Memórias de uma história

a psicologia social em São Paulo

  • Paulo Roberto de Andrada Pacheco Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Aline Pereira Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Bárbara Cocenza Carvalho Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Eleonora Corazza Stefani Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Fernando de Paula Ensinas Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Lurdes Afonso de Andrade Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Sérgio Delboni Martins Universidade Presbiteriana Mackenzie
Palavras-chave: memória e história, psicologia social,

Resumo

A Psicologia Social no Brasil passou por transformações relacionadas à reflexão crítica de sua produção, à assunção de nova postura acerca do lugar do conhecimento e ao questionamento do papel dos intelectuais frente à realidade latino-americana. A partir do método fenomenológico, resgatou-se a memória dos atores sociais diante da busca pela identidade da Psicologia Social em São Paulo, sobretudo nas décadas de 1960 e 1970. Por meio de entrevistas, recuperaram-se os principais autores e as teorias que influenciaram tais reflexões, ao mesmo tempo em que a narrativa pessoal, introduz-nos ao universo das dificuldades e conquistas experimentadas. Mostrou-se recorrente nos relatos a importância de se reavivar o papel daqueles que assumiram o lugar de bandeirantes desse sentir, pensar e agir que se inaugurava. Ademais, como consequência dos movimentos da memória, apresentou-se uma releitura das práticas do psicólogo social, a partir da contemporaneidade, e dos desafios que se impõe ao fazer acadêmico, hoje.

Biografia do Autor

Paulo Roberto de Andrada Pacheco, Universidade Presbiteriana Mackenzie

psicólogo formado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), doutor em Ciência pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo (USP), com estágio de pesquisa na École des Hautes Études en Sciences Sociales (Paris/França). Realizou atividade pós-doutoral no Instituto de Estudos da Linguagem, da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Atualmente, é professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, lecionando disciplinas na graduação em Psicologia, na pós-graduação lato-sensu em Psicologia Organizacional e do Trabalho e na pós-graduação lato-sensu em Neurociência e Psicologia Aplicada. Também é pesquisador da USP. E-mail: paulopac@yahoo.com.br

Aline Pereira, Universidade Presbiteriana Mackenzie

graduanda em Psicologia na Universidade Presbiteriana Mackenzie (2012-2016), monitora do Laboratório de Estudos de Violência e Vulnerabilidade Social (LEVV), na mesma universidade. E-mail: pereira.aline1@yahoo.com.br

Bárbara Cocenza Carvalho, Universidade Presbiteriana Mackenzie

estudante de graduação em Psicologia na Universidade Presbiteriana Mackenzie (2012-2016). E-mail: barbara_cocenza@hotmail.com

Eleonora Corazza Stefani, Universidade Presbiteriana Mackenzie

estudante de graduação em Psicologia na Universidade Presbiteriana Mackenzie (2012-2016) e de Arte: História, Crítica e Curadoria na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. É bolsista de iniciação científica (PIBIC/Mackenzie). E-mail: stele17@gmail.com

Fernando de Paula Ensinas, Universidade Presbiteriana Mackenzie

estudante de graduação em Psicologia na Universidade Presbiteriana Mackenzie (2012-2016). Estagiário de Psicologia Escolar no Colégio Elvira Brandão. E-mail: fernandoensinas@gmail.com

Lurdes Afonso de Andrade, Universidade Presbiteriana Mackenzie

estudante de graduação e licenciatura em Psicologia na Universidade Presbiteriana Mackenzie (2012-2016). Participou do Grupo de Estudos e Pesquisas Psicossociais do Cotidiano (CNPq/Mackenzie). Participou do treinamento de desenvolvimento e liderança do Instituto Nacional de Excelência Humana. E-mail: lurdes.psicologia@gmail.com

Sérgio Delboni Martins, Universidade Presbiteriana Mackenzie
estudante de graduação em Psicologia na Universidade Presbiteriana Mackenzie (2012-2016). E-mail: sergiodelboni@hotmail.com

