Associação entre as ações de serviços de saúde bucal, Índice de Desenvolvimento Humano, presença de água fluoretada e cárie dentária em crianças aos cinco anos de idade

  • Maria Aparecida Martins Baêta Guimarães Faculdade de Odontologia e Centro de Pesquisas Odontológicas, São Leopoldo Mandic
  • Valesca Krepker de Oliveira
  • Arlete Maria Gomes Oliveira Faculdade de Odontologia e Centro de Pesquisas Odontológicas, São Leopoldo Mandic
  • Flávia Martão Flório Faculdade de Odontologia e Centro de Pesquisas Odontológicas, São Leopoldo Mandic

Resumo

Objetivo: Investigar associações entre ações de serviços de saúde bucal, realizadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e avaliadas pelos Indicadores do Pacto da Atenção Básica; desenvolvimento humano, água fluoretada e experiência de cárie dentária em crianças de 5 anos de idade, em municípios da Gerência Regional de Saúde de Juiz de Fora, Minas Gerais (GRS-JF). Materiais e Métodos: A amostra foi composta por 27 municípios da GRS-JF, MG. Utilizou-se o índice ceo-d aos 5 anos; indicadores de saúde bucal e de
cobertura pelo PSF, de 1998 a 2002; Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) de 2000 e informações sobre presença de água fluoretada nesses municípios. Para avaliar a associação entre as variáveis do estudo, realizaram-se análises de regressão linear simples e múltipla. Resultados: Verificou-se que as ações de serviços de saúde bucal não se associaram significativamente à experiência de cárie dentária. A cobertura pelo PSF associou-se positiva e significativamente à prevalência da doença; o IDH-M associou-se negativa e significativamente ao ceo-d aos 5 anos de idade e a presença de água fluoretada não se associou à experiência de cárie dentária. Conclusão: As políticas de desenvolvimento humano contribuíram para
melhoria de indicadores de cárie dentária aos 5 anos de idade e que água fluoretada e as ações do serviço de saúde bucal não tiveram efeito significativo. Sugerem-se mudanças na oferta de ações dos serviços de saúde bucal, dirigidas à melhoria da qualidade de vida e não apenas à redução de indicadores biológicos de doença.
Descritores: Cárie dentária. Serviços de saúde. Fatores socioeconômicos. Fluoretação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Aparecida Martins Baêta Guimarães, Faculdade de Odontologia e Centro de Pesquisas Odontológicas, São Leopoldo Mandic
Faculdade de Odontologia e Centro de Pesquisas Odontológicas, São Leopoldo Mandic, Campinas, SP, Brasil
Valesca Krepker de Oliveira
Cirurgiã-dentista
Arlete Maria Gomes Oliveira, Faculdade de Odontologia e Centro de Pesquisas Odontológicas, São Leopoldo Mandic
Departamento de Saúde Coletiva, Centro de Pesquisas Odontológicas, São Leopoldo Mandic, Campinas, SP, Brasil
Flávia Martão Flório, Faculdade de Odontologia e Centro de Pesquisas Odontológicas, São Leopoldo Mandic
Departamento de Saúde Coletiva, Centro de Pesquisas Odontológicas, São Leopoldo Mandic, Campinas, SP, Brasil

