Ponderação de variáveis ambientais para a determinação do Potencial de Uso Conservacionista para o Estado de Minas Gerais

Autores

  • Adriana Monteiro da Costa
  • João Herbert Moreira Viana
  • Laís Pinheiro Evangelista
  • Dayane Caroline de Carvalho
  • Klinsmann Cortezzi Pedras
  • Ivana de Marco Horta
  • Hugo Henrique de Cardoso Salis
  • Max Paulo Rocha Pereira
  • Jarbas Lima Dias Sampaio

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-549X..13439

Palavras-chave:

Zoneamento Ambiental e Produtivo, Potencial de Recarga Hídrica, Potencial de Uso Agropecuário, Potencial de Resistência à Erosão.

Resumo

O conhecimento do meio físico é premissa básica para a compreensão das relações ambientais e para o ordenamento e planejamento do uso do solo em bacias hidrográficas. O Zoneamento Ambiental e Produtivo de bacias hidrográficas tem sido usado oficialmente em Minas Gerais, como instrumento de elaboração e acompanhamento de planos de adequação socioeconômica e ambiental. É composto das etapas de diagnóstico da disponibilidade hídrica, de levantamento do uso e de ocupação do solo e da definição de unidades de paisagem. No procedimento atual, as unidades de paisagem são delimitadas manualmente, exigindo conhecimento e experiência do técnico e deixando margem para interpretações subjetivas e para baixa reprodutibilidade. Assim, este trabalho teve como objetivo apresentar os critérios de ponderação de um método alternativo às unidades de paisagem, o mapeamento do Potencial de Uso Conservacionista (PUC). Este foi construído a partir dos componentes (1) solo, (2) litologia e (3) declividade que, respectivamente, foram ranqueados em função da (1) drenagem, fertilidade, textura e profundidade efetiva; (2) composição química e mineralógica e susceptibilidade à denudação; (3) critério da aptidão agrícola. Os pesos finais obtidos para os componentes do potencial de uso apresentaram valores coerentes com as observações empíricas do uso efetivo do solo no estado de Minas Gerais, indicando que o método pode ser usado como alternativa viável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGUIAR, M. C.; Silva, A. G. P.; GADIOLI, M. C. B. Caracterização de resíduo demármore para fabricação de rocha artificial.Anais... 22º CBECiMat - Congresso Brasileiro deEngenharia e Ciência dos Materiais. Natal,p. 939-950, 2016.

ANDERSON, D. L. Theory of the Earth. Boston: Blackwell Scientific Publications, 1989. Pgs 147 -177.BERTONI, J.; LOMBARDI NETO, F.Conservação do Solo. Piracicaba:Livroceres, 355p, 1990.

BOWEN, N.L. The evolution of the igneous rocks. Princeton, Princeton University Press, 1928.

CESARE, B; ACOSTA-VIGIL, A; BARTOLI, O; FERRERO, S. What can we learn from melt inclusions in migmatites and granulites? Lithos, Amsterdam, v. 239, p. 186–216, Dezembro de 2015.

CHRISTOFOLETTI, A. Análise morfométrica de bacias hidrográficas. Notícia Geomorfológica, v. 9, n. 18, p.35-64, 1969.

CLARKE, F. W. The data of geochemistry. Report Bulletin. Washington: U.S. Government Printing Office, 1924, p. 770.

CONCEIÇÃO, F. T.; BONOTTO, D.M. Dose de exposiçãoradiométrica e composição dasrochas sedimentares e ígneas na baciado rio Corumbataí (SP). RevistaBrasileira de Geofísica, São Paulo, v.24, n°.1, p. 37-48, Março de 2006.

CONDIE, K. C. Chemical composition and evolution of the upper continental crust: contrasting results from surface samples and shales. Chemical Geology, Amsterdam, v. 104, p. 1-37, 1993.

DALY, R. A.A. Igneous rocks and the depths of the Earth. New York, McGraw – Hill, 1933.

DON, L. A. Theory of the Earth. Blackwell Scientific Publications, Boston, p. 147 -177, 1989.

EVANGELISTA, H. J. Igneous charnockites in the southeastern transition zone between the São Francisco craton and the Costeiro mobile belt, Brazil. Revista Brasileira de Geociências, São Paulo, v. 26, nº. 2, p. 93-102, junho de 1996.

