Experiência de cárie, necessidades de tratamento e funcionamento familiar em pré-escolares: um estudo caso-controle

  • Juliana Freire de Oliveira e Silva Universidade de Pernambuco (FOP/UPE)
  • Cintia Regina Tornisiello Katz Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Resumo

Objetivo: Avaliar a relação entre experiência de cárie dentária, necessidades de tratamento e funcionamento familiar em 330 pré-escolares da rede municipal de ensino cidade do Recife/PE. Material e Métodos: Os dados foram coletados por uma examinadora calibrada, utilizando quatro instrumentos: o Formulário de Dados Socioeconômico-Demográficos, o Critério de Classificação Econômica do Brasil – ABEP (2003), a Escala de Avaliação da Coesão e Flexibilidade Familiar - FACES III e a Ficha de Exame Clínico da Organização Mundial de Saúde. Para o grupo de casos foram consideradas as crianças com índice ceo-d diferente
de zero e com pelo menos um elemento dental cariado; e para os controles, aquelas que não tinham experiência de cárie (ceo-d = 0). Para a análise estatística foram utilizados os testes Qui-quadrado de Pearson e Exato de
Fisher. Resultados: A maioria dos responsáveis entrevistados era mãe (73,0%), solteira e pertencia às classes econômicas C e D. A maioria das famílias apresentou baixo nível de coesão familiar (72,4%) e flexibilidade moderada (51,5%). Quanto às necessidades de tratamento (grupo de casos), 41,8% necessitavam de tratamento restaurador e 8,2% necessitavam de tratamentos mais complexos com procedimentos restauradores, pulpares e/ou cirúrgicos. A experiência de cárie não foi associada à coesão (p = 0,712), nem à flexibilidade familiar (p = 0,432); o mesmo sendo observado em relação às necessidades de tratamento (p = 0,964 e p = 0,607). A coesão familiar foi associada à classe econômica (p = 0,017). Conclusão: Embora não tenha sido observada associação entre o funcionamento familiar, a experiência de cárie e as necessidades de tratamento, os níveis de coesão e flexibilidade familiar encontrados chamam a atenção para a necessidade de apoio às famílias consideradas de risco, visando a organização familiar em relação às estratégias de prevenção; assim como a programação de investimentos na atenção à saúde bucal, mais direcionados a estas famílias.
Descritores: Cárie dentária. Criança. Relacionamento familiar.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Freire de Oliveira e Silva, Universidade de Pernambuco (FOP/UPE)
Programa de pós-graduação em Odontopediatria, Faculdade de Odontologia, Universidade de Pernambuco (FOP/UPE), Recife, PE
Cintia Regina Tornisiello Katz, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Departamento de Clínica e Odontologia Preventiva, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, PE.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Condições de saúde bucal da população brasileira 2002-2003: resultados principais. Brasília, DF; 2004.

Kopycka-Kedzeirawski DT, Billings RJ. Prevalence of dental caries and dental care utilization in preschool urban children enrolled in a comparative-effectiveness study. Eur. Arch. Paediatr. Dent. 2011; 12(2):133-8.

Tomar SL, Reeves AF. Changes in the oral health of us children and adolescents and dental public health infrastructure since the release of the healthy people 2010 objectives. Acad. Pediatr. 2009; 9(6):388-95.

Dye BA, Tan S, Smith V, Lewis BG, Barker LK, Thornton-Evans G, et al. Trends in oral health status: United States, 1988–1994 and 1999–2004. Vital Health Stat. 2007; 11(248):1-92.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Condições de saúde bucal da população brasileira 2010: resultados principais. Brasília, DF; 2011.

Bifulco A, Moran PM, Ball C, Jacobs C, Baines R, Bunn A, et al. Childhood adversity, parental vulnerability and disorder: examining intergenerational transmission of risk. J. Child. Psycol. Psychiat. 2002; 43(8):1075-86.

Weiss SJ, Chen JL. Factors influencing maternal mental health and family functioning during the low birth weight infant’s first year of life. J.

Pediatric. Nur. 2002; 17(2):114-25.

Moura LFDA, Moura MS, Toledo AO. Dental caries in children that participated in a dental program providing mother and children care. J.

App. Oral Sci. 2006; 14(1):53-60.

Durkheim E. As regras do método sociológico. São Paulo: Martins Fontes; 2007. 165 p.10. Olson DH, Sprenkle DH, Russel CS. Circumplex

model of marital and family systems I: Cohesion and adaptability dimensions, family types, and clinical applications. Fam. Process. 1979;18(1):3-28.

