50 anos de pós-graduação stricto sensu de Psicologia no Brasil

notas sobre seu processo de constituição (1966-2015)

  • Ana Ludmila Freire Costa Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Oswaldo Hajime Yamamoto Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Palavras-chave: pós-graduação, história da Psicologia, política científica

Resumo

O presente artigo apresenta anotações históricas sobre as principais condições e elementos envolvidos no processo de instalação, desenvolvimento e consolidação da pós-graduação stricto sensu da Psicologia brasileira. O recorte temporal corresponde ao período entre 1966, ano de criação do primeiro curso de mestrado na área, e 2015, compilando um período de 50 anos. Foi realizada análise documental de material disponível nas páginas eletrônicas de instituições responsáveis pelo setor (CAPES, CNPq, MEC, ANPEPP) e compilados dados estatísticos a partir do Portal GeoCapes, complementados com mapeamento bibliográfico a respeito da temática. A análise deste material resultou na sistematização de quatro momentos distintos: (a) as pré-condições relacionadas à atividade de pesquisa na área e os acontecimentos que orientaram a constituição dos primeiros programas; (b) o desenvolvimento do campo ao longo de 50 anos (1966-2015), com análise dos principais vetores que contribuíram para sua consolidação; (c) o retrato do quadro atual dos programas da área, destacando suas características e lacunas; e (d) reflexões em torno dos principais desafios que o circundam.

Biografia do Autor

Ana Ludmila Freire Costa, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Pós-doutoranda da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, doutora em Psicologia pela mesma instituição. E-mail: analudmila@gmail.com

Oswaldo Hajime Yamamoto, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Pprofessor titular da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, doutor em Psicologia pela Universidade de São Paulo. E-mail: oswaldo.yamamoto@gmail.com 

Referências

Angelini, A. L. & Agatti, A. P. R. (1987). A investigação psicológica no Brasil. Revista Latinoamericana de Psicologia, 19(1), 31-50.

Antonacci, M. A. (2011). Instituto de Organização Racional do Trabalho - IDORT. Em A. M. Jacó-Vilela (Org.). Dicionário histórico de instituições de psicologia no Brasil (pp. 290-291). Rio de Janeiro: Imago.

Antunes, M. A. (2004). A psicologia no Brasil no século XX: desenvolvimento científico e profissional. Em M. Massimi, & M. C. Guedes (Org.s). História da psicologia no Brasil: novos estudos (pp. 109-152). São Paulo: Educ/Cortez.

Aragón, V. A. (1998). A avaliação da pós-graduação na América Latina: necessidades e tendências. Infocapes, 6(4), 06-22.

Azevedo, F. (1958). A educação na encruzilhada: problemas e discussões. São Paulo: Melhoramentos.

Beskow, G. C. & Mota, M. S. (2009). O governo Vargas e a regulação do trabalho: ciência e tecnologia na formação do trabalhador ideal. Em S. F. Delgado, G. S. Daza & A. V. Carmona (Org.s). La ciencia y tecnología en el desarollo: una visión desde América Latina (pp. 73-86). Zacatecas, México: Universidad Autónoma de Zacatecas.

Bock, A. M. B., Ferreira, M. R., Gonçalves, M. G. M. & Furtado, O. (2007). Sílvia Lane e o projeto do compromisso social da Psicologia. Psicologia & Sociedade, 19(especial), 46-56.

Bortolozzi, F. & Gremski, W. (2004). Pesquisa e pós-graduação brasileira: assimetrias. Revista Brasileira de Pós-graduação, 1(2), 35-52.

Boufleuer, J. P. (2009). Inserção social como quesito de avaliação da pós-graduação. Revista de Educação Pública, 18(37), 371-382.

Carvalho, J. C. B. (2002). A institucionalização do primeiro mestrado em educação em 1966-70: delineando suas principais variáveis macro-políticas e institucionais. (Disponível no acervo do Núcleo de Memória da PUC-Rio, Rio de Janeiro, RJ).

