Formação em psicologia no Brasil

o período do currículo mínimo (1962-2004)

  • Caio Rudá Universidade Federal da Bahia
  • Denise Coutinho Universidade Federal do Sul da Bahia
  • Naomar de Almeida Filho Universidade Federal do Sul da Bahia
Palavras-chave: currículo mínimo; diretrizes curriculares nacionais; educação superior; formação do psicólogo

Resumo

Apresenta-se súmula histórica da formação em Psicologia no Brasil entre 1962 e 2004, focalizando o período do Currículo Mínimo. Examina-se a dimensão da formação, balizada pela trajetória socioeconômica e política do país e os debates sobre formação e profissionalização. Realizou-se leitura crítica de textos contemporâneos à consolidação da profissionalização e à expansão do ensino da Psicologia, além de documentos que resgatam a história desse movimento ou oferecem contextualização dessa dimensão. Encontrou-se flagrante descontentamento com a formação pré-determinada e uniforme para cursos de Psicologia; o Currículo Mínimo, dispositivo garantidor da uniformidade da formação, não respondia às exigências da sociedade. Inúmeras propostas apontavam para reformulação curricular como modo de alcançar transformações propostas para a formação. No auge desse processo, foram implantadas as Diretrizes Curriculares Nacionais em Psicologia, referencial normativo flexível, que reconhece a pluralidade do campo e estabelece orientações gerais para a formação.

 

Biografia do Autor

Caio Rudá, Universidade Federal da Bahia
mestre em Estudos Interdisciplinares sobre a Universidade pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Foi Professor Substituto no Instituto de Psicologia da UFBA. Atualmente é Professor na Faculdade Regional da Bahia (UNIRB) e Vice-Coordenador no Núcleo Bahia da Associação Brasileira de Ensino de Psicologia.
Denise Coutinho, Universidade Federal do Sul da Bahia
Professora Adjunto IV do Instituto de Psicologia e dos Programas de PG em Psicologia e em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Cedida à Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB).
Naomar de Almeida Filho, Universidade Federal do Sul da Bahia
Professor Titular do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Reitor pro tempore da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB). Bolsista CNPq de Produtividade em Pesquisa Nível 1-A (Proc. 306.341/2011-5).

Referências

Achcar, R. (1994). Introdução. EmConselho Federal de Psicologia (Org.). Psicólogo brasileiro: práticas emergentes e desafios para a formação (pp. 9-15). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Angelini,A. & Dória, C. S. (1964/1965). Contribuição para a formação básica do psicólogo. Boletim de Psicologia, 16-17(47-50), 41-45.

Angelini, A. (1975). Aspectos atuais da profissão de psicólogo no Brasil. Boletim de Psicologia, 26(69), 31-39.

Antunes, M. A. M. (2006). A consolidação da psicologia no Brasil (1930-1962): sistematização de dados e algumas aproximações analíticas.Psicologia da Educação,22, 79-94. Recuperado em 18 de março, 2014, de pepsic.bvsalud.org/pdf/psie/n22/v22a05.pdf

Associação Brasileira de Psicotécnica (1954). O problema da regulamentação da profissão de psicologista: anteprojeto de lei apresentado ao Ministro da Educação pela Associação Brasileira de Psicotécnica. Arquivos Brasileiros de Psicotécnica, 6(2), 45-50. Recuperado em 06 de novembro, 2015, de http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/abpt/ article/view/13446/12348.

Baptista, M. T. D. S. (2010). A regulamentação da profissão Psicologia: documentos que explicitam o processo histórico [número especial]. Psicologia: Ciência e Profissão, 30, 170-191. Recuperado em 06 de novembro, 2015, de www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S1414-98932010000500008&lng=en&tlng=pt

Baptista, M. T. D. S.(2011). Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Sedes Sapientiae –1947-1974. Em A. M. Jacó-Vilela (Org.). Dicionário histórico de instituições da psicologia no Brasil(pp. 200-202). Rio de Janeiro: Imago. Recuperado em 19 de março, 2014, de newpsi.bvs-psi.org.br/ebooks2010/pt/ Acervo_files/DicionarioHistorico.pdfBastos, A. V. B., Gomes, W. B. (2012). Polaridades conceituais e tensões teóricas no campo da psicologia: o falso paradoxo indivíduo/coletividade. Psicologia: Ciência e Profissão, 32(3), 662-673. Recuperado em 19 de abril, 2014, de www.scielo.br/pdf/pcp/v32n3/ v32n3a11.pdf

Benkö, A. (1964-1965). Formação profissional do psicólogo. Boletim de Psicologia, 16-17(47-50), 75-89. Benkö, A. (1970). Como se tem feito e como deverá ser feito o treinamento do psicólogo clínico? Arquivos Brasileiros de Psicologia Aplicada, 22(2), 21-35.

