“Problemáticos ou invisíveis”

o imaginário coletivo de idosos sobre adolescentes

  • Natália Del Ponte de Assis Pontifícia Universidade Católica de Campinas
  • Rafael Aiello-Fernandes Pontifícia Universidade Católica de Campinas
  • Tânia Aiello-Vaisberg Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Palavras-chave: adolescência, preconceito, imaginário coletivo

Resumo

A presente pesquisa investiga o imaginário coletivo de idosos sobre adolescentes, inserindo-se entre estudos qualitativos que vêm detectando formas sutis de preconceitos contra grupos pouco reconhecidos como alvos, tais como adolescentes e pessoas adotadas. Alinha-se segundo referencial psicanalítico intersubjetivo, que compreende que o método psicanalítico se funda sobre a adoção de uma atitude fenomenológica e demanda a consideração dos contextos vinculares e socioculturais nos quais os fenômenos estudados têm lugar. A realização de entrevistas individuais de seis idosos, residentes em zona urbana de uma cidade de interior, organizadas ao redor do Procedimento de Desenhos-Estórias com Tema, permitiu a produção interpretativa de dois campos de sentido afetivo-emocional: ”Seres Problemáticos” e “Seres Negados”. O quadro geral indica que prevalecem imaginários preconceituosos, apontando para uma questão social e culturalmente relevante que requer transformações tendo em vista a criação de relações mais solidárias e construtivas entre as gerações. 

Biografia do Autor

Natália Del Ponte de Assis, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

psicóloga, doutoranda e mestra em Psicologia como Ciência e Profissão, no Grupo de Pesquisa: Atenção Psicológica Clínica em Instituições: Prevenção e Intervenção, pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Bolsista CAPES. E-mail: nataliadpassis@gmail.com

Rafael Aiello-Fernandes, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

psicólogo, doutorando e mestre em Psicologia como Ciência e Profissão no Grupo de Pesquisa: Atenção Psicológica Clínica em Instituições: Prevenção e Intervenção, pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Bolsista CNPQ. E-mail: aiello.fernandes.rafael@gmail.com

Tânia Aiello-Vaisberg, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

professora livre-docente em Psicopatologia, doutora em Psicologia Clínica e mestra em Psicologia Clínica pela Universidade de São Paulo. Atualmente, é docente da Pontifícia Universidade Católica de Campinas e professora permanente do Programa de Pós Graduação em Psicologia. E-mail: aiello.vaisberg@gmail.com

Referências

Aiello-Vaisberg, T. M. J. (1999). Encontro com a loucura: transicionalidade e ensino de psicopatologia. Tese de Livre Docência, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2005). Os monstros, o método e o estabelecimento da capacidade ética. Em T. M. J. Aiello-Vaisberg & F. F. Ambrósio (Org.s). Cadernos Ser e Fazer: reflexões éticas na clínica contemporânea (pp. 09-26). São Paulo: Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.

Aiello-Vaisberg, T. M. J. & Machado, M. C. L. (2005). Narrativas: o gesto do sonhador brincante. Em Anais do Encontro Latino Americano dos Estados Gerais da Psicanálise, 4 [CD-ROM]. São Paulo: Estados Gerais da Psicanálise.

Aiello-Vaisberg, T. M. J., Machado, M. C. L., Ayouch, T., Caron, R. & Beaune, D. (2009). Les récits transferenciels comme presentation du vécu clinique: une proposition méthodologique. Em D. Beaune. (Org.). Psychanalyse, philosophie, art: dialogues (pp. 39-52), Paris: L’Harmattan.

Baranger, M. & Baranger, W. (1969). Problemas del campo psicoanalítico. Buenos Aires: Kargieman.

Barreto, M. A. M. (2006). Do vôo preciso: considerando o imaginário coletivo de adolescentes. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, SP.

Barreto, M. A. & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2010). O tornar-se adulto no imaginário coletivo de adolescentes interioranos. Psicologia em Revista, 16(2), 310-329. Recuperado em 20 de setembro, 2014, de pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-11682010000200006&lng=pt&tlng=pt.

Barus-Michel, J. (2005). Entre sofrimento e violência: a produção social da adolescência. Em Anais do 1 Simpósio Internacional do adolescente [online]. São Paulo: Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Recuperado em 1 de abril, 2009, de www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=MSC0000000082005000100018&lng=en&nrm=iso.

Bleger, J. (1963). Psicologia de la conducta. Buenos Aires: Paidós.

