Izidora em 3 atos

o conflito fundiário, a luta popular, o imaginário simbólico da terra prometida

Autores

  • Izabella Galera Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, Brasil
  • Raquel Garcia Gonçalves Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-3263.2020.29015

Palavras-chave:

Ocupações urbanas, Lutas populares, Conflitos urbanos

Resumo

O objetivo deste artigo é constituir uma trama que narre diferentes dimensões da luta da Izidora, evidenciando a distopia de uma produção de cidade hegemônica a partir do conflito fundiário, as heterotopias que emergem da luta popular e a utopia da terra prometida. Partindo do entendimento de suas diversas representações, buscou-se construir três atos que amarrem o conflito fundiário da região da Izidora: inicia-se com o contexto histórico e a apresentação do próprio conflito; em seguida, destaca-se a luta popular e os seus sujeitos revolucionários; por fim, aponta-se para o devaneio do imaginário da terra prometida. O trabalho foi construído a partir de pesquisa bibliográfica, pesquisa de campo e realização de entrevistas com moradores das ocupações. Evidencia-se que estes territórios só existem e se transformam por conta de muitas mãos, corpos e sonhos de sujeitos revolucionários, que a partir de relações de cooperação e de conflito, produzem suas casas, seus bairros, suas cidades, suas utopias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Izabella Galera, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, Brasil

Arquiteta Urbanista. Doutora em Arquitetura e Urbanismo pelo programa NPGAU - UFMG (2019). Mestre em Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável (2014) pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professora Adjunta do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Pernambuco. Pesquisadora do Observatório dos Conflitos Urbanos de Belo Horizonte - UFMG, do LEP- Laboratório Espaço e Política – UFPE e membro da Rede Internacional Antiarq - Antropologia e Arquitetura, sediada na Universidad de Barcelona. 

Raquel Garcia Gonçalves, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, Brasil

Doutora em Planejamento Urbano e Regional pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional - IPPUR/UFRJ (2005). Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2001). Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Minas Gerais (1996). Professora Associada do Departamento de Urbanismo da Escola de Arquitetura da UFMG. Professora do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo (NPGAU) da UFMG. Coordena o Observatório dos Conflitos Urbanos de Belo Horizonte. 

Referências

ALVES, Natália. Feminismo negro e a produção do espaço: uma abordagem interseccional- espacial. Dissertação (Mestrado). Escola de Arquitetura. Universidade Federal de Minas Gerias, 2018

BELO HORIZONTE. Lei n. 0082 de 24 de outubro de 1914. Revogada pela Lei n° 6370, de 12.08.93 Disponível em: <http://cm-belo-horizonte.jusbrasil.com.br/legislacao/239371/lei-8214?ref=topic_feed>. Acesso em: 01/06/2015.

BACHELARD, Gaston. O ar e os Sonhos: Ensaio sobre a imaginação do movimento. São Paulo: Martins Fontes. 1990. Trad. Antonio de Pádua Danesi.

BIZZOTTO, Luciana Maciel. #RESISTEIZIDORA: controvérsias do movimento de resistência das Ocupações da Izidora e apontamentos para a justiça urbana. MENDONÇA, Jupira Gomes. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

BOULOS, Guilherme. Organização coletiva e poder popular. In: BOULOS, Guilherme. Por que ocupamos? São Paulo: Scortecci, 2014.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988. Diário Oficial da União, Senado Federal, Brasília, 1988.

COLETIVO MARGARIDA ALVES. Pagina do facebook. Disponível em: https://www.facebook.com/coletivomargaridaalvesap/photos/a.543306255705460/1255015991201146/?type=3&theater Acesso em: 07 jun. 2019.

FOUCAULT, Michel. O corpo utópico, as heterotopias. São Paulo: Edições n-1, 2013. Trad. Salma Tannus Muchail.

FRANZONI. Julia Ávila. O Direito & O Direito. Estórias da Izidora contadas por uma fabulação jurídico-espacial.

GUSTIN. Miracy Barbosa de Sousa. Tese (Doutorado). Faculdade de Direito. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2018.

FREIRE, P. Pedagogia da Esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

FREITAS, Luis Fernando Vasconcelos. Do profavela à Izidora: a luta pelo direito à cidade em Belo Horizonte. REPOLÊS, Maria Fernanda Salcedo Dissertação (Mestrado). Faculdade de Direito da UFMG, Belo Horizonte, 2015.

ISAÍAS, Thaís Lopes Santana. Mulheres em luta: feminismos e Direito nas ocupações da Izidora. REPOLÊS, Maria Fernanda Salcedo. Dissertação(Mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

MORADO NASCIMENTO, D. As políticas habitacionais e as ocupações urbanas: dissenso na cidade. Cadernos Metrópole,

São Paulo, v. 18, n. 35, p. 145-164, abr., 2016.

RESISTE IZIDORA. Pagina do Facebook. Disponível em: https://www.facebook.com/notes/resiste-izidora/izidora-resiste-ecaminha-para-a-regulariza%C3%A7%C3%A3o-mas-pimentelpremia especuladores/1456108777868428/. Acesso em: 07 jun. 2019.

CHARLENE CRISTIANE EGIDIO, Entrevista com a moradora e liderança da Ocupação Rosa Leão, concedida a Izabella Galera, Samantha Souza, Leticia Ribeiro Santos e Leticia Lanza Maciel, na Ocupação Rosa Leão, no dia 16/05/2019.

DONA MARIA, Entrevista com a moradora da Ocupação Vitória, concedida a Izabella Galera e Leticia Ribeiro Santos, na Ocupação Vitória, no dia 24/04/19

JOAQUIM RONALDO NEVES, Entrevista com o morador da Ocupação Rosa Leão, concedida a Samantha Souza e Luciana Bizzotto na ocupação Rosa Leão, no dia 25/05/19

JOSÉ ADÃO CHAVES, Entrevista com o morador da Ocupação Vitória concedida a Izabella Galera e Leticia Ribeiro Santos na

ocupação Vitória, no dia 04/04/19.

Downloads

Publicado

2020-12-31 — Atualizado em 2020-12-31

Como Citar

Galera, I. ., & Gonçalves, R. G. . (2020). Izidora em 3 atos: o conflito fundiário, a luta popular, o imaginário simbólico da terra prometida. Indisciplinar, 6(2), 186–211. https://doi.org/10.35699/2525-3263.2020.29015