Esta é uma versão desatualizada publicada em 2020-12-31. Leia a versão mais recente.

Cartografias marinhas

Autores

  • Francisco Augusto Canal Freitas Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), Belo Horizonte, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-3263.2020.29045

Palavras-chave:

Cartografia, Portulano, Navegação, Ilhas Marshall

Resumo

Uma carta não é apenas uma representação espacial de um território, porquanto cria um território próprio. Mais que indicar pontos fixos no espaço, a carta dá coordenadas para o deslocamento. Antes da era dos satélites orbitais, uma visão exterior da Terra era possível graças à projeção espacial a partir dos astros. Toda cartografia é uma cosmografia. Nas cartas náuticas conhecidas como portulanos, a profusão de linhas que se cruzam em diferentes pontos, por mais aleatórias que pareçam à primeira vista, apontam uma infinidade de caminhos possíveis. Essas cartas, na medida em que multiplicam os pontos de referência e as linhas de rumo, fractalizam o espaço, fazem de cada ponto de partida um ponto de clivagem, transformam o ponto em linha pela velocidade do deslocamento. Com essas cartas, a primeira conquista das Grandes Navegações europeias foi a do mar antes que a da terra: operaram uma territorialização do mar ou “maritorialização” a partir de uma desterritorialização prévia da terra. Da utopia à heterotopia do “Novo Mundo”, a escrita do espaço e do tempo se constrói geopoliticamente. Comparativamente, os habitantes das Ilhas Marshall, na Micronésia, concebem um modo diferente de cartografia marinha: uma microcartografia das intensidades marítimas. Cartografar essas paisagens marinhas é um modo imersivo de criar e habitar territórios incertos. Por fim, este texto mesmo foi pensado como um portulano, cujas linhas de rumo que se cruzam nas circunferências dos parágrafos apontam para infinitos trajetos possíveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Augusto Canal Freitas, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), Belo Horizonte, Brasil

Professor de Filosofia do CEFET-MG. Doutor em Filosofia pela PUC-SP. 

Referências

AL-IDRISI, Muhammad. Tabula Rogeriana. Paris: Reliefs, 2016, [s.p.]. BAUDRILLARD, Jean. Simulacres et simulation. Paris: Galilée, 1981.

BESSE, Jean-Marc. Le rôle de la carte dans la construction du concept de terre aux XVe et XVIe siècles. Réflexions épistémologiques. CFC, n. 163, mars 2000.

BORGES, Jorge Luis. El Hacedor. Obras completas. Buenos Aires: Emecé Editores, 1974. CAUQUELIN, Anne. Le site et le paysage. Paris: Presses Universitaires de France, 2013.

DE CERTEAU, Michel. L’invention du quotidien. Tome 1. Paris: Gallimard, 1990.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Rizoma. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia 2, vol. 1. São Paulo: Ed. 34, 1995. Trad. Ana Lúcia de Oliveira, Aurélio Guerra e Célia Pinto Costa. ECO, Umberto. Da impossibilidade de construir a carta do império em escala um por um. Segundo diário mínimo. Rio de Janeiro: Record, 1994.

FERNÁNDEZ, Horacio. Del paisaje reciente: de la imagen al territorio. Madrid: Fundación ICO, 2006. FOUCAULT, Michel. De espaços outros. Estudos avançados, São Paulo, v.27, n.79, 2013.

GOODMAN, Nelson. Problems and projects. Indianapolis: Hackett Publishing Co, 1972.

JACOB, Christian. L’empire des cartes. Approche théorique de la cartographie à travers l’histoire. Paris: Albin Michel, 1992.

NOGUEIRA, Magali Gomes; BIASI, Mario de. Fontes e técnicas da cartografia medieval portulano. Terra Brasilis (Nova Série) [Online], no. 4, 2015. Disponível em: <http://journals.openedition.org/terrabrasilis/1240>. Acesso em: 19 de abril de 2019.

SIORAT, Jean-Pierre. Entre houles et îles. In: Cartes et figures de la Terre. Paris: Centre Georges Pompidou, 1980.

TIBERGHIEN, Gilles. Finis Terrae. Imaginaires et imaginations cartographiques. Paris: Bayard, 2007.

TIBERGHIEN, Gilles. Nature, Arte, Paysage. Paris: ActesSud, 2001.

TIBERGHIEN, Gilles. Sur l’imaginaire cartographique dans l’art contemporain. Espace, n. 103-104 – printemps-été 2013 [s.p]. Disponível em: <https://espaceartactuel.com/imaginairecartographique/>. Acesso em: 22 nov. 2019.

Downloads

Publicado

2020-12-31 — Atualizado em 2020-12-31

Versões

Como Citar

Freitas, F. A. C. (2020). Cartografias marinhas. Indisciplinar, 6(2), 388–405. https://doi.org/10.35699/2525-3263.2020.29045