As invisibilidades da história

Athayde Ribeiro da Silva e a psicologia do esporte no Brasil

  • Adriana Amaral do Espírito Santo Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Ana Maria Jacó-Vilela Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: psicologia do esporte, história da psicologia, futebol, Athayde Ribeiro da Silva

Resumo

O futebol chegou ao Brasil como esporte das elites e começou a se popularizar durante o governo de Getúlio Vargas, que o utilizou, juntamente com o samba, para a afirmação da identidade nacional. Neste processo, profissionalizou-se e conferiu novo status ao jogador: o de trabalhador. Esta transformação possibilitou que a Psicologia começasse a atuar junto ao esporte, com técnicas de recrutamento e seleção profissional, bem como realizando psicodiagnóstico. Um importante personagem nesta trajetória foi Athayde Ribeiro da Silva, indicado para trabalhar com a seleção brasileira de futebol em 1962 e 1966. Embora com uma vasta atuação acadêmica e profissional, Ribeiro da Silva permanece incógnito para a história da Psicologia do Esporte. O intuito deste artigo é, portanto, apresentar sua trajetória, demonstrar sua relevância para o campo e contribuir, assim, com novos dados para os profissionais da área.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Amaral do Espírito Santo, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social da UERJ. E-mail: adriana_aes@hotmail.com

Ana Maria Jacó-Vilela, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professora associada da UERJ, coordenadora do Laboratório de História e Memória da Psicologia - Clio-Psyché. E-mail: jaco.ana@gmail.com

Referências

I Congresso Sul-Americano de Psicologia Esportiva (1970, abril-junho). Arquivos Brasileiros de Psicologia Aplicada, 22(2), 137-138.

III Congresso Internacional de Psicologia Esportiva (1973, outubro-dezembro). Arquivos Brasileiros de Psicologia Aplicada, 25(4), 115-117.

Associação Brasileira de Psicologia Esportiva e Atividade Física (1970, janeiro-março). Arquivos Brasileiros de Psicologia Aplicada, 22(1), 121-123.

Campos, R. H. F. & Massimi, M. (1998). Arquivos e bibliotecas para a história da psicologia brasileira. Em J. Brozek & M. Massimi (Org.s). Historiografia da psicologia moderna (pp. 305-311). São Paulo: Loyola.

Carvalho, C. A. (2012). Além do tempo regulamentar: uma narrativa sobre a história da psicologia do esporte no Brasil. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.

Congresso Internacional de Psicologia Esportiva (1969, abril-junho). Arquivos Brasileiros de Psicologia Aplicada, 21(2), 137-138.

Daolio, J. (1998). As contradições do futebol brasileiro. Lecturas: Educación Física y Deportes, 3(10). Recuperado em 04 de abril, 2015, de www.efdeportes.com/efd10/daolio.htm

Decreto-Lei n. 3.199. (1941, 14 de abril). Estabelece as bases de organização dos desportos em todo o país. Rio de Janeiro: Presidência da República.

Drumond, M. (2009). O esporte como política de Estado: Vargas. Em M. Del Priore & V. A. de Melo (Org.s). História do esporte no Brasil: do Império aos dias atuais (pp. 213-244). São Paulo: Unesp.

Ericeira, R. (2010). A mulher é a tal: visões de compositores de marchinhas de carnaval sobre as mulheres no Rio de Janeiro nas décadas de 1930 e 1940. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.

Faiad, C., Coelho Junior, F. A., Caetano, P. F. & Albuquerque, A. S. (2012). Análise profissiográfica e mapeamento de competências nas instituições de segurança pública. Psicologia: Ciência e Profissão, 32(2), 388-403. Recuperado em 15 de junho, 2015, de www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932012000200009&lng =en&tlng=pt

Jacó-Vilela, A. M. (2001). A nova ciência, instrumento para a construção da República. Em A. M. Jacó-Vilela, A. C. Cerezzo & H. de B. C. Rodrigues (Org.s). Clio-Psyché ontem: fazeres e dizeres psi na história do Brasil (pp. 177-185). Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Lei n.º 4.119 (1962, 27 de agosto). Dispõe sobre a regulamentação da profissão de psicólogo. Brasília: Presidência da República.

Mira y López, E. & Ribeiro da Silva, A. (1964). Futebol e psicologia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Motta, J. M. C. (2005). A psicologia e o mundo do trabalho no Brasil: relações, história e memória. São Paulo: Ágora.

Oliveira, R. C. R. (2013). Rádio e educação profissional a distância: a experiência da Universidade do Ar (1947 – 1961). Dissertação de Mestrado, Curso de Mestrado em Educação Tecnológica, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Psicologia Esportiva (1971, janeiro-março). Arquivos Brasileiros de Psicologia Aplicada, 23(1), 159-160.

Ribeiro da Silva, A. (1966). A utilização do teste “minhas mãos” em orientação profissional. Arquivos Brasileiros de Psicotécnica, 18(3), 71-80. Recuperado em 02 de março, 2015, de bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/abpt/article/view/15410/14291

Ribeiro da Silva, A. (1965). Observações sôbre psicologia aplicada ao futebol. Arquivos Brasileiros de Psicotécnica, 17(3), 67-72. Recuperado em 02 de março, 2015, de bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/abpt/article/view/15113/13999

Ribeiro da Silva, A. (1967). Psicologia esportiva e preparo do atleta. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Ribeiro da Silva, A. (1972). As aptidões do futebolista. Arquivos Brasileiros de Psicologia Aplicada, 24(2), 7-20. Recuperado em 02 de março, 2015, de bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/abpa/article/view/16852/15663

Ribeiro da Silva, A. (1974). Impressões e notas sobre o III Congresso Internacional de Psicologia Esportiva. Arquivos Brasileiros de Psicologia Aplicada, 26(1), 37-54. Recuperado em 02 de março, 2015, de bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/abpa/ article/view/17046/15845

Rosas, P. (1995). Mira y López: 30 anos depois. São Paulo: Vetor.

Schultz, P. S. & Schultz, S. L. (1992). História da psicologia moderna (A. U. Sobral & M. S. Gonçalves, Trad.s). São Paulo: Cultrix. (Original publicado em 1967).

Seidl-de-Moura, M. L. (2011). Instituto Superior de Estudos e Pesquisas em Psicologia da Fundação Getúlio Vargas (ISOP/FGV) – 1970-1990. Em A. M. Jacó-Vilela (Org.). Dicionário histórico de instituições de psicologia no Brasil (pp. 350-351). Rio de Janeiro: Imago; Brasília: CFP.

Silva, S. B. & Rosas, P. (1997). Mira y Lopez e a psicologia aplicada no Brasil. Rio de Janeiro: FGV.

Publicado
2017-07-02
Como Citar
Espírito Santo, A. A. do, & Jacó-Vilela, A. M. (2017). As invisibilidades da história. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 31, 56-79. https://doi.org/10.35699/1676-1669.2016.6429
Seção
Artigos