Medidas implementadas em Belo Horizonte para antecipar os efeitos da chuva

Autores

  • Cindy Olivier Paolucci Consórcio Intermunicipal da Bacia Hidrográfica do Rio Paraopeba
  • Doralice Barros Pereira Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-549X..13329

Palavras-chave:

Riscos Hidrometeorológicos, PEAR, DRENURBS, Inundações, Escorregamentos

Resumo

O presente estudo analisou as medidas implementadas em Belo Horizonte, para antecipar os efeitos da chuva, por dois programas de gestão socioambiental voltados à redução do risco hidrometeorológico: o Programa Estrutural em Áreas de Risco e o Programa de Recuperação Ambiental e Saneamento dos Fundos de Vale e dos Córregos em Leito Natural de Belo Horizonte. Os riscos naturais físicos com capacidade destrutiva - os chamados riscos hidrometeorológicos - estão relacionados à ocorrência de processos naturais perigosos causados por chuva extrema (acima de 50 mm, com possibilidade de inundações e escorregamentos). Desde que o saneamento ambiental em Belo Horizonte passou a ser considerado um direito social, e não só um serviço, a Prefeitura Municipal começou a implementar medidas para a sua universalização. Aliado às medidas de reassentamento do Programa de Reassentamento em Função de Risco ou Obras Urbanas, o alcance progressivo dessas medidas diminuiu significativamente o número de atingidos. A nova estratégia de gestão habitacional da Prefeitura Municipal incluiu vilas e favelas, via urbanização, e reduziu o número de moradias em áreas de risco. Com isso, o número de famílias que viviam em situação de alto e muito alto risco de inundações e escorregamentos passou de 15.000 em 1994 para 10.650 em 2004 e 3.789 em 2008.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cindy Olivier Paolucci, Consórcio Intermunicipal da Bacia Hidrográfica do Rio Paraopeba

Geógrafa do Consórcio Intermunicipal da Bacia Hidrográfica do Rio Paraopeba.

Doralice Barros Pereira, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora Adjunta do Departamento de Geografia do IGC/UFMG.

Referências

UFMG. UFMG e Prefeitura monitoram chuvas para desenvolver sistemas de alerta e prevenção em áreas de risco. Boletim UFMG, Belo Horizonte, 7 dez. 2010. Disponível em: . Acesso em: 2 nov. 2011.

AROEIRA, Ricardo Moreira. Recuperação ambiental de bacias hidrográficas, Belo Horizonte, Brasil. In: MACHADO, Antônio Thomaz Gonzaga da Matta et al. (Org.). Revitalização de rios no mundo: América, Europa e Ásia. Belo Horizonte: Projeto Manuelzão, 2010, p. 221- 240. (Palestra do gerente executivo do Programa DRENURBS apresentada no II Seminário de Revitalização de Rios no Mundo em 2010)

ASCOM; SISEMA. Sistema de Alerta de Enchentes é discutido na bacia do rio das Velhas. Belo Horizonte: IGAM, 2009. Disponível em: Acesso em: 25 jul. 2011. AYER, Flávia. Risco para o lixo de BH. Jornal Estado de Minas, Belo Horizonte, p. 17, 24 maio 2010.

BELO HORIZONTE (PBH). Relatório Anual 2008. Belo Horizonte em números: administração pública com responsabilidade social. Belo Horizonte, 2008. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2011.

____. Prefeitura investe na limpeza da cidade. Belo Horizonte, 2009. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2011.

____. Geóloga da Urbel apresenta metodologia para classificação do risco geológico em BH. Diário Oficial do Município, Belo Horizonte, n. 3910, 15 set. 2011. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2011.

______. URBEL (PBH/ URBEL). Diagnóstico da situação de risco geológico das vilas, favelas e conjuntos habitacionais de Belo Horizonte, 2009. Belo Horizonte, 2009.

BOLLMANN, Stéphanie; VIEIRA, Victor. Não adianta olhar pro céu: problemas com enchentes vêm do mau planejamento urbano. Revista Manuelzão, Belo Horizonte, n. 57, p. 10- 13, maio 2010. BRASIL. Lei n° 6.766 de 19 de dezembro de 1979. Dispõe sobre o parcelamento do solo urbano e dá outras providências. Brasília, 1979.