Bleger, J. (1988). Simbiose e ambiguidade (M. L. Borges, Trad.). Rio de Janeiro: São Francisco Alves. (Original publicado em 1968).

Bleger, J. (2003) Temas de psicologia: entrevistas e grupos (R. M. de Moraes, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado 1979).

Botelho-Borges, A. A., Barcelos, T. F. & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2013). Leal a si mesmo: um diálogo com o filme “Meu tio matou um cara”. XI Jornada Apoiar Adolescência: identidade e sofrimento na clínica social (pp. 104-113). São Paulo: Biblioteca Dante Moreira Leite do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.

Cabreira, J. C., Pontes. M. L. S., Tachibana, M. & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2007a). O imaginário coletivo de adolescentes sobre a adolescência no mundo atual. Em I Jornada de Psicanálise e Fenomenologia. Campinas, SP: Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Recuperado em 26 de abril, 2013, de serefazer.psc.br/wp-content/uploads/2012/10/Texto-I-Jornada-Psicanalise-e- Fenomenologia.pdf

Cabreira, J. C., Pontes. M. L. S., Tachibana, M. & Aiello-Vaisberg, T.M.J. (2007b). Ódio e discriminação contra “emos”: um estudo sobre o imaginário coletivo de adolescentes. Em Jornada sobre a criança e o adolescente. São Paulo: Universidade de São Paulo. Recuperado em 27 de setembro, 2013, de serefazer.psc.br/wp-content/uploads/2012/10/Texto-Simposio-NPCR.pdf.

Camps, C. I. C. de M. (2003). A hora do beijo: teatro espontâneo com adolescentes numa perspectiva winnicottiana. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Castoriadis, C. (1975). L’institution imaginaire de la societé. Paris: Seuil.

Durand, G. (1993). Les structures anthropologiques de l’imaginaire. Paris: Dunod.

Ferreira, M. C. (2006). Encontrando a criança adotiva: um passeio pelo imaginário coletivo de professores à luz da psicanálise. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Psicologia do Centro de Ciências da Vida, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, SP.

Ferrigno, J. C. (2009). O conflito de gerações: atividades culturais e de lazer como estratégia de superação com vistas à construção de uma cultura intergeracional solidária. Tese de Doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Ferro, A. & Civitarese, G. (2015). The analytic field and its transformations. London: Karnac Books.

Flasher, J. (1978). Adultism. Adolescence, 13(51), 517–523.

França, L. H. F. P., Silva, A. M T. B. & Barreto, M. S. L. (2010). Programas intergeracionais: quão relevantes eles podem ser para a sociedade brasileira? Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 13(3), 519-531. Recuperado em 10 de abril, 2014, de www.scielo.br/pdf/rbgg/v13n3/a17v13n3.pdf

Gióia-Martins, D. F. (1998). Obesidade: estudo das representações sociais de endocrinologistas em hospital público. Tese de Doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Gottlieb, A. (2012). Tudo começa na outra vida (M. Sobreira, Trad.). São Paulo: Unifesp. (Original publicado em 2004).

Granato, T. M. M. & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2004). Tecendo a pesquisa clínica em narrativas psicanalíticas. Mudanças – Psicologia da Saúde, 12(2), 253-271.

Greenberg, J. R. & Mitchell, S. A. (1994). Relações objetais na teoria psicanalítica (E. O. Diehl, Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas. (Original publicado em 1983).

Hermann, F. (1979). O método da psicanálise. São Paulo: Brasiliense.

Klein, A. (2008). Adolescents without adolescence: reflections on adolescents formation of subjectivity and their families in a Neoliberal context. The Spanish Journal of Psychology, 11(2), 464-479.

Lacan, J. (1966). Ecrits. Paris: Seuil.

Laplanche, J. & Pontalis, J. B. (1967). Vocabulário de psicanálise (P. Tamen, Trad.). Lisboa: Presença. (Original publicado em 1967).

Le François, B. A. (2014). Adultism. Em Encyclopedia of critical psychology (pp. 47-49). New York: Springer.

Liberman, A. (2014). Stephen A. Mitchel y el psicoanalisis rioplatense clasico (Bleger): convergencias. Clinica y Investigacion Relacional, 8(1), 51-60.

Mencarelli, V. L., Bastidas, L. S. & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2008). A difícil notícia do diagnóstico da síndrome de imunodeficiência adquirida para jovens: considerações psicanalíticas com base na perspectiva winnicottiana. Revista Psicologia: Teoria e Prática, 10(2), 106-120. Recuperado em 28 de novembro, 2015, de editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/article/view/473/286

Merleau-Ponty, M. (1945). Phénoménologie de la percepcion. Paris: Gallimard.

