Publicidade de alimentos para o público infantil na televisão e diretrizes alimentares brasileiras: sintonia ou confronto?

  • Mariana Luiza Guimarães Costa Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG
  • Patricia Alves Drummond de Oliveira Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG
  • Sheyla Márcia Auad Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG

Resumo

Objetivo: Avaliar o conteúdo dos comerciais de produtos alimentícios veiculados em canais abertos da televisão brasileira durante a programação para o público infantil, os valores nutricionais desses produtos e o uso de personagens infantis para divulgação dos mesmos. Além disso, verificou-se se há veiculação de comerciais que promovem hábitos saudáveis durante tal programação e se os alimentos promovidos estão em sintonia com a recomendação das diretrizes alimentares brasileiras. Materiais e Métodos: Foram realizadas gravações dos principais canais abertos da televisão brasileira, em dois dias durante a semana e um dia no final de semana, para cada canal. A grade das emissoras foi previamente verificada para que as gravações fossem realizadas nos momentos em que programas voltados para o público infantil fossem veiculados, independentemente do horário. Resultados: Foram veiculados 119,5 minutos de comerciais, sendo 28
minutos voltados para o público infantil (média diária de 9,3 minutos), dos quais 11,8 minutos compreendiam comerciais de produtos alimentícios. A utilização de animações ou personagens infantis como estratégia
de publicidade foi constatada em 83,9% dos comerciais de produtos alimentícios destinados ao público infantil, enquanto apenas 5,4 minutos do tempo total de comerciais foram voltados para a veiculação de mensagens educativas e de promoção de saúde. Os alimentos promovidos apresentavam alto valor calórico, elevada quantidade de gorduras, açúcares e sódio. Conclusão: Observou-se que os comerciais voltados para o público infantil promovem o consumo de produtos potencialmente cariogênicos, utilizam personagens infantis para estimular sua venda, carecem de mensagens promotoras de saúde e estão em confronto com as diretrizes alimentares brasileiras.
Descritores: Publicidade de alimentos. Televisão. Dieta. Criança.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Luiza Guimarães Costa, Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG

Fisioterapeuta
Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil

Patricia Alves Drummond de Oliveira, Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG
Programa de Pós Graduação, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil
Sheyla Márcia Auad, Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG

Departamento de Odontopediatria e Ortodontia, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo
Horizonte, MG, Brasil

Referências

1. Martins CC, Lima Jr., Martins LHPM, Auad SM, Paiva SM. Alimentação: escolha individual ou determinação do mercado publicitário? Arq Odontol. 2003; 39:53-63.
2. Almeida SS, Nascimento PC, Quaioti TCB. Quantidade e qualidade de produtos alimentícios anunciados na televisão brasileira. Rev Saúde
Pública. 2002; 36:353-5.
3. Fiates GMR, Amboni RDMC, Teixeira E. Television use and food choices of children: qualitative approach. Appetite. 2008; 50:12-8.
4. Haerens L, Craeynest M, Deforche B, Maes L, Cardon G, De Bourdeaudhuij I. The contribution of psychosocial and home environmental factors in explaining eating behaviours in adolescents.
Eur J Clin Nutr. 2008; 62:51-9.
5. Auad SM, Waterhouse PJ, Nunn JH, Moynihan PJ. Dental caries and its association with sociodemographics, erosion and diet in schoolchildren from southeast Brazil. Pediatr Dent. 2009; 31:229-35.
6. Rodd HD, Patel V. Content analysis of children television advertising is relation to dental health. Br Dent J. 2005; 199:710-3.
7. Wilson N, Quigley R, Mansoor O. Food ads on tv: a health hazard for children? Aust N Z J Public Health. 1999; 23:647-50.
8. Powell LM, Szczypka G, Chaloupka FJ, Braunschweig CL. Nutritional content of television food advertisements seen by children and adolescents in the united states. Pediatrics. 2007; 120:576-83.
9. Brasil. Decreto-lei nº 986, de 21 outubro de 1969. [acesso em 2011 mar 03]. Disponível em: .
10. Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução-rdc n º 24, de 15 de junho de 2010. Diário Oficial da União. 29 jun 2010. [acesso em 2011 mar 15]. Disponível
em: .
11. Arnas YA. The effects of television food advertisement of children’s food purchasing requests. Pediatr Int. 2006; 48:138-45.
12. Batista LRV, Moreira EAM, Corso ACT. Alimentação, estado nutricional e condição bucal da criança. Rev Nutr. 2007; 20:191-6.
13. Lima JEO. Cárie dentária: um novo conceito. Rev Dent Press Ortodon Ortopedi Facial. 2007; 12:119-30.
14. Resende VLS, Castilho LS, Faria CVCM, Teixeira GS, Lima ICP, Campos MCBM, et al. Erosão dentária ou perimólise: a importância do
trabalho da equipe em saúde. Arq Odontol. 2005; 41:132-8.
15. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação geral da política nacional de alimentação e nutrição. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Série A: Normas e
manuais técnicos. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. [acesso em 2011 abr 02]. Disponível em: http://189.28.128.100/nutricao/docs/geral/ guia_alimentar_conteudo.pdf>.
16. Brasil. Ministério da Saúde. Agência nacional de vigilância sanitária. Rotulagem nutricional obrigatória: referências para cálculo de valor diário para crianças. 23 janeiro 2006. [acesso em 2011 jun 27]. Disponível em: .
17. Harris JL, Bargh JA, Brownell KD. Priming effects of television food advertising on eating behavior. Health Psychol. 2009; 28:404-13.
18. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Alimentação e
Nutrição. 2. ed. Rev. 5 reimpressão. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. [acesso em 2011 mar 19]. Disponível em: .
19. Lang RMF, Nascimento AN, Taddei JAAC. A transição nutricional e a população infantojuvenil: medidas de proteção contra o marketing
de alimentos e bebidas prejudiciais à saúde. Nutrire Rev Soc Bras Aliment Nutr. 2009; 34:217-29.
Publicado
2016-05-10
Como Citar
Costa, M. L. G., Oliveira, P. A. D. de, & Auad, S. M. (2016). Publicidade de alimentos para o público infantil na televisão e diretrizes alimentares brasileiras: sintonia ou confronto?. Arquivos Em Odontologia, 47(4). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3577
Seção
Artigos