Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir para o rodapé

Chamada Indisciplinar n. 14

2022-02-04

NOVOS VETORES DE DESENVOLVIMENTO PARA UM MUNDO DE FUTURO COMPARTILHADO NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS SUL-SUL

CHAMADA ABERTA ATÉ 01/03/2022
envio preferencialmente pela plataforma OJS ou pelo email: revistaindisciplinar@gmail.com 



A Revista Indisciplinar 14 traz como tema  "NOVOS VETORES DE DESENVOLVIMENTO PARA UM MUNDO DE FUTURO COMPARTILHADO NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS SUL-SUL" e propõem um debate sobre a constituição de um novo mundo multipolar no qual a China e a Rússia reorganizam as relações internacionais junto a uma centena de países do Sul Global que se articulam em novas organizações multilaterais para além das estabelecidas no ocidente pós Segunda Guerra Mundial como foi o caso da família ONU, composta por Un Habitat, FMI, BID, Banco Mundial, o que inclui a OTAN e diversos territórios ocupados por ela. Segundo o diplomata brasileiro Samuel Guimarães (2020), "enquanto o império hegemônico do ocidente aposta na política de desconexão: mina multilateralismo e busca reafirmar poderio militar, a China busca o apaziguamento: estabilidade interna e parcerias comerciais do tipo ganha–ganha onde o comércio exterior e o 5G são nós imediatos." (GUIMARÃES, 2020, online). Neste sentido,vislumbra-se a constituição de uma nova ordem global que cria alternativas ao mundo que vinha se configurando em um violento processo civilizatório impetrado por uma rede de elites atlanticistas (otancentristas) que vêm ditando as diretrizes, os programas e os financiamentos para o desenvolvimento territorial em grande parte do ocidente. Ao contrário da concepção ocidental Imperial este novo bloco euroasiático apresenta um novo modo de compartilhar as ideias, as riquezas e os projetos de desenvolvimento interconectados globalmente como é o caso da Nova Rota da Seda (One Belt, One Road ou Belt and Road Initiative), apresentando alternativas econômicas, culturais e produtivas via relações geopolíticas baseadas no ganha–ganha (win-win), em um processo intercivilizatório que busca um mundo onde o futuro é compartilhado.

Considerando este panorama global com possibilidades para novos vetores de desenvolvimento, estamos interessados em temas que tangenciam a produção territorial envolvendo: 

  1. Deslocamento do centro dinâmico geopolítico para a Ásia. Projetos de desenvolvimento em grande escala, associados às agendas geopolíticas e desenvolvimento territorial dos países do Sul Global. Projetos de integração latino-americano e global. Novas redes, instituições e projetos de Cooperação Sul-Sul, que envolvam o Multilateralismo, ganha-ganha (win-win), ou seja, proposições efetivas para um novo Mundo de Futuro Compartilhado; 
  2. Nova formação econômico-social e novos esquemas de planejamento, projetamento e de propriedade com destaque para Soberania Nacional;
  3. Desenvolvimento territorial e Infraestrutura. Grandes projetos de infraestrutura ligados ao capital produtivo. Novos modelos de planejamento vindos do Sul Global; 
  4. Desenvolvimento urbano e regional, clusters urbanos, planejamento territorial, infraestrutura, parcerias público-privadas, geração de pólos tecnológicos, redes colaborativas baseadas em transição de matriz econômica, energética e tecnológica dentro do novo paradigma que envolve: Quarta Revolução Industrial, geração de cadeias produtivas complexas e de alta tecnologia em relação direta com os pólos de atividades econômicas territoriais, urbanas e regionais;
  5. Estado, mercado e trabalho em uma nova sociedade com vetores tecnológicos envolvendo alta conectividade, Inteligência Artificial (IA) e robótica. Novos processos de urbanização. Digitalização e urbanização. Desenvolvimento urbano que utilize tecnologia digital para obter ganhos socioeconômicos e socioambientais. Urbanismo digital, smart cities, soft cities, eco cities. Conectividade 5G. Indústria 4.0. Processos acelerados de digitalização de logística urbana via Inteligência artificial (IA);
  6. Desenvolvimento sustentável e Justiça social. Sustentabilidade ambiental, preservação e manutenção dos ativos e serviços ecossistêmicos. Dimensão ética e político-institucional dos negócios. Diálogo com os interesses maiores da sociedade de forma transescalar e multilateral.
  7. Arte e tecnologia, aceleracionismo e saberes tradicionais, modalidades artísticas que imbricam uma nova cosmotécnica para um mundo que conecta radicalmente cultura e natureza. 

Mantemos a proposta multidisciplinar da revista, incentivando artigos em diversas áreas do conhecimento, como: urbanismo, arquitetura, artes, design, educação, direito, ciências sociais, ciências políticas, engenharias, dentre outras.

GUIMARÃES, S. P. EUA & China: Duas estratégias na luta pela hegemonia. In: Geopolítica & Guerra. Outras Palavras. São Paulo: 12 de Maio de 2020. Disponível em: https://outraspalavras.net/geopoliticaeguerra/eua-china-duas-estrategias-na-luta-pela-hegemonia. Acesso em: 01 Fev. 2022.

MAIA, M. R.; RENA, N. S. A. Dessincronizado o Ocidente: novos vetores de desenvolvimento do Sul. V!RUS n. 23, 2021. [online]. Disponível em: <http://www.nomads.usp.br/virus/virus23/?sec=4&item=2&lang=pt>. Acesso em: 04 Fev. 2022.

CHAMADA ABERTA ATÉ 01/03/2022
envio preferencialmente pela plataforma OJS ou pelo email: revistaindisciplinar@gmail.com m