FACHETTI, F. J. S.; COSTA, A. C. D. da; SILVA, C. H. da. Magmatismo cálcio-alcalino Calimiano no embasamento do Terreno Jauru (Província Rondoniana – San Ignácio), Cráton Amazônico: geoquímica e geocronologia Sm-Nd E U/Pb. Brazilian Journal of Geology, São Paulo, v. 46, nº. 1, p. 109-128, março de 2016.

FERNANDES, M. R. et al. Minas Gerais: caracterização de unidades de paisagem. Belo Horizonte: EMATER-MG, 2013. 92 p.

GAO, S., LUO, T.-C., ZHANG, B.-R., ZHANG, H.-F., HAN, Y.-W., ZHAO, Z.-D. HU, Y.-K. Chemical composition of the continental crust as revealed by studies in East China. Geochimica et Cosmochimica Acta, Amsterdam, v. 62, p.1959-1975, junho de 1998.

GOLDICH, S. S.. A study in rock weathering. Journal of Geology. v. 46, nº 1, p. 17–58, 1938.

JAAP, PAUL M.; TAUFEN, SIMON P.VRIEND. An Application ofLithogeochemistry to the Evaluation ofthe Ni-sulphide Ore Potential ofWeathered Serpentinites in theFortaleza de Minas Greenstone Belt,Minas Gerais, Brazil. Journal ofGeochemical Exploration, v. 31, p.57-73, 1988.

KEMP, A.I.S.; HAWKESWORTH, C.J. Granitic Perspectives on the Generation and Secular Evolution of the Continental Crust. In: HOLLAND, H.D.; TUREKIAN, K.K. Treatise on geochemistry. Amsterdam: Elsevier, v. 3, 2003, p. 349-410.

LE MAITRE, R.W. The chemical variability of some common igneous rocks. Journal of Petrology, Oxford, v. 17, p. 589-637, Novembro de 1976.

LINDSEY, D. A. Petrology of Arkosic Sandstones, Pennsylvanian Minturn Formation and Pennsylvanian and Permian Sangre de Cristo Formation, Sangre de Cristo Range, Colorado--Data and Preliminary Interpretations. Washington: U.S. Government Printing Office, 2000, p. 41.

LIRA, W.S.; CÂNDIDO, GA. Gestão sustentável dos recursos naturais: uma abordagem participativa. Campina Grande: EDUEPB, 2013, 325p.

LUZ, A. P.; TOMEDI, P; MARTINS, R. Agalmatolito. In: Luz, A.P.; LINS, F. A. F. Rochas eMinerais Industriais: usos eespecificações. Rio de Janeiro:CETEM/MCT, 2008. p. 69 -78.

MACHADO, F.B.; MOREIRA, C.A.; ZANARDO, A; ANDRE, A.C.; GODOY, A.M.; FERREIRA, J. A.; GALEMBECK, T.;NARDY, A.J.R.; ARTUR, A.C.;OLIVEIRA,M.A.F.DE. Enciclopédia Multimídiade Minerais. [on-line].ISBN:85-89082-11-3 Disponível na InternetviaWWW. URL: http://www.rc.unesp.br/museudpm.Arquivo capturado em 08 de abril de2018.

NAVARRO, G. R. B. et al. Proveniência dos metassedimentos do grupo Araxá na região de Caldas Novas, Goiás. Geociências, São Paulo, v. 36, nº. 2, p. 395 - 413, 2017.

NOVO, T. A. et al. Rochas granulíticas da Suíte Caparaó na região do Pico da Bandeira: embasamento oriental do Orógeno Araçuaí. Geonomos, Belo Horizonte, v. 19, nº.2, p. 70-77, 2011.

OOSTINDIER, J.; TAUFEN, P. M.; VRIEND, S. P. An Application of Lithogeochemistry to the Evaluation of the Ni-sulphide Ore Potential of Weathered Serpentinites in the Fortaleza de Minas Greenstone Belt, Minas Gerais, Brazil. Journal of Geochemical Exploration, Amsterdam, v. 31 p. 57-73, Dezembro de 1988.

PEREIRA, S. B., PRUSKI, F. F., SILVA, D. D., e MATOS, A. D. Desprendimentoe arraste do solo pelo escoamentosuperficial. Revista Brasileira EngenhariaAgrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 7,n. 3, p.423-429, 2003.