Bernardes, J. (2004). O debate atual sobre a formação em psicologia no Brasil: permanências, rupturas e cooptações nas políticas educacionais. Tese de Doutorado, Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP.

Botomé, S. P. (1979). A quem, nós, psicólogos, servimos de fato? Psicologia, 5(1), 1-16.

Bourdieu, P. (1998). Futuro de classe e causalidade doprovável. Em M. A. Nogueira & A. Catani (Org.s). Escritos de educação (3a ed., pp. 81-126). Petrópolis, RJ: Vozes. (Original publicado em 1974).

Brzezinski, I. (2010). Tramitação e desdobramentos da LDB/1996: embates entre projetos antagônicos de sociedade e de educação. Trabalho, Educação e Saúde, 8(2), 185-206. Recuperado em 15 de julho, 2014, de www.scielo.br/pdf/tes/v8n2/a02v8n2.pdf

Cabral, A. (1953). Requisitos básicos da formação de psicologistas. Ciência e Cultura, 5(1), 43-44.Cabral, A. (1954). Problemas da formação de psicólogos. Boletim de Psicologia, 5-6(18-20), 64-68.

Carvalho, A. M. A. (1982). A profissão em perspectiva. Psicologia, 8(2), 5-17.

Castro, A. E. F. & Yamamoto, O. H. (1998). A psicologia como profissão feminina: apontamentos para estudo. Estudos de Psicologia, 3(1), 147-158.

Centofanti, R. (1982). Radecki e a psicologia no Brasil. Psicologia: Ciência e Profissão, 3(1), 2-50. Recuperado em 06 de maio, 2014, de www.scielo.br/pdf/pcp/v3n1/01.pdf

Charlot, B. & Silva, V. A. (2010). De Abelardo até a classificação de Xangai: as universidades e a formação dos docentes. Educar em Revista, 37, 39-58. Recuperado em 11 de dezembro, 2014, de www.scielo.br/pdf/er/n37/a04n37.pdf

Coimbra, C. M. R. (1999). Práticas “psi” no Brasil do “milagre”: algumas de suas produções. Em: A. M. Jacó-Vilela, F. Jabur & H. B. C. Rodrigues (Org.s). Clio-Psyché: histórias da psicologia no Brasil (pp. 43-53). Rio de Janeiro: UERJ/NAPE.

Conselho Federal de Psicologia (Org.). (1988). Quem é psicólogo brasileiro?São Paulo: Edicon.

Conselho Federal de Psicologia (Org.). (1992). Psicólogo brasileiro: construção de novos espaços. Campinas, SP: Átomo & Alínea.

Conselho Federal de Psicologia (Org.). (1994). Psicólogo brasileiro: práticas emergentes e desafios para a formação.São Paulo: Casa do Psicólogo.

Costa, J. P, Costa, A. L. F., Lima, F. C., Seixas, P. S., Pessanha, V. C. & Yamamoto, O. H. (2012). A produção científica sobre a formação de psicólogos no Brasil. Psicologia em Pesquisa, 6(2), 130-138. Recuperadoem 19 de março, 2014, de www.ufjf.br/ psicologiaempesquisa/files/2013/02/v6n2a06.pdf

Cunha, L. A. (1975). A expansão do ensino superior: causas e consequências. Debate & Crítica, 5, 27-58.Decreto n. 21.173(1932, 19 de março). Converte o atual Laboratório de Psicologia da Colônia de Psicopatas, no Engenho de Dentro, em Instituto de Psicologia. Rio de Janeiro: Presidência da República. Recuperado de www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/ 1930-1939/decreto-21173-19-marco-1932-515745-publicacaooriginal-1-pe.html

Degani-Carneiro, F. & Jacó-Vilela, A. M. (2012). Religião na história da psicologia no Brasil: o caso do protestantismo. Diaphora, 12(1), 70-79. Recuperado em 08 de novembro, 2015, de www.sprgs.org.br/diaphora/ojs/index.php/diaphora/article/viewFile/49/49

Dimenstein, M. D. B. (1998). O psicólogo nas Unidades Básicas de Saúde: desafios para a formação e atuação profissionais.Estudos de Psicologia, 3(1), 53-81. Recuperado em 18 de março, 2014, de www.scielo.br/pdf/epsic/v3n1/a04v03n1.pdf

D‟Amorim, M. A. (1980). Formação de psicólogos no Brasil –II. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 32(1), 549-552.

