Explorando novos sabores: associação azeite e plantas aromáticas no Espinhaço

Autores

  • Danielle Piuzana

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-549X..16028

Palavras-chave:

especiaria, destilação, saborização, culinária

Resumo

Plantas aromáticas e o azeite permeiam a história da humanidade. Por apreciar esses alimentos, tenho unido seus sabores por meio do uso de destilador. Os experimentos de saborização de azeites com ervas e plantas mundialmente conhecidas como açafrão, alecrim, chimichurri, ervas de Provence, hortelã, louro, manjericão, orégano, pimenta calabresa, sálvia e tomilho foram satisfatórias. Testei, ainda, uma planta do Cerrado, conhecida popularmente por rosmaninho ou chá de pedestre, que apresentou um excelente resultado quanto ao sabor. A espécie é endêmica na Serra do Espinhaço e foi descrita pelo seu potencial aromático por Saint-Hilaire e von Martius em suas viagens por essa região, no século XIX. Neste sentido, tenho pesquisado por outras espécies para a aromatização de azeites, como as plantas alimentícias não convencionais, no sentido de valorar sabores regionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Carlos Alberto Nogueira et al. Azeite de Oliva e suas propriedades em preparações quentes: revisão da literatura. International Journal of Nutrology, Catanduva, v.8, n.2, p. 13-20, dez. 2015.

BELTRAN, Maria Helena Roxo. Destilação: a arte de “extrair virtudes”. Química nova na escola, São Paulo, v. 4, p. 24-27, 1996.

BOECHAT, Sonja de Castro. Aroma e sabor no jardim. Ornamental Horticulture [S.I.], v. 16, n. 1, p. 57-60, jun. 2010.

BONTEMPO, Márcio. Azeite de Oliva: Sabor, Estética e Saúde. São Paulo: Ed. Alaúde. 2008.

BRANDÃO, Maria das Graças Lins. Plantas úteis nativas do Brasil na obra dos naturalistas. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 28, n. 2, [S.I.], abr./jun. 2010.

BRANDÃO, Maria das Graças Lins et al. Useful Brazilian plants listed in the field books of the French naturalist Auguste de Saint-Hilaire (1779–1853). Journal of Ethnopharmacology, Lausanne, v.143, n.2, p. 488-500, set. 2012.

CARDOSO, Maria das Graças et al. Plantas aromáticas e condimentares. Boletim Técnico, Lavras (UFLA), v.62, 78p. 2005.

CECÍLIO FILHO, Arthur Bernardes et al. Cúrcuma: planta medicinal, condimentar e de outros usos potenciais. Ciência Rural, Santa Maria, v.30, n. 1, p. 171- 177, jan./mar. 2000.

COX, Jeff; MOINE, Marie-Pierre. Ervas Culinárias. São Paulo: Publifolha, 2011.

DATAPLAMT. Banco de dados e amostras de plantas aromáticas, medicinais e tóxicas da UFMG. Disponível em: < http://www. dataplamt.org.br/old/ bd.php>. Acesso em: 15 mai. 2017.

INMETRO. Azeite de Oliva. Disponível em: . Acesso: em 23 out. 2017.

KINUPP, Valdely Ferreira; LORENZI, Henri. Plantas alimentícias não convencionais (PANC) no Brasil: guia de identificação, aspectos nutricionais e receitas ilustradas. Nova Odessa: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2014.

LEITÃO, Suzana et al. Screening of Central and South American plant extracts for a n t i m y c o b a c t e r i a l activity by the Alamar Blue test. Revista Brasileira de Farmacognosia, João Pessoa, v.16, n.1, p. 6-11, mar. 2006.

LEITÃO, Suzana et al. Analysis of the chemical composition of the essential oils extracted from Lippia lacunose Mart. & Schauer and Lippia rotundifolia Cham. (Verbenaceae) by gas chromatographyand gas chromatographymass spectrometry. Journal of the Brazilian Chemical Society, São Paulo, v. 19, n. 7, p. 1388-1393, ago. 2008.

LORENZI, Henri; MATOS, Francisco Abreu. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2008.

MARTIUS, Karl Friedrich Philipp von. Flora Brasiliensis. Vol. IX, Fasc. 10, Prancha 39. 1851. Disponível em < http://florabrasiliensis. cria.org.br>. Acesso em: 20 dez. 2017.

MEIRA, Messulan Rodrigues; MARTINS, Ernane Ronie; RESENDE, Luciane Vilela. Ecogeography of Lippia rotundifolia Cham. in Minas Gerais, Brazil. Ciência Rural, v. 47, n. 8, e20160921, 2017.

PARACELSO, Felipe Aureolo Teofrasto Bombasto de Hohenheim. As Plantas mágicas: botânica oculta. São Paulo: Hemus Livraria Editora Ltda. 1976 [1645].

PELT, Jean Marie. Especiarias & ervas aromáticas: história, botânica e culinária. 1a ed. Rio de Janeiro: Ed. Jorge Zahar, 2003. 224p.

PINTÃO, Ana Maria; SILVA, Inês Felipa. A verdade sobre o açafrão. In: Workshop Plantas Medicinais e Fitoterapêuticas nos Trópicos, 2008, Lisboa, Portugal. Anais… Lisboa (Portugal): IICT/ CCCM. 2008. p. 1-19.

PROTESTE. Azeites. Disponível em: . Acesso em: 23 Abr. 2017.

REGIS, Ana Lúcia Rissoni Santos. Medicina herbária e fitoterapia: uma contribuição da história conceitual para o ensino e a p r e n d i z a g e m da medicina relacionada com o d e s e n v o l v i m e n t o sustentável. In: Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia, 14, 2014, Belo Horizonte, MG. Anais... Belo Horizonte (Minas Gerais): UFMG, 2014. p. 1-11.

ROSA, Carlos Augusto de Proença. História da ciência: da Antiguidade ao renascimento científico. 2a ed. Brasília: FUNAG, 2012. 3v.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Plantas Usuais dos Brasileiros. Belo Horizonte: D A T A P L A M T (UFMG), 2009 [1828].

SARAMAGO, Alfredo. A oliveira e o azeite: história e simbologia. Revista de Ciências Agrárias, Lisboa, vol. XXIV, n. 1/2, p. 7-11, mar. 2001.

SILVA, Rafael Ferreira da. Aromas do Cerrado: estudo da composição química volátil de plantas aromáticas do cerrado. 2013. 113f. Dissertação (Mestrado em Ciências). Instituto de Química, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

Downloads

Publicado

2019-11-11

Como Citar

Danielle Piuzana. (2019). Explorando novos sabores: associação azeite e plantas aromáticas no Espinhaço. Revista Geografias, 47–57. https://doi.org/10.35699/2237-549X.16028