Considerações acerca do problema da corporeidade em Marx

  • Lucas Carvalho Peto Universidade Estadual Paulista
  • Danilo Saretta Verissimo Universidade Estadual Paulista
Palavras-chave: Marx, corpo, subjetividade

Resumo

Objetiva-se evidenciar e discutir os fundamentos que tornam possível problematizar a questão da corporeidade [Leiblichkeit] a partir dos escritos de Marx. A questão da corporeidade não fora objeto de sistematização nos postulados marxianos. Os “críticos pós-modernos” imputam aos escritos pautados nos postulados marxianos a dificuldade de se confrontar com o estudo do corpo. Nas próprias pesquisas de base marxiana há tendência a rechaçar a questão da corporeidade, classificando-a como desvio relativo à centralidade das questões estruturais de ordem político-econômica. Em Marx, contudo, fundamentações acerca da problemática da corporeidade jazem em íntima relação com as categorias constituintes do ser social. Problematizar a corporeidade com base nos postulados marxianos é concebê-la em relação orgânico-processual com a produtividade humana, com a configuração histórica da sensibilidade e da ação humanas. Intenta-se evidenciar fundamentos para uma abordagem que recoloque a corporeidade no campo das problemáticas referentes ao ser social.

Biografia do Autor

Lucas Carvalho Peto, Universidade Estadual Paulista

graduado em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) – Faculdade de Ciências e Letras de Assis e mestrando na mesma instituição. Desenvolve pesquisa acerca da problemática da corporeidade na filosofia de Karl Marx com financiamento da FAPESP (processo 2014/19916-8). E-mail: lucaspeto@gmail.com

Danilo Saretta Verissimo, Universidade Estadual Paulista

Professor Assistente Doutor do Departamento de Psicologia Evolutiva, Social e Escolar e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Faculdade de Ciências e Letras de Assis, da Universidade Estadual Paulista (UNESP). Doutor em Psicologia pela Universidade de São Paulo e Doutor em Filosofia pela Université Jean Moulin – Lyon III. E-mail: danilo.verissimo@gmail.com

Referências

Barbosa, M., Matos, P. & Costa, M. (2011). Um olhar sobre o corpo: o corpo ontem e hoje. Psicologia & Sociedade, 23(1), 24-34. Recuperado em 20 de novembro, 2014, de www.scielo.br/pdf/psoc/v23n1/a04v23n1.pdf

Bröhm, J-M. (2007). Depois de mim, o dilúvio! Imagens da morte e da negação do corpo em Marx (M. Said, Trad.). Em J. Nóvoa (Org.). Incontornável Marx (pp. 339-367). Salvador: Edufba; São Paulo: Unesp.

Daolio, J. (1995). Da cultura do corpo. Campinas, SP: Papirus.

Eagleton, T. (1998). As ilusões do pós-modernismo (E. Barbosa, Trad.). Rio de Janeiro: Zahar. (Original publicado em 1996).

Harvey, D. (2000a). O corpo como estratégia de acumulação (A. U. Sobral & M. S. Gonçalves, Trad.s). Em D. Harvey. Espaços de esperança (pp. 135-160). São Paulo: Loyola.

Harvey, D. (2000b). The body as an accumulation strategy. Em D. Harvey. Spaces of hope (pp. 97-116). Edinburgh: Edinburgh University Press.

Harvey, D. (2013). Para entender O Capital (R. Enderle, Trad.). São Paulo: Boitempo. (Original publicado em 2010).

Herold Junior, C. (2008). Os processos formativos da corporeidade e o marxismo: aproximações pela problemática do trabalho. Revista Brasileira de Educação, 13(37), 98-111. Recuperado em 10 de dezembro, 2014, de www.scielo.br/pdf/rbedu/v13n37/09.pdf

Herold Junior, C. (2009). Os estudos sobre o corpo para além da apologia e da negação: contraposição crítica ao pós-modernismo. Educar, 33, 221-234. Recuperado em 13 de dezembro, 2014, de www.scielo.br/pdf/er/n33/15.pdf

Le Breton, D. (2007). A sociologia do corpo (S. M. S. Fuhrmann, Trad.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Original publicado em 1992).

Lyotard, J. (2011). A condição pós-moderna (R. C. Barbosa, Trad.). Rio de Janeiro: José Olympio. (Original publicado em 1979).

Lukács, G. (2012). Para uma ontologia do ser social I (C. N. Coutinho, M. Duayer & N. Schneider, Trad.s). São Paulo: Boitempo. (Original publicado em 1984).

Lukács, G. (2013). Para uma ontologia do ser social II (N. Schneider, I. Tonet, R. V. Fortes, Trad.s). São Paulo: Boitempo. (Original publicado em 1984).

Luxemburgo, R. (1970). A acumulação do capital: estudo sobre a Interpretação Econômica do Imperialismo (M. Bandeira, Trad.). Rio de Janeiro: Zahar. (Original publicado em 1913).

Marx, K. (2010). Manuscritos econômico-filosóficos (J. Ranieri, Trad.). São Paulo: Boitempo. (Original de 1844, publicação póstuma em 1932).

Marx, K. (2011). Grundisse: manuscritos econômicos de 1857-1858 (M. Duayer & N Schneider, Trad.s). São Paulo: Boitempo. (Original de 1857-58, publicação póstuma em 1939).

Marx, K. (2013). O Capital: crítica da economia política (v.1) (R. Enderle, Trad.). São Paulo: Boitempo. (Original publicado em 1867).

Mészáros, I. (2006). A teoria da alienação em Marx (I. Tavares, Trad.). São Paulo: Boitempo. (Original publicado em 1970).

Mészáros, I. (2011). Para além do capital: rumo a uma teoria da transição (P. C. Castanheira & S. Lessa, Trad.s). São Paulo: Boitempo. (Original publicado em 1995).

Ranieri, J. (2001). A câmara escura: alienação e estranhamento em Marx. São Paulo: Boitempo.

Sánchez, O. (2011). El cuerpo en Marx, Bourdieu y Foucault. Ciencias Sociales de la Universidad Iberoamericana, 11, 121-137. Recuperado em 15 de dezembro, 2014, de www.ibero.mx/iberoforum/11/pdf/6.%20BARRERA%20VOCES%20Y%20CONTEXTOS%20%20IBEROFRORUM%20NO%2011.pdf

Publicado
2017-07-02
Como Citar
Peto, L. C., & Verissimo, D. S. (2017). Considerações acerca do problema da corporeidade em Marx. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 31, 193-205. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6435
Seção
Artigos