D‟Amorim, M. A. (1988). Emprego e desemprego. Em Conselho Federal de Psicologia (Org.). Quem é psicólogo brasileiro?(pp. 138-148). São Paulo: Edicon.

Féres-Carneiro, T. (2010). Departamento de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) –1967-. Em A. M. Jacó-Vilela (Org.). Dicionário histórico de instituições da psicologia no Brasil (pp. 147-148). Rio de Janeiro: Imago. Recuperado em 19 de março, 2014, de newpsi.bvs-psi.org.br/ebooks2010/pt/Acervo_files/ DicionarioHistorico.pdf

Figueiredo, L. C. (1991). Matrizes do pensamento psicológico. Petrópolis, RJ: Vozes.

Franco, M. A. C. (1985). Acesso à universidade: uma questãopolítica e um problema metodológico. Educação e Seleção, 12, 9-26.

Gauer, G. & Gomes, W. B. (2005). O curso da reforma: ensino de psicologia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Psicologia: Reflexão e Crítica, 15(3), 497-513. Recuperado em 11 dedezembro, 2014, de www.scielo.br/pdf/prc/v15n3/a05v15n3

Góis, C. W. L. (1984). Proposta de umcaminho para a psicologia junto à classe oprimida: por uma psicologia popular. Revista de Psicologia, 2(1), 87-122.

Goldenberg, J. P. (1980). Problemas gerais do exercício profissional –IV. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 32(1), 580-583.

Gomes, W. B. & Hutz, C. (2010). Anotações históricas e conceituais sobre o Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Psicologia: Reflexão & Crítica, 23(supl.1), 47-57. Recuperado em 21 de janeiro, 2015, de www.scielo.br/pdf/prc/v23s1/v23s1a06.pdf

Gomide, P. I. C. (1988). A formação acadêmica: onde residem suas deficiências. Em Conselho Federal de Psicologia (Org.). Quem é psicólogo brasileiro? (pp. 69-85). São Paulo: Edicon.

Instituto de Seleção e Orientação Profissional. (1949). Curso de análise crítica dos métodos de exploração da personalidade. Arquivos Brasileiros de Psicotécnica, 1(2), 99-100. Recuperado em 24 de fevereiro, 2014, de bibliotecadigital.fgv.br/ ojs/index.php/abpt/article/download/12789/11670

Instituto de Seleção e Orientação Profissional. (1951). Cursos de extensão e aperfeiçoamento. Arquivos Brasileiros de Psicotécnica, 3(4), 111-124. Recuperado em 24 de fevereiro, 2014, de bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/abpt/article/download/13031/11911

Instituto de Seleção e Orientação Profissional. (1952). Cursos de formação, extensão e aperfeiçoamento. Arquivos Brasileiros de Psicotécnica,4(4), 113-121. Recuperadoem 24 de fevereiro, 2014, de bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/abpt/article/download/ 13231/12132

Japur, M. (1994). Formação em psicologia: a perspectiva da carta de Serra Negra. Paidéia,7, 42-55. Recuperado em 06 de maio, 2014, de www.scielo.br/pdf/paideia/n7/05.pdf

Jacó-Vilela, A. M. (2010). Antonio Gomes Penna: psicologia, história e filosofia em uma trajetória dedicada ao ensino. Memorandum, 19, 239-248. Retirado em 06 de novembro, 2015, de www.fafich.ufmg.br/memorandum/a19/jacovilela02

Jacó-Vilela, A. M. & Rocha, L. F. D. (2014). Uma perspectiva católica da psicologia no Brasil: análise de artigos da revista “A Ordem”. Psicologia em Pesquisa, 8(1), 115-126. Recuperado em 08 de novembro, 2015, de www.ufjf.br/ psicologiaempesquisa/files/2014/07/v8n1a11.pdf

Kodjaoglanian, V. L., Benites, C. C. A., Macário, I., Lacoski, M. C. E. K., Andrade, S. M. O., Nascimento, V. N. A. & Machado, J. L. (2003). Inovando métodos de ensino-aprendizagem na formação do psicólogo. Psicologia: Ciência e Profissão, 23(1), 2-11. Recuperado em 22 de janeiro, 2015, de www.scielo.br/pdf/pcp/v23n1/v23n1a02.pdf

Lei n. 4.024. (1961, 20 de dezembro). Fixa as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República. Recuperado em 06 de maio, 2014, de www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l4024.htm

Lei n. 4.119 (1962, 27 de agosto). Dispõe sobre os cursos de formação em psicologia e regulamenta a profissão de psicólogo. Brasília, DF: Presidência da República. Recuperado de em 06 de maio, 2014, de www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4119-27-agosto-1962-353841-normaatualizada-pl.html.

