AFETO/COGNIÇÃO SOCIAL SITUADA/CULTURAS/LINGUAGENS EM USO (ACCL) COMO UNIDADE DE ANÁLISE DO DESENVOLVIMENTO HUMANO

Autores

Palavras-chave:

Unidade de análise, Teoria Histórico-cultural, Etnografia em Educação, Cognição social situada, Afeto

Resumo

Este artigo faz uma discussão teórico-metodológica acerca da compreensão do desenvolvimento cultural de bebês e crianças pequenas por meio do Método da Unidade de Análise do ponto de vista da Teoria Histórico-cultural em diálogo com a Etnografia em Educação. Este diálogo, em que uma abordagem interroga e amplia a outra, possibilitou a construção de uma síntese de interpretação das salas de atividades como uma totalidade indivisível – a unidade de análise [afeto/cognição social situada/culturas/linguagens em uso] (ACCL). Partimos do pressuposto de que os afetos são a essência do humano, que deles deriva nossa cognição, nossa capacidade de conhecer o que se produz como culturas, pela mediação semiótica, pelas linguagens em uso, em situações sociais de desenvolvimento. É fundamental dizer que esses conceitos atuam dialeticamente, uns se opondo aos outros e, ao mesmo tempo, constituindo uns aos outros. Somente com base em uma lógica dialética que admite contradições internas entre a objetivação e a apropriação individual das culturas é que essa unidade de análise pôde ser pensada e colocada em prática em nossas pesquisas. Dessa forma, nosso foco está em compreender o que afeta os bebês e as crianças pequenas no sentido de se criar algo novo em seus desenvolvimentos, considerando que a linguagem da pessoa humana não se constitui apenas na oralidade, mas também em outras manifestações, como nos gestos, nas expressões faciais, na movimentação corporal, dentre outros. Assim, bebês e crianças pequenas carregam corpos que falam, que sentem, que pensam, que brincam produzindo sentidos para o mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria de Fátima Cardoso Gomes, UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

Professora do Departamento de Ciências Aplicadas à Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisa em Psicologia Histórico-cultural na Sala de Aula (GEPSA). Coordenadora do Programa de Pós-graduação em educação: Conhecimento e Inclusão Social e Coordenadora do FORPRED/SUDESTE.

Vanessa Ferraz Almeida Neves, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora Associada da Faculdade de Educação/UFMG e Vice-coordenadora do Programa de Pós-graduação em Educação: Conhecimento e Inclusão Social na mesma instituição. É coordenadora do Grupo Estudos em Cultura, Educação e Infância (EnlaCEI/FaE/UFMG) e membro do Grupo de Pesquisas e Estudos em Psicologia histórico-cultural na Sala de Aula (GEPSA/FaE/UFMG) e do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Infância e Educação Infantil (NEPEI/FaE/UFMG).

Publicado

2022-01-25

Edição

Seção

Artigos