Castro, L. R. (2010). Privatização, especialização e individualização: um outro mundo (acadêmico) é possível? Psicologia & Sociedade, 22(3), 622-627.

Cavalcante, L. R. (2011). Desigualdades regionais em ciência, tecnologia e inovação (CT&I) no Brasil: uma análise de sua evolução recente. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Conselho Federal de Educação. (1965). Parecer nº 977. Brasília, DF: Ministério da Educação.

Costa, A. L. F. & Yamamoto, O. H. (2008). Publicação e avaliação de periódicos científicos: paradoxos da avaliação Qualis de Psicologia. Psicologia em Estudo, 13(1), 13-24.

Costa, A. L. F., Amorim, K. M. O. & Costa, J. P. (2010). Profissão de psicólogo no Brasil: análise da produção científica em artigos. Em O. H. Yamamoto & A. L. F. Costa (Org.s). Escritos sobre a profissão de psicólogo no Brasil (pp. 31-58). Natal: Edufrn.

Costa, A. L. F., Coelho-Lima, F., Costa, J. P., Seixas, P. S. & Yamamoto, O. H. (2014). Internacionalização da pós-graduação em Psicologia: estudo comparativo dos cursos de doutorado no Brasil e na Espanha. Revista Brasileira de Pós-Graduação, 11(25), 789-818.

Cruz, R. N., & Stralen, C. J. (2012). A produção do conhecimento na psicologia social brasileira: um estudo descritivo a partir da revista Psicologia & Sociedade, 1986-1992. Psicologia & Sociedade, 24(1), 227-239.

Cunha, W. H. (1998). Carolina Martuscelli Bori e a psicologia na USP. Psicologia USP, 9(1), 49-60.

Cury, C. R. J. (2005). Quadragésimo ano do parecer CFE n. 977/65. Revista Brasileira de Educação, 30, 07-20.

Cury, C. R. J. (2010). O debate sobre a pesquisa e a avaliação da pós-graduação em Educação. Revista Brasileira de Educação, 15(43), 162-165.

Decreto n. 19.851. (1931, 11 de abril). Dispõe sobre o funcionamento e organização do ensino superior no Brasil. Rio de Janeiro: Presidência da República.

Falcão, J. T. R. (2013). O Ciência Sem Fronteiras e a psicologia. Boletim da ANPEPP, 40.

Féres-Carneiro, T. (2007). Memórias do curso de pós-graduação em Psicologia da PUC-Rio: comemorando seus 40 anos. Psicologia Clínica, 19(1), 217-225.

Féres-Carneiro, T., Bastos, A. V. B., Feitosa, M. A., Seidl-de-Moura, M. L. & Yamamoto, O. H. (2010). Lacunas, metas e condições para a expansão da pós-graduação em Psicologia no país. Psicologia: Ciência e Profissão, 23(suplemento 1), 11-24.

Fernandes, F. (1973). Capitalismo dependente e classes sociais na América Latina. Rio de Janeiro: Zahar.

Fernandes, F. (1974). A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar.

Fernandes, F. (1975). Universidade brasileira: reforma ou revolução? São Paulo: Alfa-ômega.

Ferreira, M. & Delgado, L. A. N. (2014). História do tempo presente. Rio de Janeiro: FGV.

Ferrari, I. F. & Moreira, M. I. C. (2009). A pós-graduação em psicologia: história e perspectivas. Revista comemorativa dos 50 anos do Instituto de Psicologia, 119-132.

Ferreira, M. M. & Moreira, R. L. (2002). Capes, 50 anos: depoimentos ao CPDOC/FGV. Brasília, DF: CAPES.

Germano, J. W. (1994). Estado militar e educação no Brasil (1964-1985). São Paulo: Cortez.