CÂMARA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE (CMBH). Lei nº 7.166 de 27 de agosto de 1996. Estabelece normas e condições para parcelamento, ocupação e uso do solo urbano no município. Belo Horizonte, 1996.

CAMPOS, Luciane de Castro. Proposta de reanálise do risco geológico-geotécnico de escorregamentos em Belo Horizonte – Minas Gerais. Dissertação (Mestrado em Geotecnia e Transportes)- Departamento de Engenharia de Transportes e Geotecnia, Universidade Federal de Minas Gerais, 2011.

CERRI, Leandro Eugênio da Silva. Riscos geológicos associados a escorregamentos: uma proposta para a prevenção de acidentes. Tese (Doutorado em Geociências e Meio Ambiente)-Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, 1993.

______; NOGUEIRA, Fernando Rocha (Coords.). Plano municipal de redução de risco de Belo Horizonte (MG). Rio Claro: Unesp, Funep; Belo Horizonte: PBH, 2006.

______; BONTEMPO, Valdete; KNAUER, Sônia. Programa DRENURBS: uma discussão sobre a constituição de alianças de aprendizagem na Política de Saneamento de Belo Horizonte. In: Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 16, 2008, Caxambu. Anais eletrônicos... Caxambu: ABEP, 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2011

FRANCO, Augusto. Coleta seletiva está estagnada na capital mineira. Hoje em Dia, Belo Horizonte, 12 fev. 2011. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2011.

LOPES, Valquíria. Capacidade de BH para tratar lixo hospitalar se esgota em três anos e meio. Jornal Estado de Minas, Belo Horizonte, 27 jul. 2011. Disponível em: Acesso em: 15 nov. 2011.

NOGUEIRA, Fernando Rocha. Gerenciamento de riscos ambientais associados a escorregamentos: contribuição às políticas públicas municipais para áreas de ocupação subnormal. Tese (Doutorado em Geociências e Meio Ambiente)–Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, 2002.

OLIVEIRA, Natália. Radar meteorológico vai operar em novembro. Jornal O Tempo, Belo Horizonte, 11 out. 2011. Disponível em: Acesso em: 2 nov. 2011.

PAOLUCCI, Cindy Olivier. Risco hidrometeorológico no Município de Belo Horizonte: eficiências e deficiências desde os anos 1990. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais, 2012.

PRÁXIS, Projetos e Consultoria Ltda. Estudo de Impacto Ambiental do Programa DRENURBS. Belo Horizonte, 2003.

PRUDENTE, Cristiane Nobre; REIS, Ruibran Januário dos. Banco de dados de desastres naturais em Belo Horizonte – 1979 a 2008. Belo Horizonte: URBEL, 2008. Disponível em: . Acesso em: 6 jun. 2011.

REIS, Patrícia Elizamma. O escoamento superficial como condicionante de inundação em Belo Horizonte, MG: estudo de caso da subbacia córrego do Leitão, bacia do ribeirão Arrudas. Dissertação (Mestrado em Geologia) – Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais, 2011.

RODRIGUES, Leonardo Vinícius Leite. A remoção da vila São José na região Noroeste de Belo Horizonte: o Programa Vila Viva e a ausência da vida cotidiana. Monografia (Licenciatura em Geografia) - Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais, 2010.

VALENCIO, Norma Felicidade Lopes da Silva et al. A produção social do desastre: dimensões territoriais e político-institucionais da vulnerabilidade das cidades brasileiras frente às chuvas. Revista Teoria e Pesquisa, São Carlos, n. 44-45, p. 67-115, 2004.

VIANA, Cláudia de Sanctis. Gestão de Risco Geológico em Belo Horizonte – MG. In: Seminário Metropolitano de Gestão de Risco, 1, 2010, Belo Horizonte. Anais eletrônicos... Belo Horizonte: SEDRU, 2010. Disponível em: . Acesso em: 28 abr. 2010.

Downloads

Publicado

2012-06-01

Como Citar

Paolucci, C. O., & Pereira, D. B. (2012). Medidas implementadas em Belo Horizonte para antecipar os efeitos da chuva. Revista Geografias, 50–63. https://doi.org/10.35699/2237-549X.13329

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)