Técnicas de sensoriamento remoto para análise temporal do espelho d’água da Lagoa Grande na cidade de Sete Lagoas – MG

Autores

  • Fernanda Mara Coelho Pizani Universidade Federal de Minas Gerais
  • Max Paulo Rocha Pereira
  • Matheus Miranda da Silva
  • Marcos Antônio Timbó Elmiro

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-549X%20.2021.25893

Palavras-chave:

Sensoriamento remoto, Geotecnologia, Análise espaço-temporal, Recurso hídrico

Resumo

Nos últimos anos muitos estudos têm sido desenvolvidos acerca das pressões que os corpos hídricos vêm sofrendo frente à urbanização, industrialização e demais usos que impactam direta e indiretamente esses recursos. As superfícies lacustres exercem importante papel na qualidade ambiental de áreas urbanas e periurbanas. O município de Sete Lagoas é caracterizado pela baixa disponibilidade de água superficial, logo o consumo urbano (residencial, industrial e demais usos) é obtido quase em sua totalidade (cerca de 95%) de poços subterrâneos. As áreas de recarga hídrica são de extrema importância para manutenção dessa captação de água. A Lagoa Grande se apresenta como uma lagoa perene que demonstra uma diminuição do seu espelho d’água nos últimos dez anos, mais expressivamente nos últimos cinco anos. Este trabalho tem por objetivo demonstrar tal redução utilizando ferramentas e técnicas de sensoriamento remoto aliadas a análises estatísticas, de forma a discutir o potencial dessas metodologias no monitoramento de variáveis ambientais. Os resultados obtidos por meio das imagens de satélites mostraram-se eficientes na detecção da perceptível diminuição do espelho d’água da Lagoa Grande. Identificou-se a existência de uma significante redução da área desta lagoa em relação às demais analisadas (cerca de 81% de decréscimo do espelho d'água no período analisado – 2008 a 2018).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AQUINO, C.M.S.; VALLADARES, G.S. Geografia, Geotecnologias e Planejamento Ambiental. Geografia (Londrina), Londrina, v.22, n.1, p. 117 – 138, jan/abr, 2021.

BERBERT-BORN, M.L.C. Geoquímica dos sedimentos superficiais de lagoas da região cárstica de Sete Lagoas-Lagoa Santa (MG), e os indícios de interferências antrópicas. 1998. Dissertação (Mestrado em Geoquímica Ambiental) – Escola de Minas, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto.

CHEN, F.; ZHAO, X.; YE, H. Making Use of the Landsat 7 SLC-off ETM+ Image Through Different Recovering Approaches. In KARAKEHAYOV, Z. (Ed.). Data Acquisition Applications. London: IntechOpen, 2012. Cap.13, p.317-342.

GUIMARÃES, V. M. B. Estudo acerca das possíveis causas para o decréscimo do volume hídrico na Lagoa Grande no município de Sete Lagoas – MG. 2015. Monografia (Graduação em Geografia) – Departamento de Geografia, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Brasileiro de 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA. Banco de dados meteorológicos para ensino e pesquisa. Brasília: INMET, 2016. Disponível em: <http://www.inmet.gov.br/projetos/rede/pesquisa/>. Acesso em: 07 jul. 2016.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS. Manual do SPRING: Tutorial de Geoprocessamento. São José dos Campos: INPE, 2012. Disponível em: <http://www.dpi.inpe.br/spring/portugues/tutorial/classific.html>. Acesso em: 18 jun. 2018.

KARMANN, I. Ciclo da Água, Água subterrânea e sua ação geológica. In TEIXEIRA, W. et al. (Org.). Decifrando a Terra. São Paulo: Oficina de Textos, 2000. Cap.7, p.114-136.

LANDAU, E.C.; OLIVEIRA, R.P.C. de.; SANTOS, M.A. dos.; GUIMARÃES, D.P. Expansão Urbana da Cidade de Sete Lagoas/MG entre 1949 e 2010. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO – SBSR, 15, 2011, Curitiba: INPE, 2011, p. 4011-4016.

NATIONAL AERONAUTICS AND SPACE ADMINISTRATION. Landsat 8. Washington, 2016. Disponível em: <http://landsat.gsfc.nasa.gov/?p=3186>. Acesso em: 11 jul. 2016.

NOGUEIRA, M. Sete Lagoas: a dinâmica funcional de uma cidade média e sua inserção na rede urbana de Minas Gerais. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v.25, n.1, p.47-60, 2005.

NOVO, E. M. L. M.; TUNDISI, J. G. Sensoriamento remoto de águas interiores: Perspectivas. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, V, 1988, Natal: INPE/SELPER, 1988, p.13-21.

PINTO, C. E. T.; MENEZES P. H. B. J.; MARTINEZ, J.M; ROIG, H. L.; VILLAR, R. A. E. Uso de imagens MODIS no monitoramento do fluxo de sedimentos no reservatório de Três Marias. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.18, n.5, p.507–516, 2014.

R CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. Viena: R Foundation for Statistical Computing, 2015.

RIBEIRO, W.C.; SOUZA, J.B.; PAULO, G.L.; BARROSO, L.C. Tipologia e hierarquização da microrregião de Sete Lagoas – MG. Revista da Casa da Geografia de Sobral (RCGS), Sobral – CE, v. 15, n. 2, p. 84 – 108, 2013.

SOUZA, F.P.; AZEVEDO, J.P.S. Panorama das lagoas urbanas no Rio de Janeiro: aspectos relevantes na gestão das Lagoas Rodrigo de Freitas, Araruama e Complexo Lagunar de Jacarepaguá. Engenharia Sanitária e Ambiental, v.25 n.1, p. 197 – 204. Jan/fev 2020.

TABACHNICK, B. G.; FIDELL, L. S. Experimental designs using ANOVA. Belmont, CA: Thomson/Brooks/Cole, 2007.

Downloads

Publicado

2021-07-02

Como Citar

Pizani, F. M. C., Pereira, M. P. R., Silva, M. M. da, & Elmiro, M. A. T. (2021). Técnicas de sensoriamento remoto para análise temporal do espelho d’água da Lagoa Grande na cidade de Sete Lagoas – MG. Revista Geografias, 29(1), 81–102. https://doi.org/10.35699/2237-549X .2021.25893

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)