Gomes, W. B. (2003). Pesquisa e prática em psicologia no Brasil. Em O. H. Yamamoto, & V. V. Gouveia (Org.). Construindo a psicologia brasileira: desafios da ciência e prática psicológica (pp. 23-59). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Gomes, W. B. & Fradkin, C. (2015). Historical notes on psychology in Brazil: the creation, growth and sustenance of postgraduate education. Psicologia: Reflexão e Crítica, 28(Supl. 1), 2-13.

Gomes, W. B. & Hutz, C. S. (2010). Anotações históricas e conceituais sobre o programa de pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Psicologia: Reflexão e Crítica, 23(1), 47-57.

Guedes, M. C. (2008). Memórias da pós-graduação em psicologia no Brasil: a psicologia social da PUC-SP. Memorandum, 14, 103-115. Recuperado em 08 de setembro, 2014, de www.fafich.ufmg.br/memorandum/a14/guedes01.pdf

Heilbron, J. (2012). A ciência social europeia como campo transnacional de pesquisa. Mana, 18(2), 289-308.

Horta, J. S. B. (2006). Avaliação da pós-graduação: com a palavra os coordenadores de Programas. Perspectiva, 24(1), 19-47.

Horta, J. S. B. & Moraes, M. C. M. (2005). O sistema CAPES de avaliação da pós-graduação: da área de educação à grande área de ciências humanas. Revista Brasileira de Educação, 30, 95-116.

Hostins, R. C. L. (2006). Os Planos Nacionais de Pós-Graduação (PNPG) e suas repercussões na pós-graduação. Perspectiva, 24(1), 133-160.

Jacó-Vilela, A. M. (Org.). (2011). Dicionário histórico de instituições de psicologia no Brasil. Rio de Janeiro: Imago.

Lesbaupin, I. (2010). Governo Lula: o governo neoliberal que deu certo? Recuperado em 26 de julho, 2014, de www.iserassessoria.org.br/novo/arqsupload/133.doc

Lima, P. G. (2009). Política científica e tecnológica: países desenvolvidos, América Latina e Brasil. Dourados, MS: UFGD.

Lisboa, F. S. & Barbosa, A. J. (2009). Formação em psicologia no Brasil: um perfil dos cursos de graduação. Psicologia: Ciência e Profissão, 29(4), 718-737.

Lo Bianco, A. C., Almeida, S. S., Koller, S. & Paiva, V. (2010). A internacionalização dos programas de pós-graduação em psicologia: perfil e metas de qualificação. Psicologia: Reflexão e Crítica, 23(supl. 1), 1-10.

Macedo, R. M. (2011). Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Psicologia - ANPEPP. Em A. M. Jacó-Vilela (Org.). Dicionário histórico de instituições de psicologia no Brasil (pp. 63-65). Rio de Janeiro: Imago.

Marques, R. M. & Mendes, A. (2007). Servindo a dois senhores: as políticas sociais no governo Lula. Katálisis, 10(1), 15-23.

Marques, R. M. & Mendes, A. (2009). O social sob o "tacão de ferro" da política econômica do período 2003-2006. Economia e Sociedade, 18(3), 567-582.

Martins, C. B. (2003). Balanço: o papel da CAPES na formação do Sistema Nacional de Pós-Graduação. Em M. M. Ferreira & R. L. Moreira (Org.s). CAPES 50 anos: depoimentos ao CPDOC/FGV (pp. 294-230). Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Martins, C. E. (2007). O Brasil e a dimensão econômico-social do governo Lula: resultados e perspectivas. Katálisis, 10(1), 35-43.

Mello, S. L. (1975). Psicologia e profissão em São Paulo. São Paulo: Ática.

Minayo, M. C. S. (2010). Pós-graduação em saúde coletiva de 1997 a 2007: desafios, avanços e tendências. Ciência & Saúde Coletiva, 15(4), 1897-1907.

Ministério da Ciência e Tecnologia. (1987). Ciência e tecnologia numa sociedade democrática. Brasília, DF: Autor.