Olson DH. The Circumplex Model of Marital and Family System. J. Fam. Therapy. 2000; 22(2):144-67.

Kouneski EF. The Family Circumplex Model, Faces lI, and Faces III: Overview of Research and Applications. [Monografia]. St. Paul: Department of Family Social Science -University of Minnesota, 2000

Granville-Garcia AF, Menezes VA. Experiência de cárie em pré-escolares da rede pública e privada da cidade do Recife/PE. Pesq. Bras. Odontoped. Clin. Integr. 2005; 5(Supl.2):103-9.

Falceto OG, Busnello ED, Bozzetti MC. Validação de Escalas Diagnósticas do Funcionamento Familiar para Utilização em Serviços de Atenção Primária à Saúde. Pan Am. J. Public Health. 2000; 7(Supl.4): 255-63.

Olson DH. Circumplex Model VII: Validation Studies and FACES III. Fam. Process. 1986; 25(3):337-51.

Tomita NE, Sheiham A, Bijella VT, Franco LJ. Relação entre determinantes socioeconômicos e hábitos bucais de risco para más-oclusões em préescolares. Pesq. Odontol. Bras. 2000; 14(2):169-75.

Fleck AC, Wagner A. A mulher como principal provedora do sustento econômico familiar. Psicol. Estud. 2003; 8(1):31-8.

Peres MA, Latorre MRDO, Sheiram A, Peres KG, Hernanadez PG, MAAS AMN, et al. Determinantes sociais e psicológicos da cárie dentária em crianças de 6 anos de idade: um estudo transversal aninhado numa coorte de nascidos vivos no Sul do Brasil. Rev. Bras. Epidemiol. 2003; 6(Supl.4):293-306.

Bastos JLD, Nomura LH, Peres MA. Dental pain, socioeconomic status, and dental caries in Young male adults from southern Brazil. Cad. Saúde Pública. 2005; 21(Supl.5):1416-23.

Narvai PC, Frazão P, Roncalli AG, Antunes JLF. Cárie dentária no Brasil: declínio, iniquidade e exclusão social. Rev. Panam. Salud Publica.

; 19(Supl.6):385-93.

Goes PSA, Watt RG, Hardy R, Sheiham A. The prevalence and severity of dental pain in 14-15 yars old Brazilian schoolchildren. Community Dent. Health. 2007; 24(4):217-24.

Gomes D, Da Ros MA. A etiologia da cárie no estilo de pensamento da ciência odontológica. Ciênc. Saúde Coletiva. 2008; 13(Supl.3):1081-90.

Primosch RE. Effect of family structure on the dental caries experience of children. J. Public Health Dent. 1982; 42(Supl.2):155-68.

Peres MA, Peres KG. A saúde bucal no ciclo vital: acúmulo de riscos ao longo da vida. In: Antunes JLF, Peres MA. Epidemiologia da saúde bucal. 1a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2006. p. 246-59.

Lynch I, Tiedje LB. Working with multiproblem families in intervention model for community health nurses. Public Health Nurs. 1991;

(Supl.3):147-53.

Martin VB, Ângelo M. A organização familiar para o cuidado dos filhos: percepção das mães em uma comunidade de baixa renda. Rev. Lat. Am. Enfermagem. 1999; 7(Supl.4):89-95.

Bardal PAP, Olympio KPK, Valle AAL, Tomita NE. Cárie dentária em crianças como fenômeno natural ou patológico: Ênfase na abordagem

qualitativa. Ciênc. Saúde Coletiva. 2006; 11(Supl.1):161-7.

Vasconcelos EM. A priorização da família nas políticas de saúde. Saúde debate. 1999; 23:6-19.

Sheiham A, Nicolau B. Evaluation of social and psychological factors in periodontal disease. Periodontol. 2000. 2005; 39(1):118-31.

Souza MAA, Vianna MIP, Cangussu MCT. Disfunção familiar referida pela presença de depressão materna e/ou alcoolismo na família e

ocorrência de cárie dentária em crianças de dois e três anos de idade. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant. 2006; 6(Supl.3):309-17.
Publicado
2015-06-30
Como Citar
Silva, J. F. de O. e, & Katz, C. R. T. (2015). Experiência de cárie, necessidades de tratamento e funcionamento familiar em pré-escolares: um estudo caso-controle. Arquivos Em Odontologia, 51(2). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3703
Seção
Artigos