Lei n. 9.394.(1996, 20 de dezembro). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República. Recuperado em 06 de maio, 2014, dewww2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1996/lei-9394-20-dezembro-1996-362578-normaatualizada-pl.html

Lima, M. (2005). Atuação psicológica em serviços públicos de saúde em Salvador do ponto de vista dos psicólogos. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA.

Lima, R. S. (2012). A psicologia comunitária no Rio de Janeiro entre 1960 e 1990. Psicologia: Ciência e Profissão,32(spe.1), 154-165. Recuperado em 18 de março, 2014, de www.scielo.br/pdf/pcp/v32nspe/v32speca11.pdf

Lourenção van Kolck, O. (1975). A formação e as funções do psicólogo clínico no Brasil. Boletim de Psicologia, 26(69), 51-58.

Lourenço Filho, M. B. (1971). A psicologia no Brasil. Arquivos Brasileiros de Psicologia Aplicada, 23(3), 113-141.

Martins, C. B. (2009). A reforma universitária de 1968 e a abertura para o ensino superior privado no Brasil.Educação & Sociedade, 30(106), 15-35. Recuperado em 13 de março, 2014, de www.scielo.br/pdf/es/v30n106/v30n106a02

Masetto, M. (2004). Inovação na educação superior. Interface: Comunicação, Saúde eEducação, 8(14), 197-202. Recuperado em 10 de dezembro, 2014, de www.scielo.br/pdf/icse/v8n14/v8n14a17.pdf

Masetto, M. (2011). Inovação curricular no ensino superior. Revista e-Curriculum, 7(2), 1-20. Recuperado em 10 de dezembro, 2014, de revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/ article/view/6852/4966

Medeiros, J. G. (1989). O currículo como objeto de pesquisa.Psicologia: Ciência e Profissão, 9(1), 24-25. Recuperado em 19 de março, 2014, de www.scielo.br/pdf/pcp/v9n1/07.pdf

Mello, S. L. (1975a). A formação profissional dos psicólogos: apontamentos para um estudo. Psicologia, 1(1), 15-20.

Mello, S. L. (1975b). Psicologia: características da profissão. Boletim de Psicologia, 26(69), 41-50.Parecer n. 403. (1962, 19 de dezembro). Parecer do Conselho Federal de Educação sobre currículo mínimo dos cursos de Psicologia. Brasília, DF: Ministério da Educação e Cultura. Recuperado em 19 de março, 2014, de www.abepsi.org.br/portal/wp-content/uploads/2011/07/1962-parecern403de19621.pdf

Parecer CNE/CES n. 776(1997, 3 de dezembro). Orientação para as diretrizes curriculares dos Cursos de Graduação. Brasília, DF: Ministério da Educação. Recuperado em 06 de maio, 2014, de portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES0776.pdf

Parecer CNE/CES n. 1.314.(2001, 7 de novembro).Diretrizes Curriculares para o Curso de Graduação em Psicologia. Brasília, DF: Ministério da Educação. Recuperado em 19 de março, 2014, de portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/ces062.pdf

Parecer CNE/CES n. 72(2002, 20 de fevereiro). Retificação do Parecer CNE/CES de 1.314/2001 relativo às Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. Brasília, DF: Ministério da Educação. Recuperado em 15 de julho, 2014, de portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES0072.pdf

Parecer CNE/CES n. 62(2004, 19 de fevereiro). Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. Brasília, DF: Ministério da Educação. Recuperado em 15 de julho, 2014, de portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/ces062.pdf

Patto, M. H. (1982). O papel social e a formação do psicólogo: contribuição para um debate necessário. Boletim de Psicologia, 34(82-83).

Penna, A. G. (1980). Formação de psicólogos no Brasil –I. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 32(1), 545-548.

