Análise comparativa entre dois índices de higiene bucal

  • Karina Tonini dos Santos Pacheco Universidade Federal do Espírito Santo, UFES
  • Zelaine Marques da Silva
  • Manoelito Ferreira Silva Junior Universidade Federal do Espírito Santo, UFES
  • Carolina Dutra Degli Esposti Universidade Federal do Espírito Santo, UFES
  • Raquel Baroni de Carvalho Universidade Federal do Espírito Santo, UFES

Resumo

Objetivo: Comparar dois índices de higiene bucal utilizados em pacientes atendidos na clínica da disciplina de Saúde Bucal Coletiva I (SBC I) do curso de Odontologia da Universidade Federal do Espírito Santo: Índice de Higiene Oral-IHO (modificado pela disciplina) e Índice de Higiene Oral Simplificado-IHO-S. Materiais e Métodos: A pesquisa, caracterizada como um estudo descritivo e retrospectivo, com abordagem quantitativa, foi realizada por meio da análise de prontuários preenchidos dos pacientes atendidos na clínica
de SBC I. Os dados foram submetidos à análise estatística com nível de significância em 5% e hipótese nula (H0: IHO-S = Greene & Vermillion Modificado). Resultados: Não houve uma diferença estatisticamente
significante entre os índices (p=0,39). Conclusão: Os índices de higiene bucal utilizados na disciplina de SBC I não apresentaram diferença estatística.
Descritores: Índice de higiene oral. Placa dentária. Estudo comparativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karina Tonini dos Santos Pacheco, Universidade Federal do Espírito Santo, UFES
Departamento de Medicina Social da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, Brasil.
Zelaine Marques da Silva
Cirurgiã-dentista, Vitória, ES, Brasil.
Manoelito Ferreira Silva Junior, Universidade Federal do Espírito Santo, UFES
Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, Brasil.
Carolina Dutra Degli Esposti, Universidade Federal do Espírito Santo, UFES
Departamento de Medicina Social da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, Brasil.
Raquel Baroni de Carvalho, Universidade Federal do Espírito Santo, UFES
Departamento de Medicina Social da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, Brasil.

Referências

1. Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Projeto SBBrasil 2010: Pesquisa Nacional de Saúde Bucal: resultados principais. [Internet] Brasília: Ministério da Saúde, 2011.
[acesso em 10 out 2012]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/geral/projeto_
sb2010_relatorio_final.pdf
2. Saliba NA, Tumang AJ, Saliba O. Estudio comparado del indice de higiene oral simplificado. Bol Oficina Sanit Panam. 1974; 77: 115-21.
3. Garcia PPNS, Nogueira I, Dovigo LN, Dotta EAV, Dovigo MRPN, Nassour EISC, et al. Educação em saúde: efeito de um método de auto-instrução sobre os níveis de higiene oral em escolares.
Pesqui Bras Odontopediatria Clin Integr. 2009; 9: 333-7.
4. Garcia PPNS, Campos FP, Rodrigues JA, Santos PA, Dovigo LN. Avaliação dos efeitos da educação e motivação sobre o conhecimento
e comportamento de higiene bucal em adultos. Cienc Odontol Bras. 2004; 7: 30-9.
5. Cascaes AM, Peres KG, Peres MA, Demarco FF, Santos I, Matijasevich A, et al. Validade do padrão de higiene bucal de crianças aos cinco anos de idade relatado pelas mães. Rev Saúde
Pública. 2011; 45: 668-75.
6. Hebling E. Prevenção das doenças periodontais. In: Pereira AC, Assaf AV, Roncalli AG, Peres AS, Botazzo C, Ten CY, et al. Odontologia em Saúde Coletiva: planejando ações e promovendo saúde.
Porto Alegre: Artmed; 2003.
7. Gusmão ES, Diniz ES, Duarte IL, Carvalho TMA, Jovino-Silveira RC, Milhomens Filho JA. Controle mecânico-quimico do biofilme dental
supragengival: Ensaio clínico comparativo com dois dentifrícios: herbal e convencional. Int J Dent. 2004; 3: 345-8.
8. Chiapinotto GA, Meller D, Santos FB. Avaliação de meios mecânicos de limpeza. RGO. 2001; 49: 161-4.
9. Toassi RFC, Petry PC. Motivação no controle do biofilme dental e sangramento gengival em escolares. Rev Saúde Pública. 2002; 36: 634-7.
10. Gomes VE, Silva DD. A importância do controle de placa dental na clínica odontológica. Arq Odontol. 2010; 46: 22-7.
11. Dias JA, Costa AMDD, Terra FS, Costa RD, Costa MD, Zanetti HHV. Avaliação do índice de placa bacteriana e sua relação com a condição física e o acondicionamento das escovas dentais.
Odontol Clín Cient. 2010; 9: 253-5.
12. Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 196, de 10 de outubro de 1996: Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília:
Ministério da Saúde; 1997.
13. Rovida TAS, Moimaz SAS, Arcieri RM, Garbin CAS, Lima, DP. Controle da placa bacteriana dentária e suas formas de registro. Rev Fac Odontol Araçatuba 2010; 31: 57-62.
14. Ditterich RG, Portero PP, Wambier DS, Pilatti GL, Santos FA. Higiene bucal e motivação no controle do biofilme dental. Odontol Clín.-Cient. 2007;6: 123-8.
15. Ribeiro ES, César AC, Souza DM, César HF, Pallos D. Índice de placa em odontopediatria: estudo comparativo entre os métodos de PASS e O’Leary. Int J Dent. 2006; 1:43-7.
Publicado
2016-06-10
Como Citar
Pacheco, K. T. dos S., Silva, Z. M. da, Junior, M. F. S., Esposti, C. D. D., & Carvalho, R. B. de. (2016). Análise comparativa entre dois índices de higiene bucal. Arquivos Em Odontologia, 49(3). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3634
Seção
Artigos