.
15. Rohleder N, Nater UM, Wolf JM, Ehlert U, Kirschbaum C. Psychosocial stress-induced activation of salivary alpha-amylase: an indicator of sympathetic activity? Ann NY Acad Sci. 2004; 1032:258-63.
16. Rohleder N, Wolf JM, Maldonado EF, Kirschbaum C. The psychosocial stress-induced increase in salivary alpha-amylase is independent of saliva flow rate. Psychophysiol. 2006; 43:645- 52.
17. Tungtrongchitr R. Flow rate and composition of whole saliva in children from rural and urban Thailand with different caries prevalence and dietary intake. Caries Res. 1997; 31:148-54.
18. Bardow A, Moe D, Nyvad B, Nauntofte B. The buffer capacity and buffer systems of human whole saliva measured without loss of CO2. Arch Oral Biol. 2000; 45:1-12.
19. Amenábar JM. Níveis de cortisol salivar, grau de estresse e de ansiedade em indivíduos com Síndrome de Ardência Bucal [tese]. Porto Alegre: Faculdade de Odontologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; 2006.
20. Mazariegos MR, Tice LW, Hand AR. Alteration of tight junctional permeability in the rat parotid gland after isoproterenol stimulation. J Cell Biol. 1984; 98:1865-77.
21. Nater UM, Rohleder N, Schlotz W, Ehlert U, Kirschbaum C. Determinants of the diurnal course of salivary alpha-amylase.
Psychoneuroendocrinol. 2007; 32:392-401.
Publicado
2016-05-10
Como Citar
Castilho, M. C. de M., Oliveira, C. A. de, Junior, E. de S. B., Girondo, A. L. G. de C., & Arsati, Y. B. de O. L.-. (2016). Relação entre estresse percebido e fatores salivares, em mulheres, sob condições basais de estresse. Arquivos Em Odontologia, 47(1). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3555
Seção
Artigos