ENSINO REMOTO PARA ESTUDANTES DO PÚBLICO-ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NOS INSTITUTOS FEDERAIS

Autores

Palavras-chave:

educação especial, covid-19, planejamento educacional, instituto federal, educação profissional

Resumo

Em decorrência da pandemia da Covid-19 e das medidas de distanciamento social requeridas, as aulas presenciais foram suspensas no início de 2020, e o objetivo do estudo consistiu em analisar como ficou o ensino para os estudantes público-alvo da educação especial (PAEE) nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IFs), neste cenário. A abordagem exploratória e descritiva, do tipo pesquisa de levantamento, foi realizada junto 168 docentes de diferentes campi dos IFs. A coleta de dados foi realizada por meio de questionário (Google Forms). Os dados obtidos foram sistematizados, organizados e analisados quantitativa e qualitativamente em categorias temáticas, acompanhando as variáveis do instrumento. Os resultados evidenciaram que os docentes buscaram diferentes alternativas no ensino remoto, tais como planejar colaborativamente; adotar procedimentos diferenciados no planejamento específico; prever modificações na prática pedagógica; utilizar material didático e avaliações adaptadas etc. As tecnologias e o ambiente virtual foram considerados tanto em aspectos positivos quanto desafiadores. Conclui-se que a demanda para atender às necessidades educacionais dos estudantes PAEE no ensino remoto exigiu o replanejamento dos processos pedagógicos, com diferentes ações, que variaram a depender de cada instituto. Contudo, faltaram diretrizes para elaborar o plano de ensino individualizado, assim como maior articulação com professores de educação especial, o que pode impactar na qualidade do ensino e aprendizagem do PAEE. Sugere-se que outras pesquisas sejam desenvolvidas, buscando maior aprofundamento e a avaliação das experiências docentes durante o ensino remoto no contexto da pandemia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Melina Brandt Bueno, Universidade Federal de São Carlos

Graduada em Licenciatura Plena em Pedagogia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Campus de Rio Claro/SP. Especialista em Atendimento Educacional Especializado e Educação Especial pela Universidade Cândido Mendes. Mestra em Educação Especial pelo Programa de Pós-graduação em Educação Especial (PPGEEs), da Universidade Federal de São Carlos - UFSCar. Doutoranda em Educação Especial pelo PPGEEs - UFSCar. Integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre a Escolarização da Pessoa com Deficiência (GEPEPD-UFSCar). Professora de Educação Básica I e Professora de Educação Básica II - Educação Especial, na Prefeitura Municipal de Rio Claro/SP.

Graciliana Garcia Leite, Universidade Federal de São Carlos

Graduada em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Especialização em Diversidade e Educação Inclusiva no Contexto das Ciências pela Universidade Federal de Mato Grsso (UFMT) e Especialização em Gestão de Pessoas e Projetos Sociais pela Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI).Mestre em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e Doutoranda pela mesma instituição.Graduanda em Licenciatura em Pedagogia pela Universidade Estadual de São Paulo (UNESP) Campus de Araraquara.

Carla Ariela Rios Vilaronga, Instituto Federal de São Paulo

Pedagoga formada pela UNESP campus de Rio Claro (2007), durante a graduação em Pedagogia realizou intercâmbio na Universidad Nacional de Entre Rios, na Argentina, onde cursou disciplinas no curso de Ciências da Educação. Em 2010 finalizou o Mestrado em Educação pelo Programa de Pós-Educação em Educação (UNESP), linha de pesquisa Docência, práticas escolares e formação de professores. Doutorada pelo Programa de pós em Educação Especial pela UFSCar em 2015, durante o doutoramento realizou estágio doutoral na Universidad de Alcalá- Alcalá de Henares- Madrid- Espanha. Atuou no CECEMCA- Centro de Educação Continuada em Educação Matemática, Cientifica e Ambiental como formadora de professores (Unesp- Rio Claro) De 2009 até 2015 trabalhou como pedagoga no Curso de Licenciatura em Educação Especial na Universidade Federal de São Carlos- UFSCar, tendo como principais atividades a participação em atividades relacionadas a oficinas pedagógicas, disciplinas práticas e cursos da área para alunos e professores da Rede Regular de Ensino. Desde dezembro de 2015 é docente no Instituto Federal de São Paulo, Campus São Carlos. Tem se dedicado em pesquisas relacionadas a Formação de Professores, Formação de Professores em Educação Especial e Ensino Colaborativo.

Enicéia Gonçalves Mendes, Universidade Federal de São Carlos

Doutorado em Psicologia pelo IP-USP (1995), Mestrado em Educação Especial na UFSCar, Graduação em Psicologia na FCLRP-USP. Professora Titular da Universidade Federal de São Carlos, docente do Depto de Psicologia, do Programa de Pós-Graduaçao em Educação Especial, coordenadora da rede de pesquisadores do Observatório Nacional de Educação Especial (ONEESP), líder do Grupo de Pesquisa sobre Formação de Recursos Humanos em Educação Especial (GP-FOREESP). Coordenadora do Programa de Extensão sobre Formação Continuada em Educação Especial PROEX/UFSCAR) . Estágios no exterior (Estados Unidos, França, México e Peru), e pós-doutorado na Université Paris V- Sorbonne na França (2007-2008) e na Universidade de Salamanca na Espanha (2017-2018). Atua na área de Educação com ênfase em Educação Especial. Desenvolve e orienta pesquisas sobre inclusão escolar, formação e política educacional. Ex-Presidente da Associação Brasileira de Pesquisadores da Educação Especial- ABPEE (2013-2016). Presidente da comissão Organizadora do IV, V, VI, VII e VIII Congresso Brasileiro de Educação Especial (CBEE). Ex- Membro do Comitê Assessor do CNPq (2015-2016). Ex- Membro da Comissão de Avaliação de Programas de Pós-Graduação da CAPES (2005). Bolsista Produtividade em Pesquisa 1B do CNPq. Citações: h-index 4 na Base Scopus; Índice h=31 e Índice i10=72 na Base Google Scholar.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-10-17

Edição

Seção

Artigos