Referências

1. Kennedy BP, Kawachi I, Glass R, Prothrow- Stith D. Income distribution, socioeconomic status, and self rated health in the United States: multilevel analysis. Br Med J. 1998; 317:917-21.
2. Nadanovsky P, Sheiham A. The relative contribution of dental services to the changes and geographical variations in caries status of 5- and
12-year-old children in England and Wales in the 1980s. Community Dent Health. 1994; 11:215- 23.
3. Starfield B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde; 2002.
4. World Health Organization [Internet]. World Health Statistics, Working Together for health. [cited 2007 Jul 27]. Available from: http://www. who.int/whosis/whostat2007_6healthsystems_
nha.pdf.
5. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Departamento de Descentralização da Gestão da Assistência.
Norma Operacional de Assistência à Saúde - NOAS - SUS 01/02. Brasília: 2002.
6. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 21, de 5 de janeiro de 2005. Aprova a Relação de Indicadores da Atenção Básica – 2005 e dá
outras providências. [acesso em 2009 mar 09]. Disponível em: www.saude.gov.br.
7. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Projeto SB Brasil 2003. Condições de Saúde Bucal da População Brasileira 2002-2003 - Resultados Principais. Brasília: 2004.
8. Lucas SD, Portela MC, Mendonça LL. Variações no nível de cárie dentária dentária entre crianças de 5 e 12 anos em Minas Gerais, Brasil. Cad Saude Publica. 2005; 21:55-63.
9. Ismail AI, Sohn W. The impact of universal access to a dental care on disparities in caries experience in children. J Am Dent Assoc. 2001;
132:295-303.
10. Locker D. Does dental care improve the oral health of older adults? Community Dent Health. 2001; 18:7-15.
11. Antunes JLF, Frazão P, Narvai PC, Bispo CM, Pegoretti T. Spatial analysis to identify differentials in dental needs by area-based
measures. Community Dent Oral Epidemiol. 2002; 30:133-42.
12. Antunes JLF, Peres MA, Mello TRDC. Determinantes individuais e contextuais da necessidade de tratamento odontológico na
dentição decídua no Brasil. Cienc Saúde Coletiva. 2006; 11:9.
13. Slade GD, Sanders AE, Bill CJ, Do LG. Risk factors for dental caries in the five-year-old South Australian population. Aust Dent J. 2006; 51:130-9.
14. Aida J, Ando Y, Aoyama H, Tango T, Morita M. An ecological study on the association of public dental health activities and sociodemographic characteristics with caries prevalence in japanese
3-year-old children. Caries Res. 2006; 40:466- 72.
15. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Básica. Coordenação Nacional de Saúde Bucal. Diretrizes da Política Nacional de Saúde Bucal. Brasília: 2004.
16. McDonagh MS, Whiting PF, Wilson PM, Sutton AJ, Chestnutt I, Cooper J, et al. Systematic review of water fluoridation. Br Med J. 2000; 321:855-9.
17. Marinho VCC, Higgins JPT, Logan S, Sheiham A. Topical fluoride (toothpastes, mouthrinses, gels or varnishes) for preventing dental caries in children and adolescents (Cochrane Review). Oxford: Update Software; 2007.
18. Armfield JM. Public water fluoridation and dental health in New South Wales. Aust N Z J Public Health. 2005; 29:477-83.
19. Kay E, Locker D. A Systematic review of the effectiveness of health promotion aimed at improving oral health. Community Dent Health. 1998; 15:132-44.
20. Batchelor PA, Sheiham A. The distribution of burden of dental caries in school children: a critique of the high-risk prevention strategy for populations. BMC Oral Health [Internet] 2006. cited 2006 abr 22]. Available from: http://www. biomedcentral.com/1472-6831/6/3.
21. Silva DA, Matos DL, Sá EMO, Pereira NNR, Fonseca PHA, Vilas Boas SW, et al. Saúde bucal para crianças e adolescentes - Manual
de diagnóstico e avaliação. Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais. Superintendência de Epidemiologia.
Coordenadoria de Saúde Bucal; 1995. [Informe Técnico; 20].
22. Luiz RR, Costa AJL, Nadanovsky P. Epidemiologia e Bioestatística na Pesquisa Odontológica. São Paulo: Atheneu; 2005.
23. Medronho RA. Estudos ecológicos. In: Medronho RA, Carvalho DM, Bloch KV, Luiz RR, Werneck GL. Epidemiologia. São Paulo: Atheneu; 2002. p.191-8.
24. Pereira MG. Epidemiologia Teoria e Prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan;1995.
Publicado
2016-05-10
Como Citar
Guimarães, M. A. M. B., Oliveira, V. K. de, Oliveira, A. M. G., & Flório, F. M. (2016). Associação entre as ações de serviços de saúde bucal, Índice de Desenvolvimento Humano, presença de água fluoretada e cárie dentária em crianças aos cinco anos de idade. Arquivos Em Odontologia, 47(3). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3567
Seção
Artigos