Portaria Normativa nº 17. (2009, 28 de dezembro). Dispõe sobre o mestrado profissional no âmbito da Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES. Brasília, DF: Ministério da Educação.

Otta, E., Oliveira, P. S. & Mannini, C. (2011). Quarenta anos do Instituto de Psicologia da USP. São Paulo: Edusp.

Santos, C. M. (2003). Os primeiros passos da pós-graduação no Brasil: a questão da dependência. Ensaio – avaliação e políticas públicas em educação, 10(37), 479-492.

Schmidt, M. L. S. (2011). Avaliação acadêmica, ideologia e poder. Psicologia USP, 22(2), 315-334.

Seidl-de-Moura, M. L. (2002). Treze anos de Grupos de Trabalho nos simpósios da ANPEPP: algumas tendências e evidências de promoção de maior integração. Em Anais do IX Simpósio de Pesquisa e Intercâmbio Científico (pp. 19-32). Águas de Lindóia, SP: ANPEPP.

Severino, A. J. (2003). A política de pós-graduação no Brasil: avaliando a avaliação. Em 26ª Reunião Anual da ANPED. Poços de Caldas, MG: ANPED. Recuperado em 19 de fevereiro, 2011, de http://26reuniao.anped.org.br/

Sguissardi, V. (2006). A avaliação defensiva no "modelo CAPES de avaliação". Perspectiva, 24(1), 49-88.

Sicsú, A. B. & Bolaño, C. R. (2007). Ciência, tecnologia e desenvolvimento regional. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, 3(1), 23-50.

Silva, J. A. & Biasoli-Alves, Z. M. M. (2003). Franco Lo Presti Seminerio (1923-2003): o homem, o professor, o amigo. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 19(2), 189-191.

Souza, E. P. & Paula, M. C. (2002). QUALIS: a base de qualificação dos periódicos científicos utilizada na avaliação CAPES. Infocapes, 10(2), 06-24.

Teixeira, A. (1989). Ensino superior no Brasil: análise e interpretação de sua evolução até 1969. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Tourinho, E. Z. & Bastos, A. V. B. (2010a). Desafios da pós-graduação em psicologia no Brasil. Psicologia: Reflexão e Crítica, 23(supl. 1), 35-46.

Tourinho, E. Z. & Bastos, A. V. B. (2010b). Relatório de avaliação 2007-2009 trienal 2010. Recuperado em 14 de novembro, 2010, de www.capes.gov.br

Trigueiro, M. G. (2001). A comunidade científica, o Estado e as universidades no atual estágio de desenvolvimento científico tecnológico. Sociologias, 3(6), 30-50.

Vargas, M. (2001). História da ciência e da tecnologia no Brasil: uma súmula. São Paulo: Humanitas.

Velho, L. (2011). Conceitos de ciência e a política científica, tecnológica e de inovação. Sociologias, 13(26), 128-153.

Videira, A. A. (2010). 25 anos de MCT: raízes históricas da criação de um ministério. Rio de Janeiro: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos.

Witter, G. P. (1998). Primeiras dissertações/teses em psicologia escolar/educacional da USP. Psicologia Escolar e Educacional, 2(1), 63-66.

Witter, G. P. (2005). Pós-graduação em psicologia na PUC-Campinas: dissertações e teses (1975-2004). Estudos de Psicologia (Campinas), 22(4), 365-370.

Yamamoto, O. H. & Costa, A. L. F. (2010). Escritos sobre a profissão de psicólogo no Brasil. Natal: Edufrn.

Yamamoto, O. H., Sousa, C. C. & Yamamoto, M. E. (1999). A produção científica na psicologia: uma análise dos periódicos brasileiros no período 1990-1997. Psicologia: Reflexão e Crítica, 12(2), 549-565.

Publicado
2017-07-02
Como Citar
Costa, A. L. F., & Yamamoto, O. H. (2017). 50 anos de pós-graduação stricto sensu de Psicologia no Brasil. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 31, 133-160. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6432
Seção
Artigos