Considerações acerca do problema da corporeidade em Marx

  • Lucas Carvalho Peto Universidade Estadual Paulista
  • Danilo Saretta Verissimo Universidade Estadual Paulista
Palavras-chave: Marx, corpo, subjetividade

Resumo

Objetiva-se evidenciar e discutir os fundamentos que tornam possível problematizar a questão da corporeidade [Leiblichkeit] a partir dos escritos de Marx. A questão da corporeidade não fora objeto de sistematização nos postulados marxianos. Os “críticos pós-modernos” imputam aos escritos pautados nos postulados marxianos a dificuldade de se confrontar com o estudo do corpo. Nas próprias pesquisas de base marxiana há tendência a rechaçar a questão da corporeidade, classificando-a como desvio relativo à centralidade das questões estruturais de ordem político-econômica. Em Marx, contudo, fundamentações acerca da problemática da corporeidade jazem em íntima relação com as categorias constituintes do ser social. Problematizar a corporeidade com base nos postulados marxianos é concebê-la em relação orgânico-processual com a produtividade humana, com a configuração histórica da sensibilidade e da ação humanas. Intenta-se evidenciar fundamentos para uma abordagem que recoloque a corporeidade no campo das problemáticas referentes ao ser social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Carvalho Peto, Universidade Estadual Paulista

graduado em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) – Faculdade de Ciências e Letras de Assis e mestrando na mesma instituição. Desenvolve pesquisa acerca da problemática da corporeidade na filosofia de Karl Marx com financiamento da FAPESP (processo 2014/19916-8). E-mail: lucaspeto@gmail.com

Danilo Saretta Verissimo, Universidade Estadual Paulista

Professor Assistente Doutor do Departamento de Psicologia Evolutiva, Social e Escolar e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Faculdade de Ciências e Letras de Assis, da Universidade Estadual Paulista (UNESP). Doutor em Psicologia pela Universidade de São Paulo e Doutor em Filosofia pela Université Jean Moulin – Lyon III. E-mail: danilo.verissimo@gmail.com

Referências

Barbosa, M., Matos, P. & Costa, M. (2011). Um olhar sobre o corpo: o corpo ontem e hoje. Psicologia & Sociedade, 23(1), 24-34. Recuperado em 20 de novembro, 2014, de www.scielo.br/pdf/psoc/v23n1/a04v23n1.pdf

Bröhm, J-M. (2007). Depois de mim, o dilúvio! Imagens da morte e da negação do corpo em Marx (M. Said, Trad.). Em J. Nóvoa (Org.). Incontornável Marx (pp. 339-367). Salvador: Edufba; São Paulo: Unesp.

Daolio, J. (1995). Da cultura do corpo. Campinas, SP: Papirus.

Eagleton, T. (1998). As ilusões do pós-modernismo (E. Barbosa, Trad.). Rio de Janeiro: Zahar. (Original publicado em 1996).

Harvey, D. (2000a). O corpo como estratégia de acumulação (A. U. Sobral & M. S. Gonçalves, Trad.s). Em D. Harvey. Espaços de esperança (pp. 135-160). São Paulo: Loyola.

Harvey, D. (2000b). The body as an accumulation strategy. Em D. Harvey. Spaces of hope (pp. 97-116). Edinburgh: Edinburgh University Press.

Harvey, D. (2013). Para entender O Capital (R. Enderle, Trad.). São Paulo: Boitempo. (Original publicado em 2010).

Herold Junior, C. (2008). Os processos formativos da corporeidade e o marxismo: aproximações pela problemática do trabalho. Revista Brasileira de Educação, 13(37), 98-111. Recuperado em 10 de dezembro, 2014, de www.scielo.br/pdf/rbedu/v13n37/09.pdf

Herold Junior, C. (2009). Os estudos sobre o corpo para além da apologia e da negação: contraposição crítica ao pós-modernismo. Educar, 33, 221-234. Recuperado em 13 de dezembro, 2014, de www.scielo.br/pdf/er/n33/15.pdf

Le Breton, D. (2007). A sociologia do corpo (S. M. S. Fuhrmann, Trad.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Original publicado em 1992).

Lyotard, J. (2011). A condição pós-moderna (R. C. Barbosa, Trad.). Rio de Janeiro: José Olympio. (Original publicado em 1979).

Lukács, G. (2012). Para uma ontologia do ser social I (C. N. Coutinho, M. Duayer & N. Schneider, Trad.s). São Paulo: Boitempo. (Original publicado em 1984).

Lukács, G. (2013). Para uma ontologia do ser social II (N. Schneider, I. Tonet, R. V. Fortes, Trad.s). São Paulo: Boitempo. (Original publicado em 1984).

Luxemburgo, R. (1970). A acumulação do capital: estudo sobre a Interpretação Econômica do Imperialismo (M. Bandeira, Trad.). Rio de Janeiro: Zahar. (Original publicado em 1913).

Marx, K. (2010). Manuscritos econômico-filosóficos (J. Ranieri, Trad.). São Paulo: Boitempo. (Original de 1844, publicação póstuma em 1932).

Marx, K. (2011). Grundisse: manuscritos econômicos de 1857-1858 (M. Duayer & N Schneider, Trad.s). São Paulo: Boitempo. (Original de 1857-58, publicação póstuma em 1939).

Marx, K. (2013). O Capital: crítica da economia política (v.1) (R. Enderle, Trad.). São Paulo: Boitempo. (Original publicado em 1867).

Mészáros, I. (2006). A teoria da alienação em Marx (I. Tavares, Trad.). São Paulo: Boitempo. (Original publicado em 1970).

Mészáros, I. (2011). Para além do capital: rumo a uma teoria da transição (P. C. Castanheira & S. Lessa, Trad.s). São Paulo: Boitempo. (Original publicado em 1995).

Ranieri, J. (2001). A câmara escura: alienação e estranhamento em Marx. São Paulo: Boitempo.

Sánchez, O. (2011). El cuerpo en Marx, Bourdieu y Foucault. Ciencias Sociales de la Universidad Iberoamericana, 11, 121-137. Recuperado em 15 de dezembro, 2014, de www.ibero.mx/iberoforum/11/pdf/6.%20BARRERA%20VOCES%20Y%20CONTEXTOS%20%20IBEROFRORUM%20NO%2011.pdf

Publicado
2017-07-02
Como Citar
Peto, L. C., & Verissimo, D. S. (2017). Considerações acerca do problema da corporeidade em Marx. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 31, 193-205. https://doi.org/10.35699/1676-1669.2016.6435
Seção
Artigos