Conhecimento de alunos e professores sobre medidas ergonômicas

  • Ingrid Vanessa Pereira de Oliveira Faculdades Integradas de Patos, Patos, Paraíba
  • Maria Cleide Azevedo Braz Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo, São Paulo
  • Samara Cirilo Feitosa Urbano Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo, São Paulo
  • Ítalo Cardoso dos Santos Faculdade de Odontologia São Leopoldo Mandic, Campinas, São Paulo.
  • Ângela Toshie Araki Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo, São Paulo

Resumo

Objetivo: Esta pesquisa teve como objetivo investigar o conhecimento e a utilização de conceitos ergonômicos aplicados à Odontologia por discentes e docentes nas clínicas-escola de uma faculdade de Odontologia.

Métodos: Esse estudo investigou o universo de discentes matriculados em disciplinas clínicas (n=70) e respectivos docentes (n=23) do curso de Odontologia a respeito dos princípios ergonômicos utilizados na rotina clínica. Paralelamente foi pesquisada a incidência de sintomatologia dolorosa nos discentes por intermédio do questionário nórdico, The Nordic Musculoskeletal Questionnaire (NMQ), que é um instrumento de diagnóstico. A análise dos dados foi através do programa Statistical Package for the Social Sciences, realizada analítica e descritivamente. E a análise de associação entre as variáveis (Person).

Resultados: Com relação à sintomatologia dolorosa, os maiores percentuais de acometimento foram nas regiões da parte superior das costas com 23,5%, 7 dias precedentes a entrevista e pescoço com 22,6%, 12 meses precedentes a entrevista. A maioria dos docentes entrevistados (65,2%) respondeu satisfatoriamente ao conceito de ergonomia de acordo com a Associação Internacional de Ergonomia. Com relação às medidas preventivas utilizadas na disciplina, 56,5% responderam que não utilizam medidas preventivas com relação às doenças ocupacionais.

Conclusão: Pode-se concluir que o conceito de ergonomia entre os discentes participantes não foi completo e o mesmo conceito de ergonomia na percepção dos docentes, na maioria foi respondido de forma satisfatória.

Descritores: Doenças profissionais. Ergonomia. Saúde do trabalhador

Referências

(1) Cruz ALC, Silveira AD, Costa ICC. Importância da ergonomia e sua influência sobre as doenças ocupacionais da prática odontológica. ROBRAC. 2005;14(36): 26-30.

(2) Pietrobon L, Regis Filho GI. Doenças de caráter ocupacional em cirurgiões-dentistas: Um estudo de caso sobre cifoescoliose. RFO. 2010 Maio-Ago;15(2):111-8.

(3) Jesus LF, Marinha MS, Moreira MFR. Distúrbios osteomusculares em cirurgiõesdentistas: uma revisão de literatura. Rev UniAndrade. 2010;11(1):75-87.

(4) Wichansky AM. Usability testing in 2000 and beyond. Ergonomics. 2000;43(7): 998-1006.

(5) Cunha CAC, Costa ICC. Similaridades e diferenças sobre promoção de saúde e educação em saúde na opinião de concluintes de odontologia. ROBRAC. 2005;14(37):49-54.

(6) Kanteshwari K1 , Sridhar R, Mishra AK, Shirahatti R, Maru R, Bhusari P. Correlation of awareness and pratice of working postures with prevalence of musculoskeletal disorders among dental professionals. Gen Dent. 2011 NovDec;59(6):476-83

(7) Garbin AJI, Garbin CAS, Diniz DG. Normas e diretrizes ergonômicas em odontologia: o caminho para a adoção de uma postura de trabalho saudável. Rev Odontol Univ São Paulo. 2009;21(2):155-61.

(8) Martins MAS, Saldanha MCW. Problemas de saúde: determinantes da postura corporal dos estudantes universitários na clínica-escola odontológica. In: Anais do 27. Encontro Nacional de Engenharia de Produção; out 2009. Foz do Iguaçu: ABEPRO; 2009.

(9) Higino AFF et al. Informational mediation in the university-society-innovation context: potentialities, contradictions and challenges. Perspsctivas Ciênc Inf. 2009;14:163-83.

(10) Pinheiro FA, Amaral BT, Carvalho CV. Validação do questionário nórdico de sintomas osteomusculares como medida de morbidade. Rev Saúde Pública. 2002;36(3): 307-12.

(11) Texeira CS, Torres MKL, Moro ARP, Merino EAD. Fatores associados ao trabalho de operadores de checkout: Investigação das queixas musculoesqueléticas. Produção. 2009;19(3):558-68.

(12) Murofuse NT, Marziale MHP. Doenças do sistema osteomuscular em trabalhadores de enfermagem. Rev Latinoam Enferm. 2005 Maio-Jun;13(3):364-73

(13) Lacaz FAC, Vieira NP, Cortizo CT, Junqueira V, Santos APL, Santos FS. Qualidade de vida, gestão do trabalho e Plano de carreira como tecnologista em saúde na atenção básica do Sistema Único de Saúde em São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2010 Fev;26(2):253-63.

(14) Garbin D, Lemos D. A Odontologia nas políticas públicas de saúde do trabalhador. Arq Odontol. 2006;42(2):147-59.

(15) Aquino AS, Fernandes ACP. Qualidade de vida no trabalho. J Health Sci Inst. 2013;31(1):53-8.

(16) Pentikis J, Lopez M, Thomas R. Ergonomic evaluation of a government office building. Work 2002;18(2):123-31.

(17) Harutunian K, Gargallo-Albiol J, Figueiredo R, Gay-Escoda C. Ergonomics and musculoskeletal pain among postgraduate students and faculty members of the School of dentistry of the University of Barcelona (Spain): A cross-sectional study. Med Oral Patol Oral Cir Bucal. 2011 May 1;16(3):e425- 9.

(18) Verhagen AP, Karels C, Bierma-zeinstra SMA, Feleus A, Dahaghin S, Burdorf A, et al. Exercises proves effective in a systematic review of work-related complaints of the arm, neck, or shoulder. J Clinic Epidemiol. 2007;60(2):110-7.

(19) Secretaria de Inspeção do Trabalho (Brasil). Portaria nº 8, de 30 de março de 2007. Aprova o Anexo I da NR-17. Trabalho dos Operadores de Checkout.

(20) Garcia PPNS, Pinelli C, Derceli JR, Campos JADB. Musculoskeletal disorders in upper limbs in dental students: exposure level to risk factors. Braz J Oral Sci. 2012 AbrJun;11(2):148-53.

(21) Leite PC, Silva A, Merighi MAB. A mulher trabalhadora de enfermagem e os distúrbios osteomusculares relacionado ao trabalho. Rev Esc Enferm USP. 2007;41(2):287-91.

(22) Mortada SP. De jovem a estudante: apontamento críticos. Psicol Soc. 2009;21(3):376-82.
Seção
Artigos