PINTO, J. F.; STEFFENS, J. L; OLIVEIRA. F.H. Anáise fisico-ambiental urbana da Microbacia do Rio Itacorubi, florianópolis – SC, visando o uso de Spftware SIG. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 13° edição, 2007, Florianópolis. Anais. [florianopólis]: 2007. P. 3011 -3018.

PIRES E SOUZA, A.A. et al. Estudos geoquímicos de itabiritos da Serra do Sapo, Espinhaço Meridional, Minas Gerais. Geonomos, 22(2), 1-17, 2014.

PONCE, M. B.; GAMBAUDO, P. S. Capítulo V Las rocas carbonaticas. In: Minerales para la Agricultura en Latinoamérica. 2005. Disponível em: <https://intranetua.uantof.cl/salares/parte4-Carbonatos.pdf; http://www.unsam.edu.ar/publicaciones/tapas/cyted/parte1.pdf>. Acesso em 14 jan. 2018.

RABE, Claudio. Estudo experimental da interação folhelho-fluido através de ensaios de imersão. 2003, 286 f. Tese(Doutorado). Pontifícia UniversidadeCatólica de São Paulo. São Paulo, SP.

RAMALHO FILHO, A. BEEK, K.J. Sistema de avaliação da aptidão agrícola de terras. 3ª. Ed. Revisada. Rio de Janeiro, Embrapa – CNPS. 1994. 65 p.

RAPOSO, F. O. Formações ferríferas e metassedimentos químicos de áreas selecionadas do Quadrilátero ferrífero e suas relações com níveis rudáceos. 1996, 71f. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

SAATY, T. L.; SODENKAMP, M. The analytic hierarchy ande analytic network measurement processes: the measurement of intangibes. European Journal of Pure and Applied Mathematics, New York, v. 1, n 1, p, 91-166, 2010.

SANTOS, H. G.; JACOMINE, P. K. T.; ANJOS, L. H. C.; OLIVEIRA, V. A.; LUMBRERAS, J. F.; COELHO, M. R.; ALMEIDA, J. A.; CUNHA, T. J. F.; OLIVEIRA, J. B. Sistema brasileiro de classificação de solos. 3ª ed. revisada e ampliada. Brasília, DF: Embrapa, 2013, 353p.

SECRETARIA DO ESTADO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL/ SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO – SEMAD/SEAPA. Metodologia para Elaboração do Zoneamento Ambiental Produtivo: ZAP de sub-bacias hidrográficas. 2ª Edição, 2016. Disponível em:<http://www.meioambiente.mg.gov.br/images/stories/2016/ZAP/Metodologia_ZAP_-_2_edicao.pdf>. Acesso em 03 de mai. 2018.

SUN, Ming-Shan; BALDWIN, Brewster. Volcanic Rocks of the Cienega Area, Santa Fe County, New Mexico. Bulletin 54. State Bureau of Mines and Mineral Resources New Mexico Institute of Mining & Technology Campus Station Socorro, New Mexico, 1958, p. 90.

UKAEGBU, V.U.; BEKA, F.T. Petrochemistry and geotectonic significance of enderbite-charnockite association in the Pan-African Obudu plateau, southeastern Nigeria. Journal of Mining and Geology, v. 43, nº.1, p. 1 – 14, 2007.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA; FUNDAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO DE MINAS GERAIS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS; FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE. Mapa de solos do Estado de Minas Gerais: legenda expandida. Belo Horizonte: Fundação Estadual do Meio Ambiente, 2010. 49p.

USGS - United States Geological Survey. Shuttle Radar Topography Mission (SRTM) - 1 Arc-Second Global. Disponível em: < https://earthexplorer.usgs.gov/>. Acesso em: 03 fev. 2018.

Downloads

Publicado

2018-07-06

Como Citar

Costa, A. M. da, Viana, J. H. M., Evangelista, L. P., Carvalho, D. C. de, Pedras, K. C., Horta, I. de M., Salis, H. H. de C., Pereira, M. P. R., & Sampaio, J. L. D. (2018). Ponderação de variáveis ambientais para a determinação do Potencial de Uso Conservacionista para o Estado de Minas Gerais. Revista Geografias, 118–133. https://doi.org/10.35699/2237-549X.13439

Edição

Seção

Artigos