Referências

Antunes, I. C. B., Silva, R. O. & Bandeira, T. S. (2011). A reforma universitária de 1968 e as transformações nas instituições de ensino superior. Em Anais da Semana de Humanidades, XIX. Natal: UFRN. Recuperado em 12 de abril, 2015, de www.cchla.ufrn.br/shXIX/anais/GT29/A%20REFORMA%20UNIVERSIT%C1RIA%20DE%201968%20E%20AS%20TRANSFORMA%C7%D5ES%20NAS%20INSTITUI%C7%D5ES%20DE%20ENSINO%20SUPERIOR.pdf

Benjamin, W. (2010). O narrador. Em W. Benjamin. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura (pp. 197-221). (S. P. Rouanet, Trad.). São Paulo: Brasiliense (Original publicado em 1936).

Bomfim, E. M. (2004). Históricos cursos de psicologia social no Brasil. Psicologia e Sociedade, 16(2), 32-36. Recuperado em 12 de abril, 2015, de www.scielo.br/ pdf/psoc/v16n2/a05v16n2.pdf

Bosi, E. (2003). O tempo vivo da memória: ensaios em psicologia social. São Paulo: Ateliê Editorial.

Carvalho, B. P. & Souza, T. M. S. (2010). A “escola de São Paulo” de psicologia social: apontamentos históricos. Psicologia em Estudo, 15(4), 713-721. Recuperado em 12 de abril, 2015, de www.scielo.br/pdf/pe/v15n4/v15n4a06.pdf

Goski, P. & Schnaider, L. (Diretores). (2014). A psicologia social e o social na psicologia [Documentário]. São Paulo: Conselho Regional de Psicologia. Recuperado em 12 de abril, 2015, de www.crpsp.org.br/memoria/social/videos.aspx.

Guedes, M. C. (2008). Memórias da pós-graduação em psicologia no Brasil: a psicologia social da PUC-SP. Memorandum, 14, 103-115. Recuperado em 11 de setembro, 2014, de www.fafich.ufmg.br/memorandum/a14/guedes01.pdf

Halbwachs, M. (1995). Memoria colectiva y memoria historica. Revista Española de investigaciones sociológicas, 69, 209-222. Recuperado em 02 de outubro, 2014, de dialnet.unirioja.es/descarga artículo/758929.pdf.

Moreira, D. A. (2002). O método fenomenológico na pesquisa. São Paulo: Pioneira Thomson.

Nagamine, J. M. (2003). A democracia da PUC-SP. Recuperado em 10 de abril, 2015, de www.pucsp.br/redesenho/downloads/democracia_da_pucsp.pdf

Olmos, J. R. D. (2003). A relação entre narração e memória como possibilidade metodológica na constituição da história da psicologia no Brasil. Memorandum, 4, 40-47. Recuperado em 11 de setembro, 2014, de www.fafich.ufmg.br/memorandum/artigos04/ olmos01.htm.

Sandoval, S. (2000). O que há de novo na psicologia social latino-americana. Em R. H. F. Campos & P. A. Guareschi (Org.s). Paradigmas em psicologia social: a perspectiva latino-americana (pp. 101-109). Petrópolis, RJ: Vozes.

Schmidt, M. L. S. & Mahfoud, M. (1993) Halbwachs: memória coletiva e experiência. Psicologia USP, 4, 285-298. Recuperado em 05 de maio, 2013, de www.revistas.usp.br/ psicousp/article/view/34481

Thompson, J. B. (2000). A metodologia da interpretação. Em J. B. Thompson. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa (pp. 357-427). (P. A. Guareschi e col., Trad.s). Petrópolis, RJ: Vozes (Original publicado em 1990).

Publicado
2017-07-02
Como Citar
Pacheco, P. R. de A., Pereira, A., Carvalho, B. C., Stefani, E. C., Ensinas, F. de P., Andrade, L. A. de, & Martins, S. D. (2017). Memórias de uma história. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 31, 161-174. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6433
Seção
Artigos