Minhoto, M., Ambrosio, F. F. & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2006). Utilización del procedimiento dibujos-cuentos con tema en la investigación del imaginario de adolescentes sobre niños de la calle. Em Resumenes y Trabalhos del XIII Congreso Latinoamericano de Rorschach y Metodos Proyectivos [CD-ROM]. Lima: Pontifícia Universidad Católica del Peru.

Mitchell, S. A. (1993). Hope and dread in psychoanalysis. New York: Basic Books.

Mitchell, S. A. (2013). Relational psychoanalysis: the emergence of a tradition. New York: Rotledge, Kindle Edition.

Montezi, A. V., Zia, K. P., Tachibana, M. & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2011). Imaginário coletivo de professores sobre o adolescente contemporâneo. Psicologia em Estudo, 16(2), 299-305.

Montezi, A. V., Barcelos, T. F., Ambrosio, F. F. & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2013). Linha de passe: adolescência e imaginário em um filme brasileiro. Psicologia em Revista, 19, 74-88.

Ogden, T. (1994). Subjects of analysis. Northvale, Estados Unidos da América: Aronson.

Pratta, E. M. M. & Santos, M. A. (2007a). Família e adolescência: a influência do contexto familiar no desenvolvimento psicológico de seus membros. Psicologia em Estudo, 12(2), 247-256.

Pratta, E. M. M., & Santos, M. A. (2007b). Opiniões dos adolescentes do ensino médio sobre o relacionamento familiar e seus planos para o futuro. Paidéia (Ribeirão Preto), 17, 103-114.

Politzer, G. (2003). Critica de los fundamientos de la psicologia. Paris: PUF. (Original publicado 1928).

Pontes, M. L. S. (2011). A hora H: o imaginário coletivo de profissionais da saúde mental sobre adolescência. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, SP.

Reis, B. E. (2009). Psychoanalytical dialogues. Internacional Journal of Relational Perspectives, 9(3), 371-393.

Resende, T. F. (2006). Crianças e informação: papéis da família e da escola. Educação & Realidade, 31(2), 171-188.

Salles, L. M. F. (2005). Infância e adolescência contemporânea: alguns apontamentos. Estudos de Psicologia, 22(1), 33-41.

Sartre, J. P. (1986). L’imaginaire. Paris: Gallimard. (Original publicado em 1940).

Sastre, S. (1974). La psicología, red ideológica. Buenos Aires: Tiempo Contemporáneo.

Scalon, C. & Salata, A. (2012). Uma nova classe média no Brasil da última década?: o debate a partir da perspectiva sociológica. Sociedade e Estado, 27(2), 387-407. Recuperado em 1 de dezembro, 2014, de www.scielo.br/pdf/se/v27n2/a09v27n2.pdf

Souza, E. M. (2003). Integração entre gerações na promoção da saúde: estudo qualitativo no Brasil. Revista de Saúde Pública, 37(4), 463-469.

Spezzano, C. (1996). The three faces of two-person psychology: development ontology and epistemology. Psychoanalytic Dialogues, 6, 599-622.

Stolorow, R. D. (1997). Review essay: principles of dynamic systems, intersubjectivity, and the obsolete distinction between one-person and two-person psychologies. Psychoanalytic Dialogues, 7, 859-868.

Stororow, R. D. & Atwood, G. E. (1992). Contexts of being. Hillsdale, Estados Unidos da América: The Analytic Press.

Tachibana, M. & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2008). Estilo clínico Ser e Fazer: relato de uma intervenção institucional com mulheres que perderam a guarda dos filhos. Em IX Simpósio CEFAS e II Jornada FLAPAG. Campinas, SP: CEFAS. Recuperado em 18 de junho, 2015, de serefazer.psc.br/estilo-clinico-ser-e-fazer-relato-de-uma-intervencao-institucional-com-mulheres-que-perderam-a-guarda-dos-filhos/

Taylor, C. (2003). Modern social imaginaires. Durham, Inglaterra: Duke University.

Trinca, W. (1976). Investigação clínica da personalidade: o desenho livre como estímulo de apercepção temática. Belo Horizonte: Interlivros.

Publicado
2017-07-02
Como Citar
Assis, N. D. P. de, Aiello-Fernandes, R., & Aiello-Vaisberg, T. (2017). “Problemáticos ou invisíveis”. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 31, 259-275. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6439
Seção
Artigos