Penna, A. G. (1997). Repensando a psicologia. Rio de Janeiro: Imago.Pereira, F. M. & Pereira Neto, A. (2003). O psicólogo no Brasil: notas sobre seu processo de profissionalização.Psicologia em Estudo, 8(2), 19-27. Recuperado em 18 de março, 2014, de www.scielo.br/pdf/pe/v8n2/v8n2a02

Psicologia: Ciência e Profissão (1989). Com a palavra, duas coordenações de cursos.Psicologia: Ciência e Profissão, 9(1), 22-23. Recuperado em 19 de março, 2014, de www.scielo.br/pdf/pcp/v9n1/06.pdf

Rasera, E., Balaz, F. & Yazlle, C. (1998). O currículo oculto em psicologia: a experiência dos alunos. Temas em Psicologia, 6(1), 45-50. Recuperado em 19 de janeiro, 2015, de pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v6n1/v6n1a05.pdf

Resolução CNE/CES n. 8(2004, 7 de maio).Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Psicologia. Brasília, DF: Ministério da Educação. Recuperado em 19 de março, 2014, de portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_ download&gid=7690&ItemidRocha Júnior, A. (1999). Das discussões em torno da formação em psicologia às diretrizes curriculares. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 1(2), 3-8. Recuperado em 06 de maio, 2014, de editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/article/view/1144/852Rosas, P., Rosas, A. & Xavier, I. B. (1988). Quantos e quem somos. Em Conselho Federal de Psicologia (Org.). Quem é psicólogo brasileiro? (pp. 32-48). São Paulo: Edicon.

Rosemberg, F. (1984). Afinal, por que somos tantas psicólogas? Psicologia: ciência e profissão, 4(1), 6-12. Recuperado em 06 de novembro, 2015, de pepsic.bvsalud.org/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S1414-98931984000100002&lang=pt&tlng=pt

Rozestraten, R. (1976). A reestruturação do currículo do curso de graduação em psicologia: uma aplicação da tecnologia instrucional. Arquivos Brasileiros de Psicologia Aplicada, 28(2), 78-104.

Russo, J. (1999). Uma leitura antropológica do mundo “psi”. Em A. M. Jacó-Vilela, F. Jabur & H. B. C. Rodrigues (Org.s). Clio-Psyché: histórias da psicologia no Brasil (pp. 37-42). Rio de Janeiro: UERJ/NAPE.

Sá, M. A. (2012). A participação dos psicólogos de São Paulo na regulamentação da profissão. Psicologia: Ciência & Profissão, 32(n. esp.), 86-103. Recuperado em 07 de novembro, 2015, de www.redalyc.org/pdf/2820/282024795007.pdf

Sallum Júnior, B. & Kugelmas, E. (1991). O Leviathan declinante: a crise brasileira dos anos 80.Estudos Avançados,5(13), 145-159. Recuperado em 18 de março, 2014, de www.scielo.br/pdf/ea/v5n13/v5n13a09

Schmidt, M. L. S. & Souza, M. P. R. (2010). Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IPUSP) –1969. Em A. M. Jacó-Vilela (Org.). Dicionário histórico de instituições da psicologia no Brasil (pp. 310-311). Rio de Janeiro: Imago. Recuperado em 19 de março, 2014, de newpsi.bvs-psi.org.br/ebooks2010/pt/Acervo_files/DicionarioHistorico.pdf

Seminério, F. L. P. (1980). Formação de psicólogos no Brasil –V. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 32(1), 560-567.

Silva, M. V. O. (1995). A emergência da cultura psicológica na Bahia: do pré-psiquiatrismo ao pós-psicanalítico, cursos e percursos de uma trajetória. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Saúde Comunitária, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA.

Soares, A. R. (2010). A psicologia no Brasil.Psicologia: Ciência e Profissão, 30(esp.), 8-41. Recuperado em 19 de março, 2014, de www.scielo.br/pdf/pcp/v30nspe/ v30speca02.pdf

Teixeira, A. (1968). Uma perspectiva da educação superior no Brasil.Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 50(111), 21-82.

Vasconcelos, R. (1980). Problemas gerais do exercício profissional –III. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 32(1), 577-579.

Vianna, C. P. & Unbehaum, S. (2004). O gênero nas políticas públicas de educação no Brasil: 1988-2002. Cadernos de Pesquisa, 34(121), 77-104. Recuperado em 15 de julho, 2014, de www.scielo.br/pdf/cp/v34n121/a05n121.pdf

Weber, S. (1985). Currículo mínimo e o espaço da pesquisa na formação do psicólogo. Psicologia: Ciência e Profissão, 5(2), 11-13. Recuperado em 19 de março, 2014, de www.scielo.br/pdf/pcp/v5n2/04.pdf

Weber, S. & Carraher, T. N. (1982). Reforma curricular ou definição de diretrizes? Uma proposta para o curso de Psicologia. Psicologia, 8(1), 1-13.

Publicado
2015-10-24
Como Citar
Rudá, C., Coutinho, D., & Almeida Filho, N. de. (2015). Formação em psicologia no Brasil. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 29, 59-85. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6471
Seção
Artigos